Opinião

O boom da energia solar

diario da manha

A geração descentralizada de energia começa a ganhar fôlego reforçado perante  nova fonte que promete, muito, despontar na matriz energética brasileira: a energia solar. Aos dados: dos atuais 22 megawatts instalados, projeta-se, para o não muito longínquo ano de 2024, um considerável crescimento no país, assim, chegaremos lá com aproximadamente 11.500 megawatts. Ou seja, o mercado crescerá em torno de 522 vezes!

Portanto, preparem-se para ver o que, há muito, é comum em países de elevado nível de desenvolvimento: painéis fotovoltaicos nos telhados, dessa forma,  captando uma das mais baratas energias que se tem notícia: a solar.

Nesse contexto, a microgeração, adequada para residências, ganha fôlego institucional devido ao estabelecimento de regras claras emitidas pelo órgão Regulador do Setor Elétrico Brasileiro. Refiro-me à Agência Nacional de Energia Elétrica, Aneel.

A partir daí, o salto foi espantoso. Se, antes de 2012, a geração de energia via painéis fotovoltaicos era praticamente desprezível, atualmente, a situação é bem outra, visto que chegaremos, em 2016, com aproximadamente 14 mil consumidores usando a microgeração solar para suprirem suas necessidades quanto ao insumo energia elétrica. Vale ressaltar que antes de 2012, praticamente, não se usava a luz solar para alimentar residências. De 2012 a 2016, o salto foi considerável, haja vista os 14 mil consumidores adeptos da microgeração solar. Para 2017, as previsões praticamente triplicarão o número de lares com esse tipo de geração.

Por que a microgeração vem se tornando tão atrativa para pequenos consumidores de energia elétrica? Primeiro, por uma questão de custo. Enquanto as tarifas das distribuidoras de eletricidade cresceram, em média, de 2014 a 2015, 35 por cento; os painéis fotovoltaicos, a partir de 2010, cresceram cerca de 80 por cento (Dados da Brasil Energia).

Mais: caso a geração do consumidor exceda seu consumo, essa poderá ser injetada na rede para ser usada posteriormente. Além disso, a produção no local e o consumo em outro poderá ser efetuado desde que respeite a área de concessão.

Vale, por fim, ressaltar que muitos estados retiraram o Imposto de Circulação de Mercadoria(ICMS) para os sistemas de microgeração.  Vencida a barreira do financiamento para pessoas físicas, estaremos para consolidar o que hoje se percebe: a avassaladora procura pela   energia solar como fonte para produção de eletricidade.

 

(Salatiel Soares Correia, engenheiro, bacharel em Administração de Empresas, mestre em Planejamento Energético. É autor, entre outras obras, de Tarifas e a Demanda de Energia Elétrica)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais