Opinião

Daniel Henrique, um craque que valoriza Rio Verde no futebol

diario da manha

Ele é um clás­si­co jo­ga­dor, bus­can­do ocu­par os es­pa­ços do cam­po e cons­tru­ir as gran­des jo­ga­das pa­ra a vi­tó­ria de seu ti­me, dan­do o pas­se ou mes­mo fa­zen­do o gol de­ci­si­vo. Sim, pa­ra ele to­do jo­go é de­ci­si­vo e me­re­ce o mes­mo va­lor de um amis­to­so nor­mal. Da­ni­el Hen­ri­que Be­li­zá­rio Fe­li­ci­a­no é fi­lho do pro­fes­sor Da­ni­el Al­ves Fe­li­ci­a­no e da do­na Di­na­mar Ro­sa Be­li­zá­rio. Ele pas­sou de pro­mes­sa a cra­que e ho­je bus­ca seu es­pa­ço no fu­te­bol pro­fis­si­o­nal, mes­mo sen­do um jo­vem em iní­cio de car­rei­ra. Na sua cur­ta e pro­du­ti­va car­rei­ra so­nha em ser um at­le­ta con­sa­gra­do e mé­ri­tos não lhe fal­tam. Co­me­çou trei­nan­do com o pro­fes­sor Ale­no no Clu­be Do­na Ger­ci­na, de­pois pas­sou pe­lo ti­me da Serp e tam­bém se aper­fei­çoa com o trei­na­dor Cás­sio, no Bair­ro Mar­tins. Um meio de cam­po de­ter­mi­na­do, atu­an­te, ca­paz de de­ci­dir uma par­ti­da num cur­to es­pa­ço de cam­po. Es­te­ve no Flu­mi­nen­se, no Bo­ta­fo­go e atu­al­men­te jo­ga no San­ta He­le­na, no Sub-19. Me­re­ce elo­gi­os sin­ce­ros.

O seu pai Da­ni­el lhe pas­sa bons con­se­lhos, tan­to pa­ra a vi­da co­mo pa­ra o fu­te­bol cons­tru­in­do uma per­so­na­li­da­de es­pe­ci­al, já que Da­ni­el é for­ma­do em Edu­ca­ção Fí­si­ca e sa­be do va­lor do pre­pa­ro fí­si­co na vi­da do jo­ga­dor. O jo­vem Da­ni­el (nas­ci­do em 20 de ju­lho de 1999) se­gue um sis­te­ma de trei­nos, jo­gos, apli­can­do dri­bles e fa­zen­do lan­ça­men­tos qua­se per­fei­tos. Ele jo­ga co­mo se­gun­do vo­lan­te e se ins­pi­rou no cra­que Ca­cá, que já jo­gou pe­la se­le­ção bra­si­lei­ra e São Pau­lo. Da­ni­el se­gue Kaká até na fé, pois tam­bém é evan­gé­li­co e acre­di­ta em Deus co­mo fon­te po­si­ti­va e ins­pi­ra­do­ra de to­das as bo­as coi­sas da vi­da. É evan­gé­li­co da Pri­mei­ra Igre­ja Ba­tis­ta e ter­mi­nou o en­si­no mé­dio. Jo­gou até na Gré­cia e te­ve bo­as re­co­men­da­ções de quem o viu jo­gar com ra­ra ha­bi­li­da­de e ta­len­to. Tem mui­tos ami­gos no fu­te­bol, co­mo Ro­ger Guer­rei­ro, Ri­chard e Ti­a­go Car­va­lho, fi­lho do ex-jo­ga­dor Ger­ci­val Gar­cia, o Es­pe­ti­nho. Jo­gou ain­da no In­de­pen­den­te, no Go­i­â­nia e te­ve uma be­lís­si­ma pas­sa­gem pe­lo Clu­be Cam­pes­tre, um clu­be de Rio Ver­de que apos­ta nas ca­te­go­ri­as de ba­se e no cres­ci­men­to so­ci­al do ci­da­dão de bem. Da­ni­el é apon­ta­do com des­ta­que por su­as vir­tu­des, uma boa vi­são de jo­go e de­ter­mi­na­ção. Com ele não tem bo­la per­di­da, cor­ren­do o cam­po to­do e aju­dan­do a de­fe­sa quan­do se faz ne­ces­sá­rio Com um me­tro e oi­ten­ta de al­tu­ra, 70 qui­los e um pre­pa­ro fí­si­co in­ve­já­vel, tem tu­do pa­ra ven­cer no con­cor­ri­do mun­do do fu­te­bol pro­fis­si­o­nal. É tor­ce­dor do Flu­mi­nen­se, mas sa­be que na ver­da­de de­ve amar o ti­me que pa­ga os seus sa­lá­ri­os e va­lo­ri­za sua con­di­ção de at­le­ta de­di­ca­do. O ce­lu­lar de seu pai Da­ni­el (64 – 992822571) to­ca cons­tan­te­men­te, com ami­gos pro­cu­ran­do pa­ra que ele re­for­ce al­gum ti­me do ama­dor. Jo­ga bem tan­to no cam­po quan­to nas qua­dras, mas acre­di­ta que seu fu­tu­ro es­te­ja no fu­te­bol pro­fis­si­o­nal do cam­po, pa­ra de­sen­vol­ver seus to­ques clás­si­cos e fa­zer gols, co­mo é de ro­ti­na.

Ta­be­lar, lan­çar, mar­car, dis­tri­bu­ir o jo­go são ca­rac­te­rís­ti­cas do jo­vem Da­ni­el, que por on­de pas­sou dei­xou bo­as lem­bran­ças e ex­pec­ta­ti­vas. Es­tá à pro­cu­ra de um ti­me pa­ra jo­gar no pro­fis­si­o­nal, pois já acu­mu­la boa ex­pe­ri­ên­cia ape­sar da pou­ca ida­de. Não  te­ve uma chan­ce re­al no Es­por­te Clu­be Rio Ver­de, mes­mo en­ten­den­do que es­se é um clu­be ape­nas de ve­rão, mas não des­car­ta a pos­si­bi­li­da­de de um dia ves­tir a ca­mi­sa do Ver­dão do Su­do­es­te. Es­te­ve na Gré­cia e as­sim acres­cen­tou mais vi­vên­cia na sua ilu­mi­na­da car­rei­ra, en­ten­den­do que fu­te­bol tam­bém é coi­sa de gre­go, no bom sen­ti­do da ex­pres­são. Evan­gé­li­co, cul­ti­va o dom de per­do­ar e se­guir lu­tan­do pe­los seus ob­je­ti­vos, dei­xan­do or­gu­lho­sos o ca­sal  Da­ni­el Al­ves Fe­li­ci­a­no e Di­na­mar Ro­sa Be­li­zá­rio.  No pa­ís do fu­te­bol, Da­ni­el se con­di­cio­na pa­ra va­lo­ri­zar a car­rei­ra de jo­ga­dor e com cer­te­za qual­quer ti­me que con­tra­tá-lo te­rá um re­tor­no ime­di­a­to. As­sim é tra­je­tó­ria de Da­ni­el, não na jau­la dos le­ões, mas no meio de cam­po, dis­tri­buin­do a bo­la e sen­do ca­nal de mui­tas vi­tó­rias. Um cra­que que pre­ci­sa ser re­des­co­ber­to, pa­ra o bem do con­cor­ri­do e ta­len­to­so fu­te­bol bra­si­lei­ro.

 

(Jo­sé Car­los Vi­ei­ra, o Le­la, es­cri­tor, jor­na­lis­ta, fo­tó­gra­fo da Se­cre­ta­ria de Es­por­tes de Rio Ver­de. E-mail le­la­ba­le­[email protected]­mail.com)

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar