Opinião

Aprendendo decifrar a própria alma

diario da manha

Cer­tas pes­so­as que le­ram al­gu­mas crô­ni­cas e po­e­si­as mi­nhas co­men­ta­ram que não é fá­cil en­ten­der até on­de que­ro che­gar, mes­mo sen­do elas es­cri­tas de for­ma sim­ples, mas são mis­té­ri­os cap­ta­dos pe­la mi­nha men­te, que na ver­da­de, não se po­de per­ce­ber ou de­ci­frar. Se­rá que mi­nhas crô­ni­cas, po­e­si­as ou li­vros de ro­man­ce são enig­mas das qua­is pos­so es­tar exi­gin­do mui­to do es­cas­so tem­po das pes­so­as que le­em e ten­tam de­ci­frar os meus es­cri­tos, ou me de­ci­frar. Se che­ga­rem a al­gu­ma con­clu­são fá­ti­ca ou não, pos­so afir­mar que eu e mi­nha for­ma de es­cre­ver po­de­mos nos tor­nar um pe­sa­de­lo em noi­tes de lua cheia ou se­rem ata­ca­das por só­si­as nas ru­as de­ser­tas que es­tão à pro­cu­ra da de­ci­fra­ção de nos­sas pró­pri­as al­mas. Não con­tra­di­to mui­to, mas con­tra­di­to o su­fi­ci­en­te e che­go ser a re­vol­ta que se es­con­de den­tro de mim mes­mo. Ad­mi­to que já vi­vi o bas­tan­te, mas que­ro vi­ver mais, tal­vez o su­fi­ci­en­te pa­ra en­ten­der-me com tu­do aqui­lo que cer­ca. Di­an­te do meu pe­que­no mun­do acho que te­nho bri­lho e que­ro man­ter es­se bri­lho, mas de que va­le tu­do is­so se a gen­te des­per­di­ça o nos­so tem­po com pes­so­as inú­te­is, fin­gi­das, des­pre­pa­ra­das? Se exis­te al­gum de­ta­lhe ex­tra a meu res­pei­to, eu não sei ex­pli­car e nem ex­pli­car a mim mes­mo. Ja­mais me pri­vo de de­se­jos que pos­sam me ar­ran­car um sor­ri­so por­que eu me pre­vi­no de de­cep­ções.

Quan­do es­ti­ver len­do ana­li­se bem o que es­cre­vo e an­tes de jul­gar-me olha­rá no es­pe­lho da vi­da e ve­rá o seu pró­prio re­fle­xo e a quem cu­jo tex­to re­al­men­te es­tá jul­gan­do. No en­tan­to, eu e vo­cê ca­ro lei­tor so­mos tam­bém co­mo a um enig­ma, ca­da um com o seu se­gre­do a de­ci­frar; têm gen­te que se ape­ga por quem os tra­ta mal, por quem se bri­ga, to­da­via, eu sou o con­trá­rio de tu­do is­so, pois me ape­go por quem me tra­ta bem, e se gri­ta ou me tra­ta mal me afas­to e ig­no­ro, pois o tem­po en­car­re­ga­rá de des­fa­zer qual­quer mal fei­to.  Quan­do al­guém dá “pa­ta­das” eu me re­cuo, sa­ben­do que a “pa­ta­da” ou jei­to tor­to de agre­dir po­de ter si­do im­pen­sa­da e  des­cul­pan­do-se, me ga­nha de no­vo, re­cu­pe­ra a ami­za­de.  Gos­to de pes­so­as as­sim ver­da­dei­ras, sem fal­se­tes, pois é nes­se sen­ti­do que de­ve ha­ver os sen­ti­men­tos que te­mos sem fin­gir si­tu­a­ções.

É len­do, di­a­lo­gan­do, olhan­do nos olhos que en­xer­ga­mos ser pos­sí­vel apren­der a ver e de­ci­frar a pró­pria al­ma, que não é so­men­te ver; que não é sim­ples­men­te per­ce­ber com os olhos. Ver é per­ce­ber com a al­ma, com o es­pí­ri­to; é dei­xar-se en­vol­ver-se; é dei­xar-se ca­ti­var. Mui­tos são os que olham e na­da vê­em, pois não se emo­cio­nam da ma­nei­ra que as ima­gens re­pre­sen­tam. Uma vi­são fria sem um pon­to de equi­lí­brio fi­nal. Não sa­bem, tal­vez, que é pos­sí­vel mu­dar a ma­nei­ra de en­xer­gar o que o mun­do nos pro­por­ci­o­na. Ou se sa­bem não se in­te­res­sam por is­so; es­tão tão acos­tu­ma­dos com a fri­e­za de seu pró­prio olhar que fin­ge não ver o que es­tá à sua fren­te, por mais be­la que a ima­gem for, tal­vez, até des­co­nhe­ça a for­ma de co­mo ela se apre­sen­ta di­an­te de­les, ne­gan­do-se a ver a be­le­za ne­la con­ti­da.

Eu apren­di a de­ci­frar olha­res e atra­vés de­les pu­de ob­ser­var que ha­via ja­ne­las e atra­vés de­las, che­gar até a al­ma. Apren­di a in­ter­pre­tar sem­blan­tes, en­ten­der si­lên­cios, com­pre­en­der, per­do­ar er­ros, pre­ve­nir que­das; apren­di a le­van­tar-me, er­guer ca­be­ça e er­gui­da, sem­pre man­ten­do o pen­sa­men­to po­si­ti­vo; apren­di lo­ca­li­zar de on­de vêm as “tem­pes­ta­des” de pa­la­vras que ma­go­am e cons­tran­gem; apren­di a man­ter-me cal­mo quan­do hu­mi­lha­do; com­pre­en­di que, quan­do se es­cre­ve um li­vro de po­e­sia, de ro­man­ce, um ar­ti­go ou crô­ni­ca, al­guns lei­to­res não  gos­tam de ler e nem dá a mí­ni­ma a cer­tos tex­tos; mas apren­di a não me apo­quen­tar com na­da, pois pro­cu­ro man­ter sem­pre a ca­be­ça er­gui­da, mas fi­co cu­ri­o­so pa­ra en­ten­der os por­quês. Es­cre­ven­do di­a­ria­men­te apren­di al­can­çar co­ra­ções de pes­so­as que so­frem e ape­que­nar su­as do­res e se­car su­as lá­gri­mas; apren­di a co­nhe­cer e con­vi­ver com pes­so­as tal co­mo elas são; apren­di a com­pre­en­der on­de elas tens es­ta­do e on­de es­tão seus lu­cros e fra­cas­sos; apren­di a ce­le­brar com elas mes­mas, se­ja vir­tu­al­men­te ou não, as su­as ale­gri­as e com­par­ti­lhar su­as do­res e ja­mais jul­gá-las, pois to­dos so­mos su­jei­tos a er­ros. Apren­di a sen­tir sa­u­da­des igua­is­zi­nhas a vo­cê que lê es­ta crô­ni­ca ago­ra.

É pú­bli­co e no­tó­rio que o olhar tem que ser trei­na­do, pois ge­ral­men­te uma mes­ma ima­gem po­de ou não re­pre­sen­tar a mes­ma sen­sa­ção. Ca­da olhar é um fe­nô­me­no di­fe­ren­te do ou­tro, mes­mo que se olhe pa­ra o mes­mo ob­je­to no mes­mo lu­gar, re­pe­ti­da­men­te. É co­mo aque­la pes­soa que an­tes ha­via en­tra­do no mar. Ob­ser­vou-se pos­te­rior­men­te que nem o mar era o mes­mo de quan­do ela ha­via en­tra­do ne­le. Ele se mo­di­fi­ca com o tem­po ou o tem­po o mo­di­fi­ca.

Ur­ge en­tão que a gen­te con­si­ga de­ci­frar a nos­sa pró­pria al­ma; ur­ge apren­der a co­nhe­cer a nós mes­mos, de on­de vêm nos­sas raí­zes, e o nas­ce­dou­ro de nos­sos prin­cí­pios. Ho­je, de cer­ta for­ma in­qui­e­to, achei por bem abrir as com­por­tas do meu co­ra­ção e as ja­ne­las de mi­nha al­ma. Trans­for­mar a mi­nha es­cri­ta, o meu olhar em al­go sub­stan­ci­al, nu­tri­ti­vo, pois eles que pro­ve­rão mi­nha al­ma de ima­gens a se­rem de­co­di­fi­ca­das. Achei por bem tam­bém de trans­for­mar mi­nha al­ma num nú­cleo for­ma­dor de be­ne­vo­lên­cia, pa­ra que pos­sam me de­ci­frar, e tu­do que ne­la for in­cor­po­ra­da por meio do olhar me de­lei­te, me dei­xe em­be­ve­ci­do, sa­tis­fei­to. As­sim me trans­for­ma­rei ain­da mais nu­ma pes­soa me­lhor e po­de­rei aju­dar as pes­so­as com as qua­is con­vi­vo. Acre­di­to que quan­to mais pes­so­as es­ti­ve­rem pen­san­do, en­xer­gan­do e de­ci­fran­do as­sim, me­lhor se­rá a nos­sa so­ci­e­da­de.

 

(Van­der­lan Do­min­gos de Sou­za, ad­vo­ga­do, es­cri­tor, mis­si­o­ná­rio e am­bien­ta­lis­ta. É mem­bro da Uni­ão Bra­si­lei­ra dos Es­cri­to­res, mem­bro da Aca­de­mia Mor­ri­nhen­se de Le­tras, mem­bro da Alcai – Aca­de­mia de Le­tras, Ci­ên­cia e Ar­tes de In­hu­mas, mem­bro da Conbla – Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Le­tras de Ar­tes de São Pau­lo, con­se­lhei­ro da Co­mis­são Go­i­a­na de Fol­clo­re. Foi agra­ci­a­do com Tí­tu­lo Ho­no­rí­fi­co de Ci­da­dão Go­i­a­ni­en­se. Es­cre­ve to­das as quar­tas-fei­ras pa­ra o Diá­rio da Ma­nhã.  Email: vde­[email protected]­mail.com Blog: van­der­lan­do­min­gos.blog­spot.com)

 

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais