Opinião

A hora e a vez do parlamento

Dirceu Cardoso ,Especial para Opinião Pública

diario da manha
Foto externa do Congresso Nacional 22.11.03 Foto Reynaldo Stavale

 

No rastro da impopularidade do governo e da governante, o Legislativo dá um grande salto e mostra que, quando quer, consegue ser efetivamente um poder. Capitaneados pelos presidentes da Câmara e do Senado, ambos eleitos sem o apoio do governo, os parlamentares têm imposto pesadas derrotas ao Palácio do Planalto. Tanto que a presidente teve de recorrer à experiência do vice Michel Temer para articular suas deterioradas relações com o Congresso Nacional.

O principal resultado da crise é a certeza do Congresso quanto à fragilidade do governo. Deputados e senadores descobriram que, quando querem, são capazes de interferir no processo e, com isso, representar o povo que os elegeu e com quem vão se encontrar nas próximas eleições. Verdade que as discussões da quarta-feira, na Câmara,  chegaram a ter aspectos circenses, que poderiam ser evitados. Mas isso não invalida o valor de um parlamento livre e desatrelado.

Não é segredo que nove entre dez políticos brasileiros são parlamentaristas. Os constituintes de 88 eram majoritariamente parlamentaristas e, não podendo estabelecer o regime, nos legaram uma Constituição de viés parlamentarista. Ao longo dessas quase três décadas, o presidencialismo, que vem aos trancos desde o advento da República e ensejou ditaduras, golpes e outras esquisitices políticas, deu mais mostras de sua impropriedade. O acumular de grandes poderes nas mãos de um único governante que não pode ser afastado (a não ser por renúncia, cassação por falta grave ou golpe) é um risco elevado. Quando o governo não dá certo, a sociedade tem de agüentá-lo até o fim e pagar os prejuízos. É o que se sucede no momento, em que o Brasil mergulha numa grande crise econômica e social decorrente de medidas governamentais equivocadas. Se vivêssemos no parlamentarismo, logo no surgimento dos problemas, o primeiro-ministro e seu gabinete teriam sido trocados e um novo governo se estabeleceria, corrigindo o curso da administração, sem traumas. E o mesmo processo se daria a níveis de estado e município.

O Congresso Nacional,  tem demonstrado sua força. É preciso continuar mantendo seu poder e independência. Analisar, inclusive, o que diz a “voz das ruas” nas manifestações, panelaços e protestos. Num regime parlamentarista, os congressistas estariam inteiramente atentos a esses movimentos da sociedade e, em bloco, decidiriam pela continuidade ou não do governo. Talvez esteja aí a chave da solução para o problema brasileiro: a adoção do regime parlamentarista, onde senadores e deputados não têm cargos nem interesses no governo, mas tem força para colocar e afastar o governante, e o chefe de Estado, inclusive, é capaz  de cumprindo o seu dever antecipar as eleições de um Congresso que não vai bem…

 

(Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da Aspomil – Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo, [email protected])

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais