Opinião

Opinião: As possíveis explicações para o aumento de homossexuais e o adivinhador de sexo

diario da manha

Na­da te­nho con­tra ho­mos­se­xu­ais, pois to­dos são hu­ma­nos, to­dos são ir­mãos, to­dos me­re­cem nos­so res­pei­to, e a op­ção se­xu­al é coi­sa que de­ve es­tar nu­ma pri­o­ri­da­de mai­or. te­nho por eles o mai­or res­pei­to, por uma ques­tão de hu­ma­ni­da­de, de ló­gi­ca es­pi­ri­tual e até de so­li­da­ri­e­da­de hu­ma­na.

Di­go is­to por­que, nes­te mun­do pre­con­cei­tu­o­so em que vi­ve­mos, ho­je em dia mui­ta gen­te re­cla­ma do até exa­ge­ra­do pro­te­cio­nis­mo que é con­fe­ri­do às cha­ma­das mi­no­ri­as e aos ex­cluí­dos, le­van­do-os a pro­mo­ver as cha­ma­das “pa­ra­das gay”, em qui­lo­mé­tri­cas pas­se­a­tas pe­las pra­ças e ave­ni­das, co­mo es­pé­cie de de­sa­ba­fo, co­mo o vul­cão, que, ador­me­ci­do por anos e anos, su­bi­ta­men­te des­per­ta nu­ma in­con­tro­lá­vel erup­ção.

Ob­ser­va­mos que ho­je em dia o nú­me­ro de ho­mos­se­xu­ais au­men­ta em es­ca­la ge­o­mé­tri­ca, e os ve­mos nos “shop­pings”, nas per­fu­ma­ri­as, ca­sas de mo­das, sa­pa­ta­ri­as, nu­ma pro­por­ção nun­ca vis­ta, pois há pou­co mais de du­as dé­ca­das atrás, era meio ra­ro ver­mos es­ses edu­ca­dís­si­mos per­so­na­gens aten­den­do-nos com uma pres­te­za a to­da pro­va. Pa­re­cer que a sú­bi­ta fe­bre de li­ber­da­de fez com que aque­les que se sen­ti­am en­ver­go­nha­dos pas­sas­sem a as­su­mir sua ver­da­dei­ra op­ção se­xu­al.

E é por is­to mes­mo que os ad­mi­ro, pe­lo des­te­mor de exi­bir-se co­mo são, sem sub­ter­fú­gios, pois o pa­pel dos he­te­ros­se­xu­ais não é cri­ti­cá-los e hu­mi­lhá-los , mas acei­tá-los e so­bre­tu­do res­pei­tá-los, mes­mo por­que es­tão se tor­nan­do mai­o­ria, a pon­to do mi­nis­tro do STJ Jo­ão Otá­vio de No­ro­nha, em ma­té­ria ve­i­cu­la­da na edi­ção de 4 de de­zem­bro em cur­so pe­la “Fo­lha de São Pau­lo”, dis­se que os he­te­ros­se­xu­ais vão pre­ci­sar de rei­vin­di­car di­rei­tos, por­que es­tão vi­ran­do mi­no­ria, o que des­per­tou a ira dos in­te­gran­tes da LGBT, que se sen­ti­ram ofen­di­dos, ape­sar de o mi­nis­tro cer­ta­men­te ter ra­ci­o­ci­na­do  com ba­se em fa­tos re­ais, co­mo sói ocor­rer com quem jul­ga com ba­se em fa­tos, e não em su­po­si­ções.

Pa­rei es­tes di­as pa­ra es­pe­cu­lar co­mi­go mes­mo o por­quê de tan­tos “gays” ho­je em dia, pois na mi­nha épo­ca de me­ni­ni­ce e ado­les­cên­cia e até lá pe­los anos ses­sen­ta e tan­tos, o ho­mos­se­xu­al era “avis ra­ra”: no meu São Jo­sé do Du­ro, só me lem­bro de dois ho­mos­se­xu­ais (que tra­tá­va­mos de “zé-muié”) e du­as ou três lés­bi­cas (que pa­ra nós eram “ma­chi­fe­ma”). Ago­ra é que en­ten­di: com ba­se na pro­te­ção le­gal, de­ci­di­ram dar um pon­ta­pé no pre­con­cei­to e des­fru­tar a vi­da co­mo lhes con­vém, até o dia em que to­do mun­do achar per­fei­ta­men­te na­tu­ral um sa­lu­tar con­ví­vio.

Al­guns ami­gos, que ti­ve­ram a mes­ma pre­o­cu­pa­ção que eu, an­da­ram atri­buin­do – sem qual­quer ba­se ci­en­tí­fi­ca – es­se cres­ci­men­to de ho­mos­se­xu­ais a cer­tos adi­ti­vos da ali­men­ta­ção, que es­ta­ri­am in­ter­fe­rin­do no me­ta­bo­lis­mo hu­ma­no, for­ta­le­cen­do o la­do fe­mi­ni­no de cer­tos or­ga­nis­mos mas­cu­li­nos, e vi­ce-ver­sa, ha­ven­do uns que atri­bu­em a com­po­nen­tes do pró­prio óleo de so­ja, cu­jo al­tís­si­mo con­su­mo jus­ti­fi­ca­ria tais trans­for­ma­ções. E ten­tam sus­ten­tar sua te­se pe­lo fa­to de ani­mais ali­men­ta­dos com sub­pro­du­tos da so­ja tra­ze­rem um in­gre­di­en­te que atro­fia os os­sos, co­mo se ob­ser­va nos ani­mais aba­ti­dos pa­ra con­su­mo. E se há re­fle­xos na cons­ti­tu­i­ção dos os­sos, é per­fei­ta­men­te pos­sí­vel que exis­ta na so­ja al­gum com­po­nen­te que in­ter­fi­ra nos hor­mô­ni­os mas­cu­li­no ou fe­mi­ni­no das pes­so­as, co­in­ci­din­do o iní­cio da pro­li­fe­ra­ção dos ho­mos­se­xu­ais com a uti­li­za­ção co­ti­dia­na do óleo de so­ja na nos­sa cu­li­ná­ria. Tem sua ló­gi­ca.

Cer­ta vez, con­ver­san­do com uma pas­to­ra evan­gé­li­ca, no meio da con­ver­sa sur­giu o as­sun­to do ho­mos­se­xu­a­lis­mo, quan­do nos re­fe­rí­a­mos às bí­bli­cas So­do­ma e Go­mor­ra, pró­xi­mas ao Mar Mor­to, que fo­ram des­tru­í­das por uma chu­va de en­xo­fre de­vi­do às li­cen­cio­si­da­des se­xu­ais que en­vol­vi­am o ho­mos­se­xu­a­lis­mo. Mas é bom fri­sar que a des­tru­i­ção des­sas du­as ci­da­des do Va­le de Si­dim não se deu por cau­sa do ho­mos­se­xu­a­lis­mo, mas pe­la de­vas­si­dão ge­ne­ra­li­za­da que con­tra­ri­a­va Deus. Em gran­de par­te, o pre­con­cei­to con­tra o ho­mos­se­xu­a­lis­mo re­pou­sa er­ra­da­men­te  nes­sa pas­sa­gem bí­bli­ca.

De­pois a pas­to­ra, com ex­pe­ri­ên­cia de dé­ca­das em es­tu­dos bí­bli­cos e pre­ga­ções, trou­xe uma no­va ver­são pa­ra o sur­gi­men­to do ho­mos­se­xu­a­lis­mo. Di­zia ela – e não me atre­vo a con­tra­ri­ar sua ló­gi­ca – que a cri­an­ça, ain­da em es­tá­gio em­brio­ná­rio, já en­ten­de as ma­ni­fes­ta­ções da mãe, com­pre­en­den­do tu­do o que a mãe ma­ni­fes­ta e até as con­tra­ri­e­da­des e os de­se­jos. E por es­ta ra­zão os es­tu­di­o­sos re­co­men­dam que elas con­ver­sem com seu be­bê ain­da no ven­tre.

E aí a ló­gi­ca vem ao en­con­tro do que se pre­su­me acon­te­cer: é na­tu­ral que ha­ja por par­te de um dos pa­is uma pre­fe­rên­cia pa­ra o se­xo do nas­ci­tu­ro: ora o pai an­seia por um me­ni­no, e a mãe, por uma me­ni­na. E o pe­ri­go é exa­ta­men­te fi­car, du­ran­te a gra­vi­dez, an­te­go­zan­do o so­nho de ter um fi­lho ou uma fi­lha. E quan­do vem o fi­lho que a mãe so­nha­va ser fi­lha, ou a fi­lha que o pai so­nha­va ser fi­lho, nas­ce a cri­an­ça com o se­xo de­se­ja­do pe­los pa­is nos pri­mei­ros dois mes­es de gra­vi­dez. E vem a me­ni­na que de­ve­ria ser me­ni­no e o me­ni­no que de­ve­ria ser me­ni­na, com to­dos os tra­ços de per­so­na­li­da­de de­se­ja­da an­tes de se sa­ber o se­xo, ho­je ba­na­li­za­do pe­la ul­tras­so­no­gra­fia, que mos­tra aos pa­is o se­xo, per­mi­tin­do-lhes fa­zer o en­xo­val na cor pró­pria, além de po­der es­co­lher o no­me.

Ho­je as coi­sas es­tão fa­ci­li­ta­das pe­la tec­no­lo­gia. An­ti­ga­men­te, fa­zia-se um en­xo­val­zi­nho de cor neu­tra e só de­pois do nas­ci­men­to é que se pro­vi­den­ci­a­vam as ca­mi­si­nhas pa­gãs, as tou­cas, os ca­sa­qui­nhos e os cu­ei­ros azu­is pa­ra os me­ni­nos e cor-de-ro­sa pa­ra as me­ni­nas.

E co­mo exis­tem es­per­ta­lhões em to­dos os lu­ga­res, ha­via um ho­mem que che­guei a co­nhe­cer em Be­lo Ho­ri­zon­te, mo­ra­dor na rua Ja­cuí, en­tre os bair­ros Con­cór­dia e No­va Flo­res­ta, cu­ja ca­sa  vi­rou ro­ma­ria, em ra­zão de su­as pre­vi­sões so­bre o se­xo dos be­bês das con­su­len­tes. Ja­mais er­ra­va uma pre­vi­são, e che­ga­va a fa­zer apos­ta gros­sa com as fu­tu­ras ma­mã­es. Não me lem­bro seu no­me, mas a fa­ma de adi­vi­nhão de se­xo dei­tou fa­ma e ar­ras­tou mui­ta gen­te, pois nun­ca dei­xou de acer­tar.

Anos e anos im­pe­rou ab­so­lu­to, até que um dia, por aca­so, des­co­bri­ram seu mis­té­rio: quan­do ele afir­ma­va o se­xo da cri­an­ça, di­zia à mãe:

– Pa­ra a se­nho­ra não di­zer que vou en­ga­ná-la, vou até es­cre­ver aqui nes­te pa­pel o se­xo de sua cri­an­ça, e quan­do nas­cer po­de vir ve­ri­fi­car e com­pro­var.

E es­cre­via: ”A cri­an­ça de do­na Fu­la­na vai ser me­ni­no (ou me­ni­na)” e la­cra­va o en­ve­lo­pe pa­ra ser aber­to após o par­to.

Nas­ci­da a cri­an­ça, quan­do a mãe cons­ta­ta­va o acer­to da pre­vi­são, até man­da­va gra­ti­fi­cá-lo, não se pre­o­cu­pan­do em con­fe­rir o en­ve­lo­pe.

Mas quan­do sua pre­vi­são es­ta­va er­ra­da, e a mãe ia re­cla­mar e re­cu­sar-se a pa­gar a apos­ta, ele abria o en­ve­lo­pe e mos­tra­va que ti­nha acer­ta­do a pre­vi­são, pois no pa­pe­lu­cho cons­ta­va exa­ta­men­te o se­xo da cri­an­ça.

É que o es­per­ta­lhão, ao anun­ci­ar à mãe qual o se­xo do fu­tu­ro be­bê, es­cre­via no pa­pel: “O be­bê de do­na Fu­la­na de Tal vai ser me­ni­no (ou me­ni­na)”.

Mas es­cre­via no pa­pel exa­ta­men­te o opos­to do se­xo anun­ci­a­do: quan­do co­in­ci­dia com o anun­ci­a­do, a mãe não pre­ci­sa­va con­fe­rir o pa­pel en­ve­lo­pa­do; mas quan­do er­ra­va, e a mãe ia re­cla­mar, ele mos­tra­va, di­zen­do:

– Eu dis­se que ia ser me­ni­no (ou me­ni­na) – e mos­tra­va a ano­ta­ção com o prog­nós­ti­co opos­to ao que anun­ci­a­ra ver­bal­men­te.

Es­per­te­za é coi­sa que não se apo­sen­ta nun­ca.

 

(Li­be­ra­to Pó­voa, de­sem­bar­ga­dor apo­sen­ta­do do TJ-TO, mem­bro-fun­da­dor da Aca­de­mia To­can­ti­nen­se de Le­tras e da Aca­de­mia Di­a­no­po­li­na de Le­tras, mem­bro da As­so­cia­ção Go­i­a­na de Im­pren­sa – AGI e da As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra de Ad­vo­ga­dos Cri­mi­na­lis­tas – Abracrim, es­cri­tor, ju­ris­ta, his­to­ri­a­dor e ad­vo­ga­do, li­be­ra­to­po­[email protected])

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais