Opinião

As raízes e os ramos eternais na história dos estudos genealógicos em Goiás

diario da manha
Jarbas Jayme, o maior genealogista goiano

Na his­tó­ria da ca­mi­nha­da hu­ma­na, ge­ne­a­lo­gia é a ci­ên­cia que, em seu bo­jo, es­tu­da a ori­gem, a evo­lu­ção e dis­se­mi­na­ção das fa­mí­lias, dos po­vos e das ci­vi­li­za­ções, ao lon­go do tem­po, com seus res­pec­ti­vos no­mes, so­bre­no­mes e ape­li­dos, pa­ra o co­nhe­ci­men­to do avan­çar das ge­ra­ções.

Pa­ra mui­tos é co­nhe­ci­da de for­ma mais abran­gen­te co­mo es­tu­do de pa­ren­tes­co, ao de­sen­vol­ver a his­tó­ria de fa­mí­lias, sub­si­di­a­da pe­la So­ci­o­lo­gia e vá­ri­as ou­tras ci­ên­cias, ou, ain­da, ti­da por “Ci­ên­cia da His­tó­ria da fa­mí­lia”, cu­jo ob­je­ti­vo pri­mor­di­al é des­ven­dar, com mi­nú­cias e pro­vas do­cu­men­tais, as ori­gens das fa­mí­lias, por in­ter­mé­dio de um sis­te­má­ti­co le­van­ta­men­to dos an­te­pas­sa­dos ou des­cen­den­tes, lo­ca­is e si­tu­a­ções em que vi­ve­ram os re­la­ci­o­na­men­tos in­ter­fa­mi­lia­res, mo­ti­va­dos por in­te­res­ses dos pró­prios fa­mi­lia­res ou de es­tu­di­o­sos no gê­ne­ro.

Es­se le­van­ta­men­to po­de ser es­ten­di­do aos des­cen­den­tes co­mo aos as­cen­den­tes de uma de­ter­mi­na­da fi­gu­ra his­tó­ri­ca; sen­do, mui­tas ve­zes, di­fí­cil clas­si­fi­car os no­mes de fa­mí­lia por cau­sa das mu­dan­ças de or­to­gra­fia e pro­nún­cia com o pas­sar do tem­po; até mes­mo por er­ros car­to­ri­ais, mu­dan­ças de le­tras, mu­dan­ça da po­si­ção dos no­mes na as­si­na­tu­ra, omis­sões de as­si­na­tu­ras den­tre ou­tras coi­sas.

Tam­bém, vá­ri­as pa­la­vras an­ti­gas ti­nham sig­ni­fi­ca­dos di­fe­ren­tes na épo­ca, ou ho­je, não são mais usa­das. Mui­tos no­mes de fa­mí­lia de­pen­de­ram da com­pe­tên­cia e, dis­cri­ção de quem os fez no ato do re­gis­tro, ou até por in­te­res­ses eco­nô­mi­cos ou mo­ra­is; além do pa­tri­ar­ca­lis­mo, que ex­clu­ía a as­si­na­tu­ra da mãe nos no­mes dos fi­lhos, ao fa­ze­rem de­sa­pa­re­cer ge­ra­ções in­tei­ras por pu­ro ego­ís­mo ou ma­chis­mo.

Um exem­plo cla­ro da ge­ne­a­lo­gia na his­tó­ria es­tá na Bí­blia. Ela vem re­che­a­da?de ge­ne­a­lo­gi­as e es­tu­dos da área. Era tra­di­ção en­tre o po­vo Ju­deu fa­zer es­se ti­po de es­tu­do. Eles, tra­di­cio­nal­men­te, da­vam mui­to va­lor aos re­gis­tros das su­as ge­ne­a­lo­gi­as; o que nos per­mi­tiu co­nhe­cer mui­to das per­so­na­gens que com­pu­se­ram a sua his­tó­ria e fa­vo­re­ceu des­ven­dar seus há­bi­tos, cos­tu­mes e mo­dis­mos.

Des­se cos­tu­me sur­giu o ter­mo “ár­vo­re ge­ne­a­ló­gi­ca” pa­ra des­ven­dar des­de as raí­zes, até os ga­lhos, o ca­mi­nhar de uma des­cen­dên­cia. Na ge­ne­a­lo­gia de Adão, por exem­plo, é sim­pli­fi­ca­da, pois se­gue a mos­trar ape­nas um dos fi­lhos de ca­da per­so­na­gem, pro­va­vel­men­te o pri­mo­gê­ni­to (pri­mei­ro fi­lho ho­mem), que era quem re­ce­bia a li­de­ran­ça da fa­mí­lia quan­do o pai mor­ria. Nes­se pon­to, ha­via ain­da a ques­tão do gê­ne­ro, com pri­ma­zia pa­ra o fi­lho va­rão.

A ge­ne­a­lo­gia com­ple­ta con­ta­ria com to­dos os en­tes da fa­mí­lia. A Bí­blia, ge­ral­men­te, usa­va o per­so­na­gem que ti­nha mais im­por­tân­cia na his­tó­ria e des­cre­via a sua ge­ne­a­lo­gia de mo­do a sim­pli­fi­car o re­la­to e mos­trar a hi­e­rar­quia do po­der.

Nes­se pon­to, a ge­ne­a­lo­gia iden­ti­fi­ca a imor­ta­li­da­de de ca­da pes­soa; já que a vi­da, pe­los la­ços de san­gue, es­ten­de-se pe­los des­cen­den­tes; pois des­de que uma pes­soa tem um fi­lho e es­te ou­tro fi­lho, a his­tó­ria se­gue in­de­fi­ni­da­men­te pe­las di­ver­sas ca­dei­as es­ta­be­le­ci­das na es­tei­ra do tem­po.

Fo­ram cri­a­dos pe­lo mun­do os tí­tu­los de no­bre­za, dis­pen­sa­dos àque­les que, de ma­nei­ra ou ou­tra, pas­sa­vam a per­ten­cer à de­ter­mi­na­da clas­se so­ci­al. No ca­so do Bra­sil, a no­bre­za não era he­re­di­tá­ria, pois os tí­tu­los eram con­ce­di­dos ad-per­so­nam, e, após a mor­te do ti­tu­lar, o tí­tu­lo vol­ta­va ao pa­tri­mô­nio he­rál­di­co do Im­pé­rio, ne­le per­ma­ne­cen­do impo­ten­tia, até que sur­gis­se ou­tro es­co­lhi­do pe­lo Im­pe­ra­dor.

As­sim, o ter­mo de­no­mi­na­do “He­rál­di­ca” nas­ceu no sé­cu­lo XII e foi o ber­ço de to­das as mar­cas e lo­go­ti­pos que se der­ra­ma­ram pe­lo mun­do, com di­fe­ren­tes sím­bo­los; sem­pre com pri­ma­zia pa­ra a fle­cha, o cas­te­lo e o le­ão, a de­no­mi­nar, ra­pi­dez, so­li­dez e for­ça. São os bra­sões fa­mi­lia­res; dos qua­is mui­tos se or­gu­lham, se exi­bem e se di­re­cio­nam co­mo es­co­lhi­dos pe­lo mun­do, com o “san­gue azul” de seus avo­en­gos. Mui­tos gos­tam pe­lo ar­ran­jo ar­tís­ti­co e mui­tos nem fi­cam sa­ben­do, no ca­os do mun­do de ho­je. Sta­tus, ho­je, tem ou­tro sig­ni­fi­ca­do, atre­la­do ao fi­nan­cei­ro, prin­ci­pal­men­te em ter um car­ro de mar­ca, uma man­são pa­ra mo­rar, di­nhei­ro em con­ta no ex­te­ri­or, den­tre ou­tros.

Pou­cos, mui­to pou­cos, que­rem sa­ber de on­de vi­e­ram ou quem fo­ram seus as­cen­den­tes na his­tó­ria, fe­liz ou in­fe­liz, de quem te­ve a ex­pe­ri­ên­cia nes­se mun­do.

E o que se de­no­mi­na de li­nha­gem, ho­je nem lem­bra­do, apa­re­ce com des­cen­dên­cia va­ro­nil de uma fa­mí­lia no­bre, ao usar os mes­mos no­mes e ar­mas. Já em ge­né­ti­ca li­nha­gem de­no­mi­na-se na bi­o­lo­gia evo­lu­ti­va co­mo tra­je­tó­ria de uma es­pé­cie em gra­da­ção, con­ti­nui­da­de. No pre­sen­te, to­dos que­rem vi­ver o ho­je, com su­as dis­so­nân­cias, co­mo es­fai­ma­dos ga­fa­nho­tos a exau­rir a vi­da, em de­ses­pe­ro. Na­da da pa­ca­ta vi­vên­cia do on­tem, pois a vi­da exi­ge pres­sa e o tem­po é um te­sou­ro a se per­der.

Tal­vez te­nha nas­ci­do, daí, a de­no­mi­na­ção de “eli­te”, co­mo a exis­tên­cia de con­di­ções de­si­gua­is da­das aos in­di­ví­duos no de­sem­pe­nho de seus pa­péis so­ci­ais e po­lí­ti­cos, ao fa­zer com que sem­pre e em to­das as so­ci­e­da­des, uma mi­no­ria se­ja de­ten­to­ra do po­der.

Mas, o ter­mo de bus­ca, in­se­re, tam­bém, a va­lo­ri­za­ção do pas­sa­do e dos no­mes que eno­bre­ce­ram a his­tó­ria com su­as vi­das, con­for­me elu­ci­da o pes­qui­sa­dor ar­gen­ti­no  Car­los Igar­gu­ren ao res­sal­tar: “O cul­to da tra­di­ção não sig­ni­fi­ca es­tag­na­ção nem re­tro­ces­so, es­ta na ín­do­le das aca­de­mi­as, por­que o tra­di­cio­na­lis­mo for­ma a tra­ma des­se com­ple­xo de sen­ti­men­tos, evo­ca­ções, re­cor­da­ções dos nos­sos an­te­pas­sa­dos, cos­tu­mes, len­das e gló­rias co­muns, que cons­ti­tui uma das vi­bra­ções es­pi­ri­tua­is da pá­tria. Im­pe­li­dos por es­sa for­ça da tra­di­ção, que nos le­va a olhar sem­pre o pas­sa­do, co­mo se pre­sen­te fos­se, é que ren­de­mos ho­me­na­gens aos ho­mens e às obras que de­ram lus­tre ao pen­sa­men­to.”

Des­de o co­me­ço da his­tó­ria bra­si­lei­ra, a pre­o­cu­pa­ção com a ge­ne­a­lo­gia tem si­do cons­tan­te no avan­çar dos tem­pos. A mis­tu­ra de ra­ças en­tre por­tu­gues­es, ne­gros, ín­di­os, imi­gran­tes, trans­for­mou a so­ci­e­da­de em al­go mis­to, de gran­de be­le­za e ri­que­za cul­tu­ral, com di­ver­si­da­des em re­gi­ões di­fe­ren­tes, com seus mo­dis­mos e seus en­tre­la­ça­men­tos que não pas­sa­ram des­per­ce­bi­dos por es­ta ins­ti­gan­te ci­ên­cia his­tó­ri­ca.

Des­de o sur­gi­men­to do Ins­ti­tu­to His­tó­ri­co e Ge­o­grá­fi­co Bra­si­lei­ro e a Re­vis­ta des­sa mes­ma ins­ti­tu­i­ção, em 1839, vá­rios es­tu­dos da área de ge­ne­a­lo­gia fo­ram fei­tos e que con­tri­bu­i­ram pa­ra o co­nhe­ci­men­to do avan­çar das ge­ra­ções na pá­tria bra­si­lei­ra.

Pi­o­nei­ro foi o Ar­qui­vo No­bi­liár­qui­co do Ba­rão de Schi­midt Vas­con­ce­los O Ar­qui­vo No­bi­liár­qui­co Bra­si­lei­ro, na or­to­gra­fia da épo­ca: Ar­chi­vo No­bi­liar­chi­co Bra­si­lei­ro foi um li­vro edi­ta­do em 1918 em Lau­sa­na (Su­í­ça), cu­jos au­to­res fo­ram os lu­so-bra­si­lei­ros Ro­dol­fo Smith de Vas­con­ce­los, se­gun­do Ba­rão de Vas­con­ce­los, e seu fi­lho, Jai­me Smith de Vas­con­ce­los, ter­cei­ro ba­rão de Vas­con­ce­los.

O Ar­qui­vo No­bi­liár­qui­co Bra­si­lei­ro foi a pu­bli­ca­ção pi­o­nei­ra na di­vul­ga­ção com­ple­ta dos tí­tu­los no­bi­liár­qui­cos bra­si­lei­ros. Com ilus­tra­ções he­rál­di­cas por Fer­nan­do Ja­mes Ju­nod, apre­sen­tou, tam­bém, os de­se­nhos de to­dos os bra­sões con­ce­di­dos no pe­rí­o­do im­pe­ri­al bra­si­lei­ro, e que fo­ram de­vi­da­men­te re­gis­tra­dos no Car­tó­rio da No­bre­za. Es­ta obra foi de­di­ca­da “a sua al­te­za im­pe­ri­al o Se­nhor Dom Lu­iz de Or­le­ans Bra­gan­ça”.

Di­ver­sas ou­tras pu­bli­ca­ções, co­mo os anuá­rios e re­vis­tas edi­ta­dos pe­lo Ins­ti­tu­to Ge­ne­a­ló­gi­co Bra­si­lei­ro de São Pau­lo e al­guns ar­ti­gos es­cri­tos por Lau­rê­nio La­go pa­ra o anuá­rio do Mu­seu Im­pe­ri­al de Pe­tró­po­lis, acres­cen­ta­ram uma ex­pres­si­va sé­rie de cor­re­ções, atu­a­li­za­ções e am­pli­a­ções aos da­dos ori­gi­nais do Ar­qui­vo No­bi­liár­qui­co. Cem anos de­pois, em 1918, a obra foi am­pli­a­da por Ser­gio de Frei­tas.

Mais tar­de, um dos mais im­por­tan­tes es­tu­di­o­sos des­sa ci­ên­cia foi o co­ro­nel Sal­va­dor de Moya, que nas­ceu em São Pau­lo em 1891 e fa­le­ceu em 1973. Um dos tu­te­la­res da ge­ne­a­lo­gia bra­si­lei­ra, de­di­cou boa par­te de sua vi­da a es­te es­pi­nho­so la­bor. Fun­dou, em 1939, o Ins­ti­tu­to Ge­ne­a­ló­gi­co Bra­si­lei­ro e é seu pre­si­den­te per­pé­tuo. Foi res­pon­sá­vel pe­lo Anuá­rio Ge­ne­a­ló­gi­co La­ti­no e Anuá­rio Ge­ne­a­ló­gi­co Bra­si­lei­ro, obras de gran­de va­lor pa­ra o seu tem­po.

Anos de­pois, Ru­bens Quei­roz Co­bra com­pi­lou e elu­ci­dou as prin­ci­pa­is obras da ge­ne­a­lo­gia no Bra­sil. Tam­bém a co­le­ção so­bre a ge­ne­a­lo­gia pau­lis­ta­na, com­pi­la­da por Lu­iz Gon­za­ga da Sil­va Le­me, foi de gran­de va­lor pa­ra es­ta ci­ên­cia. Ho­je, exis­te a As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra de Ge­ne­a­lo­gia, o Co­lé­gio Bra­si­lei­ro de Ge­ne­a­lo­gia, as­sim co­mo a As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra de Pes­qui­sa­do­res de His­tó­ria e Ge­ne­a­lo­gia, com gran­des es­tu­dos na área.

Go­i­ás, no cen­tro ge­o­grá­fi­co da pá­tria bra­si­lei­ra, o fun­do de ser­tão, oco de mun­do, ca­fun­dó, cal­ca­nhar do Ju­das, “lon­ge de to­dos os lu­ga­res”, tam­bém te­ve e tem es­tu­dos in­te­res­san­tes e im­por­tan­tes na área de ge­ne­a­lo­gia; pre­o­cu­pa­ção es­ta, que es­te­ve no ide­á­rio de mui­to de seus ha­bi­tan­tes ain­da em re­cu­a­dos di­as do sé­cu­lo XIX, nas ano­ta­ções par­ti­cu­la­res, que, ho­je, são re­lí­quias his­tó­ri­cas, em gran­de mai­o­ria, de ho­mens e mu­lhe­res, de co­nhe­ci­men­to e eru­di­ção, que vi­vi­am em ci­da­des co­mo Meia Pon­te, San­ta Cruz, Vi­la Boa, Cri­xás, Bon­fim, Co­rum­bá de Go­i­ás, Ni­que­lân­dia e tan­tas ou­tras dos tem­pos mais re­mo­tos.

Um dos mais an­ti­gos do­cu­men­tos so­bre as fa­mí­lias go­i­a­nas foi fei­to por uma mu­lher, Ana das Do­res Fleury Cu­ra­do, que nas­ceu em 1813, em Meia Pon­te, ho­je Pi­re­nó­po­lis, fi­lha de Jo­ão Fleury Co­e­lho e Ro­sa Ma­ria de Li­ma Ca­mar­go. Ela se cas­ou aos 16 anos, em 31 de maio de 1829, com Jo­ão Jo­sé de Cam­pos Cu­ra­do, seu pa­ren­te, e pas­sou a re­si­dir em Co­rum­bá de Go­i­ás.

Nes­sa ci­da­de, es­ta no­bre da­ma fez um di­á­rio mi­nu­ci­o­so, com da­tas e acon­te­ci­men­tos fa­mi­lia­res e da lo­ca­li­da­de, co­mo ri­co ma­nan­cial da vi­vên­cia co­rum­ba­en­se dos anos que ali vi­veu. Re­la­tou fes­tas, nas­ci­men­tos, ca­sa­men­tos, óbi­tos, da­dos fa­mi­lia­res no en­tre­la­ça­men­to de ge­ra­ções. Es­cre­veu até 13 de mar­ço de 1877, quan­do fa­le­ceu. Pre­ci­o­so do­cu­men­to, traz in­for­ma­ções so­bre a ge­ne­a­lo­gia fa­mi­liar e da co­mu­ni­da­de co­rum­ba­en­se da se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo XIX, na­que­les con­fins de mun­do.

Tam­bém, seu fi­lho, Fran­cis­co Her­cu­la­no Fleury Cu­ra­do, que nas­ceu em 11 de agos­to de 1847 em Co­rum­bá de Go­i­ás e ali fa­le­ceu em 20 de agos­to de 1931, fez ou­tro di­á­rio in­ti­tu­la­do “Da­tas prin­ci­pa­is”, em que, por mais de se­ten­ta anos, re­gis­trou to­da a vi­da da ci­da­de de Co­rum­bá, a ge­ne­a­lo­gia lo­cal, fa­mi­liar e os apon­ta­men­tos im­por­tan­tes que, ho­je, são va­li­o­sos sub­sí­di­os pa­ra his­to­ri­a­do­res e es­tu­di­o­sos da al­ma go­i­a­na.

Ain­da no sé­cu­lo XIX em Go­i­ás, ou­tros dois im­por­tan­tes es­tu­di­o­sos se des­ta­ca­ram no es­tu­do de ge­ne­a­lo­gia, Se­bas­ti­ão Fleury Cu­ra­do (1864-1944) e Jo­ão Fran­cis­co de Oli­vei­ra Go­doy (1867-1948)

Jo­ão Fran­cis­co de Oli­vei­ra Go­doy nas­ceu em 19 de se­tem­bro de 1867, fi­lho de Cla­ro de Go­doy Mo­rei­ra e Amé­lia Au­gus­ta de Oli­vei­ra Go­doy. Fez seus es­tu­dos ini­ci­ais em sua ter­ra, Pin­da­mo­nhan­ga­ba, quan­do pas­sou, de­pois, ao Se­mi­ná­rio Epis­co­pal de São Pau­lo e Fa­cul­da­de de Di­rei­to do Lar­go de São Fran­cis­co na ca­pi­tal pau­lis­ta, on­de se for­mou em 1888.

No ano se­guin­te foi no­me­a­do ju­iz da Co­mar­ca de For­mo­sa da Im­pe­ra­triz, na dis­tan­te Pro­vín­cia de Goyaz. Pas­sou de­pois às co­mar­cas de Mor­ri­nhos, Ca­ta­lão, Pi­re­nó­po­lis, Ci­da­de de Go­i­ás. Foi De­sem­bar­ga­dor pe­lo Tri­bu­nal de Jus­ti­ça de Go­i­ás e seu pre­si­den­te; além de che­fe de po­lí­cia.

Jo­ão Fran­cis­co de Oli­vei­ra Go­doy tam­bém gos­ta­va de es­tu­dos ge­ne­a­ló­gi­cos e era exí­mio pes­qui­sa­dor e co­la­bo­ra­dor com a Re­vis­ta de Ge­ne­a­lo­gia do Bra­sil, ao des­ta­car os prin­ci­pa­is ra­mos fa­mi­lia­res do Es­ta­do de Go­i­ás. Foi ca­sa­do com Te­re­za de Alen­cas­tro Cai­a­do de Go­doy, po­e­ta e li­te­ra­ta.

Ain­da na Ci­da­de de Go­i­ás, no ano de 1881, An­to­nio Fleury Cu­ra­do (To­tó Cu­ra­do 1842-1903) dei­xou um im­por­tan­te di­á­rio his­tó­ri­co/ge­ne­a­ló­gi­co so­bre o co­ti­dia­no da an­ti­ga ca­pi­tal na­que­le tem­po; va­li­o­so do­cu­men­to pa­ra o fu­tu­ro. Fo­ram mar­cas iden­ti­fi­ca­tó­ri­as da so­ci­e­da­de e dos la­ços fa­mi­lia­res da­que­las eras.

Ou­tro in­te­res­sa­do pe­los es­tu­dos ge­ne­a­ló­gi­cos e his­tó­ri­cos foi Se­bas­ti­ão Fleury Cu­ra­do, nas­ci­do em 1864, na Ci­da­de de Go­i­ás e ali fa­le­ci­do em 1944, aos 80 anos de ida­de. Foi ca­sa­do com a be­le­tris­ta Au­gus­ta de Fa­ro Fleury Cu­ra­do (1865-1929). For­ma­do em Di­rei­to pe­la Fa­cul­da­de de Di­rei­to do Lar­go de São Fran­cis­co em São Pau­lo, foi ad­vo­ga­do, Pro­cu­ra­dor de Jus­ti­ça, pro­fes­sor da Fa­cul­da­de de Di­rei­to de Go­i­ás, De­pu­ta­do Fe­de­ral. His­to­ri­a­dor; dei­xou im­por­tan­tes obras co­mo Três Me­mó­ri­as His­tó­ri­cas e Me­mó­ri­as his­tó­ri­cas. Dei­xou im­por­tan­te tra­ba­lho ge­ne­a­ló­gi­co so­bre a fa­mí­lia Gau­die Ley em Go­i­ás, es­cri­to ain­da no sé­cu­lo XIX.

Ain­da no sé­cu­lo XIX ou­tros dois es­tu­di­o­sos de di­ver­sas áre­as tam­bém en­ve­re­da­ram pe­la ge­ne­a­lo­gia co­mo Hen­ri­que Sil­va, Moi­sés San­ta­na e Jo­seph de Mel­lo Ál­va­res.

Na ve­lha Bon­fim de Goyaz, ho­je Sil­vâ­nia, o gran­de in­te­lec­tu­al Hen­ri­que Sil­va (1865-1935) te­ve des­ta­que por es­tu­dos e tra­ba­lhos em di­ver­sas áre­as; in­clu­si­ve a ge­ne­a­ló­gi­ca, além de pu­bli­car e di­ri­gir a cen­te­ná­ria Re­vis­ta In­for­ma­ção Goya­na, de 1917 a 1935. Seus es­tu­dos fo­ram so­bre a fa­mí­lia de Vi­cen­te Mi­guel da Sil­va, pa­tri­ar­ca da ve­lha ci­da­de, ber­ço de tan­tas tra­di­ções.

Já Moi­sés San­ta­na (1879-1922), com­ba­ti­vo jor­na­lis­ta, es­cri­tor e his­to­ri­a­dor, tam­bém de­di­cou-se aos es­tu­dos ge­ne­a­ló­gi­cos, ao pu­bli­car, em Ube­ra­ba, di­ver­sos tra­ba­lhos so­bre a ge­ne­a­lo­gia de Bar­to­lo­meu Bu­e­no da Sil­va, o Anhan­gue­ra, com ri­co tra­ba­lho de pes­qui­sa, que ser­viu a ou­tros es­tu­di­o­sos da área, con­for­me im­por­tan­te bi­o­gra­fia so­bre ele, es­cri­ta pe­lo des­ta­ca­do es­cri­tor Hum­ber­to Cris­pim Bor­ges (1918-2016).

Jo­seph de Mel­lo Ál­va­res (1837-1912) nas­ceu em San­ta Lu­zia, ho­je Lu­zi­â­nia e fa­le­ceu na mes­ma ci­da­de. Des­ta­cou-se co­mo au­to­di­da­ta, li­te­ra­to, pes­qui­sa­dor e ge­ne­a­lo­gis­ta. Dei­xou ex­ten­sa obra his­tó­ri­ca, mais tar­de com­pi­la­da pe­lo his­to­ri­a­dor Jo­sé Dil­ler­man­do Mei­rel­les, com o tí­tu­lo de His­tó­ria de San­ta Lu­zia.

Com a vi­ra­da do sé­cu­lo XX, ou­tros ge­ne­a­lo­gis­tas pas­sa­ram a se de­di­car a es­tes es­tu­dos co­mo An­to­nio Ame­ri­ca­no do Bra­sil e Jo­a­quim Bo­ni­fá­cio Go­mes de Si­quei­ra.

Na mes­ma ve­lha ci­da­de de Bon­fim de Goyaz nas­ceu An­to­nio Ame­ri­ca­no do Bra­sil (1892-1932), pro­fí­cuo in­te­lec­tu­al, um dos mai­o­res de Go­i­ás, dei­xou va­li­o­sa bi­bli­o­gra­fia em di­fe­ren­tes áre­as; in­clu­si­ve a ge­ne­a­ló­gi­ca, ao es­tu­dar so­bre as prin­ci­pa­is fa­mí­lias go­i­a­nas e a con­tri­bui­ção das mes­mas pa­ra di­fe­ren­tes cam­pos da ati­vi­da­de hu­ma­na. Além de es­cri­tor foi, tam­bém, se­cre­tá­rio de go­ver­no, mé­di­co e De­pu­ta­do Fe­de­ral por Go­i­ás.

Jo­a­quim Bo­ni­fá­cio Go­mes de Si­quei­ra (1883-1923) nas­ceu na Ci­da­de de Go­i­ás e fa­le­ceu em Bon­fim de Goyaz, ho­je Sil­vâ­nia; po­e­ta e his­to­ri­a­dor, en­ve­re­dou ain­da pe­la ge­ne­a­lo­gia, quan­do fez pu­bli­car ex­ce­len­te tra­ba­lho in­ti­tu­la­do Ori­gem e des­cen­dên­cia de Bar­to­lo­meu Bu­e­no da Sil­va, o Anhan­gue­ra, além de li­vros de ver­sos Al­vo­ra­da e Al­guns ver­sos. Foi jor­na­lis­ta e fun­cio­ná­rio pú­bli­co.

Mais tar­de, ou­tros no­mes fo­ram sur­gin­do no ce­ná­rio dos es­tu­dos ge­ne­a­ló­gi­cos em Go­i­ás co­mo Gel­mi­res Reis, Jar­bas Jayme, Ag­nel­lo Ar­líng­ton Fleury Cu­ra­do, Cla­ro Au­gus­to de Go­doy, Ma­ri­a­na Au­gus­ta Fleury Cu­ra­do, em di­fe­ren­tes es­tu­dos e mo­da­li­da­des de atu­a­ção.

Da ve­lha San­ta Lu­zia, Gel­mi­res Reis (1893-1983) foi um de­di­ca­do ge­ne­a­lo­gis­ta e his­to­ri­a­dor pla­nal­ti­no. Era fi­lho de Jo­ão Pau­lo dos Reis e Ho­sa­na Her­mí­nia de Men­don­ça. Es­tu­dou em San­ta Lu­zia e em Bon­fim de Go­i­ás. Foi con­se­lhei­ro mu­ni­ci­pal, jor­na­lis­ta e pes­qui­sa­dor em Lu­zi­â­nia por mais de se­ten­ta anos de co­la­bo­ra­ção com a his­tó­ria da ci­da­de. Pro­fes­sor, pro­mo­tor pú­bli­co, dei­xou tra­ba­lhos jor­na­lís­ti­cos im­por­tan­tes co­mo o Al­ma­nach de San­ta Lu­zia e a Re­vis­ta Pla­nal­to. Era mem­bro da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras, Aca­de­mia de Le­tras e Ar­tes do Pla­nal­to e Ins­ti­tu­to His­tó­ri­co e Ge­o­grá­fi­co de Go­i­ás.

Na li­nha de pes­qui­sa, dei­xou im­por­tan­tís­si­mas obras co­mo His­tó­ria de San­ta Lu­zia; Efe­mé­ri­des go­i­a­nas, Ge­ne­a­lo­gia Lu­zi­a­na, Al­ma­na­que de San­ta Lu­zia; Pá­gi­nas na ro­ça, Lu­zi­a­ni­da­des, além de ou­tros. Go­i­ás mui­to de­ve ao seu es­for­ço em bus­car as raí­zes do po­vo do pla­nal­to e re­gi­ão.

Jar­bas Jayme (1895-1968) foi o mai­or no­me da ge­ne­a­lo­gia go­i­a­na, gran­de e ines­que­cí­vel pes­qui­sa­dor!

Pi­re­no­po­li­no, era fi­lho de Si­ze­nan­do Gon­za­ga Jayme e Eu­gê­nia Gou­lão. Es­tu­dou em Pi­re­nó­po­lis e no Se­mi­ná­rio San­ta Cruz, do po­vo­a­do de Ou­ro Fi­no, na Ci­da­de de Go­i­ás. Pro­fun­do co­nhe­ce­dor de His­tó­ria, Ge­o­gra­fia e So­ci­o­lo­gia de Go­i­ás. Foi fa­zen­dei­ro, fun­cio­ná­rio pú­bli­co, pro­fes­sor, de­le­ga­do de po­lí­cia. De­di­cou-se, des­de ce­do, aos es­tu­dos ge­ne­a­ló­gi­cos por vo­ca­ção e ta­len­to.

To­da sua gran­di­o­sa obra es­tá vol­ta­da pa­ra es­ta área, de abran­gên­cia ex­tra­or­di­ná­ria, da­das as di­fi­cul­da­des de pes­qui­sa na sua épo­ca. O con­jun­to de sua pro­du­ção as­sim po­de ser de­fi­ni­do: Cin­co vul­tos me­a­pon­ten­ses, Do pas­sa­do ao pre­sen­te, Ane­do­tá­rio mei­a­pon­ten­se, Va­le Seis, Es­bo­ço his­tó­ri­co de Pi­re­no­pó­lis, Fa­mí­lias Pi­re­no­po­li­nas, Su­mo pon­tí­fi­ce, His­tó­ria das ca­sas de Pi­re­no­po­lis, além de di­fe­ren­tes ou­tras pro­du­ções iné­di­tas.

Seu li­vro Fa­mí­lias Pi­re­no­po­li­nas, em seis alen­ta­dos vo­lu­mes, foi tra­ba­lho ge­ne­a­ló­gi­co de uma vi­da in­tei­ra. Ne­le, es­tão con­den­sa­das pra­ti­ca­men­te to­das as fa­mí­lias e tron­cos go­i­a­nos, com di­fe­ren­tes ver­ten­tes por to­do o Es­ta­do. De for­ma mui­to con­sci­en­te, des­ta­ca­va os vul­tos e seus des­cen­den­tes, ao abar­car, mui­tas ve­zes, os que eram fi­lhos fo­ra do ma­tri­mô­nio, fa­to ime­mo­ri­al, em to­das as épo­cas e lu­ga­res; ho­je, mui­to co­mum; mas que, na­que­le tem­po, era cau­sa de pre­con­cei­tos so­ci­ais.

A mu­lher a que se de­no­mi­na­va “mãe sol­tei­ra” ou “mo­ça que se per­deu” não era acei­ta, por in­frin­gir re­gras mui­to an­ti­gas nas fe­cha­das e ri­go­ro­sas co­mu­ni­da­de das ve­lhas ci­da­des, prin­ci­pal­men­te no in­te­ri­or on­de hon­ra de mo­ça se la­va­va com san­gue. O mes­mo va­lia pa­ra ca­sa­men­tos des­fei­tos, não acei­tos. Ou­tro ter­mo era “mu­lher au­sen­te do ma­ri­do”, quan­do em ca­so em que o ho­mem se au­sen­ta­va do lar. Era es­tig­ma­ti­za­da.

Pa­ra tal, Jar­bas Jayme, ao des­ta­car es­ses fi­lhos nas­ci­dos fo­ra do ca­sa­men­to uti­li­za­va uma abor­da­gem in­te­res­san­te: “fu­la­na de tal não se cas­ou, mas te­ve…”. Tam­bém, pa­ra os fi­lhos de pa­dres ou de ho­mens ca­sa­dos que ti­nham fi­lhos com ou­tras mu­lhe­res, mes­mo sen­do ca­sa­dos. De­pois de­le, o des­ta­ca­do ge­ne­a­lo­gis­ta de ago­ra, Nil­son Go­mes Jai­me, veio co­li­gin­do ou­tros da­dos que fi­ca­ram omi­ti­dos na obra de Jar­bas Jayme e ao fa­zer jus­ti­ça ain­da mais, aos es­que­ci­men­tos do tem­po.

To­dos es­ses fa­tos mos­tram que, mes­mo ao re­cu­ar no tem­po, os “pe­ca­dos car­nais” ou des­li­zes de con­du­ta es­ti­ve­ram pre­sen­tes, per­me­a­dos en­tre as co­mu­ni­da­des, su­til­men­te en­co­ber­tos pe­la hi­po­cri­sia que rei­na­va nu­ma so­ci­e­da­de mui­to fe­cha­da, rí­gi­da; mas com su­as “es­ca­pu­li­das e pre­va­ri­ca­ções”.

Es­ses e ou­tros fa­tos fo­ram mo­ti­vos de de­sen­ten­di­men­tos en­tre Jar­bas Jayme e o pro­fes­sor Ag­nel­lo Ar­ling­ton Fleury Cu­ra­do, ou­tro no­tá­vel pes­qui­sa­dor e ge­ne­a­lo­gis­ta, quan­to aos fi­lhos na­tu­ra­is e a ori­gem da fa­mí­lia Fleury. Pa­ra re­tru­car, Jar­bas Jayme pu­bli­cou o opús­cu­lo Va­le seis, em que apre­sen­ta­va su­as pro­vas con­tra o li­vro Fleurys e Cu­ra­dos, do pes­qui­sa­dor co­rum­ba­en­se. O pro­fes­sor Ag­nel­lo Fleury nun­ca o re­ba­teu; da­do seu es­pí­ri­to bom e pa­cí­fi­co, cor­da­to e se­re­no, e, ao fim, fo­ram amai­na­das as dis­cór­dias e se­re­na­das as opi­ni­ões. Eles mor­re­ram com pou­ca di­fe­ren­ça de anos, sem mais de­sen­ten­di­men­tos. Cum­pri­ram eles seus de­ve­res e des­can­sa­ram em paz.

En­fim, tu­do é igual; to­dos vão pa­ra o mes­mo lu­gar, com ter­ra por ci­ma e na ho­ri­zon­tal!

Se pa­ra o ge­ne­a­lo­gis­ta de ou­tro­ra, des­cre­ver os fi­lhos fo­ra do ca­sa­men­to se re­ver­tia nu­ma di­fi­cul­da­de, da­dos os pre­con­cei­tos; ho­je mui­to mais, quan­do se pre­ci­sa (e pre­ci­sa mes­mo!) di­zer, den­tro da cor­ren­te da imor­ta­li­da­de, os ca­sais ho­mo­a­fe­ti­vos, os que fi­ze­ram mu­dan­ça de se­xo, com no­mes so­ci­ais; pois se­ria mui­ta hi­po­cri­sia, “apa­gar” os que fo­gem às re­gras, num mun­do em trans­for­ma­ção e aber­tu­ra a to­dos os ti­pos de vi­vên­cia e re­la­ci­o­na­men­to, es­co­lhas e ten­dên­cias.

Na his­tó­ria dos ho­mens, com seus mun­dos, a ge­ne­a­lo­gia pre­ci­sa pal­mi­lhar to­dos os pas­sos, que, na ca­mi­nha­da hu­ma­na, re­ves­te-se no li­vre ar­bí­trio na bus­ca in­ces­san­te da fe­li­ci­da­de!

A obra de Jar­bas Jayme re­pre­sen­ta o que há de me­lhor na pes­qui­sa ge­ne­a­ló­gi­ca go­i­a­na do pas­sa­do, em que to­do o seu acer­vo se en­con­tra aco­lhi­do na “Sa­la Jar­bas Jayme”, do Ins­ti­tu­to His­tó­ri­co e Ge­o­grá­fi­co de Go­i­ás, sob cu­ra­do­ria do pes­qui­sa­dor Ben­to Al­ves Araú­jo Jayme Fleury Cu­ra­do, ou se­ja, eu.

O pro­fes­sor e li­nha­gis­ta Ag­nel­lo Ar­líng­ton Fleury Cu­ra­do (1891-1966) nas­ceu em Co­rum­bá de Go­i­ás e de­di­cou-se ao ma­gis­té­rio e à far­má­cia. For­mou-se em Ou­ro Pre­to e foi pi­o­nei­ro da pri­mei­ra Es­co­la de Phar­má­cia e Odon­to­lo­gia de Go­i­ás. De­di­ca­do aos es­tu­dos ge­ne­a­ló­gi­cos des­de ce­do, pu­bli­cou, em 1956, o li­vro Fleurys e Cu­ra­dos, com pre­fá­cio de Ma­ria Jo­sé Fleury Mon­tei­ro de Bar­ros Du­prè, au­to­ra de Éra­mos seis. Seu tra­ba­lho foi pros­se­gui­do após a sua mor­te por sua es­po­sa Ma­ri­a­na Au­gus­ta Fleury Cu­ra­do (1897-1986), com a con­ti­nui­da­de do li­vro. Be­lo exem­plo de ca­sal de­di­ca­do à his­tó­ria e a ge­ne­a­lo­gia em nos­so Es­ta­do.

Se­guin­do a tri­lha dei­xa­da pe­lo pai, Jo­sé Si­ze­nan­do Jayme (1916- 1994) foi, tam­bém, no­tá­vel ge­ne­a­lo­gis­ta com vas­ta pro­du­ção. Es­tu­dou em Sil­vâ­nia, for­mou-se em Di­rei­to, foi pro­fes­sor, jor­na­lis­ta e pes­qui­sa­dor. De­di­cou-se em ter­mi­nar e edi­tar a obra do pai; além de sua pró­pria pro­du­ção. Dei­xou os li­vros Pi­re­nó­po­lis, hu­mo­ris­mo e fol­clo­re; Fa­mí­lia Cris­pim de Sou­za; Go­i­ás, hu­mo­ris­mo e fol­clo­re e Ori­gem da fa­mí­lia Fleury. Foi mem­bro da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras. Tam­bém, a ir­mã, Haydèe Jayme Fer­rei­ra (1926-1999) fez im­por­tan­tes es­tu­dos ge­ne­a­ló­gi­cos, al­guns iné­di­tos, ou­tros pu­bli­ca­dos em seu li­vro Aná­po­lis, sua his­tó­ria e seu po­vo.

Henrique Silva e Salvador de Moya – Estudos genealógicos no âmbito da história
Estudo sobre a família Pires em Goiás, nas pesquisas de Clélia Urias, Eliomar Pires e Osmar Pires
Lygia de Moura Rassi e seu magistral livro sobre a genealogia da família Rassi em Goiás
Os livros de Jarbas Jayme e de seu filho e continuador, José Sizenando Jayme
Sebastião Fleury Curado e os estudos sobre a família Gaudie Ley, em Mato Grosso e em Goiás
Nilson Jaime e sua obra monumental Família Jaime/Jayme, com o governador Marconi Perillo
Elder Camargo de Passos, genealogia de ascendentes e descendentes de Veiga Valle
Ubirajara Galli, pesquisa genealógica sobre os anhangueras em Goiás
Dois estudiosos da genealogia, Joaquim Bonifácio de Siqueira e Moisés Santana
Antonio Cesar Caldas Pinheiro, trabalho em parceria sobre a origem da família Caldas
Geraldo Coelho Vaz, pesquisas genealógicas sobre a família Canedo e também a família Vaz
Claro Augusto de Godoy e seus estudos sobre as principais famílias goianas em “Fragmentos do Passado”

Ain­da, se­guin­do a tri­lha do pai, Jo­ão Fran­cis­co de Oli­vei­ra Go­doy, na ge­ne­a­lo­gia, Cla­ro Au­gus­to de Go­doy (1896-1986) dei­xou im­por­tan­te con­tri­bui­ção nes­sa ci­ên­cia em Go­i­ás. Nas­ceu na Ci­da­de de Go­i­ás e se for­mou na área ju­rí­di­ca. Jor­na­lis­ta com­ba­ti­vo, de­pu­ta­do fe­de­ral, ad­vo­ga­do no Rio de Ja­nei­ro, pro­cu­ra­dor do Es­ta­do. Dei­xou a obra Fa­mí­lia Jar­dim e Frag­men­tos do pas­sa­do. Tam­bém, dei­xou mui­ta pes­qui­sa iné­di­ta na área da ge­ne­a­lo­gia.

Na li­nha do tem­po fo­ram sur­gin­do ou­tros im­por­tan­tes ge­ne­a­lo­gis­tas co­mo Za­no­ni de Goyaz Pi­nhei­ro, Jacy Si­quei­ra, Jo­sé Sê­ne­ca Lo­bo, Bi­nô­mi­no da Cos­ta Li­ma, Al­mé­rio Bar­ros Fran­ça, Ro­so­lin­da Ba­tis­ta de Abreu Cor­dei­ro, El­za Bai­oc­chi, Lygia de Mou­ra Ras­si, Le­na Cas­tel­lo Bran­co Fer­rei­ra de Frei­tas, Ge­ral­do Co­e­lho Vaz, Emí­lio Vi­ei­ra, Má­rio Ri­bei­ro Mar­tins, Ênio Al­ves Vi­ei­ra, Pau­lo de Tar­so Li­ra Gou­veia, Ubi­ra­ja­ra Gal­li, El­der Ca­mar­go de Pas­sos, Zé­lia Di­niz Whit­mer.

O es­cri­tor Jacy Si­quei­ra (1935-2010), na­tu­ral de Pi­res do Rio, além de obras de­di­ca­das ao fol­clo­re, há­bi­tos e cos­tu­mes go­i­a­nos, po­e­sia e nar­ra­ti­vas, dei­xou pu­bli­ca­ções de cu­nho ge­ne­a­ló­gi­co co­mo A pre­sen­ça sí­rio-li­ba­ne­sa em Go­i­ás e O fun­da­dor de San­ta Cruz. Tam­bém, Ma­ria da Con­cei­ção Mo­ra­es Ca­la­ça nas­ci­da no bair­ro de Cam­pi­nas em 1928, dei­xou pu­bli­ca­ção na área ge­ne­a­ló­gi­ca so­bre a ex­tin­ta ci­da­de de Cam­pi­nas, com o tí­tu­lo Li­nha­gem de fa­mí­lia. Já Ro­so­lin­da Ba­tis­ta de Abreu Cor­dei­ro, (1930-2014) dei­xou pu­bli­ca­ção na área da ge­ne­a­lo­gia e his­tó­ria, so­bre as an­ti­gas fa­mí­lias nor­ten­ses, in­ti­tu­la­da Ar­rai­as – su­as raí­zes e sua gen­te.

O es­cri­tor bon­fi­nen­se Jo­sé Sê­ne­ca Lo­bo (1907-2006) pu­bli­cou vá­ri­as obras de cu­nho his­tó­ri­co so­bre a ci­da­de de Sil­vâ­nia e re­gi­ão. Em seu li­vro Bon­fim de Go­i­ás – Mi­nha ter­ra e mi­nha gen­te, o au­tor en­ve­re­da pe­la ge­ne­a­lo­gia, a apon­tar as ori­gens e su­ces­sões de fa­mí­lias de Sil­vâ­nia, Le­o­pol­do de Bu­lhões e to­da a re­gi­ão da es­tra­da de fer­ro. Tam­bém, Za­no­ni de Goyaz Pi­nhei­ro (1926-2017) pu­bli­cou em par­ce­ria com seu so­bri­nho, li­nha­gis­ta An­to­nio Ce­sar Cal­das Pi­nhei­ro o li­vro Tron­co e ver­gôn­te­as: Des­cen­den­tes de Ma­no­el Lu­iz da Sil­va Cal­das, com pro­fun­dos es­tu­dos ge­ne­a­ló­gi­cos so­bre fa­mí­lias de Ita­be­raí, an­ti­ga Cur­ra­li­nho, an­te­rior­men­te es­tu­da­das, tam­bém, por Ed­mun­do Pi­nhei­ro de Abreu (1903-1978).

Bi­nô­mi­no da Cos­ta Li­ma (Ja­taí 1930) em par­ce­ria com Al­mé­rio Bar­ros Fran­ça pu­bli­cou em 2004 o es­tu­do ge­ne­a­ló­gi­co in­ti­tu­la­do Pri­mei­ros fa­zen­dei­ros do su­do­es­te go­i­a­no e do les­te de Ma­to-gros­sen­se: Ge­ne­a­lo­gia e his­tó­ria, ao elu­ci­dar a im­por­tan­te for­ma­ção da­que­la re­gi­ão go­i­a­na. An­te­rior­men­te, de for­ma his­tó­ri­ca e fic­cio­nal, Ba­si­leu To­le­do Fran­ça (1918-2003) já ha­via es­tu­da­do os po­vos da re­gi­ão, no­ta­da­men­te em seu li­vro Pi­o­nei­ros.

Des­ta­ca­das, cul­tas e no­tá­veis mu­lhe­res tam­bém se de­di­ca­ram à ge­ne­a­lo­gia co­mo El­za Bai­oc­chi (1926-2009), que pu­bli­cou o li­vro Além da por­ta do meio, com im­por­tan­te es­tu­do ge­ne­a­ló­gi­co so­bre os as­cen­den­tes e des­cen­den­tes de Pí­la­de Bai­oc­chi, ita­li­a­no que mui­to fez por Go­i­ás e Go­i­â­nia em di­fe­ren­tes áre­as. Tam­bém, Le­na Cas­tel­lo Bran­co Fer­rei­ra de Frei­tas (1931), en­tre ou­tras pu­bli­ca­ções na área da his­tó­ria, en­ve­re­dou pe­la ge­ne­a­lo­gia, ao evi­den­ci­ar a con­tri­bui­ção da fa­mí­lia Cai­a­do pa­ra nos­so Es­ta­do em seus dois alen­ta­dos vo­lu­mes de Po­der e pai­xão: a sa­ga dos Cai­a­do em Go­i­ás. Es­se ri­co es­tu­do tor­nou-se uma re­fe­rên­cia pa­ra os es­tu­dos de fa­mí­lia em nos­so Es­ta­do pe­la com­ple­tu­de his­tó­ri­ca e eru­di­ção da au­to­ra.

Ou­tra mu­lher no­tá­vel na área foi Lygia de Mou­ra Ras­si (1933-2005) que, de­pois de pu­bli­car di­ver­sos li­vros de po­e­mas e es­tu­dos da área mu­si­cal, en­ve­re­dou pe­la pes­qui­sa ge­ne­a­ló­gi­ca so­bre as ori­gens da fa­mí­lia Ras­si e o des­do­bra­men­to da mes­ma no Es­ta­do de Go­i­ás com o su­ges­ti­vo tí­tu­lo de Dos ce­dros às pal­mei­ras: Ge­ne­a­lo­gia e His­tó­ria, em que, a par­tir de pes­qui­sa fo­ra do pa­ís, dei­xou um le­ga­do va­li­o­so pa­ra se en­ten­der a imi­gra­ção ára­be em Go­i­ás e a con­tri­bui­ção des­sa fa­mí­lia pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de Go­i­ás, no­ta­da­men­te na área da me­di­ci­na e sa­ú­de.

O gran­de pes­qui­sa­dor e po­e­ta Ge­ral­do Co­e­lho Vaz (1940) é po­lí­gra­fo em sua pro­du­ção. Se­guiu, com se­gu­ran­ça, pe­la po­e­sia, pe­la crí­ti­ca li­te­rá­ria, pe­la bi­o­gra­fia, pe­la his­to­ri­o­gra­fia li­te­rá­ria e, tam­bém, pe­la ge­ne­a­lo­gia, quan­do pu­bli­cou o im­por­tan­te tra­ba­lho so­bre as ori­gens, as­cen­dên­cia e des­cen­dên­cia do Se­na­dor An­to­nio Ama­ro da Sil­va Ca­ne­do na pu­bli­ca­ção in­ti­tu­la­da Se­na­dor Ca­ne­do – Vi­da e obra.

Atu­al­men­te, com gran­de per­sis­tên­cia, tem em pre­pa­ro a ge­ne­a­lo­gia da fa­mí­lia Vaz e a his­tó­ria do an­ti­go Vai-vem e En­tre-Rios, ho­je, a ci­da­de de Ipa­me­ri. Sua des­ta­ca­da es­po­sa, a ar­tis­ta e es­cri­to­ra Al­ci­o­ne Gui­ma­rã­es, tam­bém com gran­de ta­len­to, além da po­e­sia, re­cen­te­men­te pu­bli­cou uma pes­qui­sa bi­o­grá­fi­ca/ge­ne­a­ló­gi­ca so­bre seu avô, com o tí­tu­lo de Re­fle­xões e pes­qui­sas de Al­ci­o­ne Gui­ma­rã­es so­bre Ho­nes­ti­no Gui­ma­rã­es, uma obra sin­gu­lar.

Ain­da Emí­lio Vi­ei­ra (1944), des­ta­ca­do pes­qui­sa­dor e po­e­ta, tam­bém en­ve­re­dou pe­la ge­ne­a­lo­gia nas pu­bli­ca­ções acer­ca das fa­mí­lias da an­ti­ga ci­da­de de Pos­se, nes­te Es­ta­do, in­ti­tu­la­do A sa­ga de pos­se e ál­bum de fa­mí­lias, com es­tu­dos ge­ne­a­ló­gi­cos im­por­tan­tes que elu­ci­dam aque­la re­gi­ão de an­ti­gas tra­di­ções. Má­rio Ri­bei­ro Mar­tins (1943-2016), além de di­ci­o­na­ris­ta e pes­qui­sa­dor, tam­bém se­guiu pe­la ge­ne­a­lo­gia ao pu­bli­car as ori­gens e des­do­bra­men­tos de sua fa­mí­lia na Ba­hia e na pas­sa­gem pa­ra Go­i­ás.

Ênio Al­ves Vi­ei­ra (1943), tam­bém se des­ta­cou na área da ge­ne­a­lo­gia em Go­i­ás com a pu­bli­ca­ção do li­vro Fa­zen­da du­as bar­ras, em que evo­ca a tra­di­ção fa­mi­liar da fa­mí­lia Bu­e­no, des­de São Pau­lo até a des­co­ber­ta de nos­so Es­ta­do co­mo o Anhan­gue­ra. Nes­sa mes­ma li­nha, o po­e­ta e pes­qui­sa­dor re­co­nhe­ci­do, o pi­re­si­no Ubi­ra­ja­ra Gal­li (1958), pu­bli­cou o li­vro Os anhan­gue­ras em Go­i­ás e ou­tras his­tó­ri­as de fa­mí­lia, ao bus­car elu­ci­dar a ge­ne­a­lo­gia da fa­mí­lia de Bar­to­lo­meu Bu­e­no da Sil­va. Sua pes­qui­sa não só nes­se li­vro tem si­do, atu­al­men­te, mui­to va­li­o­sa pa­ra a ga­le­ria his­tó­ri­ca de nos­so Es­ta­do.

Ain­da Zé­lia Di­niz Whit­mer pu­bli­cou em 2007 o li­vro ge­ne­a­ló­gi­co Raí­zes de fa­mí­lia, em que evo­ca os as­cen­den­tes e des­cen­den­tes da fa­mí­lia Net­to Car­nei­ro, Le­ão, Mon­tan­don, e Sil­va Ri­bei­ro, de Ca­ta­lão. Tam­bém, Pau­lo de Tar­so Li­ra Gou­veia pu­bli­cou em 2014 o be­lís­si­mo vo­lu­me de Ca­ça­dor de Lo­bos – A sa­ga da Fa­mí­lia Sou­za Lo­bo de Go­i­ás e do Bra­sil pe­los sé­cu­los, em que evo­ca a des­cen­dên­cia de im­por­tan­te ge­ra­ção das ci­da­des de Sil­vâ­nia, San­ta Cruz, For­mo­sa, Cris­ta­li­na, Ou­vi­dor e mui­tas ou­tras, na lon­ga li­nha­gem des­ses Lo­bos do pla­nal­to.

El­der Ca­mar­go de Pas­sos (1941) além de li­vros so­bre a his­tó­ria de Go­i­ás, fol­clo­re da Ci­da­de de Go­i­ás pu­bli­cou o be­lo vo­lu­me Vei­ga Val­le, em 1997, em que des­ta­ca a ge­ne­a­lo­gia do gran­de san­tei­ro go­i­a­no em su­as di­ver­sas ge­ra­ções, com o ta­len­to e a hon­ra­dez de que são pos­su­i­do­res. Ain­da Má­rio Cas­tro (1949), pu­bli­cou o li­vro Re­a­li­da­de pi­o­nei­ra, em 1986, em que evo­ca a ge­ne­a­lo­gia de fa­mí­lias da re­gi­ão de Pla­nal­ti­na de Go­i­ás e Cris­ta­li­na. Des­sa úl­ti­ma ci­da­de, tam­bém, o ta­len­to­so pes­qui­sa­dor Lu­iz Al­ber­to de Quei­roz (1952), dei­xou es­tu­dos ge­ne­a­ló­gi­cos na obra in­ti­tu­la­da Cris­ta­li­na mi­nha ter­ra, em 1983.

Atu­al­men­te, de­di­cam-se à ge­ne­a­lo­gia, em Go­i­ás, di­fe­ren­tes e lú­ci­dos pes­qui­sa­do­res co­mo Nil­son Go­mes Jai­me, An­to­nio Cé­sar Cal­das Pi­nhei­ro, Ra­mir Cu­ra­do, Ví­tor Aguiar Jar­dim de Amo­rim, Elio­mar Pi­res Mar­tins, Os­mar Pi­res Mar­tins Ju­ni­or, Clé­lia Apa­re­ci­da Uri­as Ro­dri­gues, Ma­ria Dul­ce Lo­yo­la Tei­xei­ra, Yu­ri Bai­oc­chi, Ci­di­nha Cou­ti­nho, além de ou­tros.

Nil­son Go­mes Jai­me é sem dú­vi­da, no pre­sen­te, a mai­or ex­pres­são no to­can­te à pes­qui­sa ge­ne­a­ló­gi­ca. Em 2016 pu­bli­cou o alen­ta­do vo­lu­me de Fa­mí­lia Jai­me Jayme, com 1146 pá­gi­nas, fru­to de uma pes­qui­sa va­li­o­sa, in­ten­sa e pro­du­ti­va so­bre os des­cen­den­tes de Jo­ão Gon­za­ga Jai­me de Sá (Vô Jai­me) des­sa imen­sa fa­mí­lia es­pa­lha­da por Go­i­ás e pe­lo Bra­sil. Seu ri­co ma­te­ri­al, com cen­te­nas e cen­te­nas de pes­so­as, mos­tra a di­men­são da vi­da e seus alon­ga­men­tos em di­fe­ren­tes ge­ra­ções que per­pe­tuam a his­tó­ria nas­ci­da na ve­lha vi­la de Nos­sa Se­nho­ra do Ro­sá­rio de Meia Pon­te, nos idos dos se­te­cen­tos.

Tam­bém, An­to­nio Cé­sar Cal­das Pi­nhei­ro (1967) é ou­tro ad­mi­rá­vel no­me da ge­ne­a­lo­gia em Go­i­ás, com a pu­bli­ca­ção de Tron­co e ver­gôn­te­as, em par­ce­ria com seu tio, Za­no­ni de Goyaz Pi­nhei­ro e di­fe­ren­tes ou­tros tra­ba­lhos em re­vis­tas ci­en­tí­fi­cas, mos­tra-se atu­an­te e lú­ci­do na pes­qui­sa de nos­sas raí­zes his­tó­ri­cas.

Tam­bém, o jo­vem pes­qui­sa­dor Vi­tor Aguiar Jar­dim de Amo­rim pu­bli­cou o li­vro Pe­lo san­gue: a ge­ne­a­lo­gia do po­der em Go­i­ás, em que des­ta­ca so­bre os en­tre­la­ça­men­tos fa­mi­lia­res no po­der oli­gár­qui­co em nos­so Es­ta­do. Ra­mir Cu­ra­do (1960), de Co­rum­bá de Go­i­ás, pos­sui di­ver­sas pes­qui­sas na área; as­sim co­mo os pes­qui­sa­do­res Elio­mar Pi­res, Os­mar Pi­res e Clé­lia Uri­as pu­bli­ca­ram Fa­mí­lia Pi­res: His­tó­ria e ár­vo­re ge­ne­a­ló­gi­ca de Ma­nu­el Pi­res Mo­ra­es, so­bre as ori­gens des­sa fa­mí­lia no in­te­ri­or de Go­i­ás. In­te­res­sa­dos pes­qui­sa­do­res da área, Yu­ri Bai­oc­chi, Ma­ria Dul­ce Lo­yo­la Tei­xei­ra e Ci­di­nha Cou­ti­nho, en­ve­re­dam tam­bém pe­las pes­qui­sas des­sa ins­ti­gan­te ci­ên­cia.

E as­sim a vi­da se­gue, na eter­ni­da­de das ho­ras, até que pas­se nos­sa ge­ra­ção que é pon­te en­tre a que foi e a que vi­rá. Lem­bran­do o ma­gis­tral Já­vi­er Go­di­nho (1926), no pre­fá­cio do li­vro de Za­no­ni e An­to­nio Cé­sar Cal­das, “in­fe­liz da­que­le que per­deu a es­pe­ran­ça na pá­tria e na fa­mí­lia. Se ha­via na vi­da do Fi­lho do Ho­mem um exí­lio e uma so­li­dão, ha­via, tam­bém, uma pá­tria e uma fa­mí­lia!”.

Que Je­sus Cris­to aben­çoe a ca­mi­nha­da mi­le­nar da fa­mí­lia so­bre a ter­ra e nos mun­dos es­pi­ri­tua­is!

 

(Ben­to Al­ves Araú­jo Jayme Fleury Cu­ra­do, gra­du­a­do em Le­tras e Lin­guís­ti­ca pe­la UFG, es­pe­cia­lis­ta em Li­te­ra­tu­ra pe­la UFG. Mes­tre em Li­te­ra­tu­ra pe­la UFG, mes­tre em Ge­o­gra­fia pe­la UFG. Dou­tor em Ge­o­gra­fia pe­la UFG, pós-dou­to­ran­do em Ge­o­gra­fia pe­la USP, pro­fes­sor, po­e­ta. ben­to­[email protected]­mail.com)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais