Opinião

Desculpa à direita

Victor Hugo Lopes, Especial para Diário da Manhã

diario da manha

 

Dias atrás, ouvi de um amigo:

– Você salvou minha pele.

– Eu?

– Você.

– Certeza?

– Absoluta. Muito obrigado.

– Não me recordo de tê-lo feito.

– Mas o fez.

– Bom, de nada.

Não tenho vocação para herói – nem acredito que meu cérebro esteja tão detonado a ponto de não me recordar de algo tão solene. Comecei a considerar as possibilidades. Eu seria um sonâmbulo? Verdade que acordo meio cansado, mas sempre creditei à apneia ou ao sono leve. Ou estava completamente desnorteado?

Meu amigo continuou conversando sobre outros assuntos. A pulga começou a sugar meu sangue atrás da minha orelha. Nestas ocasiões, é como se a aba do escutador fosse uma boca livre coletiva para artrópodes famintos. E nada de oportunidade de retomar o assunto. Bom ouvinte, tentava conduzir a prosa ao ponto de origem.

Enquanto o sujeito ia desenhando telas à minha pessoa, retinha-me à solidão dos meus pensamentos. Minha mulher costuma dizer que, nestas circunstâncias, fico com o olhar perdido no tempo e espaço, como se eu ligasse dentro da cabeça um macaquinho a bater pratos. Até vir o cutucão:

– Você prestou atenção no que eu disse?

– Completamente.

– Você pareceu-me distraído.

– Eu tenho cara de sonso.

– Não parece.

– Desculpe-me. Não era minha intenção parecer-lhe desligado.

De fato, não era. Sujeitos discretos tendem a não se meter demais nas coisas dos outros. Eu queria saber qual teria sido o gesto heroico pelo qual recebera cumprimentos. Mas era difícil resgatar o assunto. Vez ou outra, até dava um passo neste sentido, mas o companheiro tinha novidades demais. Parece até que não o via havia anos – não devia ser mais que algumas semanas.

Jornalista tem comichão quando está curioso. Meu pai costuma dizer que a curiosidade matou o gato – embora nenhum trocadilho caiba à frase. Decidi que tomaria as rédeas da conversa. Era hora de me impor em alguma coisa. Poderia inclusive ser apenas pura gozação do chegado. Como escreveu certa vez o repórter Renato Terra, da revista Piaui, em rio que tem piranha macaco bebe água de canudo.

– Gostaria de lhe fazer uma pergunta.

– Fique à vontade.

– Você disse mais cedo que eu o havia salvado.

– Verdade.

– Como foi isso?

– Eu sabia que você não ia resistir em perguntar.

– Como assim?

– Eu te conheço, cara.

– Tudo bem. Só que conta que troço é esse.

– Todas as sextas-feiras, você me salva o pescoço com suas crônicas.

– Não entendi.

– Quer que eu desenhe?

– Não precisa ofender.

– Sem problemas. O que está ao lado do seu texto na página do jornal?

– A coluna Geleia Geral, do Pampinha. Ótima, por sinal. Mas não entendi ainda.

– O Pampinha é mito. O que tem na coluna?

– Notinhas, uai.

– Só isso?

– Ah…

– Entendeu?

– Entendi. Mas como eu te salvo?

– Toda vez que minha mulher me pega no flagrante, eu digo que estava lendo seus textos…

(Victor Hugo Lopes, jornalista)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais