Opinião

As “reminiscências” do Raimundo IX

diario da manha

E o Ze­zi­nho que cor­ria em nos­so so­cor­ro, te­ve que re­tar­dar um pou­co em dar-nos a sua aju­da, pois te­ve que, pri­mei­ro, de­sa­la­gar a sua ca­noa, o que o fez de ma­nei­ra com­pe­ten­te e com pres­te­za.

Uma vez con­cluí­da a ope­ra­ção de sal­va­men­to, as mu­lhe­res se di­ri­gi­am pa­ra a ca­sa da so­li­dá­ria e de ele­va­do es­pí­ri­to hu­ma­nis­ta, a Ri­ti­nha, que fi­ca­va ali mes­mo na par­te su­pe­ri­or do lar­go, pa­ra ver o que po­dia ser fei­to quan­to à tro­ca das rou­pas mo­lha­das por ou­tras em­pres­ta­das, – lim­pas e se­cas.

En­quan­to is­so, nós, os ho­mens, fo­mos ti­rar a água do ba­te­lão e pro­cu­rar os re­mos. A es­sa al­tu­ra, bar­co e re­mos já es­ta­vam bem abai­xo do lu­gar do nau­frá­gio, le­va­dos pe­la cor­ren­te­za. Con­se­gui­mos bo­tar tu­do em or­dem, e atra­car o bar­co no bar­ran­co, ali mes­mo, pró­xi­mo, pa­ra fa­ci­li­tar a to­dos, no re­tor­no.

E, mais uma vez, ser­vin­do-me da boa me­mó­ria da Lour­des, fo­mos à ca­sa do ‘seu’ Ma­no­el Pin­to, que ti­nha uma fi­lha ami­ga das me­ni­nas, a Ri­ti­nha, es­ta foi ar­ran­jar rou­pa en­xu­ta e lim­pa. Nós, ho­mens, se­ca­mos a rou­pa no pró­prio cor­po, na­que­le sol se­co e sem a umi­da­de do pe­rí­o­do chu­vo­so. Foi bem rá­pi­do.

Es­se epi­só­dio, que não de­ve ter du­ra­do mais que uns 20 a 30 mi­nu­tos, pa­ra nós, en­vol­vi­dos no in­ci­den­te, pa­re­ce que foi de uma du­ra­ção bem mais pro­lon­ga­da. Co­mo a ju­ven­tu­de tem fô­le­go e dis­po­si­ção pa­ra en­fren­tar as ad­ver­si­da­des e, de­pen­den­do de­las, uma vez pas­sa­das, até com des­pre­zo, a nos­sa ro­ti­na con­ti­nuou. Ape­nas de­mo­ra­mos mais tem­po, por­que as me­ni­nas – mi­nhas ir­mãs e su­as ami­gas – ti­ve­ram tem­po de tro­car de rou­pa, em­pres­ta­da, en­quan­to as su­as es­ta­vam la­va­das e se­cas, o que não de­mo­rou mui­to. En­quan­to a rou­pas se­ca­va, fo­mos às man­gas, fi­ze­mos uma boa co­lhei­ta que com­pen­sou to­do aque­le sus­to.

Lá, em Con­cei­ção do Ara­gu­aia, já cor­ria a no­tí­cia da “tra­gé­dia”, e ‘Ma­dri­nha’, nos­sa bon­do­sa Ma­dras­ta, já até con­jec­tu­ra­va, qua­se ti­nha cer­te­za de que o pi­or te­ria acon­te­ci­do, era com a Vi­vi. To­dos es­ta­vam mui­to afli­tos até che­ga­rem no­tí­cias ver­da­dei­ras, sem qua­is­quer sen­sa­ci­o­na­lis­mos. Com acon­te­ci­men­tos se­me­lhan­tes, as no­tí­cias são as mais de­sen­con­tra­das. E nós es­tá­va­mos, a es­sa al­tu­ra, dos mais con­ten­tes com o fi­nal fe­liz, e tu­do já era gra­ça. Era gen­te ca­ço­an­do da­que­les que mais so­fre­ram, mas que, ago­ra, po­di­am rir. Ti­nha si­do mais um dia de aven­tu­ras que só acon­te­cem com os jo­vens na­que­la ida­de, da­que­les tem­pos e na­que­les rin­cões que não dis­pu­nham de mui­tos di­ver­ti­men­tos.

Ape­sar de seus par­cos re­cur­sos fi­nan­cei­ros, Pa­pai não se des­cui­da­va de nos­sa sa­ú­de bu­cal e cor­po­ral. As­sim é que sem­pre nos man­da­va ao Den­tis­ta, com re­gu­la­ri­da­de. Es­sa pre­o­cu­pa­ção, in­fe­liz­men­te, não era da mai­o­ria dos pa­is da­que­la re­gi­ão. Até mes­mo al­gu­mas fa­mí­lias mais en­di­nhei­ra­das não nu­tri­am es­sa sa­u­dá­vel pre­o­cu­pa­ção. Era ques­tão de se­rem ou não pes­so­as evo­luí­das. Pa­pai, ape­sar de seus mo­des­tos es­tu­dos, era uma des­sas pes­so­as pri­vi­le­gi­a­das, es­ta­va sem­pre à fren­te de seu tem­po, em mui­tas coi­sas e pro­ce­di­men­tos. A sa­ú­de bu­cal era uma de su­as pre­o­cu­pa­ções bá­si­cas. Quan­do eu ia ao Con­sul­tó­rio pa­ra o tra­ta­men­to bu­cal, eu ti­nha mui­to me­do de tu­do aqui­lo, – mo­tor, anes­te­sia, agu­lha pró­pria pa­ra ex­tir­par as cá­ri­es, etc., não ti­nha mui­ta pres­sa de ser aten­di­do. En­tão, eu fi­ca­va ho­ras na sa­la de es­pe­ra, ‘ne­go­ci­an­do’ a mi­nha vez, com al­guns ou­tros pa­ci­en­tes, de pre­fe­rên­cia ho­mens que fos­sem fu­man­tes. É que a mo­e­da de tro­ca, da vez ou lu­gar, eram as car­tei­ras de ci­gar­ro va­zi­as. Na­que­la épo­ca, a gen­te brin­ca­va com es­sas car­tei­ras de ci­gar­ros, de di­ver­sas mar­cas e co­res, con­se­quen­te­men­te que va­ri­a­vam de acor­do com a mar­ca do ci­gar­ro, e atri­bu­ía-se a ca­da uma seu res­pec­ti­vo va­lor mo­ne­tá­rio. As car­tei­ras eram des­man­cha­das, do­bra­das as la­te­ra­is, e fi­ca­vam pa­re­cen­do uma cé­du­la de mo­e­da ver­da­dei­ra. E com aque­le ‘di­nhei­ro’, a gen­te fa­zia ‘ne­gó­ci­os’ – com­pra de ali­men­tos e ou­tras coi­sas mais. Es­se ‘ne­gó­cio’ a que me re­fi­ro era, tam­bém, de ‘men­ti­ri­nha’. Tí­nha­mos um ami­go que mon­ta­va um ‘co­mér­cio’ ali mes­mo nas cal­ça­das, e ali mes­mo ‘ven­dia’ mer­ca­do­ri­as de brin­ca­dei­ra. Era uma pe­que­na ca­sa, mó­vel. ‘Ven­di­am-se su­cos, ba­li­nhas, e ou­tras gu­lo­sei­mas. Tu­do coi­sa pe­que­na. E a gen­te se com­pe­ne­tra­va na­que­las su­pos­tas ‘tran­sa­ções’, que, pa­ra nós, eram de ver­da­de. Nes­ses con­sul­tó­rios, fa­la­va-se mui­to no há­bi­to, no ví­cio de fu­mar. E aque­les se­nho­res di­zi­am-me que aqui­lo não com­pen­sa­va. Que eles con­ti­nu­a­vam fu­man­do, por­que já es­ta­vam es­cra­vos de­le. Acon­se­lha­vam que eu não apren­des­se a fu­mar, pois era mui­to do­en­tio. Es­ta­va ain­da em tem­po de não apren­der. Co­mo eu pro­cu­ra­va ou­vir os mais ve­lhos, por­que da­li vi­nha qua­se sem­pre mui­ta sa­be­do­ria, che­guei à con­clu­são de que não po­dia con­ti­nu­ar ten­tan­do a apren­der a fu­mar. E que bons con­se­lhos fo­ram aque­les! Por is­so, ins­tin­ti­va­men­te, aca­tei-os, no que mui­to ga­nhei, nos há­bi­tos e na sa­ú­de. Quan­tos há­bi­tos de­plo­rá­veis eu vi, da­li pa­ra a fren­te! Pes­so­as com quem eu con­vi­vi, que o fu­mo lhes es­tra­gou a vi­da, a sa­ú­de. Pes­so­as que mui­to so­fre­ram por cau­sa des­se fu­nes­to ví­cio.

Não pos­so dei­xar de, aqui, re­gis­trar o in­te­res­se que o Go­ver­no Fe­de­ral ti­nha na pro­te­ção aos in­dí­ge­nas, atra­vés de um ór­gão ofi­ci­al de­no­mi­na­do ‘Ser­vi­ço de Pro­te­ção aos Ín­di­os, co­nhe­ci­do pe­la si­gla ‘SPI’, na­ci­o­nal­men­te iden­ti­fi­ca­do.   Eu mes­mo co­nhe­ci, em Con­cei­ção do Ara­gu­aia-PA, o se­nhor Mi­guel­zi­nho, in­cum­bi­do de dar apoio às co­mu­ni­da­des in­dí­ge­nas, mor­men­te as na­ções ‘Ca­ra­jás’ e ‘Cai­a­pós’, co­mo ser­vi­dor da­que­le ór­gão, na­que­la re­gi­ão, bem co­mo a ou­tras tri­bos de ou­tras re­gi­ões do Es­ta­do do Pa­rá e do al­to Xin­gu. Ele tra­ba­lhou mui­to tem­po com aque­les ín­di­os, e era de nos­sa ci­da­de.   Ele ti­nha por aque­les sil­ví­co­las ver­da­dei­ra ob­ses­são de ca­ri­nho. Da­va-se mui­to bem com es­se tra­ba­lho. Aqui­lo era seu mun­do. Vi­via em­bre­nha­do na­que­las ma­tas, con­vi­ven­do com aque­la gen­te sel­va­gem. Ele ves­tia a ca­mi­sa da­que­la sua fun­ção. Pa­re­ce até que ia além do sim­ples vín­cu­lo em­pre­ga­tí­cio. Ele se con­si­de­ra­va ver­da­dei­ro pa­tri­mô­nio da­que­la ins­ti­tu­i­ção. E re­al­men­te o era. Mas o go­ver­no não pen­sa­va bem as­sim. Tan­to que o de­mi­ti­ra ou o apo­sen­ta­ra sem mai­o­res ex­pli­ca­ções. Aque­le seu afas­ta­men­to com­pul­só­rio foi, pa­ra ele, co­mo que uma mor­te. Ele não se con­for­ma­va. É co­mo se lhe ti­ves­se ti­ra­do o pei­xe pa­ra fo­ra d’água.

A ‘Cor­ta’ e ‘Dr.Al­ber­ti­no’ – O Go­ver­no sem­pre te­ve um gran­de  de­sa­fio – a na­ve­ga­ção do Rio Ara­gu­aia.  Ha­via imen­so in­te­res­se quan­to à ‘na­ve­ga­bi­li­da­de’ do imen­so Rio Ara­gu­aia. Um Rio mui­to lar­go, po­rém um tan­to ra­so e, por is­so mes­mo, ca­rac­te­ri­za­do por inú­me­ras ca­cho­ei­ras de por­te, bem co­mo inú­me­ros ‘tra­ves­sões’ (pe­que­nas ca­cho­ei­ras). For­ma­va mui­tas prai­as na épo­ca da se­ca, por ser um rio de mé­dia pro­fun­di­da­de. Se­ria con­si­de­ra­do na­ve­gá­vel pa­ra em­bar­ca­ções du­ran­te as chei­as. Du­ran­te a se­ca, é o rio das lin­das prai­as in­fin­dá­veis, pa­ra de­lei­te de nu­me­ro­sos tu­ris­tas de to­do o Pa­ís.

Pou­co de­pois de nos­sa che­ga­da, a Con­cei­ção do Ara­gu­aia, che­gou por lá um se­nhor de no­me Dr. Al­ber­ti­no. Um se­nhor de es­ta­tu­ra al­ta, cor­pu­len­to, de boa apa­rên­cia, fa­la man­sa, e pa­re­cen­do bem pre­pa­ra­do. Tan­to é que se di­zia cha­mar ‘Dou­tor Al­ber­ti­no’. Tra­zia de car­ga di­ver­sos ro­los de ca­bos de aço, en­ro­la­dos em imen­sos car­re­té­is. Di­zia que era ma­te­ri­al pa­ra ser uti­li­za­do no Rio Ara­gu­aia, pa­ra me­lho­rar a sua na­ve­ga­bi­li­da­de. Pa­re­ce que fa­la­vam até em dra­ga­gem da­que­las arei­as bran­cas e abun­dan­tes, que, du­ran­te o pe­rí­o­do da se­ca, trans­for­ma­vam-se em nos­sas prai­as pa­ra­di­sí­a­cas.

An­te­rior­men­te, na­que­le rio mag­ní­fi­co, já ha­via si­do ex­pe­ri­men­ta­da a sua na­ve­ga­bi­li­da­de, des­de a atu­al Aru­a­nã, – an­ti­ga Le­o­pol­di­na, no­me da­do àque­la lo­ca­li­da­de em ho­me­na­gem à Sua Al­te­za Im­pe­ra­triz Do­na Le­o­pol­di­na, es­po­sa do Prín­ci­pe Dom Pe­dro I, pe­lo en­tão jo­vem Ba­cha­rel em Di­rei­to Jo­sé Vi­ei­ra Cou­to de Ma­ga­lhã­es, Pre­si­den­te da Pro­vín­cia de Ma­to Gros­so. Co­mo hou­ves­se pas­sa­do pe­la Pro­vín­cia de Go­i­ás, quan­do no­me­a­do, aos 26 anos de ida­de, re­sol­veu fa­zer es­tu­dos quan­to à pos­sí­vel na­ve­ga­bi­li­da­de da­que­le Rio – o Ara­gu­aia, com o fim de pro­mo­ver a in­te­gra­ção da­que­la Pro­vín­cia do Cen­tro-Oes­te, por­tan­to, da re­gi­ão in­te­rio­ra­na ao li­to­ral des­te imen­so Pa­ís, com a be­la ci­da­de de Be­lém, Ca­pi­tal do Es­ta­do do Pa­rá. Nos es­tu­dos pre­li­mi­na­res, com o au­xí­lio do En­ge­nhei­ro Fran­cês Er­nest Val­lée, che­gou-se à con­clu­são de que a na­ve­ga­bi­li­da­de do gran­de Rio era não só pos­sí­vel, co­mo re­co­men­dá­vel. Pa­ra tan­to, ad­qui­riu-se um na­vio a va­por de uma ex­tin­ta Com­pa­nhia de Na­ve­ga­ção do Al­to Pa­ra­gu­ai, fa­zen­do-o des­cer pe­los Rios Cu­ia­bá, São Lou­ren­ço até a bar­ra do Pi­qui­ri. Aí, des­mon­tou-o, e su­as pe­ças fo­ram co­lo­ca­das em 19 car­ros de bois e le­va­das até o Por­to do Ita­caiú, já no Rio Ara­gu­aia, a 30 lé­gu­as da Ci­da­de de Go­i­ás, Ca­pi­tal da Pro­vín­cia. E a 29 de maio de 1868, foi ba­ti­za­do com o no­me ‘o Ara­gu­aia’, e co­lo­ca­do em fun­cio­na­men­to. E nes­sa pri­mei­ra vi­a­gem, o go­ver­na­dor ide­a­li­za­dor fez par­te da his­tó­ri­ca tri­pu­la­ção, e per­cor­reu o tre­cho que iria fa­zer par­te da­que­la pi­o­nei­ra es­tra­da flu­vi­al de mais de 600 Km, com­pre­en­den­do o tre­cho de Aru­a­nã a Be­lém do Pa­rá.

Um ano mais tar­de, a Com­pa­nhia de Na­ve­ga­ção do Ara­gu­aia e Be­lém do Pa­rá, li­be­ra­va aque­la no­tá­vel no­ta flu­vi­al ao pú­bli­co – via de re­gra ri­bei­ri­nhos – man­ten­do-a por mais de três dé­ca­das, ou se­ja, até o iní­cio do Sé­cu­lo XX. E 50 anos de­pois, a na­ve­ga­bi­li­da­de da­que­le ma­jes­to­so Rio con­ti­nu­a­va uma ob­ses­são. Is­so ain­da lá nos idos de 1950, 1960. E por que não di­zer, até ho­je! Po­rém, pa­ra tor­ná-lo na­ve­gá­vel, no meu en­ten­der de lei­go, se­ria ne­ces­sá­ria a cons­tru­ção, em qua­se to­do o seu per­cur­so, de vá­ri­as bar­ra­gens, eclu­sas, e o con­se­quen­te au­men­to da pro­fun­di­da­de do seu ca­nal, o que re­sul­ta­ria na ex­tin­ção de su­as en­can­ta­do­ras prai­as, dá­di­va da na­tu­re­za por es­tas ban­das, e mo­ti­vo de mui­to or­gu­lho dos cen­tro­es­ti­nos e nor­tis­tas. Por lá, o Dr. Al­ber­ti­no fi­cou mui­tos anos. Che­gou até a ser pro­pri­e­tá­rio ru­ral. Com­prou uma pe­que­na pro­pri­e­da­de de Pa­pai, pe­la qual se pas­sa­va pa­ra ir-se, a pé, ao ‘Pé de Bu­ri­ti’.  Mas, pos­te­rior­men­te, pas­sa­mos a tran­si­tar por ou­tro ro­tei­ro, mais fá­cil. Eu só sei di­zer que, du­ran­te to­do aque­le pe­rí­o­do que pas­sei em Con­cei­ção do Ara­gu­aia, ne­nhum ser­vi­ço foi re­a­li­za­do ou, pe­lo me­nos, con­cluí­do, nes­se sen­ti­do. Ele nos di­zia sem­pre que es­ta­va es­pe­ran­do uns En­ge­nhei­ros pa­ra co­me­ço dos tra­ba­lhos. E es­se dia nun­ca che­ga­va. Os ca­bos só não en­fer­ru­ja­ram por­que eram de aço, co­bre ou alu­mí­nio, mas já es­ta­vam bas­tan­te da­ni­fi­ca­dos e pre­cá­rios. E acre­di­to que não ser­viam pa­ra mais na­da. E o Dr.Al­ber­ti­no, não pas­sou de um pe­que­no si­ti­an­te. Era até com­pa­dre de Pa­pai. Ti­nha um bom re­la­ci­o­na­men­to na so­ci­e­da­de e com e com a nos­sa fa­mí­lia.

‘O Pro­ble­ma da Ma­lá­ria’ – Por ser aque­la uma re­gi­ão mui­to in­sa­lu­bre, o Go­ver­no es­ta­va sem­pre aten­to no com­ba­te aos cau­sa­do­res de mo­lés­tias. Uma des­sas do­en­ças que es­ta­va sem­pre pro­vo­can­do en­de­mi­as, era a fu­nes­ta ma­lá­ria. Era um com­ba­te sis­te­má­ti­co. Era uma re­gi­ão de mui­ta ma­ta e água abun­dan­te.

Um des­ses efe­ti­vos que es­ta­va sem­pre por lá, ali­ás, que por lá mo­ra­va, era o se­nhor Mil­ton. Des­te, eu me lem­bro bem, por­que, nas su­as fol­gas, ele cos­tu­ma­va ser o apli­ca­dor de in­je­ções nas pes­so­as. E a gen­te ti­nha sem­pre con­ta­to com ele. Era o fi­lho do se­nhor Mi­guel­zi­nho, do SPI – Ser­vi­ço de Pro­te­ção aos Ín­di­os.

Era uma do­en­ça que cau­sa­va mui­to mal, e que até aco­me­tia a mui­tos da­que­la agen­te do nor­te de nos­so gran­de e ri­co pa­ís, tam­bém co­nhe­ci­da co­mo ma­lei­ta.

Eu não fui uma ex­ce­ção. Ape­sar de mo­rar na ci­da­de, tam­bém fui ví­ti­ma da­que­la mal­di­ta mo­lés­tia. Só que em grau mais su­a­ve. Ela era mais im­per­ti­nen­te e per­sis­ten­te, e por que não di­zer, mais pe­ri­go­sa, nas ma­tas ain­da vir­gens, da­que­les Es­ta­dos do nor­te: Pa­rá, Ama­zo­nas… Mui­ta ma­ta, mui­ta água.

Na­que­les di­as, eu es­ta­va com o cor­po um tan­to in­dis­pos­to e, so­bre­tu­do, quen­te. Eu ia me agüen­tan­do. A gen­te não cla­ma­va por pou­ca coi­sa. E mes­mo as­sim, na­que­le dia, re­sol­vi ir pe­gar umas man­gas nu­mas ta­pe­ras – an­ti­gas mo­ra­das, já aban­do­na­das – e on­de ain­da exis­ti­am mui­tos pés de man­ga e jam­bo. Era na re­gi­ão sul. Cha­ma­va-se ‘jus­to’. Era um lo­cal frio, com nas­cen­tes d’água e um man­guei­ral, com al­guns ti­pos de­las.

En­chi um sa­co de man­gas, quer ma­du­ras, quer ‘de vez’. Chu­pei um bo­ca­do de­las, e já sen­tin­do um ca­la­frio anor­mal, o cor­po em bra­sas, o ros­to quei­man­do. E mes­mo sa­ben­do, pe­los mais ve­lhos, que man­ga não com­bi­na com fe­bre, eu já me sen­tin­do com to­dos aque­les si­nais da mal­di­ta ma­lá­ria, con­ti­nu­ei sa­bo­re­an­do as do­ces man­gas, mui­to gu­lo­sa­men­te, co­mo sem­pre. Após me de­lei­tar com aque­la far­tu­ra, é que en­chi aque­le gran­de sa­co com as be­las fru­tas, ape­ti­to­sas mes­mo! A se­guir, par­ti pa­ra a ci­da­de. Mo­rá­va­mos no Cen­tro. O ‘Jus­to’ fi­ca­va na pe­ri­fe­ria, fo­ra do pe­rí­me­tro ur­ba­no, la­do Sul. Quan­do co­lo­quei aque­le pe­sa­do far­do nas cos­tas – eu, com ape­nas meus 15 anos, na­que­le es­ta­do fe­bril – não con­se­guia se­quer ca­mi­nhar em li­nha re­ta. Per­ce­bi, en­tão, que eu não me en­con­tra­va em es­ta­do nor­mal. Ja­mais me ti­nha acon­te­ci­do coi­sa igual. E es­se zi­gue­za­gue­ar foi cons­tan­te em to­do o meu per­cur­so. A es­tra­da e a rua eram es­trei­tas pa­ra mim. No meio do ca­mi­nho, as man­gas co­me­ça­ram a ca­ir, acho que o sa­co es­ta­va mui­to cheio, e elas fo­ram ca­in­do em qua­se to­do o per­cur­so. Eu não da­va con­ta de bai­xar e pe­gá-las. Ca­so ten­tas­se, eu cai­ria, e não con­se­gui­ria le­van­tar-me.

As­sim, eu fui dei­xan­do as man­gas pe­lo ca­mi­nho afo­ra. Ain­da bem que o sa­co ia fi­can­do ca­da vez mais le­ve. Foi mi­nha sal­va­ção. E aos tran­cos e bar­ran­cos, che­guei em ca­sa. O sa­co es­ta­va lá pe­la me­ta­de.

Lá em ca­sa, re­la­tei a ocor­rên­cia a mi­nhas ir­mãs e à mi­nha ‘Ma­dri­nha’ que, mui­to aten­cio­sa, co­mo sem­pre, me me­di­cou e, as­sim, me ali­viou. Pa­re­ce-me que me mi­nis­trou um com­pri­mi­do de um me­di­ca­men­to de no­me ‘Ara­lém’. Era um dos me­di­ca­men­tos, pa­ra aque­la do­en­ça tão in­fe­liz, que vi­ti­mou tan­tas pes­so­as, pa­is de fa­mí­lia, seus fi­lhos que não ob­ti­nham tra­ta­men­to ime­di­a­to e ade­qua­do. Den­tro de pou­cos di­as, eu já es­ta­va sal­vo da­que­la in­si­di­o­sa mo­lés­tia que tan­to me ata­za­na­va e ain­da mal­tra­ta, – em­bo­ra em bem me­nor es­ca­la, é cla­ro, os  nor­tis­tas, ser­ta­ne­jos es­pe­ci­al­men­te. Uns ha­bi­tan­tes das ci­da­des tem um tra­ta­men­to mais efe­ti­vo, co­mo re­quei­ra ca­da ca­so. Eu ti­ve a fe­liz sor­te de vi­ver na­que­la re­gi­ão, e de ter so­bre­vi­vi­do aos ata­ques da­que­la in­si­di­o­sa mo­lés­tia, e de ha­ver usu­fru­í­do o pri­vi­lé­gio de es­tar, ho­je, aqui, po­den­do con­tar es­ta es­tó­ria com fi­nal fe­liz, ao con­trá­rio de tan­tos ou­tros de­sa­for­tu­na­dos.

Par­te cu­ri­o­sa de mi­nha tra­je­tó­ria fo­ram as ‘di­ver­sões’ que ale­gra­ram mi­nha ado­les­cên­cia. Eu era um ga­ro­to que ti­nha o pri­vi­lé­gio de usu­fru­ir va­ri­a­das ‘di­ver­sões’. Vi­via pa­ra es­tu­dar e, nas ho­ras va­gas, das li­das já men­ci­o­na­das, eu pro­cu­ra­va dar-me um pou­co de la­zer. Afi­nal, a gen­te ain­da na ado­les­cên­cia, ti­nha uma vi­são da vi­da mais pre­co­ce, pe­lo tra­ba­lho. E as­sim, mui­to ce­do che­ga­vam os an­sei­os pe­lo des­fru­te da vi­da.

 

(Li­cí­nio Bar­bo­sa, ad­vo­ga­do cri­mi­na­lis­ta, pro­fes­sor emé­ri­to da UFG, pro­fes­sor ti­tu­lar da PUC-Go­i­ás, mem­bro ti­tu­lar do IAB-Ins­ti­tu­to dos Ad­vo­ga­dos Bra­si­lei­ros-Rio/RJ, e do IHGG-Ins­ti­tu­to His­tó­ri­co e Ge­o­grá­fi­co de Go­i­ás, mem­bro efe­ti­vo da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras, Ca­dei­ra 35 – E-mail li­ci­nio­bar­bo­[email protected])

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais