diario da manha

Os pe­rí­o­do que cor­res­pon­deu aos dois go­ver­nos de Lu­la (2003-2010) te­ve co­mo las­tro eco­nô­mi­co o cres­ci­men­to da eco­no­mia mun­di­al e uma li­qui­dez in­ter­na­ci­o­nal ex­pres­si­va, be­ne­fi­ci­an­do as ex­por­ta­ções bra­si­lei­ras e as con­tas ex­ter­nas do pa­ís (ba­lan­ça co­mer­cial e ba­lan­ço de pa­ga­men­tos). O las­tro po­lí­ti­co foi um pac­to na­ci­o­nal que com­bi­nou a ob­ten­ção de su­pe­rá­vits fis­cais (pa­ra hon­rar os com­pro­mis­sos com os cre­do­res in­ter­nos e ex­ter­nos do go­ver­no) e a im­ple­men­ta­ção de po­lí­ti­cas so­ci­ais e de cré­di­to que me­lho­ra­ram a dis­tri­bui­ção de ren­da e am­pli­a­ram o mer­ca­do in­ter­no co­mo nun­ca.

Me­nos sor­te te­ve Dil­ma Rous­seff, cu­ja po­lí­ti­ca eco­nô­mi­ca, cal­ca­da na mes­ma ló­gi­ca de seu an­te­ces­sor, po­rém sob con­di­ções de cres­ci­men­to e li­qui­dez in­ter­na­ci­o­nal ad­ver­sas, nau­fra­gou, jun­to com seu ca­pi­tal po­lí­ti­co e a cre­di­bi­li­da­de de seu par­ti­do. Não che­gou a go­ver­nar em seu se­gun­do man­da­to, ví­ti­ma de um gol­pe par­la­men­tar-ju­rí­di­co-mi­di­á­ti­co (ain­da em cur­so) que se apro­vei­tou do re­sul­ta­do elei­to­ral que re­ve­lou um pa­ís di­vi­di­do ao meio.

Em pou­co tem­po,  o go­ver­no Te­mer – que não é fru­to de um pac­to de­mo­crá­ti­co e  só se man­tém me­di­an­te acor­dos es­pú­ri­os com o que  há de mais atra­sa­do na po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra (o bai­xo cle­ro par­la­men­tar, se­to­res qua­se-fas­cis­tas da opi­ni­ão pú­bli­ca li­de­ra­dos pe­la gran­de mí­dia e gru­pos es­pe­cí­fi­cos no apa­ra­to es­ta­tal ju­rí­di­co e re­pres­si­vo), e gra­ças à bai­xa den­si­da­de ci­da­dã que ca­rac­te­ri­za o elei­to­ra­do des­de sem­pre — pôs por ter­ra o pac­to es­ta­be­le­ci­do e con­du­zi­do por “Lu­li­nha Paz e Amor” (que não sem con­tro­vér­sia foi cha­ma­do de ne­o­de­sen­vol­vi­men­tis­mo).

Na prá­ti­ca, o gru­po ora no po­der (em sua mai­o­ria a ve­lha-guar­da pré-Cons­ti­tu­i­ção de 1988) vai ra­pi­da­men­te re­ver­ten­do tu­do que apon­ta­va na di­re­ção da re­dis­tri­bui­ção de ren­da e da so­be­ra­nia po­pu­lar e na­ci­o­nal, na me­di­da em que o pac­to em cur­so co­me­çou a “fi­car ca­ro” pa­ra os mais ri­cos, a par­tir do mo­men­to em que o cres­ci­men­to se re­ver­teu (di­mi­nu­in­do o “bo­lo” a di­vi­dir), na es­tei­ra da cri­se fi­nan­cei­ra in­ter­na­ci­o­nal de 2008. Es­tá em cur­so, co­mo con­se­quên­cia, um no­vo con­fli­to re­dis­tri­bu­ti­vo, des­sa vez os de ci­ma bus­can­do re­ti­rar ren­da e ri­que­za dos de bai­xo, sem a me­nor ce­ri­mô­nia ou dor de con­sci­ên­cia.

O dis­cur­so te­ó­ri­co que sus­ten­ta es­se gi­ro ra­di­cal na po­lí­ti­ca eco­nô­mi­ca é o da ne­ces­si­da­de de re­du­zir os ris­cos que ele­vam a ta­xa de ju­ros (ba­si­ca­men­te os ris­cos de­cor­ren­tes da ele­va­ção da re­la­ção da dí­vi­da/PIB, pu­xa­da pe­la po­ten­ci­al cri­se pre­vi­den­ci­á­ria) e de “mo­der­ni­zar as re­la­ções tra­ba­lhis­tas” en­ca­re­ce­do­ras da pro­du­ção (o que im­pli­ca, de fa­to, nu­ma vol­ta à era pré-ca­pi­ta­lis­ta das re­la­ções de tra­ba­lho), pa­ra com is­so cri­ar um am­bi­en­te de ne­gó­ci­os fa­vo­rá­vel à re­to­ma­da do cres­ci­men­to.

Es­que­cem-se, os que abra­çam es­se dis­cur­so du­vi­do­so, com ares de ci­ên­cia (que, ali­ás, des­pre­za a His­tó­ria), que não há am­bi­en­te de ne­gó­ci­os fa­vo­rá­vel on­de a mas­sa sa­la­ri­al min­gua, o de­sem­pre­go é mas­ca­ra­do por su­bem­pre­gos, as re­cei­tas tri­bu­tá­ria e pre­vi­den­ci­á­ria ca­em, o go­ver­no cu­i­da ape­nas do pa­ga­men­to da dí­vi­da (sem, en­tre­tan­to, so­lu­cio­ná-la) e su­ca­teia dra­ma­ti­ca­men­te os ser­vi­ços pú­bli­cos e as po­lí­ti­cas pú­bli­cas. Es­que­cem-se, so­bre­tu­do, de que não ha­ve­rá Na­ção al­gu­ma – nem mer­ca­do — on­de o po­vo é ex­cluí­do, on­de não há pro­je­to de de­sen­vol­vi­men­to sen­do ur­di­do e on­de as re­la­ções com o res­to do mun­do acei­tam o ne­o­co­lo­ni­a­lis­mo sub­mis­so às fi­nan­ças in­ter­na­cio­nais.

 

(Val­de­mir  Pi­res e Cláu­dio Pai­va, pro­fes­so­res da Fa­cul­da­de de Ci­ên­cias e Le­tras da Unesp de Ara­ra­qua­ra)

 

Comentários