Opinião

Aquela fotografia

diario da manha

Em 2014 co­lo­quei no Fa­ce­bo­ok um re­tra­to do meu ca­sa­men­to, e ago­ra, co­in­ci­den­te­men­te quan­do a ima­gem com­ple­ta 40 anos, ela vol­ta. Os nú­me­ros re­don­dos cos­tu­mam ter mai­or pe­so do que os nú­me­ros que­bra­dos, e aca­bei por mer­gu­lhar na­que­le dia lon­gín­quo, no qual eu ti­nha 22 anos, era vir­gem co­mo ori­en­ta­va a fa­mí­lia, e es­ta­va me ca­san­do.  Meu noi­vo, Flá­vio Ro­cha Sil­vei­ra, de 28 anos, na­tu­ral de For­ta­le­za, Ce­a­rá, era en­ge­nhei­ro ci­vil for­ma­do em 1974. Eu, Ma­ra Yan­mar Nar­ci­so da Cruz, nas­ci­da em Mon­tes Cla­ros, Mi­nas Ge­ra­is, ti­nha con­cluí­do o quar­to ano de Me­di­ci­na. Mi­le­na, a mi­nha mãe, era mé­di­ca há três anos, uma das qua­tro pro­fis­si­o­nais fe­mi­ni­nas da re­gi­ão, co­me­ça­va uma pro­mis­so­ra car­rei­ra e que­ria me pro­por­ci­o­nar um bom ca­sa­men­to.

Mi­le­na en­viou-me a Be­lo Ho­ri­zon­te com a mi­nha Tia Di­da – Ma­ria Inez Nar­ci­so, pa­ra com­prar­mos meu en­xo­val pes­so­al e de­se­nhar­mos o ves­ti­do de noi­va na Ca­sa da So­gra. Re­bel­de que se­gue to­das as re­gras – co­mo me clas­si­fi­cou a mi­nha pri­ma Si­mo­ne Nar­ci­so Les­sa-, eu não quis véu, gri­nal­da e nem bri­lho. Es­par­ta­na, es­co­lhi um mo­de­lo em voil de al­go­dão, com man­gas com­pri­das e de­co­te qua­dra­do, en­fei­ta­do com ner­vu­ras e ren­das fran­ce­sas. Na ca­be­ça, um pe­que­no ar­ran­jo de flo­res, as­sim co­mo um de­li­ca­do bu­quê nas mãos. Quem fez o ves­ti­do foi Na­tá­lia Pei­xo­to, re­fe­rên­cia pa­ra noi­vas na épo­ca.

Na­que­le tem­po ca­sar era sim­ples. Em pou­cos mes­es, tu­do es­ta­va re­sol­vi­do. En­fi­a­da nos li­vros, não ti­ve von­ta­de de fa­zer o en­xo­val da ca­sa, en­tão, Mi­le­na o com­prou. Quan­do ela des­co­briu que eu ti­nha es­co­lhi­do uma quin­ta-fei­ra pa­ra me ca­sar, não gos­tou da ex­cen­tri­ci­da­de, mas man­ti­ve­mos a da­ta e o ca­sa­men­to acon­te­ceu no dia 15 de de­zem­bro de 1977. O con­vi­te foi um car­tã­o­zi­nho bran­co ta­ma­nho pos­tal, com di­ze­res pa­drão, que não sa­tis­fi­ze­ram a mi­nha mãe. Eu não que­ria apa­re­cer, e sim me ocul­tar, já de­fi­nin­do meu es­ti­lo re­ser­va­da e con­ti­da. Es­ta­va aman­do de­mais, to­tal­men­te que­ren­do me ca­sar com Flá­vio. Alu­ga­mos um apar­ta­men­to de dois quar­tos, no Bair­ro São Jo­sé, ao la­do do Cam­po do Ate­neu, em pri­mei­ra lo­ca­ção, e com­pra­mos mó­veis sim­ples, em ações le­ves e des­pre­o­cu­pa­das.

En­tão, che­gou a ho­ra de me ca­sar. Quem me ar­ru­mou foi Tia Di­da. A Ca­te­dral de Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da fo­ra or­na­men­ta­da pe­lo meu Tio Zé – Jo­sé Ge­ral­do Men­don­ça, com flo­res na­tu­ra­is tra­zi­das de Bar­ba­ce­na.  Eram exa­ta­men­te 19 ho­ras quan­do che­guei à igre­ja num car­ro co­mum, que nem me lem­bro qual era. Mi­nhas pri­mas Si­mo­ne e Ma­rí­lia, e mi­nha ir­mã Car­la fo­ram nos­sas da­mas de hon­ra. Elas ti­nham 14 anos. Meu pai, Al­ci­des Al­ves da Cruz, que era mui­to dis­tan­te da gen­te, en­trou co­mi­go. O ca­sa­men­to de­le com mi­nha mãe foi um fra­cas­so. De bra­ços da­dos, eu, olhan­do o noi­vo e o pa­dre no al­tar, fa­lei pa­ra pai: o cir­co es­tá mon­ta­do, po­de­mos en­trar.

O que trans­for­mou o nos­so mo­men­to foi a voz de Mag­nus Me­dei­ros. A igre­ja tam­bém aju­dou mui­to. A emo­ção foi tão in­ten­sa e os sen­ti­men­tos tão con­tra­di­tó­rios que cus­to a me lem­brar com exa­ti­dão. Mis­tu­ram-se ima­gens, sons e chei­ros em mim.

Do pon­to de vis­ta prá­ti­co, as re­cep­ções cos­tu­ma­vam sem fei­tas em ca­sa, e Mi­le­na ofe­re­ceu um jan­tar pa­ra a fa­mí­lia. Ha­via a cri­se do pe­tró­leo, e os pos­tos de gas­oli­na se fe­cha­vam às 18 ho­ras e nos fins de se­ma­na. Mes­mo as­sim vi­a­ja­mos de car­ro, qua­se um mês pe­lo nor­des­te, até Na­tal – RN.

Tí­nha­mos de­ci­di­do fa­zer ape­nas umas pou­cas fo­tos em pre­to e bran­co. Após o ri­tu­al, lá es­tá­va­mos nós, ca­sa­dos, sa­in­do da igre­ja. O Fo­to Fa­cel­la nos cap­tu­rou nes­se ins­tan­te de con­ten­ta­men­to, um ca­sal jo­vem, le­ve e fe­liz por ter da­do aque­le pas­so. Eu ti­nha en­con­tra­do uma pes­soa que me ama­va e que eu ama­va. A mi­nha ale­gria su­pe­ra­va a ti­mi­dez, que ne­le, pa­re­cia mai­or no re­tra­to. In­com­pre­en­sí­vel, pois se lar­gou so­zi­nho de Na­tal, vin­do mo­rar em Mon­tes Cla­ros. Era po­pu­lar, jo­ga­va vo­lei­bol, to­ca­va um vi­o­lão gos­to­so, es­pe­ci­al­men­te a Bos­sa No­va, can­ta­va bem, era ge­ren­te do se­tor de águas, e foi o ho­mem mais in­te­res­san­te que já co­nhe­ci, até ho­je.

No Fa­ce­bo­ok, re­ce­bi elo­gi­os pe­la sin­ge­le­za do ves­ti­do, pe­la jo­via­li­da­de e por ela, uma su­pos­ta be­le­za. E dis­se­ram que Flá­vio não era bo­ni­to. Mas era. Ti­nha um be­lo cor­po de at­le­ta ama­dor. Em 29 anos jun­tos, re­a­li­za­mos mui­tos fei­tos, ti­ve­mos um fi­lho, Fer­nan­do, fo­mos ir­re­me­dia­vel­men­te fe­li­zes. As­som­bro­sa­men­te, o nos­so ca­sa­men­to te­ve um fim há on­ze anos. Fi­ca­ram mui­to mais coi­sas do que as fo­to­gra­fi­as. Pa­ra uma agra­dá­vel me­mó­ria afe­ti­va.

 (Ma­ra Nar­ci­so, mé­di­ca e jor­na­lis­ta)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais