Opinião

Cartas de amor que escrevi!

diario da manha

Sou, à mo­da an­ti­ga, um afi­ci­o­na­do em car­tas pes­so­ais, prin­ci­pal­men­te aque­las com lin­gua­gem co­lo­qui­al; ou­tro dia, em es­tan­do na San­ta Te­re­za, re­sol­vi re­me­xer em uma das mi­nhas cai­xas, on­de guar­do as di­tas cu­jas.

Qual não foi meu es­pan­to ao cons­ta­tar que ha­via ali uma gran­de quan­ti­da­de de car­tas, tan­to as re­ce­bi­das, co­mo as ex­pe­di­das (Qua­se sem­pre guar­do as su­as co­pi­as!). Lem­bro-me que mi­nha mãe, no nos­so an­ti­go lu­ga­re­jo de Gas­par Lo­pes (MG), gos­ta­va de es­cre­ver car­tas ou mes­mo bi­lhe­tes a se­rem en­tre­gues, por mim, aos pro­pri­e­tá­rios das “ven­das”, en­co­men­dan­do, pe­lo por­ta­dor, al­gu­mas ne­ces­si­da­des da co­zi­nha (Ela era pro­pri­e­tá­ria de uma Pen­são com boa mo­vi­men­ta­ção de hós­pe­des).

– Tra­ga o bi­lhe­te de vol­ta, di­zia ela, pa­ra que eu pos­sa con­tro­lar a mo­vi­men­ta­ção da nos­sa “con­ta-fi­a­do”.

Acho que apren­di com ela!

Du­ran­te al­gum tem­po man­ti­ve uma cor­res­pon­dên­cia epis­to­lar com o meu ines­que­cí­vel ami­go, Dr. Fran­cis­co Ta­vei­ra, quan­do dis­cu­tí­a­mos as­sun­tos os mais va­ri­a­dos pos­sí­veis; lem­bro-me da sua le­tra “re­don­di­nha”,  tão di­fe­ren­te da dos mé­di­cos.

O gran­de di­fe­ren­ci­al des­ta cor­res­pon­dên­cia é que nós dois mo­rá­va­mos em Go­i­â­nia!

De uma cer­ta al­tu­ra em di­an­te da vi­da do Dr. Ta­vei­ra, ele pas­sou a ter al­gu­ma di­fi­cul­da­de pa­ra se co­mu­ni­car, ver­bal­men­te (es­ta­va ini­ci­an­do al­gu­ma de­fi­ci­ên­cia au­di­ti­va e vi­su­al); acer­ta­mos, en­tão, en­vi­ar­mos car­ta, pe­lo cor­reio, um pa­ra o ou­tro!

Pa­re­cí­a­mos dois na­mo­ra­dos aguar­dan­do, com an­sie­da­de, a che­ga­da do cor­reio!

Na mi­nha vi­da de mé­di­co ti­ve a fe­li­ci­da­de de me apro­xi­mar de uma mul­ti­dão de pes­so­as e aten­dê-las em mo­men­tos de al­gu­ma di­fi­cul­da­de exis­ten­ci­al.

Lem­bro-me, co­mo se fos­se ho­je, do dia em que um fa­mo­so mé­di­co car­di­o­lo­gis­ta de Go­i­â­nia pro­cu­rou-me com um qua­dro que se me afi­gu­ra­va co­mo gra­ve, es­tan­do a exi­gir um tra­ta­men­to ci­rúr­gi­co.

Ope­rei-o, com a aju­da do Gran­de Ar­qui­te­to do Uni­ver­so, com su­ces­so e ho­je, quan­do nos en­con­tra­mos, fes­te­ja­mos o acon­te­ci­men­to; na evo­lu­ção do pós-ope­ra­tó­rio, ele pre­sen­te­ou-me, com um bei­jo e uma lem­bran­ça. Es­cre­vi a ele a car­ta que tran­scre­vo abai­xo.

Go­i­â­nia, 14 de Ja­nei­ro de 1995.

Meu ami­go:

Com la­men­tá­vel e in­des­cul­pá­vel de­mo­ra, es­tou agra­de­cen­do a lem­bran­ça que vo­cê me ob­se­qui­ou por oca­si­ão das fes­tas na­ta­li­nas. Es­tou lhe agra­de­cen­do não por de­ver de ofi­cio (re­ce­bi um pre­sen­te, te­nho que agra­de­cer!), há, re­al­men­te, ra­zões mais im­por­tan­tes pa­ra es­te ges­to.

Gos­ta­ria de di­zer-lhe que o fa­to de ter ti­do a opor­tu­ni­da­de de par­ti­ci­par, um pou­co mais, em um mo­men­to de gran­de di­fi­cul­da­de exis­ten­ci­al na sua vi­da, tor­nam os atos ad­vin­dos des­te re­la­ci­o­na­men­to mais pro­fun­dos.

Na nos­sa vi­da de mé­di­cos, vo­cê e eu, te­mos ti­do a pre­ten­são de cu­rar mui­tas pes­so­as, se is­to re­al­men­te acon­te­ce, não é de­vi­do a nós, mas sim por nós.

Há um Ser Su­pe­ri­or gui­an­do nos­sas ações, de­fi­nin­do nos­sos atos. Sen­ti gran­de emo­ção ao ver em sua fa­ce, na sa­la de ci­rur­gia, o re­tra­to da in­cer­te­za, a ne­ces­si­da­de de per­cor­rer a lon­ga ca­mi­nha­da da in­se­gu­ran­ça.

Es­ta emo­ção atin­giu ma­ti­zes sur­pre­en­den­tes, quan­do di­vi­sei lá­gri­mas nos seus olhos; ha­via ne­ces­si­da­de de pros­se­guir o tra­ba­lho ini­ci­a­do e ha­via afli­ção nos atos; o cé­re­bro exi­gia a mo­vi­men­ta­ção das mãos e o co­ra­ção tei­ma­va em aper­tar meu pei­to.

Vol­tei mui­tos anos atrás, na­que­la mes­ma sa­la de ci­rur­gia e vi-me a lu­tar com o mes­mo ini­mi­go, que na­que­la épo­ca açoi­ta­va meu pran­te­a­do pai. Lu­ta de­si­gual e sem fron­tei­ras.

Não há ven­ci­dos nem ven­ce­do­res. Há a cons­ta­ta­ção da nos­sa im­po­tên­cia pe­ran­te For­ças Su­pe­ri­o­res aos nos­sos de­se­jos.

Sin­ce­ra­men­te seu

Sem­pre Seu

HM

 

(Hé­lio Mo­rei­ra, da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras, Aca­de­mia Go­i­a­na de Me­di­ci­na, Ins­ti­tu­to His­tó­ri­co e Ge­o­grá­fi­co de Go­i­ás)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais