Opinião

Confaloni: de retratista a retratado

diario da manha

Es­tes di­as es­tão mar­ca­dos por even­tos co­me­mo­ra­ti­vos do cen­te­ná­rio do nas­ci­men­to de Frei Na­za­re­no Con­fa­lo­ni (1917-2017), com in­ten­sas ati­vi­da­des que vêm se de­sen­vol­ven­do no Cen­tro Cul­tu­ral Os­car Ni­e­meyer até o pró­xi­mo dia 10, on­de per­ma­ne­ce­rá por mais tem­po uma ex­po­si­ção de obras do con­sa­gra­do pin­tor, con­si­de­ra­do o mes­tre e pi­o­nei­ro das ar­tes plás­ti­cas em Go­i­ás. Den­tre as obras da ex­po­si­ção es­ta­rão in­cluí­dos al­guns re­tra­tos de pes­so­as re­co­nhe­ci­das co­mo ami­gas do pin­tor, que por sua vez é ago­ra re­tra­ta­do em su­as múl­ti­plas fa­ce­tas pe­lo es­cri­tor e crí­ti­co de ar­te Emí­lio Vi­ei­ra (ti­tu­lar apo­sen­ta­do da Fa­cul­da­de de Ar­tes Vi­su­ais da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Go­i­ás), no seu li­vro re­cém-edi­ta­do pe­la Kelps, “Nazareno Con­faloni & A Arte Moderna em  Goiás”.

Se­gun­do Emí­lio Vi­ei­ra, Frei Na­za­re­no Con­fa­lo­ni, em­bo­ra fos­se con­si­de­ra­do ex­ce­len­te re­tra­tis­ta, não se de­di­cou com afin­co a es­se gê­ne­ro ar­tís­ti­co, e seus re­tra­tos em des­ta­que eram ge­ral­men­te mo­ti­va­dos co­mo for­ma de ho­me­na­gem aos seus ami­gos mais pró­xi­mos, que con­tri­bu­í­am com su­as obras so­ci­ais ou que fre­quen­ta­vam seu ate­liê ins­ta­la­do jun­to ao Con­ven­to São Ju­das Ta­deu de Go­i­â­nia, on­de pre­fe­ria tra­ba­lhar si­len­cio­sa­men­te no exer­cí­cio de sua ar­te vol­ta­da pa­ra os gran­des te­mas re­li­gi­o­sos e exis­ten­ci­ais. Um dos seus re­tra­tos (vi­de fo­to) de Emí­lio Vi­ei­ra ain­da jo­vem, a quem fo­ra con­fi­a­da a re­a­li­za­ção das exé­quias do pin­tor, pro­fe­rin­do in­clu­si­ve o dis­cur­so de ade­us em no­me da fa­mí­lia Con­fa­lo­ni, re­pre­sen­ta­da na­que­le ato por sua ir­mã Fer­nan­da Con­fa­lo­ni e seu cu­nha­do Ide­a­le Or­si­ni, os qua­is vi­e­ram da Itá­lia pa­ra o seu se­pul­ta­men­to em

Go­i­â­nia, que se deu do dia 5 de ju­nho de 1977, no sub­so­lo da Igre­ja São Ju­das Ta­deu, nes­ta ca­pi­tal.

Retrato de Frei Confaloni por Zaia Cardoso, 1977
Retrato de Emílio Vieira por Frei Confaloni, 1966

Te­mas cen­tra­is da obra

O li­vro em fo­co com­põe-se de cin­co par­tes, co­me­çan­do da ideia de cri­a­ção do Mu­seu Con­fa­lo­ni, até a po­lê­mi­ca le­van­ta­da pe­la im­pren­sa em tor­no do seu es­pó­lio ar­tís­ti­co, que fi­nal­men­te en­con­tra­rá seu do­mi­cí­lio de­fi­ni­ti­vo na Ci­da­de de Go­i­ás, on­de o ar­tis­ta re­a­li­zou seus pri­mei­ros tra­ba­lhos no Bra­sil, a par­tir de 1950. Emí­lio Vi­ei­ra (que as­si­na o li­vro com o pseu­dô­ni­mo Emí­lio Etrus­co) de­sen­vol­ve uma aná­li­se da po­é­ti­ca e da es­té­ti­ca de Na­za­re­no Con­fa­lo­ni, des­de su­as raí­zes na Itá­lia, tra­çan­do uma apro­xi­ma­ção en­tre sua obra e a de Fra An­gé­li­co, e com­pa­ran­do al­guns as­pec­tos dos seus afres­cos re­a­li­za­dos na Igre­ja do Ro­sá­rio na Ci­da­de de Go­i­ás com os afres­cos de Giot­to pin­ta­dos na Ba­sí­li­ca de São Fran­cis­co de As­sis na Itá­lia. Em se­gui­da, o au­tor co­men­ta o “sin­cre­tis­mo pic­tó­ri­co” de Con­fa­lo­ni, mos­tran­do as in­flu­ên­cias de sua for­ma­ção clás­si­ca tra­zi­da da Eu­ro­pa as­so­cia­da a no­vas ten­dên­cias de­sen­vol­vi­das no Bra­sil após seu con­ta­to com ar­tis­tas bra­si­lei­ros, a exem­plo de Cân­di­do Por­ti­na­ri.

 

Dos três pi­o­nei­ros

Emí­lio co­men­ta que são con­si­de­ra­dos pi­o­nei­ros da ar­te mo­der­na em Go­i­ás, três pin­to­res, Na­za­re­no Con­fa­lo­ni, Cle­ber Gou­vêa e DJ Oli­vei­ra (sem con­tar um no­me à par­te, do es­cul­tor Gus­tav Rit­ter) que, ao la­do de Con­fa­lo­ni e do pro­fes­sor Lu­iz Cu­ra­do, fun­da­ram em Go­i­â­nia a pri­mei­ra Es­co­la de Be­las Ar­tes em 1972, trans­for­ma­da na atu­al Fa­cul­da­de de Ar­qui­te­tu­ra da PUC /Go­i­ás. E ex­pli­ca: “Con­fa­lo­ni e Cle­ber se es­ta­be­le­ce­ram ini­ci­al­men­te na Ci­da­de de Go­i­ás (an­ti­ga ca­pi­tal), de­pois se trans­fe­ri­ram pa­ra Go­i­â­nia (no­va ca­pi­tal do es­ta­do), on­de pas­sa­ram a exer­cer o en­si­no su­pe­ri­or de ar­te na re­fe­ri­da es­co­la, a que se agre­gou mais tar­de DJ Oli­vei­ra. Gus­tav Rit­ter já se ha­via es­ta­be­le­ci­do em Go­i­â­nia on­de le­cio­na­va car­pin­ta­ria na Es­co­la Téc­ni­ca Fe­de­ral de Go­i­ás (atu­al Cefet).

Es­sas re­fe­rên­cias são im­por­tan­tes – des­ta­ca Emí­lio Vi­ei­ra – “pa­ra ava­li­a­ção dos res­pec­ti­vos pa­péis des­ses três pi­o­nei­ros da ar­te mo­der­na em Go­i­ás. Den­tre eles, Na­za­re­no Con­fa­lo­ni foi o pri­mei­ro pin­tor mo­der­no a se es­ta­be­le­cer em Go­i­â­nia e que mai­or in­flu­ên­cia exer­ceu nos mei­os cul­tu­ra­is e ar­tís­ti­cos na no­va ca­pi­tal, des­de o seu ine­gá­vel pres­tí­gio de pi­o­nei­ro e a sua ver­sa­ti­li­da­de na con­di­ção de ar­tis­ta, pro­fes­sor de ar­te e sa­cer­do­te vol­ta­do pa­ra as ques­tões so­ci­ais”. E ar­re­ma­ta: “Os três men­ci­o­na­dos fo­ram res­pon­sá­veis pe­la for­ma­ção dos mais ex­pres­si­vos ar­tis­tas de Go­i­ás a par­tir da ge­ra­ção de 1960, os qua­is mar­ca­ram épo­ca co­mo re­pre­sen­tan­tes de uma no­va con­sci­ên­cia es­té­ti­ca”.

 

Um pro­je­to não re­a­li­za­do

“Um pro­je­to frus­tra­do com a mor­te de Con­fa­lo­ni, foi a pu­bli­ca­ção de um ál­bum de pin­tu­ra e po­e­sia, em co-au­to­ria com Emí­lio Vi­ei­ra”,  co­men­ta Mi­guel Jor­ge, co­mo edi­tor do su­ple­men­to cul­tu­ral de O Po­pu­lar, em ar­ti­go in­ti­tu­la­do “Con­fa­lo­ni, um ano de so­li­dão” (Go­i­â­nia, 04-06-78), em que in­clui tex­tos de Emí­lio Vi­ei­ra e Go­doy Gar­cia, men­ci­o­nan­do fa­tos re­le­van­tes do le­ga­do cul­tu­ral e ar­tís­ti­co dei­xa­do por Con­fa­lo­ni. O pri­mei­ro li­vro de Emí­lio Vi­ei­ra, “Pon­to Lua” (Go­i­â­nia, CER­NE, 1966) foi ilus­tra­do por Na­za­re­no Con­fa­lo­ni, e nes­te seu tra­ba­lho atu­al, re­me­mo­ran­do Con­fa­lo­ni pe­lo seu cen­te­ná­rio de nas­ci­men­to, Emí­lio Vi­ei­ra des­ta­ca os tre­chos po­é­ti­cos de “Pon­to Lua” com as res­pec­ti­vas ilus­tra­ções de Frei Con­fa­lo­ni. São acres­cen­ta­dos ou­tros de­se­nhos ilus­tra­ti­vos ex­traí­dos do Ál­bum de Con­fa­lo­ni (Go­i­â­nia, 1966), com que Emí­lio ho­me­na­geia o pin­tor acres­cen­tan­do no­vos tex­tos ex­traí­dos do seu li­vro “ Po­e­mas da Re­vi­si­ta­ção” (Go­i­â­nia, Kelps/UBE­GO, 2000). O li­vro em fo­co, nu­ma ver­são bi­lín­gue, por­tu­guês e ita­li­a­no, con­clui-se com o se­guin­te tex­to po­é­ti­co: (imagem ao centro).

 

(Mi­chelly Sou­za, jor­na­lis­ta e edi­to­ra do Opi­ni­ão­Pú­bli­ca)

 

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais