Opinião

Reflexões urgentes sobre a assistência social em Goiânia

diario da manha

Após ter sido referência na construção da Lei do Suas – Sistema Único de Assistência Social, Goiânia está, há praticamente 8 anos, em retrocesso quanto à política de assistência social.

A negação da atual gestão municipal quanto à tecnicidade desta política e à necessidade de que ela seja gerida por profissionais assistentes sociais é arrasadora para esta categoria, que ainda sofre com a precariedade do trabalho.

É urgente que se destaque o caráter profissional da assistência social, ao invés de colocações que a associem à um caráter solidário e amoroso, desenvolvendo esta política que é de direito e de direitos, com qualidade, de forma profissional, como apregoa a Loas.

O desmonte da Cidadão 2000, que trabalhava as questões de crianças, adolescentes e suas famílias, nas comunidades em trabalhos socializadores, de caráter libertário, foi uma grave perda para a sociedade goianiense, que ficou sem alternativa, pois sabemos que este trabalho não foi substituído, embora saibamos também, que a Sociedade Cidadão 2000 estava comprometida devido gestões inescrupulosas que a tornaram “cabide de empregos”, sendo que a mesma, inclusive, abrigou diretor que sumiu com o arroz da instituição.

Do mesmo modo e pelas mesmas razões, tivemos o fim absurdo do Fundo Municipal de Assistência Social de Goiânia – FMASGyn, dos Conselhos Locais de Assistência Social e de vários programas de atendimento, como os de entrega de enxovais de bebês, de cadeiras de rodas e de fraldas descartáveis, o que nos traz prejuízos sociais relevantes.

A política de atendimento à população adulta de rua foi sucateada e reconstruída em detrimento do Plano Nacional de Assistência Social e demais planos de Assistência Social, que determinam a perseguição de ações visando a convivência familiar e comunitária. Criou-se uma “Casa de Acolhida” que tutela, abriga, segrega e discrimina ainda mais esta população, impondo regras em um trabalho anti democrático e estéril do ponto de vista da promoção humana.

Elenco, a seguir, pontos a serem abordados e garantidos, na assistência social de Goiânia:

Articulação, com o Estado, para apoio técnico e financeiro aos serviços, programas e projetos de enfrentamento da assistência social na capital, que sofre com dilemas de metrópole;

Integração dos programas e serviços sociais existentes na cidade, com comando único;

Criação, lançamento e distribuição de Manual de Diretrizes e Procedimentos de trabalhadores da assistência social em Goiânia, visando um padrão de atendimento e de qualidade;

Informatização da assistência social com dois sistemas ligados entre si:

Sistema informatizado, de apoio ao CAD-Único da assistência social, com registros de diagnósticos e registros de profissionais responsáveis, público alvo, locais de atendimento, comunidades circunvizinhas, os pilares das ações sociais, pesquisas socioeconômicas, problemas sociais/encaminhamentos/soluções;

Sistema informatizado de apoio ao ensino com publicação de material didático dos cursos a serem oferecidos (para as comunidades e de atualização dos/as profissionais), com cadastramento de professores, alunos, cursos, pólos de treinamentos (os próprios Cras) e avaliações, além de relatórios para o acompanhamento, pela rede, do rendimento dos alunos, cursos, professores e polos;

Adequação dos espaços físicos onde funcionam os Cras conforme preveem as normativas federais e foi cobrado pelo MDS em 2009, incluindo a construção de salas suficientes para o desenvolvimento do trabalho, com instalação de bebedouros com filtros e a dotação de recursos pedagógicos e de infra-estrutura, como telefones, computadores com internet e funcionamento em rede, TV, DVD, aparelhos de som entre outros a fim de que os mesmos desempenhem as atribuições que lhes são devidas; inclui-se aí, veículo para cada unidade para o atendimento e o acompanhamento das famílias e das demais entidades de assistência em toda região de abrangência de cada Cras;

Efetivação de Cras na região central da cidade;

Viabilização e visibilidade de uma Política Municipal de Assistência Social em acordo com as conferências realizadas pelo CMASGyn;

Exigência dos planos teórico-metodológicos e orçamentários, base no tripé planejamento/execução/avaliação;

Garantia de recursos básicos para o trabalho das unidades, como alimentação para profissionais e usuários da política;

Fomento da especialização do quadro de pessoal objetivando o aprimoramento do trabalho profissional, multidisciplinar e em equipe, com avaliação permanente;

Efetivação de programas de apoio ao desenvolvimento local (Desenvolvimento de Comunidade), a partir dos conselhos locais e associações de bairro, comerciantes, igrejas, nos Cras, envolvendo construção de agenda ambiental, levantamento de pesquisas socioeconômicas, formação de pequenas cooperativas, grupos de leitura, de teatro e hortas pedagógicas;

Criação da Equipe de Visitas com profissionais específicos, semelhante às equipes do PSF, na Saúde, conforme aprovado em Audiência Pública no Ministério Público, sobre o Direito à Convivência Familiar e Comunitária em 2009;

Efetivação do trabalho com as famílias, nas comunidades (envolvendo crianças, jovens e idosos), sem segmentarismo;

Acabar com a estigmatização das pessoas usuárias da assistência, pois que a assistência social é para quem dela precisa, não apenas para “pobres”, lembrando que a delinquência, a violência e a drogadição nas classes média e até alta, têm tido índices relevantes, agravando a questão social;

Acabar com o segmentarismo da política, pois as secretarias da mulher, de negros, de lgbt’s e de pessoas com deficiência, pulverizam recursos físicos, financeiros e humanos e não garantem a efetivação dos serviços necessários, de acordo com as prerrogativas da Assistência Social. Estas categorias precisam de serviços e não de cargos a serem defendidos, além de serem, todas, público da Assistência Social;

Viabilização de agenda de mobilização local;

Fortalecimento da Rede sócio assistencial;

Garantia de transparência/ divulgação dos dados sobre estatísticas, orçamentos e investimentos relativos à Assistência Social;

Segurança de que os gestores da área da assistência social sejam da própria área, a exemplo da saúde e educação;

Garantia de horizontalidade na assistência social;

Criação da Ouvidoria da Semas;

Compromisso da Semas com a NOBRH/Suas;

Desenvolvimento de programa de atualização continuada bem como de subsídio ao aprimoramento e titulação em nível de pós graduação para profissionais de nível superior, e por fim,

Garantia do trabalho em rede, com uma agenda de ação e sem tutela.

 

(Alexandra Machado Costa, assistente social, poetisa, servidora pública municipal. Blog: alexandramcosta.blogspot.com.br @alexandragyn no twitter Documentos: http://pt.slideshare.net/alexandramcosta/documents)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais