Opinião

Uma questão de visão

Lúcia Vânia ,Especial para Opinião Pública

diario da manha

 

A população brasileira carece de visão!

Evidentemente, a frase pode ser interpretada das mais variadas maneiras, dependendo do ângulo pelo qual a questão esteja sendo analisada.

Tive o prazer de, na quinta-feira passada, fazer a abertura do V Fórum Nacional de Saúde Ocular, organizado pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia, realizado nas dependências do Senado com o meu total apoio.

Em toda a minha vida pública tenho levantado a bandeira do social nos mais variados matizes que assume dentro da sociedade brasileira.  Na questão da saúde, não podemos desconsiderar a evolução das políticas públicas desta área no Brasil, como subsídio para termos uma melhor compreensão dos aspectos históricos que influenciaram a conformação de um sistema de saúde que, temos que reconhecer, tem sido ineficaz e ineficiente.

Na área da saúde ocular, dados, do próprio Conselho Brasileiro de Oftalmologia, revelam que metade dos 150 milhões de brasileiros que dependem da saúde pública não tem acesso direto aos profissionais oftalmologistas. Acrescente-se a esses números o fato de que dos 1,2 milhão de cegos no Brasil, certa de 700 mil poderiam ter tido essa condição evitada, ou revertida, se tivessem tido acesso ao tratamento oftalmológico.

Os problemas de visão, mais do que possamos pensar, têm uma alta incidência, tendo impacto negativo sobre a qualidade de vida das pessoas, implicando, inclusive, restrições no exercício profissional, com reflexos econômicos e sociais na vida das pessoas.

Se no mundo existem 314 milhões de pessoas com dificuldade visual, no Brasil, estima-se, 14,5% (29 milhões) da população apresentam algum tipo de problema. Desse contingente 48,1% (96 milhões) são deficientes visuais. Porém, conforme dados de pesquisa do CBO, confirmados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), 75% de toda cegueira são tratáveis e/ou evitáveis.

Embora o País supere a relação recomendada pela Organização Mundial de Saúde para a relação de oftalmologistas  por habitantes, o acesso aos profissionais, por vários fatores, é extremamente precário.

O Censo Oftalmológico 2014 do Conselho Brasileiro de Oftalmologia revela que em “apenas 848 dos 5.570 municípios brasileiros, ou 15%, contam com o atendimento de especialistas em saúde ocular”. Ou seja, um quarto da população brasileira continua sem atendimento.

O Fórum de Brasília aprofundou as discussões sobre o Programa Mais Acesso à Saúde Ocular, protocolado pelo CBO no Ministério da Saúde, com 15 iniciativas na direção da universalização do atendimento e na redução do número de pessoas afetadas por doenças oculares.

Entusiasma-me no projeto o objetivo de expandir o atendimento oftalmológico nacional, sobretudo em áreas carentes, onde há pouca oferta de atendimento médico oftalmológico.

Assim sendo, o CBO está se propondo a ir ao encontro da população brasileira, atendo-a nas suas carências de saúde ocular, e dispondo-se, mesmo como um órgão de classe, a ser instrumento social de melhora da qualidade de vida de sofridas parcelas da sociedade brasileira.

Como o dia 7 último foi o dia dos oftalmologistas, meus cumprimentos pela alcance social da iniciativa da categoria.

 

(Lúcia Vânia é senadora – PSDB,  ouvidora geral do Senado e jornalista)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar