Opinião

Café Royal - Londres

diario da manha

Co­mo dis­se em um dos tex­tos que pu­bli­quei no fa­ce bo­ok, nes­ta vi­a­gem que Ma­ri­lia e eu es­ta­mos re­a­li­zan­do (Pa­ris e Lon­dres), du­as ra­zões nos le­va­ram a em­pre­en­dê-la: pro­cu­rar al­gu­mas in­con­gru­ên­cias de de­ta­lhes de al­gu­mas an­ti­gas crô­ni­cas que ve­nho es­cre­ven­do há al­gum tem­po so­bre es­tas du­as ci­da­des, pa­ra pos­sí­vel pu­bli­ca­ção, em li­vro, e, em se­gun­do lu­gar, vol­tar a acom­pa­nhar os pas­sos de Cou­to de Ma­ga­lhã­es, ex-pre­si­den­te da Pro­vín­cia de Go­i­ás em 1863, que mo­rou em Lon­dres por 4 anos, so­bre o qual pu­bli­quei o li­vro (bi­o­gra­fia ro­man­ce­a­da): “Cou­to de Ma­ga­lhã­es, o úl­ti­mo des­bra­va­dor do Im­pé­rio, Ed. Kelps”.

Quan­do pu­bli­quei es­te li­vro ba­se­ei-me em mui­tas pes­qui­sas bi­o­grá­fi­cas, in­clu­si­ve no “Di­á­rio se­cre­to” que ele dei­xou e que foi pu­bli­ca­do no Bra­sil pe­la “Cia. das Le­tras, 1998”, qua­se to­do ele dis­cu­tin­do sua vi­da em Lon­dres, in­clu­si­ve uma na­mo­ra­da que ele “ar­ran­jou” de no­me Lily,

Uma das in­cóg­ni­tas que não con­se­gui de­sem­ba­ra­çar é a pos­si­bi­li­da­de de­le ter si­do ho­mos­se­xu­al, co­mo afir­mam al­gu­mas fon­tes, sem com­pro­va­ção do­cu­men­tal e, co­mo to­da bi­o­gra­fia, pa­ra me­re­cer o cré­di­to dos lei­to­res, não po­de “es­con­der” de­ta­lhes da vi­da do bi­o­gra­fa­do, mes­mo aque­las que po­de­ri­am “de­ne­grir” a sua ima­gem.

Na dú­vi­da e pa­ra não fu­gir do pro­ble­ma, “le­vei” Cou­to de Ma­ga­lhã­es, na com­pa­nhia de Lily, a um res­tau­ran­te mui­to fa­mo­so na­que­la épo­ca em que ele vi­veu em Lon­dres (1876/1880), o fa­mo­so Ca­fé Royal, lo­cal on­de Os­car Wil­de fre­quen­ta­va, co­mo nos in­for­ma o au­tor de uma das su­as bi­o­gra­fi­as, Ri­chard Ellmann (co­mo sa­be­mos, Os­car Wil­de es­ta­va en­vol­vi­do na épo­ca, era Vi­to­ria­na, em um pro­ces­so so­bre pe­de­ras­tia, aca­ban­do por ser pre­so e da pri­são es­cre­veu o fa­mo­so opús­cu­lo – “The Pro­fun­dis”).

Co­mo es­ta bi­o­gra­fia é ro­man­ce­a­da, acom­pa­nhem co­mi­go o di­á­lo­go que ar­ran­jei en­tre os dois (Cou­to de Ma­ga­lhã­es e Lily)

(….) No dia an­te­ri­or bri­ga­ram, Lily ti­ve­ra um ata­que his­té­ri­co. Cou­to ve­ri­fi­cou, pe­lo hu­mor da com­pa­nhei­ra, que aque­le as­sun­to do dia an­te­ri­or ain­da não es­ta­va re­sol­vi­do, pen­sou em ir pa­ra ca­sa, po­rém per­ce­beu que es­ta so­lu­ção não se­ria a mais ade­qua­da, pois a noi­te, co­mo vi­mos, foi ter­rí­vel.

Con­vi­dou-a a irem ao res­tau­ran­te Pan­ta­gru­el, po­rém, ela in­sis­tiu que de­se­ja­va ir ao Ca­fé Royal; ali, um pou­co con­tra­ri­a­do pe­lo inu­si­ta­do da ce­na, Cou­to te­ve a opor­tu­ni­da­de de ver uma pes­soa que es­ta­va fa­zen­do enor­me su­ces­so li­te­rá­rio em Lon­dres, prin­ci­pal­men­te pe­los mo­dos ex­tra­va­gan­tes de se ves­tir e tam­bém pe­lo sé­qüi­to que o acom­pa­nha­va.

Acos­tu­ma­do ao tra­di­cio­na­lis­mo, Cou­to, ao con­trá­rio de Lily, fi­cou abis­ma­do com o gru­po que ocu­pa­va uma me­sa no fun­do do res­tau­ran­te e que se com­por­ta­va de ma­nei­ra a cha­mar a aten­ção dos pre­sen­tes.

O co­man­dan­te do gru­po era um ho­mem jo­vem, al­to, ros­to re­don­do, ca­be­los cas­ta­nhos, li­sos e abun­dan­tes; bo­ca bem for­ma­da, po­rém, com lá­bi­os gros­sei­ros, usa­va rou­pas es­pa­lha­fa­to­sas, com uma enor­me flor bran­ca na bo­to­ei­ra da ja­que­ta. Os pu­nhos da ca­mi­sa re­co­briam as man­gas do pa­le­tó; fa­zen­do sa­li­ên­cia e cha­man­do a aten­ção, um enor­me e pe­sa­do se­lo de me­tal, exi­bin­do a ins­cri­ção das le­tras OW es­ti­li­za­das, pen­di­am da cor­ren­te do re­ló­gio.

Pa­ra com­ple­tar a in­du­men­tá­ria, era exi­bi­do um gran­de di­a­man­te no pei­ti­lho da ca­mi­sa. Fa­la­va al­to, po­rém, com voz en­can­ta­do­ra, so­no­ra e su­a­ve, cheia de ex­pres­são e mo­du­la­ções, sen­do ou­vi­do por to­do o res­tau­ran­te; re­ci­ta­va po­e­mas en­tre­me­a­dos com “ti­ra­das” que pro­vo­ca­vam es­tron­do­sas gar­ga­lha­das nos seus com­pa­nhei­ros.

Era Os­car Wil­de, fa­mo­so ro­man­cis­ta, po­e­ta, te­a­tró­lo­go e con­fe­ren­cis­ta.

Lily fi­cou en­tu­si­as­ma­da com a co­in­ci­dên­cia, acom­pa­nha­va-o pe­la im­pren­sa e apro­va­va sua fi­lo­so­fia de vi­da, com­ple­ta­men­te con­trá­ria aos cos­tu­mes vi­gen­tes da era Vi­to­ria­na, prin­ci­pal­men­te su­as opi­ni­ões a res­pei­to do re­la­ci­o­na­men­to en­tre os ca­sais; a cus­to, foi con­ti­da por Cou­to pa­ra não se di­ri­gir à me­sa do Dan­di.

A ati­tu­de de Lily pro­vo­cou mau hu­mor em Cou­to; a mui­to cus­to man­ti­ve­ram uma con­ver­sa­ção du­ran­te a re­fei­ção; pa­ra pi­o­rar a si­tu­a­ção, ela re­sol­veu co­brar-lhe uma po­si­ção fren­te ao ho­mos­se­xu­a­lis­mo, uma vez que, se­gun­do ela, ele ha­via de­mons­tra­do, no pre­sen­te epi­só­dio, evi­den­te e exa­ge­ra­do pre­con­cei­to.

– Não te­nho pre­con­cei­to, acho que ca­da in­di­vi­duo de­ve ser se­nhor das su­as op­ções se­xu­ais, só não con­cor­do com o exi­bi­cio­nis­mo, se­me­lhan­te ao pra­ti­ca­do por es­te in­di­ví­duo, há que ha­ver o res­pei­to pú­bli­co.

– Acho-o, re­al­men­te, pre­con­cei­tu­o­so; ha­ja vis­ta o fa­to de vo­cê não ter me le­va­do ao jan­tar na ca­sa do Ba­rão de Pe­ne­do. Vo­cê me des­pre­za, sua ati­tu­te foi co­var­de, vo­cê agiu co­mo um co­var­de, fa­la ago­ra a já qua­se his­té­ri­ca Lily.

– A úni­ca coi­sa que não ad­mi­ti­do é ser cha­ma­do de co­var­de; se vo­cê co­nhe­ces­se mi­nha vi­da pre­té­ri­ta, não te­ria co­ra­gem de di­zer is­to. Co­var­de é aque­le que fo­ge do pe­ri­go; ao con­trá­rio dis­to, fui, mui­tas ve­zes, ao en­con­tro do pe­ri­go e de­sa­fi­ei-o inú­me­ras ve­zes (….)

Ma­ri­lia e eu fo­mos al­mo­çar no fa­mo­so ca­fé Royal, lo­ca­li­za­do na Re­gent Stre­et, qua­se que che­gan­do no Pi­ca­dily; é in­te­res­san­te agu­çar a cu­ri­o­si­da­de dos meus lei­to­res, con­tan­do um pou­co da his­tó­ria des­te Ca­fé:

– Em 1865 um ca­sal de fran­ces­es (Da­ni­el Thé­ve­nom e Ce­les­ti­ne, fu­gin­do de dí­vi­das que fi­ze­ram em Pa­ris, fo­ram pa­ra Lon­dres, on­de fun­da­ram o “Ca­fé Royal”, que lo­go tor­nou-se o lo­cal de en­con­tro de ce­le­bri­da­des, por for­ne­cer aos cli­en­tes os me­lho­res vi­nhos, mui­tos de­les, vin­dos da Fran­ça.

Pro­va­vel­men­te, pe­la sua lo­ca­li­za­ção (Re­gent Stre­et), es­te ca­fé ad­qui­riu gran­de fa­ma e foi fre­quen­ta­do por pes­so­as de gran­de re­per­cus­são so­ci­al ( Os­car Wil­de, Vir­gi­nia Wolf, Wins­ton Chur­chil, Ber­nard Shaw e mais re­cen­te­men­te Eli­za­beth Taylor, Bri­git­te Bar­dot e a Prin­ce­sa Di­a­ne.

Es­tá re­gis­tra­do na his­tó­ria que no dia 24 de mar­ço de 1895, Os­car Wil­de se en­con­trou com um dos seus ami­gos, Frank Har­ris e es­te ten­tou con­ven­cer o ami­go a de­sis­tir de pro­ces­sar o pai do seu “na­mo­ra­do (Al­fred Dou­glas)”, o Mar­ques de Que­ens­bery; in­fe­liz­men­te Wil­de não quis ou­vir os con­se­lhos do ami­go e aca­bou sen­do con­de­na­do e pre­so.

Em 2008 o Ca­fé fe­chou as por­tas e no ano de 2012, re­a­briu-a, ago­ra com “sta­tus” de Ho­tel 5 es­tre­las, per­ma­ne­cen­do, no en­tan­to o re­can­to pa­ra os bo­ê­mios de­gus­ta­rem um bom vi­nho, cham­pa­nhe ou uma lar­ger (cer­ve­ja quen­te dos in­gles­es) e tam­bém, com pro­var um bom car­nei­ro as­sa­do.

 

(Hé­lio Mo­rei­ra, da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras, Aca­de­mia Go­i­a­na de Me­di­ci­na, Ins­ti­tu­to His­tó­ri­co e Ge­o­grá­fi­co de Go­i­ás)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar