Opinião

Greve escolar: pais devem ficar atentos

André Junior ,Especial para Opinião Pública

diario da manha

 

Greve é a cessação coletiva e voluntária do trabalho realizado por trabalhadores com o propósito de obter benefícios, como aumento de salário melhoria de condições de trabalho ou direitos trabalhistas ou para evitar a perda de benefícios. Por extensão, pode referir-se à cessação coletiva e voluntária de quaisquer atividades, remuneradas ou não, para protestar contra algo (de conformidade com a (CLT).

Diante das más condições proporcionadas pelo governo à educação escolar, a única forma de chamar a atenção para essa precariedade educacional é por meio da greve escolar promovida pelos professores.

Normalmente a greve é vista como um período de férias, em que ocorre total desconexão das atividades escolares, porém essa não deve ser a concepção seguida, pois a greve é feita no decorrer das atividades escolares, sem um prévio fechamento daquilo que estava sendo ensinado. Dessa forma, os conceitos que estavam sendo ministrados não recebem um tratamento final a fim de proporcionar uma aprendizagem ideal, ou seja, os conceitos ainda estão sendo formados. Por isso é importante que, em meio a uma situação de greve, você não deixe que seu filho abdique totalmente de suas responsabilidades escolares.

Greve não é férias. “Quem toma a decisão de fazer greve sabe que pode ter de pagar por elas.” A frase, dita de bate-pronto, é de Miriam Belchior, ex ministra do Planejamento, que fazia referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “O presidente Lula já dizia, greve não é férias.” Tanto vale aos professores quanto aos alunos.

Os alunos precisam e devem assistir ás aulas perdidas durante a greve, o planejamento escolar deve ser revisto com extrema cautela pela secretaria de educação. Nesses períodos de greves tanto pais quanto professores e secretaria e educação tem seu seus papeis importantes no que se diz respeito á aprendizagem do aluno, para que seja amenizado o impacto da greve na evolução da aprendizagem.

Vale ressaltar que o processo de ensino e aprendizagem não ocorre apenas no âmbito escolar, afinal o meio em que o indivíduo está inserido contribui para sua formação. Diante de tal fato é importante que os pais compreendam e exerçam o seu papel formador e proporcionem um ambiente que incentive e estimule os estudos. Sendo assim, existem certas posturas que podem contribuir para a aprendizagem daqueles que estão em greve, sem que você precise tirar os momentos de diversão de seus filhos.

Para que não se perca a continuidade do que foi estudado nas aulas antes da greve, peça que seu filho relate o que foi estudado, ou até mesmo tente explicar parte dos conceitos que aprendeu. Peça que ele faça um ou dois exercícios do livro didático que estão relacionados com aquilo que estava estudando, pois, assim, quando as aulas voltarem, ele não ficará perdido quando o professor der continuidade àquilo que estava sendo estudado.

 

(André Junior – Membro UBE – União Brasileira de Escritores – Goiás [email protected])

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais