diario da manha

O agro­ne­gó­cio es­tá sal­van­do o Bra­sil, mas nos úl­ti­mos mes­es es­tá sen­do en­cur­ra­la­do por ques­ti­ún­cu­las e maus en­ten­di­dos. Se de um la­do, o agro em­pur­ra o PIB pa­ra ci­ma nu­ma eco­no­mia clau­di­can­te, de ou­tro a pró­pria Po­lí­cia Fe­de­ral con­tri­bui pa­ra de­sar­ran­jos. A Ope­ra­ção Car­ne Fra­ca pre­ci­pi­tou ao de­ne­grir um ne­gó­cio pra­ti­ca­do por pro­fis­si­o­nais e não ama­do­res.

Mas, não é só a PF, que tem pren­di­do ban­di­dos po­lí­ti­cos e em­pre­sá­rios nu­ma la­va­gem de la­ma sem pre­ce­den­tes no Bra­sil, que co­me­te pre­ci­pi­ta­ção. A Ope­ra­ção Car­ne Fra­ca cons­ti­tu­iu exa­ge­ro por sua ma­nei­ra co­mo foi di­vul­ga­da, atin­gin­do to­da ca­deia da car­ne. Foi co­mo ate­ar fo­go no pa­lhei­ro por cau­sa de um pa­li­to de fós­fo­ro. Trou­xe um pre­ju­í­zo sem pre­ce­den­tes num seg­men­to que tem cor­res­pon­di­do.

O JBS que nas­ceu de um açou­gue em Aná­po­lis trans­for­mou-se na mai­or re­de de fri­go­rí­fi­cos do mun­do. Foi até cer­to pon­to or­gu­lho na­ci­o­nal. O gru­po con­se­guiu tor­nar-se o mai­or em plan­tas fri­go­rí­fi­cas tam­bém nos Es­ta­dos Uni­dos e in­va­diu ou­tros paí­ses. E com is­so, em­pre­gou 260 mil pes­so­as.

Num acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da, os ir­mãos Jo­es­ley e Wes­ley Ba­tis­ta de­nun­ci­a­ram uma re­de sem pre­ce­den­tes de 1.829 po­lí­ti­cos e 28 par­ti­dos. Eles te­ri­am si­do con­tem­pla­dos com a as­tro­nô­mi­ca ci­fra de R$500 mi­lhões. So­brou até pa­ra Mi­chel Te­mer. Há uma fi­ta de pro­ce­dên­cia du­vi­do­sa, mas que cha­mus­ca o pre­si­den­te. Seu man­da­to es­tá em jo­go.

Com o cres­ci­men­to do gru­po, os pe­cu­a­ris­tas sen­ti­ram o im­pac­to nos pre­ços da ar­ro­ba do boi. O JBS co­me­çou a car­te­li­zar o mer­ca­do, com­pran­do aqui e aco­lá os pe­que­nos e mé­di­os fri­go­rí­fi­cos. Os pro­du­to­res fi­ca­ram sem op­ção de ven­da. Em Go­i­â­nia, a So­ci­e­da­de Go­i­a­na de Pe­cu­á­ria e Agri­cul­tu­ra (SGPA), sob a li­de­ran­ça de Ri­car­do Ya­no, re­a­giu. E es­sa ati­tu­de cul­mi­nou por pro­vo­car uma au­diên­cia pú­bli­ca no Con­gres­so Na­ci­o­nal, em Bra­sí­lia.

É cla­ro. O gru­po cres­ceu a to­do va­por com a aju­da do BNDES, àque­le mes­mo que con­tri­bu­iu com a cons­tru­ção do por­to ma­rí­ti­mo em Cu­ba, dos ir­mãos Cas­tro, e dis­tri­bu­iu be­nes­ses na Ve­ne­zu­e­la, de Hu­go Cha­ves e Ni­co­lás Ma­du­ro. O su­ces­so a qual­quer cus­to tem seu pre­ço, que ago­ra ame­a­ça to­do um gru­po. Mas, com cer­te­za, os pro­du­to­res e de­mais com­po­nen­tes do agro­ne­gó­cio sa­be­rão con­tor­nar.

Ago­ra, apa­re­ce o go­ver­no Trump com o seu na­ci­o­na­lis­mo xe­nó­fo­bo apron­ta com a car­ne in na­tu­ra bra­si­lei­ra. Co­mo bem diz o pre­si­den­te da Fa­eg, Jo­sé Má­rio Schrei­ner, “lu­ta­mos qua­se vin­te anos pa­ra con­quis­tar o mer­ca­do ame­ri­ca­no e tu­do é jo­ga­do fo­ra”. Ou pa­ra­fra­se­an­do o pre­si­den­te da SGPA, Tas­so Jo­sé Jayme: “Ago­ra a va­ca vai pro bre­jo”. Trump não ad­mi­te con­cor­rên­cia quan­do vê pos­si­bi­li­da­de de re­ti­rar pos­sí­vel em­pre­go do ame­ri­ca­no.

En­tre ja­nei­ro e maio des­te ano, os fri­go­rí­fi­cos bra­si­lei­ros em­bar­ca­ram pa­ra o mer­ca­do ame­ri­ca­no 4,68 mil to­ne­la­das de car­ne in na­tu­ra, ou US$ 18,9 mi­lhões. Já a Chi­na, o prin­ci­pal im­por­ta­dor, ad­qui­riu no pe­rí­o­do 52,88 mil to­ne­la­das de car­ne bo­vi­na in na­tu­ra, ou US$ 219,7 mi­lhões de dó­la­res, con­for­me a As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra das In­dús­tri­as Ex­por­ta­do­ras de Car­ne (Abi­ec).

A co­ta es­ta­be­le­ci­da era de ape­nas 60 mil to­ne­la­das. O Bra­sil ex­por­ta em tor­no de l mi­lhão e 300 mil to­ne­la­das. Ape­nas Go­i­ás, ex­por­ta 160 mil to­ne­la­das.

Mas, a pre­o­cu­pa­ção não é es­sa e sim a ima­gem. “Um pe­que­no pro­ble­ma de va­ci­na­ção”, ob­ser­va Pa­to, um zo­o­tec­nis­ta de pro­fis­são, ou se­ja, e um téc­ni­co que de­tém to­da uma vi­vên­cia e cre­di­bi­li­da­de. As ir­re­gu­la­ri­da­des apon­ta­das por au­to­ri­da­des ame­ri­ca­nas na car­ne bo­vi­na bra­si­lei­ra, li­ga­das a re­a­ção à va­ci­na con­tra fe­bre af­to­sa, re­fe­rem-se a ques­tões con­tra­tu­ais e não re­pre­sen­tam ris­co sa­ni­tá­rio.

É mais uma en­cren­ca no ca­mi­nho que, com cer­te­za, os ho­mens e as mu­lhe­res do agro­ne­gó­cio sa­be­rão con­tor­nar. Os de­sa­fi­os, mes­mo que as­sa­ca­dos por pe­dras e la­mas, se­rão ven­ci­dos. Pa­ra ser­mos com­pe­ti­do­res te­re­mos que ven­cer as ad­ver­si­da­des e re­ti­rar a va­ca do bre­jo en­quan­to é tem­po.

 

(Wan­dell Sei­xas é jor­na­lis­ta vol­ta­do pa­ra o agro, ba­cha­rel em Di­rei­to e Eco­no­mia pe­la PUC-Go­i­ás, ex-bol­sis­ta em co­o­pe­ra­ti­vis­mo agrí­co­la pe­la His­tra­dut, em Tel Aviv, Is­ra­el, e au­tor do li­vro O Agro­ne­gó­cio pas­sa pe­lo Cen­tro-Oes­te)

Comentários