Opinião

Um novo PPS para 2016

diario da manha

Passadas as eleições de 2014, onde o PPS goiano pela primeira vez elegeu um deputado federal, começa agora e com tempo a pensar as eleições de 2016. Falo que agora com tempo, pois, Marcos Abrão, nosso presidente estadual e deputado federal eleito, não o teve para estruturar o partido e concorrer com força de eleger deputado estadual, sendo que sua filiação se deu no último dia dentro do prazo estipulado pela Lei eleitoral, ou seja, 5 de outubro do ano anterior as eleições.

Pensando nisso, o presidente nacional do PPS, Roberto Freire, baixou uma resolução de número 008/2014, onde deu um prazo de 30 dias improrrogáveis, para que os Diretórios Estaduais fizessem um balanço do desempenho e comportamento dos Diretórios Municipais ou Comissões Provisórias e seus respectivos filiados no pleito próximo passado.

Com essa determinação, nosso presidente estadual Marcos Abrão, solicitou que a secretaria geral fizesse o levantamento e mapeamento do resultado das eleições para atender a referida resolução nacional. Consta na referida resolução, que os Diretórios e/ou comissões provisórias que não apoiaram as candidaturas do partido, serão passiveis de dissolução e/ou de destituição da referida direção Municipal, sendo que a nova Comissão Provisória Municipal terá um prazo de seis meses para realizar um Congresso Municipal e estar apto para participar das eleições de 2016.

Marcos Abrão, presidente regional do PPS e toda sua executiva, já pensam as eleições de 2016, e para isso já fazem contatos para que o partido possa lançar o máximo de candidatos a prefeitos, vices e vereadores. “Partido que não disputa eleição, não cresce”, afirma Marcos Abrão. Cidades como Itumbiara, Águas Lindas de Goiás, Planaltina de Goiás, Pontalina, Rio Verde, Minaçu, Caldas Novas, Morrinhos, Pirenópolis, Goianira, Cristalina, Goianápolis, Iporá, Caiapônia, Quirinópolis, Cromínia, Abadia de Goiás, Abadiânia, Acreúna, Alexânia, Barro Alto, Bela Vista de Goiás, Bom Jardim de Goiás, Ivolândia, Caldazinha, Campinorte, Ceres, Mara Rosa, Goiânia, Goianésia, Guapó, Heitorai, Hidrolândia, Mutunópolis, Sanclerlândia e São Miguel do Passa Quatro, poderão ter candidaturas próprias a prefeitos, as demais buscaremos espaço para vice – prefeitos e candidaturas a vereadores em todos os 246 municípios.

O PPS a nível nacional articula um bloco de atuação em conjunto com o PV e PSB, podendo se fundir e nascer uma nova sigla. Mas isso para meados de 2015, também visando às eleições de 2016. Dessa forma se fortalecendo, articulando a chegada de nomes que possam vir de encontro ao pensamento pepesista, é que o PPS articula para um crescimento gradual e qualitativo, para sua consolidação no estado de Goiás e no Brasil.

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais