Opinião

Amai-vos e instruí-vos

diario da manha

“Sa­ber é o su­pre­mo bem e to­dos os ma­les pro­vêm da ig­no­rân­cia.”

(Le­on De­nis – No in­vi­sí­vel, cap. 22)

 

Com ba­se nes­sa as­ser­ti­va po­de­mos con­clu­ir que a fal­ta do sa­ber é um mal, ou con­duz a ele. E, os An­jos do Se­nhor nos afir­mam que o ho­mem é mais ig­no­ran­te do que mau, que to­dos so­mos ca­ren­tes de amor e ins­tru­ção, e que es­tu­dar e ser­vir são ro­tas ine­vi­tá­veis em nos­sa as­cen­são es­pi­ri­tual. As­sim sen­do, a mais re­le­van­te re­co­men­da­ção que nos fa­zem é jus­ta­men­te no sen­ti­do de con­quis­tar­mos a sa­be­do­ria e a bon­da­de, co­mo as­se­ve­rou o Es­pí­ri­to da Ver­da­de: “Amai-vos e Ins­truí-vos”.

A sa­be­do­ria é ben­ção que não che­ga to­tal e com­ple­ta pa­ra nin­guém. Tra­ta-se de um em­pre­en­di­men­to de lon­go e de­mo­ra­do cur­so, que se ori­gi­na in­te­rior­men­te e se ex­pan­de pre­en­chen­do os es­pa­ços men­tais e emo­cio­nais do ser.

Es­se po­ten­ci­al en­con­tra-se em ger­me em to­dos os in­di­ví­duos, aguar­dan­do os fa­to­res que lhe pro­pi­ci­em a ex­te­rio­ri­za­ção das pos­si­bi­li­da­des ocul­tas, que se trans­for­ma­rão em ati­tu­des e com­por­ta­men­tos su­pe­ri­o­res.

Se­me­lhan­te a uma se­men­te, é in­vi­sí­vel o seu re­sul­ta­do, que só o tem­po re­ve­la e per­mi­te cres­cer, al­can­çan­do a fi­na­li­da­de de sua es­sên­cia.

O ser hu­ma­no, em sua ju­ven­tu­de, quan­do ir­rom­pem as ener­gi­as do­mi­na­do­ras, a ar­ro­gân­cia pre­do­mi­na em sua na­tu­re­za, tor­nan­do o in­di­ví­duo, mui­tas ve­zes, exi­gen­te, in­to­le­ran­te, agres­si­vo. Com o pas­sar do tem­po, no en­tan­to, as ex­pe­ri­ên­cias vão tra­ba­lhan­do o ca­rá­ter com pa­ci­ên­cia, e a sa­be­do­ria se apre­sen­ta nas su­as pri­mei­ras ma­ni­fes­ta­ções, que po­dem ser iden­ti­fi­ca­das co­mo hu­mil­da­de, gen­ti­le­za, com­pre­en­são e to­le­rân­cia.

Es­sa trans­for­ma­ção ocor­re no ser in­te­ri­or, que se tor­na com­pas­si­vo e ge­ne­ro­so, por com­pre­en­der que as cri­a­tu­ras são di­fe­ren­tes e tran­si­tam em ní­veis de de­sen­vol­vi­men­to in­te­lec­to-mo­ral mui­to di­ver­si­fi­ca­do.

Mui­tas ve­zes, es­sa trans­for­ma­ção é do­lo­ro­sa, por­que exi­ge hu­mil­da­de e co­ra­gem pa­ra re­co­nhe­cer-se quan­do se es­tá er­ra­do e se de­vem pe­dir des­cul­pas. En­tre­tan­to, to­dos er­ram, apren­den­do por meio das ex­pe­ri­ên­cias per­tur­ba­do­ras, co­mo não rein­ci­dir no de­se­qui­lí­brio.

Es­sa ima­tu­ri­da­de psi­co­ló­gi­ca, po­rém, tem di­fi­cul­da­de em re­co­nhe­cer os pró­prios equí­vo­cos e tei­mo­sa­men­te bus­ca de­fen­dê-los me­di­an­te re­cur­sos pou­co li­son­jei­ros. Con­tu­do, quan­do se vai des­po­jan­do das in­jun­ções da ig­no­rân­cia e da pre­sun­ção, des­co­bre a fe­li­ci­da­de de ser au­tên­ti­co, de po­der iden­ti­fi­car os en­ga­nos e re­pa­rá-los, não se afli­gin­do com a apa­rên­cia, que é sem­pre se­cun­dá­ria no seu pro­ces­so de cres­ci­men­to in­te­ri­or.

Co­nhe­cen­do os de­sa­fi­os que te­ve de en­fren­tar e os que ain­da sur­gi­rão pe­lo seu ca­mi­nho evo­lu­ti­vo, não exi­ge trans­for­ma­ções mo­ra­is nos ou­tros, nem se es­qui­va de cres­cer sem­pre.

A sa­be­do­ria au­men­ta na ra­zão di­re­ta em que a con­sci­ên­cia hu­ma­nis­ta se de­sen­vol­ve e per­ce­be a fi­na­li­da­de de sua exis­tên­cia no mun­do.

Ser sá­bio não se fun­da­men­ta ape­nas no grau de in­for­ma­ção ou de co­nhe­ci­men­to que te­mos so­bre a vi­da ter­re­na.

Mui­tas pes­so­as cul­tas não são sa­bi­as, ape­sar de os­ten­ta­rem um ar de su­pe­ri­o­ri­da­de in­te­lec­tu­al.

Nin­guém nas­ce sá­bio, mas ape­nas por­ta­dor da sua se­men­te. Va­lo­ri­zan­do o tem­po e su­as li­ções, o ho­mem e a mu­lher que am­bi­cio­nam o de­sen­vol­vi­men­to da se­men­te que con­du­zem no ín­ti­mo, uti­li­zam-se bem de ca­da ins­tan­te que lhes é con­ce­di­do pa­ra apren­der, pa­ra en­si­nar pa­ra me­lho­rar a pró­pria con­di­ção, bem co­mo a qua­li­da­de de vi­da a que se en­tre­gam.

A sa­be­do­ria sor­ri en­quan­to a pre­sun­ção e o co­nhe­ci­men­to to­lo se exi­bem, por­que su­per­fi­ci­ais, lo­go se es­va­ne­cen­do di­an­te das ques­tões pro­fun­das da exis­tên­cia hu­ma­na e da re­a­li­da­de do ser. In­fe­liz­men­te, mes­mo ig­no­ran­do es­se pro­ces­so de cres­ci­men­to, que é na­tu­ral e au­to­má­ti­co, as cri­a­tu­ras hu­ma­nas dão-se con­ta da ne­ces­si­da­de de bus­ca­rem o aper­fei­ço­a­men­to mo­ral e es­pi­ri­tual, a fim de se tor­na­rem ple­nas.

A ple­ni­tu­de é me­ta que se de­ve al­can­çar e que se en­con­tra in­se­ri­da em to­dos os se­res pen­san­tes.

A sa­be­do­ria bus­ca sem­pre ho­ri­zon­tes mais am­plos até per­der-se na in­fi­ni­da­de, sem afas­tar-se da re­a­li­da­de em que se de­ve fi­xar. Lo­go de­pois, o co­nhe­ci­men­to que de­cor­re do es­tu­do, da ob­ser­va­ção, dos di­á­lo­gos, da re­fle­xão e do apro­fun­da­men­to no con­jun­to das in­for­ma­ções, en­car­re­ga-se de es­cla­re­cer o in­di­ví­duo que, amo­ro­so, em­pre­en­de a mar­cha do sa­ber pa­ra ser li­vre en­con­tran­do a ver­da­de.

O amor de­sem­pe­nha um pa­pel fun­da­men­tal pa­ra a con­quis­ta da sa­be­do­ria. Por meio de­le os sen­ti­men­tos se am­pli­am, abra­çan­do os de­mais se­res en­con­tra­dos pe­la fren­te e não dei­xan­do pe­ga­das de amar­gu­ra ou de res­sen­ti­men­to pe­los ca­mi­nhos per­cor­ri­dos.

No li­vro “Os Pra­ze­res da Al­ma”, o au­tor Ha­med nos mos­tra o que pre­ci­sa­mos apren­der e ana­li­sar so­bre o amor, que tam­bém é um po­ten­ci­al que es­tá con­ti­do no ser hu­ma­no. É um fe­nô­me­no na­tu­ral a ser des­per­ta­do por to­dos, e não sim­ples­men­te al­go pron­to e guar­da­do nas pro­fun­de­zas da al­ma, es­pe­ran­do ser des­co­ber­to por al­guém a qual­quer mo­men­to.

O amor es­tá na na­tu­ra­li­da­de da vi­da de ca­da um. É uma ca­pa­ci­da­de a ser de­sen­vol­vi­da, co­mo sa­be­do­ria. Um dia, amar se­rá tão fá­cil co­mo res­pi­rar em uma at­mos­fe­ra pu­ra ou sa­ci­ar a se­de na água trans­lú­ci­da.

Amar é uma for­ma bá­si­ca de bem vi­ver. Nos­sas es­tru­tu­ras ín­ti­mas es­tão ali­cer­ça­das no amor. Sem amor tu­do fe­ne­ce.

Se­gun­do o após­to­lo Jo­ão: “Deus é Amor. Aque­le que per­ma­ne­ce no amor per­ma­ne­ce em Deus e Deus per­ma­ne­ce ne­le.”

Quan­do a hu­ma­ni­da­de apren­der a amar, to­dos nós nos re­u­ni­re­mos em tor­no de uma só re­li­gi­ão – O Amor. Ali­ás, a úni­ca re­li­gi­ão pro­fes­sa­da por Je­sus Cris­to. Amar a Deus, amar ao pró­xi­mo, amar a nós mes­mos. Es­sa é a mais pu­ra es­sên­cia dos en­si­na­men­tos do Mes­tre.

Mes­mo aque­le que tem pou­co amor em seu co­ra­ção já pos­sui uma pe­que­ni­na cha­ma que lhe ilu­mi­na o ca­mi­nho nas tem­pes­ta­des es­cu­ras da exis­tên­cia hu­ma­na. A luz de sim­ples ve­la na es­cu­ri­dão da noi­te po­de nos gui­ar se­gu­ra­men­te, e por que não, tam­bém au­xi­li­ar os ou­tros com­pa­nhei­ros do co­mi­nho?

O ver­da­dei­ro amor é sem­pre res­pei­to­so e abran­gen­te, to­tal­men­te di­fe­ren­te da ati­tu­de pos­ses­si­va e li­mi­ta­da di­ri­gi­da ape­nas à pa­ren­te­la con­san­guí­nea. No “amor re­al”, nós de­se­ja­mos o bem da ou­tra pes­soa e nos ale­gra­mos com sua evo­lu­ção; no “amor ro­mân­ti­co”, nós de­se­ja­mos a pes­soa e nos ves­ti­mos com o man­to da pos­ses­si­vi­da­de. Por não amar­mos, é que a in­di­fe­ren­ça e o des­pre­zo vi­go­ram no seio da so­ci­e­da­de.

No li­vro “Pen­sa­men­to e Vi­da”, Em­ma­nu­el nos en­si­na que “Atra­vés do amor va­lo­ri­za­mo-nos pa­ra que a vi­da, e atra­vés da sa­be­do­ria so­mos pe­la vi­da va­lo­ri­za­dos”. Es­cla­re­cen­do-nos ain­da, que bon­da­de sem co­nhe­ci­men­to é co­mo um po­ço que ma­ta a se­de do vi­a­jan­te, mas não tem po­der de lhe en­si­nar o ca­mi­nho cer­to; e a in­te­li­gên­cia sem o amor as­se­me­lha-se a um pos­te no qual se pen­du­ra um avi­so, in­for­man­do ao vi­a­jan­te o ru­mo a se­guir, sem au­xi­liá-lo, no en­tan­to, a ma­tar a pró­pria se­de. Daí a ne­ces­si­da­de de mar­cha­rem jun­tas a in­te­li­gên­cia e a bon­da­de. O pro­ble­ma é que, ain­da ho­je, amor e ins­tru­ção não atuam em con­cor­dân­cia, ge­ran­do in­ter­mi­ná­veis con­fli­tos que in­fe­li­ci­tam nos­sa vi­da. In­for­ma-nos tam­bém que “A edu­ca­ção, com co­nhe­ci­men­to e bon­da­de, sa­ber e vir­tu­de, não se­rá con­se­gui­da tão só à for­ça de ins­tru­ção, que se im­po­nha de fo­ra pa­ra den­tro, mas sim, com a con­sci­en­te ade­são da von­ta­de que, em con­sa­gran­do ao bem por si pró­pria, sem cons­tran­gi­men­to de qual­quer na­tu­re­za, po­de li­ber­tar e po­lir o co­ra­ção, ne­le plas­man­do a fa­ce cris­ta­li­na da al­ma, ca­paz de re­fle­tir a Vi­da Glo­ri­o­sa e trans­for­mar, con­se­quen­te­men­te o cé­re­bro em pre­ci­o­sa usi­na de ener­gia su­pe­ri­or, pro­je­tan­do re­fle­xos de be­le­za e su­bli­ma­ção.”.

Por opor­tu­no, lem­bra­mos tam­bém as sá­bi­as pa­la­vras de Fran­cis­co Cân­di­do Xa­vi­er: “Na ig­no­rân­cia não con­se­gui­rí­a­mos, co­mo não con­se­gui­re­mos, en­xer­gar o ca­mi­nho re­al que Deus tra­çou a ca­da um de nós na Ter­ra. To­dos nós, se­ja­mos cri­an­ças ou jo­vens, adul­tos ou mui­tís­si­mos adul­tos, de­ve­mos es­tu­dar sem­pre… Mas, não po­de­mos vi­ver tão so­men­te da in­te­li­gên­cia. Pre­ci­sa­mos de amor pa­ra so­bre­vi­ver­mos a to­das as ca­la­mi­da­des ne­ces­sá­rias ao pro­ces­so evo­lu­ti­vo em que to­dos es­ta­mos en­vol­vi­dos na Ter­ra.”

Por­tan­to, con­si­de­ran­do que a ig­no­rân­cia é ape­nas uma gran­de noi­te que ce­de­rá lu­gar à sa­be­do­ria, use­mos o te­sou­ro do amor, em to­das as di­re­ções, e es­ten­da­mos o bem por to­da par­te.

 

(Ele­ci Cor­rea de Pau­la Ro­dri­gues, mem­bro do Gru­po de Edi­fi­ca­ção Es­pí­ri­ta e da Aca­de­mia Es­pí­ri­ta de Le­tras do Es­ta­do de Go­i­ás)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais