Opinião

PT e PSDB, uma agenda comum

O recuo tucano no impeachment deveria abrir caminho para um diálogo mais construtivo no País

diario da manha

Leonardo Attuch ,Especial para Opinião Pública

O horizonte na economia continua cinzento, a semana foi tumultuada no Congresso, com prós e contras para o governo Dilma, como a vitória na aprovação do jurista Luiz Edson Fachin para o STF e o impasse nas votações do ajuste fiscal, mas o saldo final foi positivo para o Planalto. Isso se deve, essencialmente, à decisão dos partidos de oposição de não mais apostar numa tentativa de impeachment, e sim numa ação criminal, depois que um parecer encomendado pelo PSDB ao jurista Miguel Reale Júnior mostrou os limites da primeira alternativa. Dilma ainda terá uma oposição aguerrida nos seus calcanhares, mas o cenário de ruptura política não existe mais – o que faz uma grande diferença.

A partir de agora, as lideranças mais responsáveis do País, tanto no PT, no PSDB, como nos demais partidos, deveriam tentar construir uma agenda comum. Não faz sentido, por exemplo, que parlamentares tucanos votem em peso contra o fator previdenciário, criado pelo governo FHC, apenas para reduzir a margem de ação do governo. Assim como também é insensato, por parte do PT, rejeitar qualquer debate que seja proposto pelo campo “adversário”.

Em entrevistas recentes, o ex-presidente Fernando Henrique diagnosticou o esgotamento do sistema político atual, ancorado no “presidencialismo de coalizão”, que, segundo ele, seria um “presidencialismo de cooptação”. É fato. No Brasil de hoje, em que impera a transparência e onde instituições de combate ao crime atuam com autonomia, tornou-se insano prosseguir num modelo de uso do Estado como fonte de financiamento político – o que não é exclusividade de nenhum partido político.

O custo desse sistema tem sido altíssimo para a sociedade e também para as empresas. O patrimonialismo à brasileira impõe um capitalismo de estado, que alimenta cartéis e reduz a competição no setor privado, pois só com margens de lucros maiores as empresas têm sobra de caixa para financiar a política. E como não há “almoço grátis”, como bem definiu Paulo Roberto Costa, o sistema de doações privadas realimenta esse sistema patrimonialista.

O que o País necessita, neste momento, é de lideranças políticas capazes de, não apenas enxergar e diagnosticar o óbvio esgotamento do modelo político atual, mas também construir pontes em torno de uma agenda comum. Uma agenda que mantenha as condições de funcionamento dos partidos (num sistema mais enxuto e racional) e amplie a segurança jurídica para a atividade de empresas, que também se tornaram vítimas do modelo de doações privadas à política.

 

(Leonardo Attuch, jornalista. Artigo transcrito da revista IstoÉ)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais