Opinião

Qual a importância de pensar estrategicamente sobre a política de fretes e como fazê-la?

Gabriel Drummond,Especial para o Diário da manhã

diario da manha

 

A maior parte das lojas que conheço gasta entre 7% e 10% da sua receita com fretes. Mas, também, conheço lojas em que esse número fica abaixo de 1%, e que conseguem fazer isso mantendo uma clientela fiel e um bom crescimento do negócio. Para se ter bons resultados, não basta que um negócio trabalhe com as transportadoras corretas, mas também que saiba pensar estrategicamente sobre fretes.

Mas, afinal, o que é esse “pensar estrategicamente”?

Uma loja quer sempre ser competitiva, e isso se reflete em sua política de fretes. Ao mesmo tempo, ela precisa ser rentável, e artifícios como o frete grátis podem ser danosos se mal aplicados. Uma política de fretes bem desenhada pode ainda servir para atrair e reter os clientes certos, para capturar oportunidades de mercado (ex: promoções),  para desenvolver novas linhas de produtos ou até mesmo para direcionar visitas para suas lojas físicas, no caso de um player multicanal.

O pensamento estratégico engloba todas essas decisões. Qual o objetivo a ser alcançado pela sua política de fretes? Como esse investimento melhor suporta o negócio? A simples definição de onde contabilizar os gastos com frete grátis nos demonstrativos financeiros – se sob custo de fretes ou como um gasto de marketing – já influi nos trade-offs em discussão e, por consequência, nos resultados.

A chave para extrair o máximo da política de fretes é compreender que não existe uma resposta única, muito menos uma resposta definitiva. Com objetivos claros, é importante planejar sua execução cuidadosamente, assim como medir os resultados e adaptar-se com o aprendizado. É necessário não ter medo de testar e errar, mas ter transparência e compreensão dos resultados, suas causas e efeitos. Qual é o impacto de uma mudança sobre o abandono de carrinho? Como ela afetou o ticket médio ou a margem das vendas? A lista é extensa.

Assim, ter o ferramental para conseguir aplicar inteligência sobre as decisões de frete e ter visibilidade sobre os resultados também ajuda muito, mas é crítico desenvolver o entendimento e capacidade de análise dessas decisões dentro da equipe da loja.

Uma vez que uma grande parte das lojas luta para diferenciar-se, em meio a mecanismos de comparação de preços e consumidores cada vez mais exigentes, devemos escolher bem as nossas brigas. Uma boa política de fretes pode distinguir as lojas que vão prosperar daquelas que irão para sempre lutar para ficar no azul.

 

(Gabriel Drummond, 33 anos, cofundador da Intelipost, plataforma especializada em gerenciamento de logística para o pré e pós-venda)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais