Opinião

Animado para o Natal?

diario da manha

Es­sa per­gun­ta faz par­te do co­ti­dia­no tri­vi­al des­sa épo­ca do ano. To­dos nós fi­ca­mos mais sen­sí­veis nes­ta épo­ca. Mas o Na­tal é mais do que uma me­sa far­ta e a tro­ca de pre­sen­tes en­tre os que se amam. Exis­te al­go mui­to mai­or que é ob­ser­va­do por pou­cos…É o ani­ver­sá­rio de Je­sus! Se­gun­do a Dou­tri­na Es­pí­ri­ta, Ele é o nos­so Guia e Mo­de­lo, con­for­me cons­ta na ques­tão 625 de “O Li­vro dos Es­pí­ri­tos”, de Al­lan Kar­dec. É o ser mais per­fei­to que já vi­veu em nos­so pla­ne­ta. Mas o ma­te­ri­a­lis­mo gri­ta tão al­to nes­sa épo­ca, o con­su­mis­mo fi­ca de­sen­fre­a­do que es­que­ce­mos des­te im­por­tan­te de­ta­lhe. Mas, pa­ra vo­cê ? Quem é Je­sus? Va­mos te­cer al­gu­mas con­si­de­ra­ções so­bre es­ta Fi­gu­ra Ím­par e va­mos ver a con­clu­são que vo­cê, que­ri­do lei­tor, che­ga­rá. Pa­ra aque­la mu­lher que so­fria de uma he­mor­ra­gia à mais de do­ze anos, ele foi o mé­di­co que lhe cu­rou sem que ela pro­nun­cias­se uma só pa­la­vra. Bas­tou to­car em su­as ves­tes e a he­mor­ra­gia, que lhe cau­sa­va um enor­me so­fri­men­to, ces­sou (Mar­cos, 5, 25-34). Pa­ra a mu­lher adúl­te­ra, que se­ria mor­ta a pe­dra­das, ele foi o Jus­to Ju­iz, pois que trans­fe­riu a res­pon­sa­bi­li­da­de de seu jul­ga­men­to, pa­ra a con­sci­ên­cia da­que­les que ali es­ta­vam, pro­nun­ci­an­do a cé­le­bre fra­se “aque­le que não ti­ver pe­ca­do, que ati­re a pri­mei­ra pe­dra” (Jo­ão 8,1-11). Já pa­ra a mu­lher sa­ma­ri­ta­na, a quem pe­de água no Po­ço de Ja­có, ele nos deu um cla­ro exem­plo de que so­mos to­dos fi­lhos de um mes­mo Pai, um ges­to de amor e to­le­rân­cia com aque­les que, pe­lo vi­és re­li­gi­o­so, não pen­sa co­mo nós(Jo­ão, 4, 5-43). Pa­ra Ma­ria de Mag­da­la ele foi o exem­plo de amor pu­ro, sem mes­clas, o es­tá­gio mais pu­ro des­te no­bre sen­ti­men­to. Foi ela que nos deu a no­tí­cia de que Je­sus ven­ce­ra a mor­te(Jo­ão, 20 1-18). Pa­ra seus após­to­los, foi o Mes­si­as pro­me­ti­do. Só ele po­de­ria sal­var-lhes a vi­da, du­ran­te a tem­pes­ta­de que os ame­a­çou, com ven­tos for­tes, na tra­ves­sia do Mar da Ga­li­léia. Foi Ele quem an­dou so­bre as águas e aten­den­do a um pe­di­do de Pe­dro, o fez an­dar des­ta for­ma tam­bém (Lu­cas, 8, 22-25). Pa­ra o ce­go de nas­cen­ça, Bar­ti­meu, Je­sus foi quem lhe de­vol­veu a ca­pa­ci­da­de de ver. Mis­tu­ran­do sa­li­va e lo­do, trou­xe a vi­são e Bar­ti­meu viu, a sua fren­te, a Luz do Mun­do(Mar­cos, 10, 46-52).Ape­sar de to­dos es­ses fa­tos vi­ven­cia­dos por aque­les que es­ti­ve­ram ao la­do de Je­sus du­ran­te sua pas­sa­gem pe­la Ter­ra, al­guns não acre­di­ta­vam que ele se­ria o Mes­si­as anun­ci­a­do pe­los pro­fe­tas no An­ti­go Tes­ta­men­to. Pa­ra que to­das as pro­fe­cias que fa­la­vam so­bre Ele se cum­pris­sem e to­do o po­vo sou­bes­se que ele era o Mes­si­as es­pe­ra­do, ele cum­pre a pro­fe­cia de Za­ca­ri­as, 9:9, que afir­ma: “Ale­gre-se mui­to, ci­da­de de Si­ão! Exul­te, Je­ru­sa­lém! Eis que o seu rei vem a vo­cê, jus­to e vi­to­ri­o­so, hu­mil­de e mon­ta­do num ju­men­to, um ju­men­ti­nho, cria de ju­men­ta”. Por is­so, che­gan­do em Je­ru­sa­lém, na­que­le do­min­go que fi­cou co­nhe­ci­do na his­tó­ria co­mo “do­min­go de ra­mos”, pois o po­vo cor­tou ra­mos de pal­mei­ra e co­lo­cou no chão pa­ra que Je­sus pas­sas­se, em sua en­tra­da tri­un­fal em Je­ru­sa­lém, Je­sus, ao se apro­xi­mar des­ta ci­da­de, pe­de aos seus dis­cí­pu­los que fos­sem a um po­vo­a­do que es­ta­va à fren­te e lá en­con­tra­ri­am um ju­men­ti­nho que nun­ca nin­guém hou­ve­ra mon­ta­do. Se­ria so­bre ele que Je­sus en­tra­ria em Je­ru­sa­lém(Lu­cas 19:29,30). Já pa­ra Pôn­cio Pi­la­tos, Ele era mais um dos pro­fe­tas que pro­li­fe­ram em Is­ra­el àque­la épo­ca. Mas, a en­tra­da tri­un­fal em Je­ru­sa­lém, com to­dos o sa­u­dan­do co­mo “Fi­lho de Da­vi”, o pe­di­do de Cai­fás, Che­fe do Si­né­drio, pa­ra que ele fos­se con­de­na­do à mor­te, o co­lo­cou pen­sa­ti­vo. “Quem é es­te Je­sus de Na­za­ré?”, pen­sa­va ele. E eis que che­ga o mo­men­to em que o po­vo de­ve­ria re­sol­ver qua­is dos pre­sos de­ve­ria ser li­ber­to, por oca­si­ão da Pás­coa dos ju­deus. E Pi­la­tos man­da tra­zer Je­sus do cár­ce­re. Ao che­gar na pre­sen­ça do Go­ver­na­dor da Ju­déia, Je­sus es­ta­va amar­ra­do, com uma co­roa de es­pi­nhos na ca­be­ça e en­san­guen­ta­do. Fo­ra tor­tu­ra­do du­ran­te à noi­te. A es­po­sa de Pi­la­tos, ao ver Je­sus, lem­bra de um so­nho que te­ve e pe­de pa­ra que ele não o con­de­ne. Eis a nar­ra­ti­va evan­gé­li­ca: “E, es­tan­do ele as­sen­ta­do no tri­bu­nal, sua mu­lher man­dou-lhe di­zer: Não en­tres na ques­tão des­se jus­to, por­que num so­nho mui­to so­fri por cau­sa de­le.” Ma­teus 27:19. Pi­la­tos, en­tão, per­gun­ta-lhe: “És Rei dos ju­deus?” e Je­sus res­pon­de: “Tu o di­zes. Meu rei­no não é des­te mun­do”. Nes­te mo­men­to, que­ri­do lei­tor, lem­bra­mos que Je­sus só nos pe­de uma coi­sa: Que ame­mos a Deus so­bre to­das as coi­sas e ao pró­xi­mo co­mo a nós mes­mos. E co­mo es­ta­mos pro­ce­den­do, em nos­sa es­ta­dia na Ter­ra? Se­rá que es­ta­mos dan­do a Deus o que é de Deus, ou se­ja, nos com­por­tan­do co­mo es­pí­ri­tos imor­tais que um dia dei­xa­re­mos a ar­ma­du­ra de car­ne, que mor­re­rá e con­ti­nu­a­re­mos vi­vos, ou nos com­por­ta­mos co­mo se to­do e qual­quer pra­zer de­va ser fru­í­do a qual­quer pre­ço, aqui e ago­ra, co­mo se fos­se­mos mor­rer jun­to com o cor­po? A Dou­tri­na Es­pí­ri­ta, re­lem­bran­do Je­sus, nos aler­ta que fo­ra da ca­ri­da­de não há sal­va­ção e com is­so, ao me­nos no Na­tal, de­ve­mos ser mais ge­ne­ro­sos e pen­sar um pou­co que se­ja, nos me­nos fe­li­zes que vi­vem em nos­sa co­mu­ni­da­de. Vi­si­tar os en­fer­mos, le­var-lhes uma pa­la­vra de ca­ri­nho, dar ces­tas bá­si­cas pa­ra os de­sa­for­tu­na­dos que são di­a­ria­men­te vi­si­ta­dos pe­la fo­me, en­fim, pra­ti­car to­da a ca­ri­da­de que es­ti­ver à nos­so al­can­ce. Agin­do des­ta for­ma, es­ta­re­mos mais pró­xi­mos de Je­sus, nes­te Na­tal. Paz a to­dos!

 

(Hé­lio Ri­bei­ro Lou­rei­ro, ad­vo­ga­do)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar