Opinião

69 anos da Comissão Goiana de Folclore

diario da manha

Iza­bel Sig­no­re­li – A Co­mis­são Go­i­a­na de Fol­clo­re (CGF) foi cri­a­da em Go­i­â­nia, no dia 21 de de­zem­bro de 1948, com a fi­na­li­da­de de iden­ti­fi­car, “pre­ser­var” e in­cen­ti­var as ma­ni­fes­ta­ções fol­cló­ri­cas do Es­ta­do va­lo­ri­zan­do, as­sim, a me­mó­ria e ori­gem dos go­i­a­nos. Com es­se per­fil tra­rá de vol­ta va­lo­res que aos pou­cos de­sa­pa­re­cem de nos­sas ru­as, ci­da­des, po­vo­a­dos e fa­zen­das. Acre­di­ta­mos ser pro­fun­da­men­te ne­ces­sá­rio não se dis­tan­ci­ar de nos­sa cul­tu­ra cai­pi­ra/raí­zes, sua mú­si­ca, seus can­ta­do­res, seus cau­sos e can­tos, pois é aí tam­bém que mo­ra a ver­da­dei­ra al­ma da cul­tu­ra bra­si­lei­ra. Sem dú­vi­da al­gu­ma o Es­ta­do de Go­i­ás me­re­ce uma aten­ção mai­or com re­la­ção à pre­ser­va­ção de nos­sas raí­zes cul­tu­ra­is.

Os pre­cur­so­res à fren­te da Co­mis­são Go­i­a­na de Fol­clo­re fo­ram: Co­le­mar Na­tal e Sil­va, Cô­ne­go Jo­sé Trin­da­de, e Re­gi­na La­cer­da. Mais tar­de vi­e­ram ou­tros con­ti­nu­a­do­res pa­ra di­re­ção da CGF. Na se­quên­cia: Ma­ria Au­gus­ta Ca­la­do, Ál­va­ro Ca­te­lan, Ba­ri­a­ni Or­ten­cio, Fá­ti­ma Pa­ra­gu­as­sú e Iza­bel Sig­no­re­li na atu­al ges­tão com a ta­re­fa de bus­car, prin­ci­pal­men­te, des­cen­tra­li­zar o co­nhe­ci­men­to do fol­clo­re por meio da cri­a­ção de no­vas Co­mis­sões Mu­ni­ci­pa­is de Fol­clo­re, que já so­mam três de­ze­nas de fi­li­a­das: Pal­mei­ras de Go­i­ás, In­hu­mas, Pe­tro­li­na de Go­i­ás, Sil­vâ­nia, San­ta Cruz de Go­i­ás, San­to An­tô­nio de Go­i­ás, San­cler­lân­dia, Uru­taí, Pi­res do Rio, Ita­gu­a­ri, Uru­a­çu, Ita­be­raí, Alex­ân­ia, Ma­trin­chã, Cal­da­zi­nha, Hei­to­raí, Ce­za­ri­na, Da­mo­lân­dia, Pi­re­nó­po­lis, Lu­zi­â­nia, Mon­te Ale­gre de Go­i­ás, For­mo­sa, Gua­pó, No­va Ve­ne­za, San­ta Bár­ba­ra, Itau­çu, Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia, Be­la Vis­ta de Go­i­ás e Se­na­dor Ca­nê­do.

A CGF foi cri­a­da um ano após a ins­ta­la­ção da Co­mis­são Na­ci­o­nal de Fol­clo­re, sen­do a dé­ci­ma-sex­ta Co­mis­são Es­ta­du­al. O Pre­si­den­te da  CNF in­di­ca­va pa­ra pre­si­den­tes das co­mis­sões es­ta­du­ais os se­cre­tá­rios de Edu­ca­ção, co­mo foi o ca­so do ver­sá­til Co­le­mar  Na­tal e Sil­va ser o pri­mei­ro em Go­i­ás.

Ba­ri­a­ni Or­ten­cio – His­tó­ri­co – Co­mo sur­giu a Co­mis­são Na­ci­o­nal de Fol­clo­re. No mês de agos­to de 1945 os Es­ta­dos Uni­dos, pa­ra que o pre­si­den­te do Ja­pão as­si­nas­se o ar­mis­tí­cio de paz, lan­çou du­as bom­bas atô­mi­cas, uma em  Hi­ros­hi­ma, no dia 06 e a ou­tra em Na­ga­zaki, no dia 09. A ter­cei­ra se­ria pa­ra Tókio, que re­sul­tou o fim da Se­gun­da  Guer­ra Mun­di­al (1939 a 1945).

A ONU (Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das), com is­so, sen­tin­do a de­su­ma­ni­za­ção en­tre os po­vos, cri­ou, com se­de em Pa­ris, a Unesco (Or­ga­ni­za­ção das Na­ções  Uni­das pa­ra a Edu­ca­ção e a Cul­tu­ra) com a fi­na­li­da­de de ga­ran­tir a con­so­li­da­ção da paz por meio da co­o­pe­ra­ção in­te­lec­tu­al en­tre as na­ções,   de on­de se ori­gi­nou a  Co­mis­são Na­ci­o­nal do Fol­clo­re em 1948. Tam­bém, no mes­mo ano, a Co­mis­são Go­i­a­na de Fol­clo­re.

Cu­ri­o­si­da­de – Crô­ni­ca pu­bli­ca­da no O Po­pu­lar (Crô­ni­cas & Ou­tras his­tó­ri­as) em 12 de ja­nei­ro de 2002 – Co­mis­são Go­i­a­na de Fol­clo­re, so­bre a evo­lu­ção do Fol­clo­re em Go­i­ás.

“O Fol­clo­re em Go­i­ás pas­sa­rá a con­tar pon­tos va­li­o­sos des­de ago­ra, nes­te co­me­ço de ano. Cri­a­mos em par­ce­ria com o Pa­tri­mô­nio His­tó­ri­co e Ar­tís­ti­co, pe­lo seu di­re­tor, pro­fes­sor Agui­nal­do Cai­a­do de Cas­tro Co­e­lho, o Con­se­lho Con­sul­ti­vo que ren­de­rá bons fru­tos na área do Fol­clo­re, com o le­van­ta­men­to de even­tos de to­do o Es­ta­do. Tam­bém, em pa­re­ce­ria com a Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Go­i­â­nia, por ini­ci­a­ti­va e res­pon­sa­bi­li­da­de do efi­ci­en­te ho­mem pú­bli­co, o ve­re­a­dor He­li­nho de Bri­to, cri­a­mos a tão es­pe­ra­da Bol­sa de Pu­bli­ca­ções Fol­clo­ris­ta Re­gi­na La­cer­da, com prê­mios a ca­da ano: Li­te­ra­tu­ra Fol­cló­ri­ca, Mú­si­ca Fol­cló­ri­ca e Ar­te­sa­na­to. Ha­ve­rá pu­bli­ca­ção das obras pre­mi­a­das, além de prê­mios em di­nhei­ro.

Pro­nun­ci­a­mos no ano pas­sa­do 22 pa­les­tras em co­lé­gios e en­ti­da­des cul­tu­ra­is, e aten­de­mos em ca­sa vá­rios gru­pos de es­tu­dan­tes pes­qui­san­do o Fol­clo­re. Es­cre­ve­mos vá­ri­as crô­ni­cas so­bre a ma­té­ria, sen­do as úl­ti­mas: Fo­gão cai­pi­ra, A ca­cha­ça e su­as vir­tu­des, Os do­ces da ca­na, O pri­mei­ro Na­tal do ter­cei­ro mi­lê­nio, O se­gun­do Ano No­vo do ter­cei­ro mi­lê­nio e San­tos Reis e a Fo­lia. Par­ti­ci­pa­mos do 9º Con­gres­so Bra­si­lei­ro de Fol­clo­re em Por­to Ale­gre e da 4ª Se­ma­na de In­te­gra­das-Fol­clo­re eTu­ris­mo, em Na­tal. Saiu pe­la Kelps-Age­pel, a quar­ta edi­ção do li­vro Co­zi­nha Go­i­a­na, com 1200 re­cei­tas em 500 pá­gi­nas. Tam­bém es­tá agen­da­da com a Ce­graf (UFG), a se­gun­da edi­ção da Car­ti­lha do Fol­clo­re Bra­si­lei­ro (Prê­mio da Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Le­tras), pe­la qual os pro­fes­so­res (as) do En­si­no Fun­da­men­tal ori­en­tem os alu­nos na ini­ci­a­ção do Fol­clo­re. O Rei Cris­tão das Ca­va­lha­das de San­ta Cruz de Go­i­ás, vi­o­lei­ro, can­ta­dor e dan­ça­dor, Al­ber­to da Paz, es­tá en­sai­an­do com os mo­ra­do­res ido­sos, mais de 20 dan­ças já qua­se es­que­ci­das. Fa­re­mos as gra­va­ções em San­ta Cruz, pa­ra res­ga­tá-las em par­ce­ria com a Age­pel.

A Co­mis­são Go­i­a­na de Fol­clo­re (Unes­co-Ibecc) es­ta­rá à dis­po­si­ção das es­co­las que de­se­ja­rem ado­tar a ma­té­ria, prin­ci­pal­men­te as dan­ças, co­mo a ca­ti­ra e o lun­dum, pre­ser­van­do, as­sim, as nos­sas tra­di­ções, pois a es­co­la é o can­tei­ro de­vi­da­men­te adu­ba­do on­de flo­res­cem sa­u­dá­veis as se­men­tes bem es­co­lhi­das e bem plan­ta­das.

O pro­gres­so de­sor­de­na­do e avan­ça­do aca­ba­rá ex­tin­guin­do as tra­di­ções e o tem­po, ine­xo­rá­vel, vai aca­ban­do com os ido­sos. É ne­ces­sá­ria a par­ti­ci­pa­ção da cri­an­ça­da, da ju­ven­tu­de nas fes­tas po­pu­la­res. Os ve­lhos se aca­bam, mas as cri­an­ças cres­cem, os jo­vens se adul­tam e vão man­ten­do as tra­di­ções.

O mo­der­no não se dá bem com o Fol­clo­re, mas a on­ça te­rá que con­vi­ver com o ve­a­do e o lo­bo com as ove­lhas, que é o ca­so do Tu­ris­mo e o Fol­clo­re. O Tu­ris­mo exi­ge es­pe­tá­cu­los, vis­to­sos, vi­su­al al­te­ra­do des­vir­tua, mas aju­da a pre­ser­var o Fol­clo­re, que exi­ge cin­co itens pa­ra que o fa­to se­ja fol­cló­ri­co: Tra­di­ção, Ano­ni­ma­to, Ora­li­da­de, Po­pu­la­ri­da­de e Co­le­ti­vi­da­de. E po­de­re­mos acres­cen­tar mais um item, que é a Fun­cio­na­li­da­de, por­que “o que não é vis­to não se­rá lem­bra­do”.

Bem exem­plo es­tá dan­do o po­vo­a­do das La­ges, em Ita­pu­ran­ga, cu­ja Fo­lia de Reis re­a­li­zou nes­te sá­ba­do o seu 58º gi­ro, vi­si­tan­do 247 re­si­dên­cias ru­ra­is, gi­ran­do com fo­li­ões de “ma­man­do a ca­du­can­do”, ten­do por fes­tei­ros o jo­vem ca­sal Jo­sé e Elai­ne,fi­lhos dos do­nos da ca­sa, o fa­zen­dei­ro Van­der Car­do­so e Do­na Na­ir, on­de com­pa­re­ce­ram no re­co­lhi­men­to da Fo­lia, mais de 500 pes­so­as, não so­men­te com o in­tui­to da fes­ta, co­mo co­mu­men­te se dá, mas no mais com­ple­to es­pí­ri­to de re­li­gi­o­si­da­de , acom­pa­nhan­do as can­to­ri­as e a Ti­ra­ção do Ter­ço, to­dos con­tri­tos,res­pon­den­do, fer­vo­ro­sa­men­te de­vo­tos, em res­pei­to aos San­tos Reis.

O pon­to al­to da Fo­lia é sem­pre o al­mo­ço ou a jan­ta, que es­sa emen­dou, co­me­çan­do às ho­ras e in­do até a noi­te. As vi­bran­tes e ca­ri­nho­sas com­pa­nhei­ras-co­zi­nhei­ras des­pe­ja­vam os man­ti­men­tos de quar­tas (la­tas de 20 li­tros) nos enor­mes ta­chos das for­na­lhas. Os do­ces-de-lei­te, de ma­mão e de cas­cas de la­ran­jas fo­ram ser­vi­dos em 04 la­tas de quar­tas. E o gran­de mi­la­gre: tu­do mui­to bem tem­pe­ra­do, que co­zi­nhar pa­ra uma mul­ti­dão não é fá­cil. Mui­ta gen­te aju­dan­do, mas fu­gin­do da re­gra que “pa­ne­la em que mui­tos me­xem ou sai sal­ga­da ou sai sem sal”.

Fo­ram sor­te­a­dos li­vros meus e do an­tro­pó­lo­go Ja­dir Pes­soa, um gra­va­dor e vá­ri­as Va­le do Ce­dro, que co­man­dou a in­tro­du­ção do far­tu­ren­to e re­quin­ta­do ban­que­te ser­ta­ne­jo. Os ver­sos co­mo­ven­tes can­ta­dos pe­los fo­li­ões nos ob­stá­cu­los (ar­cos en­fei­ta­dos de bam­bu e ba­na­nei­ra), na en­tra­da pa­ra che­gar à La­pi­nha, on­de fo­ra en­tre­gue a sa­co­la de do­na­ti­vos ar­re­ca­da­dos, e re­za­do-can­ta­do o Ter­ço, ar­ran­ca­ram lá­gri­mas, prin­ci­pal­men­te dos fes­tei­ros co­mo­vi­dos e de nós, mais ido­sos. O fun­da­dor des­ta Fo­lia das La­ges é o no­na­ge­ná­rio (93) Lin­dol­fo Da­vi Bor­ges que, im­pre­te­ri­vel­men­te, con­duz a Ban­dei­ra no úl­ti­mo dia da che­ga­da. Es­pe­ra­mos que com a gra­ça do Bom Deus e dos San­tos Reis, po­de­re­mos fes­te­jar, da­qui a dois anos, as Bo­das de Di­a­man­te da Fo­lia de Reis das La­ges.” Macktub!

 

(Iza­bel Sig­no­re­li e Ba­ri­a­ni Or­ten­cio, es­cri­to­res)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar