Opinião

Agricultura: uma ameaça ao Cerrado

Wallyson Martins da Cruz ,Especial para Opinião Pública

diario da manha

 

O Cerrado é o segundo maior bioma da América do Sul e ocupa cerca de 22% do território nacional, e dentre os biomas brasileiros, é o que mais tem sofrido com o uso da terra para a produção agricola.

Nos últimos anos, temos perdido grande parte do Cerrado para a agricultura. Em nosso país é enorme a pressão exercida pela expansão da demanda de alimentos e outros produtos agrícolas, e, para expandir a produção alimentícia, são necessárias mais áreas cultiváveis, o que implica em mais perdas, tanto dos recursos naturais como do próprio bioma em termos de dimensão.

Infelizmente essa ocupação tem ocorrido sem um adequado planejamento: os cerrados são vistos pelos empresários e agricultores apenas como um chão a ser ocupado. Os principais tipos de agricultura que vem crescendo e tomando os espaços desse bioma é a produção de soja, milho, algodão e cana-de-açúcar.  Podemos citar tambem a pecuária extensiva e a abertura de estradas, que tem como princípio a retida da vegetação nativa.

A manutenção desse tipo de atividade desenvolveu-se dependente do uso de fertilizantes e agrotóxicos, os quais causam um prejuízo enorme para o meio ambiente e principalmente para a biodiversidade local, contaminando o solo e a água. E quando nos damos conta de que essa situação se implica ao Cerrado, a preocupação aumenta ainda mais, já que a biodiversidade encontrada nesse bioma é uma das mais ricas do planeta.

Esse manejo, cada vez mais intenso, vem causando mudanças na estrutura e funcionamento desse ecossistema, acarretando um empobrecimento biológico, que se manifesta na extinção de espécies, perda da capacidade produtiva do solo, alteração dos ciclos biogeoquímicos e proliferação de espécies exóticas. A degradação do solo é a principal ameaça ambiental, pois grande parte dele está fortemente susceptível à erosão.

Revela-se necessário a implantação de políticas de manejo e desenvolvimento sustentável da agricultura,  tanto em nível de produção agrícola e cultivo quanto em pesquisas científicas, na qual incluiria investimentos em tecnologias poupadoras de recursos, o apoio à pesquisa de metodologias “biossustentáveis”, o treinamento da mão de obra e a educação geral da população.

 

(Wallyson Martins da Cruz, graduando em Ciências Biológicas – Faculdade Araguaia. E-mail: [email protected])

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar