Opinião

“Bendita és tu entre as mulheres”

diario da manha

No sex­to mês da gra­vi­dez de Isa­bel, o an­jo Ga­bri­el foi en­vi­a­do por Deus a Na­za­ré, uma ci­da­de da Ga­li­leia, e apa­re­ceu a Ma­ria, que era vir­gem. O an­jo en­trou on­de ela es­ta­va e lhe dis­se:

“Ale­gra-te, ó cheia de gra­ça! O Se­nhor es­tá con­ti­go. Ben­di­ta és tu en­tre as mu­lhe­res”.

Ela fi­cou in­tri­ga­da com es­tas pa­la­vras e per­gun­ta­va a si mes­mo o sig­ni­fi­ca­do des­ta sa­u­da­ção. Po­rém o an­jo con­ti­nuou:

“Não te­mas, Ma­ria, por­que con­quis­tas­te a be­ne­vo­lên­cia do Se­nhor. Con­ce­be­rás e da­rás à luz um fi­lho, e tu o cha­ma­rás Je­sus. Ele se­rá gran­de e se­rá cha­ma­do Fi­lho do Al­tís­si­mo. O Se­nhor Deus lhe da­rá o tro­no de Da­vi, seu pai. Ele rei­na­rá pa­ra sem­pre so­bre a ca­sa de Ja­có e seu rei­na­do não te­rá fim”.

En­tão, Ma­ria in­da­gou ao an­jo: “Co­mo se fa­rá is­so se eu não co­nhe­ço ho­mem al­gum?”

O an­jo res­pon­deu: “O Es­pí­ri­to San­to vi­rá so­bre ti, e o po­der do Al­tís­si­mo te en­vol­ve­rá em sua som­bra. Por is­so, o san­to que vai nas­cer se­rá cha­ma­do Fi­lho de Deus. Tam­bém Isa­bel, tua pa­ren­ta, con­ce­beu um fi­lho na ve­lhi­ce, e ela, que era cha­ma­da es­té­ril, já es­tá no sex­to mês. Pa­ra Deus, na­da é im­pos­sí­vel”.

Ma­ria fa­lou en­tão: “Eis aqui a ser­va do Se­nhor; fa­ça-se em mim se­gun­do a Sua pa­la­vra!”

E o an­jo re­ti­rou-se.

(Evan­ge­lho de Lu­cas, cap. 1, vv. 26 a 38).

 

A gra­vi­dez de Ma­ria, cu­jo no­me sig­ni­fi­ca ‘a ob­sti­na­da’, é uma re­a­li­da­de in­con­tes­tá­vel à luz do es­tu­do re­en­car­na­tó­rio e dos fe­nô­me­nos de ma­te­ri­a­li­za­ção. É per­fei­ta­men­te pos­sí­vel que uma cé­lu­la es­per­má­ti­ca ou até mes­mo um óvu­lo fe­cun­da­do te­nha se ma­te­ri­a­li­za­do no or­ga­nis­mo re­pro­du­tor da jo­vem de Na­za­ré. Is­to por­que a en­car­na­ção de Je­sus foi a mais es­pe­ci­al que exis­tiu no or­be ter­res­tre. Não se tra­ta­va de re­en­car­na­ção de um Es­pí­ri­to su­pe­ri­or, mas pu­ro, per­fei­to em al­tís­si­mo grau de in­te­lec­tu­a­li­da­de e de mo­ra­li­da­de. A or­ga­ni­za­ção fluí­di­ca do pe­ris­pí­ri­to do Cris­to era in­com­pa­ra­vel­men­te com­ple­xa. Não ha­ve­ria, em cor­pos co­muns, a sub­stân­cia ma­te­ri­al or­gâ­ni­ca que ori­gi­nas­se e man­ti­ves­se du­ran­te uma ges­ta­ção hu­ma­na, o vín­cu­lo vi­bra­tó­rio apro­pria­do a en­car­na­ção de um ser de ele­va­da pu­re­za. Tu­do, no en­tan­to, foi pre­pa­ra­do e exe­cu­ta­do sob a égi­de da equi­pe es­pi­ri­tual de Je­sus.

O pre­pa­ro es­pi­ri­tual da jo­vem Ma­ria foi de­ci­si­vo e pre­pon­de­ran­te. Jo­a­quim e Ana eram os pa­is de Ma­ria de Na­za­ré, se­gun­do o Pro­to­e­van­ge­lho de Ti­a­go. An­tes do nas­ci­men­to da fi­lha, Ana tam­bém re­ce­beu a vi­si­ta do an­jo Ga­bri­el que lhe anun­ciou o nas­ci­men­to da fu­tu­ra mãe do Mes­si­as. Até a con­cep­ção de Ma­ria, Ana era con­si­de­ra­da es­té­ril. Jo­a­quim de­sen­car­na­ra dei­xan­do sua es­po­sa e sua úni­ca fi­lha ain­da cri­an­ça. Ma­ria cres­ceu sob for­te in­flu­ên­cia, era des­cen­den­te do rei Da­vi, e por is­to per­ten­cia a li­nha­gem de uma re­a­le­za ju­dai­ca.

A hu­mil­da­de, a dis­ci­pli­na e a co­ra­gem de Ma­ria são exi­gi­das no ins­tan­te da anun­ci­a­ção fei­ta pe­lo an­jo. São vir­tu­des ne­ces­sá­rias pa­ra a en­car­na­ção do Amor e da Sa­be­do­ria. A anô­ni­ma Na­za­ré e a sim­ples Ga­li­leia ga­nham des­ta­que que nas Es­cri­tu­ras Sa­gra­das. O Mes­si­as, de­no­mi­na­do Je­sus, nas­ce­ria na Ju­déia, pal­co das tra­di­ções re­li­gi­o­sas do Ju­daís­mo, mas fo­ra con­ce­bi­do na Ga­li­leia, no­me que sig­ni­fi­ca ‘re­gi­ão cer­ca­da’, em Na­za­ré, uma ci­da­de nun­ca an­tes ci­ta­da pe­lo Ve­lho Tes­ta­men­to. A Sa­be­do­ria do Pai ma­ni­fes­ta-se on­de há hu­mil­da­de, dis­ci­pli­na e co­ra­gem. Hu­mil­da­de pa­ra re­co­nhe­cer e as­si­mi­lar a Fé e a Ver­da­de; dis­ci­pli­na pa­ra per­se­ve­rar na boa con­du­ta e no bom pro­vei­to do tem­po; co­ra­gem pa­ra su­pe­rar ob­stá­cu­los que ten­tem im­pe­dir a vi­tó­ria fi­nal do Bem em ca­da ci­clo evo­lu­ti­vo do Es­pí­ri­to. A Mãe San­tís­si­ma con­quis­tou a be­ne­vo­lên­cia do Se­nhor, gra­ças a es­sas três vir­tu­des ce­les­tes, ba­ses da Fé, da Es­pe­ran­ça e da Ca­ri­da­de. A vin­da ex­cel­sa de Je­sus en­con­trou em Ma­ria de Na­za­ré a per­so­ni­fi­ca­ção do amor e da sa­be­do­ria de Deus no su­bli­me ver­bo que se fez luz:

“Eis aqui a ser­va do Se­nhor; fa­ça-se em mim se­gun­do a Sua pa­la­vra!”

Vi­si­ta de Ma­ria a Isa­bel

Na­que­les di­as, Ma­ria pôs-se a ca­mi­nho a to­da pres­sa pa­ra a re­gi­ão mon­ta­nho­sa, a uma ci­da­de da Ju­déia.

Ao en­trar na ca­sa de Za­ca­ri­as, Ma­ria sa­u­dou Isa­bel. Ape­nas Isa­bel ou­viu a sa­u­da­ção de Ma­ria, o me­ni­no se agi­tou em seu ven­tre, e ela fi­cou cheia do Es­pí­ri­to San­to. En­tão, ex­cla­mou em voz al­ta:

“Ben­di­ta és tu en­tre as mu­lhe­res e ben­di­to é o fru­to do teu ven­tre! Co­mo vim me­re­cer que a mãe do meu Se­nhor ve­nha me vi­si­tar? Pois quan­do ou­vi a voz de tua sa­u­da­ção, a cri­an­ça sal­tou de ale­gria em meu ven­tre. Sim, fe­liz é aque­la que acre­di­tou na re­a­li­za­ção do que lhe foi di­to da par­te do Se­nhor!”

Em res­pos­ta a Isa­bel, Ma­ria en­to­ou es­te cân­ti­co:•:

“Mi­nha al­ma en­gran­de­ce o Se­nhor.

E meu es­pí­ri­to ale­gra-se in­ten­sa­men­te em Deus, meu Sal­va­dor.

Por­que olhou pa­ra a pe­que­nez de sua ser­va.

De ago­ra em di­an­te, to­das as ge­ra­ções me cha­ma­rão de bem-aven­tu­ra­da.

Pois o To­do-Po­de­ro­so fez em mim gran­des coi­sas.

San­to é seu no­me e sua mi­se­ri­cór­dia per­du­ra de ge­ra­ção em ge­ra­ção, so­bre os que o te­mem.

Ma­ni­fes­tou po­der com seu bra­ço, dis­per­sou os ho­mens de co­ra­ção or­gu­lho­so.

De­pôs os po­de­ro­sos de seus tro­nos e a hu­mil­des exal­tou.

Dei­xou os fa­min­tos sa­tis­fei­tos e des­pe­diu ri­cos de mãos va­zi­as.

So­cor­reu Is­ra­el, seu ser­vo, lem­bran­do-se da Sua mi­se­ri­cór­dia – con­for­me ti­nha pro­me­ti­do aos nos­sos pa­is – pa­ra com Abra­ão e sua des­cen­dên­cia, pa­ra sem­pre!”

E Ma­ria per­ma­ne­ceu cer­ca de três mes­es com Isa­bel e de­pois vol­tou pa­ra ca­sa. (Evan­ge­lho de Lu­cas, cap. 1, vv. 39 a 56).

Ma­ria re­si­dia em Na­za­ré, na Ga­li­leia, e Isa­bel, sua pa­ren­ta e es­po­sa de Za­ca­ri­as, na Ju­déia, pos­si­vel­men­te nu­ma lo­ca­li­da­de atu­al­men­te de­no­mi­na­da Ain-Ka­rim, an­ti­ga Ju­ta, se­gun­do uma tra­di­ção men­ci­o­na­da pe­la pri­mei­ra vez en­tre 520 e 530 pe­lo di­á­co­no Te­o­dó­sio em De Si­tu Ter­rae Sanctae, in­flu­en­cia­da pro­va­vel­men­te pe­las len­das do Pro­to­e­van­ge­lho de Ti­a­go. Ain-Ka­rim fi­ca a se­te qui­lô­me­tros ao oes­te de Je­ru­sa­lém. A vi­a­gem de Na­za­ré a Ain-Ka­rim le­va­va qua­tro a cin­co di­as.

A vi­si­ta de Ma­ria a Isa­bel con­so­li­dou a men­sa­gem do an­jo Ga­bri­el. A mis­são de Isa­bel em re­la­ção a Ma­ria foi o pre­nún­cio da mis­são de Jo­ão Ba­tis­ta em re­la­ção a Je­sus. Em Isa­bel a anun­ci­a­ção do nas­ci­men­to de Je­sus é con­so­li­da­da. Ma­ria to­ma con­sci­ên­cia de sua gra­vi­dez e da im­por­tân­cia do Mes­si­as tão es­pe­ra­do por to­do o po­vo de Is­ra­el. O Fi­lho de Deus tam­bém se­ria seu fi­lho e seu Se­nhor, o seu Mes­si­as e Mes­tre mai­or. Gra­ças a Isa­bel Jo­ão tam­bém sa­ú­da a Je­sus e a Mãe San­tís­si­ma por meio do fe­nô­me­no de psi­co­fo­nia, ocor­ri­do de ma­nei­ra su­a­ve e con­sci­en­te, nos pri­mei­ros ins­tan­tes em que Isa­bel avis­tou a fu­tu­ra mãe de Je­sus.

Di­an­te do cum­pri­men­to su­bli­me, a ines­que­cí­vel mãe do su­bli­me Ra­bi da Ga­li­leia res­pon­de em cân­ti­co de lou­vor de agra­de­ci­men­to e de su­bli­me exem­plo de amor e de hu­mil­da­de. Es­se cân­ti­co di­vi­no é co­nhe­ci­do por to­da a cris­tan­da­de por sua pri­mei­ra pa­la­vra la­ti­na, o Mag­ni­fi­cat.

Da­que­le en­con­tro su­bli­me, re­gis­tra­do e con­tem­pla­do por ex­cel­sos emis­sá­rios do Se­nhor, con­so­li­dou-se a ba­se de ca­da pro­gra­ma en­car­na­tó­rio que aten­deu, de for­ma efi­caz, as pri­mei­ras ne­ces­si­da­des das ilus­tres e ilu­mi­na­das cri­an­ças.

 

(Emí­dio Sil­va Fal­cão Bra­si­lei­ro é edu­ca­dor, au­tor e ju­ris­ta. Mem­bro da Aca­de­mia Es­pí­ri­ta de Le­tras do Es­ta­do de Go­i­ás, da Aca­de­mia Go­i­a­ni­en­se de Le­tras e da Aca­de­mia Apa­re­ci­den­se de Le­tras)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais