Opinião

Maju fecha o tempo na TV Globo!

Walter Brito ,Especial para Opinião Pública

diario da manha

Quando ligo a TV para assistir ao Jornal Nacional, agora tenho a impressão que o discurso de Martin Luther King proferido em Washington em 1963 pode tornar-se realidade no Brasil, pois Maju está no ar! King disse naquela ocasião: “ Eu tenho um sonho que um dia meus filhos sejam julgados por sua personalidade, não pela cor da pele.”

Maria Júlia Coutinho é a apresentadora do tempo, no famoso jornal da TV brasileira e faz seu trabalho com muita competência e com uma energia inigualável, o que chama a atenção dos brasileiros e estrangeiros de todas as cores. Outro dia, o jornalista Nivaldo Beirão escreveu o seguinte: “Apesar do racismo que campeia nas redes sociais, a jornalista Maju adentrou o Jornal Nacional com espontaneidade, risonha e com o espírito de quem quer trazer para a previsão do tempo a coloquialidade de uma conversa de elevador, o que fez o jornalismo da Globo tirar a gravata”, provoca o articulista da revista Carta Capital.

Voltando ao discurso de King há 52 anos, ou seja, bem antes da mãe da Maju sonhar que teria uma filha tão bonita e competente. Nesse sentido, agora a própria Maju é a esperança dos afrodescendentes em nosso país, de que o sonho do velho guerreiro dos direitos civis nos EUA, se torne profético aqui um dia. Lá nos Estados Unidos da América, a questão racial avançou muito depois do famoso discurso de Luther King. O reconhecimento dos pensadores da educação, que com muita sensibilidade priorizaram as cotas raciais nas universidades, acertaram em cheio. São exemplos de que a educação de qualidade muda efetivamente os destinos de um povo, determinados nomes que se beneficiaram de alguma forma das cotas raciais no país de Abraham Lincoln: “Condolezza Rice; Colin Powel; Oprah Gail Winfrey e Barack Obama.”

No Brasil, último país do mundo a libertar os escravos, cuja libertação se deu de forma equivocada e provocando consequências terríveis para o povo negro brasileiro, a nossa situação é muito mais complexa. Entretanto, nos últimos 12 anos, o Governo Federal implantou as ações afirmativas, com o objetivo de reparar a dívida histórica com o povo que ajudou a construir a nação brasileira e não foi inserido no seu processo de desenvolvimento. As cotas para a comunidade negra nas universidades já dão os primeiros resultados. Em 2014 foram implantadas as cotas para a comunidade negra nos concursos públicos. Recentemente foram aprovadas cotas para a negritude na magistratura. Com isso, os afrodescendentes passam a acreditar que o futuro existe, apesar de ainda distante. Ao mesmo tempo percebem que o sonho de Luther King é efetivamente universal.

Maria Júlia, com sua competência, humildade, habilidade e, lógico,com muito cuidado, agora amplia o espaço que já tem na televisão. Aos poucos e sem ser pretensiosa, a jornalista torna-se uma das referências mais importantes da comunidade negra brasileira, ao lado dos saudosos: Abdias do Nascimento e Grande Otelo. Com também, Edson Arantes do Nascimento, o Pelé; Milton Gonçalves; Joaquim Barbosa; Djavan; Anderson Silva; Glória Maria; Zezé Mota; Martinho da Vila; Rute de Sousa; José Vicente da Universidade Palmares, entre outros.

A TV Globo, orientada pelas pesquisas que a conduziram ao topo da comunicação no mundo, com a elegância que lhe é peculiar, tornou-se a madrinha de fato da Maju. A poderosa emissora faz reverências constantes ao trabalho diferenciado da jornalista. Além da levantada de bola no ar do Willian Bonner: “ Maju é uma das novidades mais felizes do Jornal Nacional, principalmente porque usa o talento que tem com um entusiasmo contagiante”, disse. A jornalista respondeu na lata: “Obrigada, Bonner. Adorei a levantada de bola.” Depois do apoio público do editor-chefe do Jornal Nacional, a jornalista foi recebida com todas as honras no Programa do Jô Soares e também no badalado programa Altas Horas, de Serginho Groisman. Os dois encheram a bola da jornalista que construiu uma nova história da meteorologia na televisão. A esse respeito, a repercussão do desempenho da Maju como editora e apresentadora do tempo no Jornal Nacional está sendo tão grande, que a jornalista é assediada nas ruas por onde anda. A nossa reportagem foi às ruas para medir a temperatura dos fãs da jornalista e saber suas opiniões. O professor da Fundação Educacional do Distrito Federal, Edmilson Bispo dos Santos, militante do movimento negro nacional, disse o seguinte: “A Maju é a nova musa da comunidade negra brasileira. Ela fez de um limão uma saborosa limonada. Depois de mostrar o seu talento como jornalista na TV, ela apresentou em alto estilo ao Brasil, por meio do Programa do Jô, o seu esposo afrodescendente , o publicitário Agostinho Paulo Moura. Percebi logo que, além de competente, Maria Júlia tem orgulho de sua negritude. É das nossas!” Concluiu o professor. Entrevistamos ainda, o primeiro negro nomeado secretário de Estado no Brasil, o advogado Osvaldo Ribeiro. Ele foi secretário de Assuntos Fundiários do Governo Orestes Quércia em São Paulo e foi também suplente de Fernando Henrique Cardoso no Senado. Osvaldo afirmou: “Maria Júlia fechou o tempo na Globo e passa para a história do jornalismo  como uma das mulheres brasileiras mais competentes na televisão. Maju é a nossa Oprah Winfrey!”, arrematou.

Por outro lado, nas redes sociais, apesar de muita gente se apequenar tecendo comentários maldosos sobre a nova estrela da televisão brasileira, inclusive esnobando o sucesso da jornalista, a maioria dos comentários valoriza a Maju. Veja o que disseram no Facebook, alguns fãs da Maria Júlia: “A Maju é linda! Amo o seu estilo: A sua classe, a alegria contagiante e o seu bom humor. Que Deus te abençoe e livre da inveja existente no meio artístico e televisivo. Continue alegre e humilde, como você é!”– Michele Sandaniel. Outro fã declarou: “Estou de plantão no Jornal Nacional aguardando a Maria Júlia aparecer”– Celso Luiz Rodrigues – Porto Alegre- RS. Mais um fã disse que Maria Júlia é o Airton Senna de Saias.

A jornalista disse para a imprensa que o sucesso que ela está fazendo como apresentadora na televisão: “É uma referência importante para a negritude brasileira. Isto mostra que estamos caminhando, mas o caminho é longo. Será bacana quando houver mais negros em postos importantes no país. Luto e torço para que a nossa realidade mude de forma efetiva”, arrematou. Como se vê, o sonho de Martin Luther King, que é universal, caminha a passos de tartaruga, mas pode tornar-se realidade no Brasil. Maju está fazendo a sua parte. Boa sorte Maria Júlia Coutinho!

Milton Gonçalves, Maria Júlia e Pelé
Milton Gonçalves, Maria Júlia e Pelé

 

Edmilson dos Santos
Edmilson dos Santos

(Walter Brito, jornalista)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais