Opinião

Direito Agrário e a história de superação

diario da manha

Richard Nixon Especial para  Opiniãopública

Um dos ramos mais importantes das Ciências Jurídicas, o Direito Agrário regula praticamente todas as relações existentes do campo. Abrange questões ligadas ao uso da terra, contratos, tributos, meio ambiente, direitos trabalhistas, securitários, creditícios, fundiários, dentre outros. Possui regulação prevista na Lei nº 4.504, de 30 de novembro de 1964, que dispõe sobre o Estatuto da Terra.
A Constituição Federal, em seu artigo 22, inciso I, reserva a competência legislativa, em matéria de Direito Agrário, exclusivamente à União. Ele é regrado por diversos princípios, entre os quais, o princípio da função social da propriedade, que visa incentivar a utilização mais racional da propriedade.
O Estado de Goiás tem revelado talentos extraordinários para o País em todas as áreas de atividade, como: música, medicina, engenharia, esporte, comunicação, literatura, Direito e outras. Um dos exemplos é o advogado goiano Djalma Rezende. Optante pelo Direito Agrário em função da sua origem vinculada à terra, ele é hoje é um dos mais renomados juristas desse ramo em todo o Brasil.
Mas até chegar à notoriedade, com 30 anos de carreira, esse goiano de sucesso no mundo do Direito percorreu uma espinhosa estrada. Autor de uma das obras-primas da literatura brasileira, Grande Sertão: Veredas, o romancista Guimarães Rosa afirmou que, “viver é muito perigoso, porque aprender a viver é que é o viver mesmo”. Essa maravilhosa aventura, que é a vida, torna-se ainda mais fascinante, quando os desafios são enfrentados com perseverança e determinação.
Um passo importante é não se entregar ao fracasso, mas sim, compreender aquilo que não deu certo, levantar a cabeça e tentar novamente. O escritor, que tão bem retratou os sertões em seus contos e romances, está coberto de razão. Viver implica arriscar-se. E o maior risco é errar. Porém, viver também implica estar certo. E a maior certeza é a de que, a cada erro, mais se pode aprender.
Em sua árdua trajetória, esse goiano teve derrotas, correu riscos e cometeu erros. Entretanto, jamais se acovardou. A cada insucesso, soube erguer a cabeça e persistir na batalha em busca do acerto. Passou por todo tipo de privação até a idade adulta. Filho de um pobre lavrador, morou num casebre muito humilde em uma fazenda na sua terra natal, Mineiros (GO).
Na dura luta para sobreviver e ajudar no sustento da família, ele trabalhou como carvoeiro, oleiro, sapateiro e engraxate. Apesar das enormes dificuldades pela precariedade da situação material, a sua mãe, porém, nunca deixou de incentivá-lo aos estudos. Ela foi o esteio de aroeira, a coluna-mestra e a grande referência moral, que criou uma forte resistência para que o filho pudesse vencer todos os obstáculos.
Ainda adolescente, ele se mudou para Goiânia. Com muito sacrifício e trabalho intenso, enfrentando com dignidade a situação de penúria, esse goiano conseguiu realizar um sonho que parecia impossível: chegou ao ensino superior. Tornou-se bacharel em Direito e construiu uma carreira notável. É considerado um dos mais renomados especialistas em Direito Agrário no Brasil.
A atuação desse brilhante goiano se estende a vários Estados do País. Ele é reconhecido nacionalmente, como especialista na advocacia agrária pela Universidade Federal de Goiás, com diversas teses defendidas perante os Tribunais de Justiça Estaduais, Tribunal Regional Federal, Superior Tribunal de Justiça e Supremo Tribunal Federal. Profere palestras, em seminários, faculdades de Direito, congressos, OAB, Tribunais de Justiça e entidades de classe.
Além de superar o sofrimento, suportando-o, como recomenda o fundador da psicologia analítica, Carl Gustav Jung, o advogado adquiriu prestígio e admiração, graças ao seu gesto de estender a mão para acolher aqueles que necessitam. É nisso que está, por sinal, a verdadeira essência da vida.

(Richard Nixon, vereador em Goiânia (PRTB)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais