Opinião

A freguesia de Nossa Senhora da Conceição de Campinas

diario da manha

O tí­tu­lo é do li­vro-re­por­ta­gem his­to­ri­o­grá­fi­co do jo­vem Pa­dre re­den­to­ris­ta, We­lin­ton Sil­va, fun­da­men­ta­do, prin­ci­pal­men­te, so­bre a vin­da dos pa­dres re­den­to­ris­tas da Ale­ma­nha em 1894 e das frei­ras fran­cis­ca­nas, tam­bém ale­mã­es, em 1921. E, ain­da, ca­pí­tu­los so­bre a his­tó­ria e a po­lí­ti­ca da épo­ca, pois Cam­pi­nas se tor­na­ria, com as su­as ter­ras, na fu­tu­ra ca­pi­tal do Es­ta­do.

Dos vá­rios es­cri­to­res que pu­bli­ca­ram li­vros so­bre Cam­pi­nas (Cam­pi­nha das Flo­res da Pa­ró­quia de Nos­sa Se­nho­ra da Con­cei­ção), co­mo Jo­sé Men­don­ça Te­les, com “Crô­ni­cas da Cam­pi­ni­nha”; Ho­ri­es­te Go­mes, com  “Me­mó­ri­as da Cam­pi­ni­nha” e “Lem­bran­ças da ter­ri­nha (Cam­pi­ni­nha)”; An­tô­nio Mo­rei­ra, com “Cam­pi­nas 1810 nas­ce no cer­ra­do a mãe de Go­i­â­nia” e eu, com “Cam­pi­nas do­cu­men­ta­da, 1810 – 2010”, ne­nhum foi tão fun­do, “se­cou o ba­ga­ço” so­bre o te­ma, co­mo o Pe. We­lin­ton. Foi e vol­tou vá­ri­as ve­zes ao fun­do do po­ço. Pa­ra co­men­tar so­bre um li­vro a ser lan­ça­do não se de­ve fa­lar so­men­te das pro­pri­e­da­des li­te­rá­ri­as e do au­tor. É de bom al­vi­tre mos­trar al­guns tex­tos do con­te­ú­do do li­vro pa­ra que o lei­tor te­nha in­te­res­se em co­nhe­cê-lo. É o que fa­ze­mos sem­pre, co­mo ago­ra:

“O mu­ni­cí­pio pos­sue tres fre­gue­zi­as: Cam­pi­nas, Be­la Vis­ta e San­ta Cruz. Cam­pi­nas, o lo­cal mais for­mo­so de to­da a pro­vín­cia, es­tá a 14 lé­gu­as de Bom­fim , e 166 ki­lo­me­tros da ca­pi­tal, pró­xi­ma ao  va­le do rio Meia-Pon­te, nu­ma vas­ta e pi­to­res­ca cam­pi­na que  lhe deu o no­me e re­ga­da por um lím­pi­do ri­bei­ro – o Cas­ca­vel. Foi fun­da­da em 1810 por Jo­a­quim Go­mes da Sil­va Ge­ra­es, na­tu­ral de Meia-Pon­te, que ahi pas­sou em di­rec­ção a Ani­cuns, on­de ia em bus­ca de uma mi­na de ou­ro re­cen­te­men­te des­co­ber­ta. Tão mag­ní­fi­co pa­re­ceu-lhe o lu­gar, que ahi mes­mo es­ta­be­le­ceu-se com os seus com­pa­nhei­ros; em bre­ve mui­tas fa­mí­lias de S. Pau­lo e Mi­nas pa­ra lá tran­spor­ta­ram os seus la­res”.

“Pa­ra Dom Eduar­do, ‘Cam­pi­nhas  é um dos mais apra­zí­veis lu­ga­res de Goyaz; vas­ta é a pla­ní­cie, abun­dan­te e ex­ce­len­te a água, ma­tas de pri­mei­ra qua­li­da­de, de mo­do que pres­ta-se pa­ra uma fu­tu­ro­sa ci­da­de, e tal­vez mes­mo pa­ra a ca­pi­tal do Es­ta­do tão mal si­tu­a­da”.

”A cer­ta al­tu­ra da men­sa­gem, o Ca­pi­tão faz a se­guin­te con­si­de­ra­ção ao fi­lho: ‘Vo­cês fi­ze­ram a Re­pú­bli­ca que não ser­viu pa­ra na­da. Aqui ago­ra, co­mo an­tes, con­ti­nuam man­dan­do os Cai­a­do’”.

“Em 31 de ju­lho de 1894, o Go­ver­no Ge­ral da Con­gre­ga­ção Re­den­to­ris­ta ha­via en­ca­mi­nha­do à Pro­vín­cia da Ba­vi­e­ra (Ale­ma­nha) o pe­di­do de en­vio de mis­si­o­ná­rios ao Bra­sil. As­sim nas­ce ofi­ci­al­men­te a Mis­são Re­den­to­ris­ta Bá­va­ro-Bra­si­lei­ra, com a de­sig­na­ção de 12 mis­si­o­ná­rios””

“Quan­do che­gou o dia da gran­de vi­a­gem (de Ube­ra­ba a Cam­pi­nas), os ale­mã­es de­ram um es­pe­tá­cu­lo ao mon­tar e tro­te­ar, de­sa­jei­ta­dos, em ci­ma das su­as ca­val­ga­du­ras”.

“O per­cur­so até Cam­pi­nas du­rou 25 di­as. Es­tes es­tran­gei­ros fo­ram pi­o­nei­ros na re­no­va­ção e na ro­ma­ni­za­ção dos cos­tu­mes re­li­gi­o­sos no ser­tão de Go­i­ás, ven­cen­do a di­fe­ren­ça do cli­ma, do des­lo­ca­men­to de lon­gas dis­tân­cias, a no­va lín­gua e ali­men­ta­ção”.

“Em 28 de agos­to (1921), as re­li­gi­o­sas fran­cis­ca­nas che­ga­ram ao por­to do Rio de Ja­nei­ro. De­pois se­gui­ram até o San­tu­á­rio de Apa­re­ci­da, em São Pau­lo, on­de per­ma­ne­ce­ram pa­ra re­ce­be­rem mais au­las de por­tu­guês.  So­men­te no dia 10 de ou­tu­bro par­ti­ram pa­ra Cam­pi­nas nos va­gões da Es­tra­da de Fer­ro de Go­i­ás até a es­ta­ção de Ron­ca­dor, mu­ni­cí­pio de Uru­taí. Con­ti­nu­a­ram a vi­a­gem de car­ro de bois até seu des­ti­no fi­nal com pa­ra­da em Bon­fim pa­ra per­noi­ta­rem… as fran­cis­ca­nas pas­sa­ram ain­da por Be­la Vis­ta e so­men­te na tar­de de 17 de ou­tu­bro de 1921 al­can­ça­ram, exaus­tas da vi­a­gem, o seu des­ti­no”.

Iní­cio e o de­sen­vol­vi­men­to da obra das re­li­gi­o­sas ale­mãs foi for­te­men­te mar­ca­do pe­lo es­pí­ri­to da po­bre­za fran­cis­ca­na. Re­si­di­ram por pri­mei­ro em uma re­si­dên­cia ce­di­da pe­lo ca­sal Jo­ão Ri­ta Di­as e Jú­lia Du­ar­te Di­as… No co­me­ço as qua­tro ir­mãs brin­ca­vam le­ves e fe­li­zes. Co­nhe­ci­am mui­tas coi­sas mas não sa­bi­am acen­der o fo­go, nem ca­tar gra­ve­tos e nem ti­rar água na cis­ter­na. No es­for­ço de se adap­ta­rem aos nos­sos cos­tu­mes, apren­de­ram a fi­ar e a an­dar a ca­va­lo…”

“O fa­to te­ve o seu re­gis­tro em 17 de mar­ço de 1922 quan­do o Rev­mo . Pe. Rei­tor man­dou ins­ta­lar o te­le­fo­ne em nos­sa ca­sa e no Con­ven­to dos Re­den­to­ris­tas, que foi um gran­de be­ne­fí­cio, por­que, de en­tão,  po­dí­a­mos pe­dir-lhe so­cor­ro”. “…Be­ne­fí­ci­os tra­zi­dos ale­mã­es a Cam­pi­nas: 1) A ca­sa dos pa­dres era pa­ra­da obri­ga­tó­ria a to­dos aque­les que de­man­da­vam à ca­pi­tal, ou o sul do Es­ta­do; 2) Cons­tru­í­ram a no­va Ma­triz, uma das mais ma­jes­to­sas do Es­ta­do em 1900 e o 2º ce­mi­té­rio; 3) Ins­ta­la­ram a pri­mei­ra usi­na elé­tri­ca em Cam­pi­ni­nhas em 1921;  4) Edi­ta­ram o pri­mei­ro jor­nal , tam­bém em 1921; 5) Pro­mo­ve­ram a fun­da­ção do Co­lé­gio San­ta Cla­ra pe­las ir­mãs fran­cis­ca­nas ale­mãs em 1922; 6) Ins­ta­la­ram o pri­mei­ro te­le­fo­ne do Es­ta­do em Cam­pi­nas  e Trin­da­de (1924) a 100 réis a te­le­fo­na­da; 8) In­tro­du­zi­ram a se­gun­da bi­ci­cle­ta em Cam­pi­ni­nhas; 9) Ins­ta­la­ram o pri­mei­ro re­ló­gio de tor­re da Igre­ja.”

“Co­mo era de pra­xe, por on­de a Co­lu­na Pres­tes pas­sa­va eram rei­vin­di­ca­dos pe­la vi­o­lên­cia gê­ne­ros ali­men­tí­ci­os ex­tor­sões de di­nhei­ro e até a re­qui­si­ção de ani­mais. Os mo­ra­do­res de Cam­pi­nas não fo­ram pou­pa­dos e nem os re­den­to­ris­tas. Ti­ve­ram que des­fa­zer dos seus ani­mais…”.

“ O bom de­sem­pe­nho de Li­car­di­no Ney à fren­te (pre­fei­to) do mu­ni­cí­pio de Cam­pi­nas é des­ta­ca­do em cor­res­pon­dên­cia do su­pe­ri­or lo­cal dos re­den­to­ris­tas, Pa­dre Con­ra­do…”

“Na ses­são do Con­gres­so,, se­gun­do Li­car­di­no o seu in­tui­to era pe­dir a ca­da um dos pre­fei­tos que lá se en­con­tra­va, o apoio in­di­can­do Cam­pi­nas pa­ra a se­de da fu­tu­ra ca­pi­tal do Es­ta­do”.

“… já ha­via uma pre­fe­rên­cia de Pe­dro Lu­do­vi­co por Cam­pi­nas… o jor­na­lis­ta (Jo­a­quim Ro­sa) afir­ma que Lu­do­vi­co te­ria or­de­na­do: “On­de vo­cês es­cre­ve­ram Bon­fim, es­cre­vam Cam­pi­nas”

“Es­se pro­ta­go­nis­mo se­rá vis­to co­mo na­tu­ral do pon­to de vis­ta ca­nô­ni­co, uma vez que os ter­re­nos es­co­lhi­dos pa­ra a no­va ca­pi­tal fa­zi­am par­te do ter­ri­tó­rio pa­ro­qui­al de Nos­sa Se­nho­ra da Con­cei­ção de Cam­pi­nas”.

“Dom Em­ma­nu­el (ar­ce­bis­po de Bon­fim) in­da­gou o que os re­den­to­ris­tas pen­sa­vam do In­ter­ven­tor Pe­dro Lu­do­vi­co e da mu­dan­ça da ca­pi­tal. O Pe. Con­ra­do res­pon­deu que não po­di­am es­tar con­tra por­que o In­ter­ven­tor tra­ba­lha­va a fa­vor de Cam­pi­nas. O ar­ce­bis­po fi­cou ma­go­a­do e des­de en­tão tor­nou-se ini­mi­go dos re­den­to­ris­tas”.

“O ano de 1961 é mar­ca­do pe­lo fa­le­ci­men­to do Pa­dre Pe­lá­gio Sa­u­ter, um fa­mo­so mis­si­o­ná­rio ale­mão, ama­do prin­ci­pal­men­te pe­los ro­mei­ros do Pai Eter­no. Pe­lá­gio nas­ceu dia 9 de se­tem­bro de 1878 na al­deia de Hau­sen am  Tann, na Ale­ma­nha. Seus pa­is ti­ve­ram 15 fi­lhos…”

“Pas­sa­dos 174 anos da cri­a­ção da Pa­ró­quia de Nos­sa Se­nho­ra da Con­cei­ção de Cam­pi­nas… há a no­ve­na de Nos­sa Se­nho­ra do Per­pé­tuo So­cor­ro, des­de 1952, pe­lo mé­ri­to des­ta úl­ti­ma de­vo­ção a Ma­riz de Cam­pi­nas se tor­nou San­tu­á­rio em 2000, re­co­nhe­ci­do pe­la Ar­qui­di­o­ce­se de Go­i­â­nia e Ba­sí­li­ca, dig­ni­da­de con­fe­ri­da pe­lo Pa­pa Fran­cis­co em 2015”.

Cons­ta ain­da, ilus­tra­ções, fo­to­gra­fi­as, bi­bli­o­gra­fia, do­cu­men­tos, car­tas e re­cor­tes de jor­nais.

Macktub!

 

(Ba­ri­a­ni Or­ten­cio ba­ri­a­nior­ten­[email protected])

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais