Opinião

Inovação frugal

Quando a inclusão social vem pelo consumo, criando soluções simples que beneficiam a vida humana

diario da manha

 

Cezar Tadeu S. Veiga ,Especial para Opinião Pública

O título pode ser desconhecido de alguns, mas, com a ajuda do dicionário, ficará mais fácil continuarmos o assunto: Inovar(lat innovare) Vtd – produzir algo novo, encontrar novo processo, inovar a execução de um trabalho – Frugal( lat frugale) Adj – relativo a frutos, leve, moderado, simples.

Falar em inovação frugal ou engenharia frugal é simplesmente usarmos de processos de redução de custos e recursos de um bem durável como um carro ou telefone. Essa ideia surgiu em países desenvolvidos com população de baixa renda que, não tinham recursos financeiros o suficiente para manterem seus consumos de bens diários, ficando à margem da cadeia produtiva sendo considerados “consumidores negligenciados”.

Dos diversos autores, foi o indiano C.K Prahalad, autor do livro “A Riqueza da base da Pirâmide” quem definiu melhor este conceito, a ideia é simples: ao venderem seus produtos para os consumidores negligenciados, as empresas esperam que a quantidade vendida compense o baixo preço do produto.

Como exemplo de inovação frugal, temos o carro “Tata Nano”, que é o mais barato do mundo saindo da linha de montagem em 2009, usando variedades de processos simples na sua linha de montagem, dentre elas, a remoção do rádio, pois, os futuros proprietários prezam pelo espaço para guardarem seus pertences do que ouvirem músicas ao se deslocarem.

O bom das empresas usarem processos simplificados que venham a reduzir custos dentro desta filosofia de inovação é que elas conseguem atingir a base da pirâmide, aumentando seu alcance comercial e permitindo que a população de baixa renda usufrua de serviços e produtos que antes não tinham acesso.

Politicamente, este processo de inovação frugal ajuda a contribuir para a redução das desigualdades sociais e facilita a integração social. No Brasil, a inovação frugal ainda é assunto pouco explorado e dos poucos exemplos que temos, o”Tanquinho de lavar roupas” e o “Aquecedor de Água para chuveiro” são nossos representantes.

Para aqueles que ainda não sabem, o tanquinho de lavar roupas foi criado com base na máquina de lavar, porém, com a redução de algumas funções como enxague e centrifugação, mantendo o processo principal que é o de lavar roupas; simples não?  Adeus tanque de lavar roupas! reduziram  os custos de produção, tornando-os mais baratos, alcançando assim a base da pirâmide.

Se as empresas conseguiram atingir seus objetivos criando novos produtos através da simplificação dos processos produtivos e estes facilitou a vida de milhões de pessoas; o que nós gestores temos feito no dia a dia para facilitarmos ou simplificarmos os processos de atendimento aos usuários?

Cabe à nós, gestores, darmos o primeiro passo na criação de soluções simples que venham trazer benefícios para aqueles que buscam um serviço de qualidade. Reunam com seus subordinados e ouçam o que eles dizem sobre os erros do dia a dia,qual seria a melhor solução para aqueles problemas e aproveitem as ideias. Administradores que somos, sabemos que o verdadeiro poder está na base.

 

(Cezar Tadeu S.Veiga, especialista andragógico em Gestão de Pessoas, pós-graduado em Docência Universitária. E-mail: [email protected], site profissional: www.formador.com.br)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais