Opinião

Ações perenes pelo meio ambiente colocam Anápolis na vanguarda da preservação ambiental

Pela sexta vez, temos o imenso orgulho de sermos reconhecidos pelo Instituto Internacional de Pesquisas e Responsabilidade Socioambiental Chico Mendes como um município que protagoniza ações em prol do meio ambiente e pela preservação de nossas características ambientais. A cidade conquistou, no último dia 13, Certificação Selo Verde Chico Mendes e acreditamos que a instauração de uma política perene e sem contenção de esforços e investimentos foi decisiva para a obtenção deste resultado.

As ações criadas como uma Política de Estado e desenvolvidas de forma sistemática e programada foram somadas a inovações e incrementos neste último ano. A criação mais recente do espaço, denominado provisoriamente como Parque da Jaiara, foi preponderante para mostrarmos ao Brasil que a cidade mantém uma relação sóbria e direta com o conceito ambiental. Mais do que isto, além das políticas públicas promovidas por nós da administração, é fundamental ressaltar a relação da população com o meio ambiente. A preservação é, na verdade, promovida pelas gestões, no entanto, é a atuação cidadã consciente da população que pode transformar um passado de abandono em uma realidade próspera de respeito às nossas principais qualidades ambientais.

Antes do Parque da Jaiara, tivemos a chance de inaugurar o Parque da Cidade, na região Sul da cidade. Estes se somam ao Parque Ipiranga e ao Parque da Liberdade. Como característica comum, todas as áreas possuem mananciais de água e eram todas um espaço nocivamente utilizado, muitas vezes servindo como abrigo de marginais ou um lixão a céu aberto, sem qualquer cuidado ou proteção à população. A criação de espaços de contemplação torna-se ainda mais significativa se avaliarmos na transformação do que eram estas áreas e no que se tornaram, sobretudo no despertar uma consciência ambiental para o povo de nossa cidade.

Além de abrirmos alternativas de lazer, mantemos um monitoramento cuidadoso com nosso aterro sanitário, que hoje se encontra de acordo com as exigências ambientais, além de ter um serviço de coleta de resíduos de qualidade. No controle de interferência da vida urbana com o meio, buscamos ampliar o sistema de coleta seletiva e fortalecemos o trabalho das cooperativas de reciclagem.

Outra ação que nos tem gerado retorno foi a criação de programas para incentivar o plantio. Ao instalarmos uma política de divulgação e incentivo nas nossas escolas, atuamos para desenvolver uma nova consciência ambiental em nossos futuros anapolinos. As nossas crianças de hoje são as que amanhã se tornarão cidadãos atuantes na preservação e darão prosseguimento aos ensinamentos de hoje.

Com esta nova certificação de Selo Verde renovamos nosso entusiasmo e nossa disposição em buscar parcerias para novos investimentos. Ao longo destes quase sete anos, reformamos, ampliamos e construímos mais de 70 praças em todas as regiões de Anápolis, construímos nossos parques e instalamos esta série de políticas de educação ambiental. Mas acreditamos que nosso maior legado está no estabelecimento de uma nova relação das pessoas com o meio: mais respeitosa, mais cuidadosa e mais consciente de que a coabitação do homem moderno com o meio natural é mais que possível, é uma necessidade para o desenvolvimento e a preservação da vida humana e das demais espécies.

 

(João Gomes, prefeito de Anápolis)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais