Opinião

Vencer as crises

diario da manha

 

A presidente Dilma Rousseff quer instituir propostas que nem mesmo o PT, seu partido, apoia. As propostas não devem vir de cima para baixo! O PMDB está fortalecido na Câmara dos Deputados e no Senado. Agindo sem procurar acordos, a presidência não conseguirá aprovar os projetos de leis que necessita. Temos que ter uma visão de conjunto do que queremos para o Brasil. A crise econômica é mundial e disputas internas não ajudarão em nada. Vamos nos unir e conciliar interesses, pois muitos problemas como a seca no Nordeste continuam. O Brasil tem que estar forte e unido para vencer as crises ao longo do caminho.

(Paulo Roberto Girão Lessa, via e-mail)

 


 

Reaproveitar a água

A falta de água é uma realidade no planeta Terra. O que fazer? Primeiramente conscientizar os habitantes da Terra do problema. Depois é fazer campanha para economizar água e premiar quem gasta menos. As políticas devem promover o estudo do aproveitamento moderado deste líquido que está tornando-se raro. Estudos científicos dizem que atualmente se gasta muita água para produzir frutas ou grãos irrigados. Técnicas de irrigação por gotejamento e outras podem diminuir o gasto na agricultura que é imenso. As indústrias podem reaproveitar a água usada. Nas casas pode-se reciclar o líquido e não perder descarga abaixo. Vamos todos ensinar às crianças a bem aproveitar a água!

 

Conviver com a seca

A água acumulada nos açudes do Ceará não foi suficiente para evitar a seca. A evaporação contínua leva até dois terços do volume da água de alguns açudes. Então as medidas de convivência com a seca devem continuar. Temos que usar e não abusar da água que temos. A economia pode ser a medida da falta de água ou não. As irrigações já estão em regime de economia. O açude Castanhão, que é muito grande, já sente o volume de água diminuir. Todos unidos na convivência com a falta de água. Sabendo usar não vai faltar!

(Paulo Roberto Girão Lessa, via e-mail)

 


 

É muita cara de pau

 

“A população brasileira precisa entender que o momento econômico que estamos vivendo requer sacrifício de todos”. Ficou comum ouvir de integrantes desse governo que levou o País ao caos, tomando o mel da colmeia e deixando a cera para o povo, frases de advertência como a acima citada. É um desaforo. É falta de vergonha na cara. Dá vontade de dizer um palavrão, mas como tem criança que já lê jornal, vou me conter. O que será de nós? Até quando aceitaremos esse tipo de discurso? A farra foi grande e não podemos arcar com a conta. Trabalhamos cinco meses no ano para pagar impostos. Não temos retorno. Os serviços públicos que nos oferecem são de péssimas qualidades e, nessa última década, o povo está comendo o pão que o diabo amassou. Dizer que tem alguma coisa caminhando bem é tentar enganar os menos avisados. A população já está colocando menos comida no prato; está endividada; a indústria produzindo cada vez menos, empresas a caminho da falência e, em consequência, aumentando o desemprego. Fazer sacrifício como? É muita cara de pau. Aos eleitores que contribuíram para que tudo isso acontecesse, pergunto: como vão vocês? Eu gostaria de saber.

(Jeovah Ferreira, via e-mail)

 


 

Bandido bom é bandido morto

bandido

Um dia um policial tirou a vida de dois adolescentes envolvidos com tráfico. Noutro dia menores tiram a vida de um médico que fazia inclusive caridade com a pobreza. Direitos humanos, OAB e congêneres não se pronunciaram. Sinceramente, dou parabéns ao policial. Ele apenas antecipou uma medida que seria necessária futuramente. Assim ficamos livres já de dois marginais. E quanto ao marginal que desde os 12 anos praticava crimes, pena não ter por perto aquele policial citado para fazer o mesmo serviço. Bandido bom é bandido morto.

(Iria de Sá Dodde, via e-mail)

 


 

O inferno deixado por Dilma

Vamos bem com esse governo. Depois de Dilma ter  usado as pedaladas fiscais, o ministro da Fazenda vem com tesouradas. O corte deveria ser no governo, mas ao contrário, quem está levando a pior são os trabalhadores que pagarão por uma conta que não fizeram. Em país sério, o governo teria caído. Aqui vai ficar iludindo o povo e daqui a pouco estaremos como a Venezuela.  O eleitor é o grande culpado por dar crédito às mentiras contadas pela dona Dilma. Fez o diabo para se reeleger e nós é que estamos no inferno dos preços abusivos, juros escorchantes, inflação nas alturas, desemprego etc. Brasil, um país de tolos!

(Izabel Avallone, via e-mail)

 


 

Emigração e imigração

O governo brasileiro deveria ficar preocupado com o que a mídia divulgou nos últimos dias sobre a expulsão de imigrantes ilegais da Inglaterra. Certamente desembarcarão aqui milhares de brasileiros que vivem naquela situação. Então sugiro às autoridades que cada brasileiro que desembarcar por aqui seja devolvido para seus países de origem e na mesma proporção aqueles que aqui chegaram bem recentemente, em especial os haitianos. Os empregos que aqui existem (escassos por sinal) devem ser prioritariamente reservados a nossos compatriotas.

(Iria de Sá Dodde, via e-mail)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais