Opinião

A Internet e sua influência têm encurtado a distância entre professores e alunos

André Junior ,Especial para Opinião Pública

diario da manha

A Internet não é uma escola e nem poderá substituí-la enquanto instituição de aprendizagem, mas pode ser um valoroso complemento e auxiliar de todo o processo do ensino/aprendizagem. Pesquisadores da National Science Foundation, através de um estudo patrocinado pela Michigan State University (MSU), descobriram que a Internet pode ser uma boa ferramenta de ensino para crianças.

O estudo aponta que, diferentemente do que se pensa a Web não provoca nenhum efeito negativo na participação social de seus usuários ou no lado psicológico das crianças. A pesquisa conclui que as crianças que usam a Internet conseguem melhorar as notas escolares. Fonte: www.gic.com.br.

A Internet e a sua influência têm encurtado as distâncias entre os professores e os alunos, contribuindo para o surgimento gradual de um novo modelo de escola. A sala de aula terá um novo significado e ganhará uma nova dimensão. A difusão propagada pela Internet faz com que esta se assuma como uma enorme base de dados complementares onde todos os alunos poderão retirar informação útil para execução dos mais variados trabalhos escolares e dar uma forte contribuição para consolidação dos conhecimentos.

Com o avanço das novas formas de educação a distância – como as realizadas pela Internet – e as preocupações fortificadas como esse novo modelo – como o papel do aluno e do professor em ambiente virtual, outras questões passaram a ser discutidas para otimização deste modelo educacional. Seria ou não um sistema de EaD (educação á distancia) toda comunidade formada pela Internet? Afinal, a Criação de Comunidades Virtuais é um dos princípios que orientam o crescimento inicial do ciberespaço, ao lado da Interconexão e da Inteligência Coletiva (Cibercultura – Pierri Lévy – pág. 127).

Isto justificaria a criação de Comunidade Virtual como sendo essencial para o estabelecimento de uma cultura de EaD. Porém, percebe-se que a simples criação de comunidades virtuais não significa a criação de grupos de estudo pela Internet, pois estas possuem os mais diversos interesses, que vão desde o entretenimento até a distribuição de notícias. A Comunidade Virtual pode sim ser um princípio essencial, mas necessita ir além de simples Agregação Eletrônica de pessoas.

O acesso à internet não é fiscalizado por nenhum órgão. Os serviços oferecidos na internet em sua maioria podem ser realizados por qualquer pessoa sem nenhuma restrição. Sugere-se que toda criança e todo adulto esteja informado de como utilizar a internet, garantindo a segurança dele e de sua família.

É de extrema importância, que todos os pais tenham o controle dos sites que são utilizados pelos seus filhos prevenindo e diminuindo bastante os potenciais perigos de utilização da Internet.

Dessa forma, entende-se que não há restrições quanto ao uso de determinadas ferramentas de Internet por educadores, mas sim a necessidade de que o conjunto de comportamentos e regras de convivência esteja presente em qualquer atividade educacional via Internet, independente das ferramentas utilizadas. Mas, tome cuidado com as centenas de milhares de distrações que web oferece, e que podem com muita facilidade, tirar o foco da aprendizagem.

 

(André Junior – Membro UBE – União Brasileira de Escritores – Goiás [email protected])

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais