Opinião

3º Domingo do Advento: o essencial é aprender a partilhar

diario da manha

Es­sas qua­tro se­ma­nas de pre­pa­ra­ção que an­te­ce­dem o na­tal, cor­res­pon­dem ao ad­ven­to, por is­so, so­mos con­vi­da­dos a vi­ven­ciar a fé nes­sa es­pe­ra que é tra­du­zi­da co­mo es­pe­ran­ça, ale­gria, fra­ter­ni­da­de e  ter­nu­ra. É o mai­or acon­te­ci­men­to da His­tó­ria: “O Ver­bo se fez car­ne e ha­bi­tou en­tre nós,” as­su­miu nos­sa hu­ma­ni­da­de, per­ma­ne­cen­do na Sua con­di­ção di­vi­na, pa­ra en­si­nar aos ho­mens que o sig­ni­fi­ca­do da vi­da é o amor e a con­vi­vên­cia na paz.

Nes­te ter­cei­ro do­min­go do ad­ven­to é  bom re­lem­brar­mos as per­ti­nên­cias dos fes­te­jos de Na­tal, ten­do em vis­ta a es­sen­cia­li­da­de des­te pe­rí­o­do que é fes­te­jar o nas­ci­men­to de Je­sus. A pre­pa­ra­ção es­pi­ri­tual e re­li­gi­o­sa exis­te pa­ra que as pes­so­as pos­sam en­ten­der o Na­tal não ape­nas vol­ta­do às sim­bo­lo­gi­as e co­me­mo­ra­ções fes­ti­vas e co­mer­ci­ais, mas na com­pre­en­são de que Je­sus é o cen­tro des­ta da­ta. Quan­do fa­la­mos do Na­tal sa­be­mos que exis­te uma re­fe­rên­cia mui­to ex­pres­si­va em re­la­ção à tro­ca de pre­sen­tes e dei­xa­do de la­do o sig­ni­fi­ca­do mai­or: a es­pe­ran­ça que re­no­va no Me­ni­no Je­sus. Is­to não sig­ni­fi­ca dei­xar de pre­sen­te­ar no Na­tal, ou se re­cu­sar a re­ce­ber um pre­sen­te, mas sim de­mons­trar que o pre­sen­te é só um de­ta­lhe, o im­por­tan­te é sen­tar­mos jun­tos, ce­le­brar­mos a ami­za­de, a uni­ão, a gra­ti­dão e a es­pe­ran­ça de di­as me­lho­res.

Tal es­pe­ran­ça não é va­zia, mas sim, fun­da­men­ta­da na con­cre­ti­za­ção da pro­mes­sa de sal­va­ção que se dá em Cris­to Je­sus. Des­sa for­ma, a men­sa­gem de es­pe­ran­ça de trans­for­ma­ção da hu­ma­ni­da­de só se re­a­li­za por meio do re­al sig­ni­fi­ca­do do Ad­ven­to em nos­sas fa­mí­lias. As­sim, re­por­ta­mo-nos ao Evan­ge­lho de São Lu­cas 3. Lá en­con­tra­mos a res­pos­ta de Je­sus pa­ra as nos­sas ações no ad­ven­to “Quem tem du­as tú­ni­cas re­par­ta com quem não tem ne­nhu­ma,” e “quem tem man­ti­men­tos fa­ça o mes­mo” “Na­da exi­jais além do que vos foi es­ta­be­le­ci­do.” “Não exer­ça­is vi­o­lên­cia so­bre nin­guém, não de­nun­ci­eis in­jus­ta­men­te e con­ten­tai-vos com o vos­so sol­do.”

A per­su­a­são de uma so­ci­e­da­de con­su­mis­ta, não po­de nos dei­xar ren­der ao que ela de­ter­mi­na pa­ra o que se con­so­me. So­mos mais que con­su­mo, so­mos mais que sim­ples nú­me­ros de con­ta ban­cá­ria, so­mos pes­so­as li­ga­das umas às ou­tras, quer pe­la fé que pro­fes­sa­mos, quer pe­lo sim­ples fa­to de ser­mos ha­bi­tan­tes do mes­mo pla­ne­ta e de ter­mos um mes­mo Pai. A vi­da não é fei­ta só de lu­cros e vai­da­des, a vi­da é fei­ta de amor e co­mu­nhão. Aqui me re­por­to aos tan­tos abu­sos da­que­les que per­de­ram a no­ção de li­mi­tes pa­ra cul­mi­nar em epi­só­di­os de vi­o­lên­cias das mais va­ri­a­das for­mas. São atro­ci­da­des cau­sa­das pe­lo ego­ís­mo e pe­la fal­ta de fé. De­ve­mos re­a­li­zar uma ver­da­dei­ra trans­for­ma­ção da nos­sa vi­da no sen­ti­do de Deus. Pois o evan­ge­lho nos en­si­na que o es­sen­cial é apren­der a par­ti­lhar; que­brar os es­que­mas de ex­plo­ra­ção e de imo­ra­li­da­de e pro­ce­der com jus­ti­ça; re­nun­ci­ar à vi­o­lên­cia e à pre­po­tên­cia e res­pei­tar ab­so­lu­ta­men­te a dig­ni­da­de dos nos­sos ir­mãos.

O ter­cei­ro do­min­go do ad­ven­to é tam­bém vol­ta­do à fi­gu­ra de Ma­ria, co­mo dis­cí­pu­la e mis­si­o­ná­ria, pois ela acom­pa­nhou Je­sus até o Cal­vá­rio, aco­lhen­do as pes­so­as, pra­ti­can­do a ca­ri­da­de. Da mes­ma for­ma, sa­be­mos que Ma­ria es­tá sem­pre acom­pa­nhan­do os seus fi­lhos na Igre­ja, in­ter­ce­den­do por nós jun­to a Je­sus, co­mo fez com a fa­mí­lia das bo­das de Ca­ná.  É so­bre o pa­pel que a Vir­gem Ma­ria de­sem­pe­nhou, de mu­lher co­ra­jo­sa, for­te, que sou­be ser mãe de Je­sus e ado­tou a hu­ma­ni­da­de co­mo fi­lhos na gra­ça, que fa­ço o con­vi­te pa­ra a re­fle­xão. Ma­ria é me­di­a­do­ra de gra­ças e es­tá no meio de nós, ama-nos e, ape­sar de tu­do, in­sis­te em fa­zer ca­mi­nho co­nos­co e mar­car a vi­da de to­dos os que que­rem aco­lher o se fi­lho, Je­sus, com ale­gria, bon­da­de, ora­ção e, so­bre­tu­do, a paz.

Que a ale­gria do ad­ven­to es­te­ja em nos­sos la­res, em nos­sas fa­mí­lias, em nos­so tra­ba­lho, en­fim, em nos­sa vi­da, pa­ra re­a­li­zar­mos o que Je­sus pro­pôs à hu­ma­ni­da­de, pois ele é o pró­prio amor.

 

(Cé­lia Va­la­dão, se­cre­tá­ria Mu­ni­ci­pal de Po­lí­ti­cas pa­ra as Mu­lhe­res, can­to­ra e ba­cha­rel em Di­rei­to)

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais