Opinião

Das cavalgadas à estrada do “sal” ou “salineira”

diario da manha

A Ca­val­ga­da, gru­po de pes­so­as a ca­va­lo ou mar­cha de sol­da­do a ca­va­lo, com fins be­li­co­sos, di­ci­o­na­ri­za­da, es­tá pre­ser­va­da em Mi­nei­ros, ci­da­de de cli­ma tro­pi­cal e es­ta­ções anua­is bem de­fi­ni­das. Sua ori­gem é o ve­lho cos­tu­me de con­du­zir ga­do bo­vi­no ou equi­no de uma fa­zen­da pa­ra ou­tra, os tro­pei­ros, mon­ta­dos em ca­va­los ou bur­ros, (no Nor­des­te o ju­men­to é a ca­rac­te­rís­ti­ca), se acam­pa­vam, pa­ra des­can­sar, pe­dir pro­te­ção di­vi­na pa­ra eles e os ani­mais, mos­tran­do uma ati­vi­da­de mui­to so­fri­da, fa­to ain­da pre­sen­te na vi­da de mui­tos bra­si­lei­ros do meio ru­ral, não sen­do no­vi­da­de os mu­lan­dei­ros de Ipo­rá, a “ca­val­ga­da dos pri­mos” em Be­la Vis­ta, a de Por­tei­rão, Pal­mei­ras e Co­rum­bá de Go­i­ás, a de Bu­ri­ti­nó­po­lis, Ja­taí, Rio Ver­de, Cha­pa­dão do Céu e a pre­sen­te no ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro des­de os sé­cu­los 17 e 18, quan­do che­ga em Go­i­ás.

Mais de100 anos no Su­do­es­te Go­i­a­no e 80 de­les em Mi­nei­ros, on­de ain­da é uma atra­ti­va ma­ni­fes­ta­ção cul­tu­ral em  for­ma de pas­seio, pre­sen­te e ad­mi­ra­da no cen­tro ur­ba­no a par­tir de 2010, já com um nú­me­ro de 300 ani­mais e 5 co­mi­ti­vas, sen­do que em 2017, se­gun­do seus ani­ma­do­res Cás­sia Dun­de, Jo­sé Ro­ber­to Vi­le­la Ferrrei­ra (Do Co­co) e “Ze­zi­nho do Ar­reio” (Zé Al­fre­do),  já são 12 em­ble­má­ti­cas co­mi­ti­vas, vin­das de to­do Bra­sil, com apro­xi­ma­da­men­te 700 ani­mais, mos­tran­do  uma ma­ni­fes­ta­ção cul­tu­ral for­te­men­te ru­ral em que se des­ta­cam a or­ga­ni­za­ção, o ani­mal, o ar­reio, o ber­ran­te, ape­sar do ‘su­mi­ço’ dos chi­fres de boi, sím­bo­lo mai­or do cam­po e o bo­ni­to uni­for­me, co­mo­ven­do a ci­da­de.

Vi­rou uma fes­ta tra­di­cio­nal, sem­pre ini­ci­a­da na Igre­ja São Ben­to, um dos car­tões pos­tais da ci­da­de, per­cor­ren­do apro­xi­ma­da­men­te 7,5 km, com tér­mi­no no Par­que de Ex­po­si­ção com o tra­di­cio­nal al­mo­ço da “Quei­ma do Alho”, co­mi­da tí­pi­ca dos pe­ões, com­pos­ta por ar­roz car­re­tei­ro, fei­jão gor­do, pa­ço­ca de car­ne e chur­ras­co, fei­to num fo­gão im­pro­vi­sa­do, in­flu­ên­cia de Bar­re­tos, São Pau­lo, pre­sen­te em Mi­nei­ros a par­tir de 2017. De tão ati­va, a Ca­val­ga­da trou­xe pa­ra a ci­da­de as cha­ma­das “Pro­vas Eques­tres”, co­mo la­ço e pro­va de tam­bo­res, le­van­do Mi­nei­ros ao ce­ná­rio de mai­or pro­va de Tam­bor do Bra­sil, re­a­li­za­da em ro­dei­os, com apro­xi­ma­da­men­te 200 equi­nos, dis­pu­tan­do gran­des pre­mia­ções, on­de  sem­pre apa­re­ce com apro­xi­ma­da­men­te 30 com­pe­ti­do­res de la­ço e 15 com­pe­ti­do­res de três Tam­bo­res que per­cor­rem e dis­pu­tam pro­vas  do pa­ís afo­ra, de­ven­do ser por is­so, cer­ta­men­te, que a ci­da­de  já é con­si­de­ra­da o ber­ço da for­ma­ção de con­jun­tos eques­tres, aqui es­tan­do seis cen­tros de trei­na­men­tos eques­tres pa­ra as mo­da­li­da­des ci­ta­das.

Re­a­li­za­da por gru­pos de ca­va­lei­ros e ama­zo­nas, en­tre ido­sos e cri­an­ças, em ge­ral da mes­ma fa­mí­lia, a ca­val­ga­da é fre­quen­te nas Ex­po­si­ções da Agro­pe­cu­á­ria a quem se li­ga atra­vés do Sin­di­ca­to Ru­ral, que a aju­da na or­ga­ni­za­ção, pa­tro­cí­nio de pre­mia­ções e ou­tros in­cen­ti­vos que o agro­ne­gó­cio não per­doa. Su­as an­ti­gas tra­di­ções vem sen­do mo­di­fi­ca­das por al­gu­mas ino­va­ções da mo­der­ni­da­de, co­mo os mo­dis­mos da cul­tu­ra country, re­pre­sen­ta­da por ves­tu­á­rio exó­ti­co, com ori­gem fran­ce­sa, pas­sa­da pa­ra o in­glês ame­ri­ca­no, sem raí­zes ide­o­ló­gi­cas ou iden­ti­fi­ca­ção em ter­ri­tó­rio go­i­a­no.

É um há­bi­to fun­da­do em vá­rios mo­ti­vos, en­tre os qua­is a de­vo­ção, es­tan­do  por aqui, mui­to mis­tu­ra­dos, às ve­zes in­com­pa­tí­veis com o uso de be­bi­das, sob con­tro­le dos che­fes de co­mi­ti­va,  além do re­li­gi­o­so ou de­vo­cio­nal, o cí­vi­co, o es­por­te, a di­ver­são, trans­for­man­do o as­sun­to num ver­da­dei­ro enig­ma, pa­ra não di­zer mis­té­rio, sem­pre cau­san­do im­pac­tos e gran­de ad­mi­ra­ção pú­bli­ca, so­bre­tu­do du­ran­te as Ex­po­si­ções Agro­pe­cu­á­rias, on­de se apre­sen­ta gar­bo­sa e im­po­nen­te, de­sem­pe­nhan­do as­sim pa­pel im­por­tan­te no se­tor cul­tu­ral e co­mer­cial da ci­da­de. Em nos­sos di­as, não se com­põe ape­nas por pes­so­as mon­ta­das a ca­va­lo, bur­ros, etc., mas acom­pa­nha­da por pes­so­as con­du­zin­do ve­í­cu­los mo­to­ri­za­dos, co­mo car­ros de pas­seio, mo­to­ci­cle­tas e até ca­mi­nhões, en­tre ca­va­los, bur­ros, car­ro de boi, fan­ta­si­a­dos a ca­rá­ter, pa­ra, pos­te­rior­men­te, se re­u­ni­rem em lou­vor a di­vin­da­des, ou cur­tir ao som de ban­das mu­si­cais, pro­mo­ven­do fé, ami­za­de e ou­tros sen­ti­men­tos inex­pli­cá­veis.

No­mes de co­mi­ti­vas e seus che­fes, são os mais cu­ri­o­sos. Na­tá­lia (fi­lha do Le­ra), Co­mi­ti­va “Se não Aguen­ta Pu­la Fo­ra”; Milken Car­va­lho, Co­mi­ti­va “Ran­cho dos Ami­gos”; Jo­sé Ro­ber­to Vi­le­la (do co­co), Co­mi­ti­va “Aro­ei­ra”; Pe­ru e Pe­ru­zi­nho (pai e fi­lho), Co­mi­ti­va “Tre­me Ter­ra” (só de bois); Lu­cas (Lukão), Co­mi­ti­va “Mu­la­dei­ros”; Pau­lo Ro­gé­rio, Co­mi­ti­va “Bur­rão sem Freio”; El­der, Co­mi­ti­va “Pin­ga Fo­go”; Pau­lo Hen­ri­que, Co­mi­ti­va “Três Bar­ras”; Pe­dro Jor­ge, Co­mi­ti­va “Dei­xa que eu Do­mo”; Mau­rí­cio, Co­mi­ti­va “En­ver­ga mas não Que­bra”; Alex, Co­mi­ti­va “Tro­pa de Eli­te”; Chi­co, Co­mi­ti­va “Ve­re­das”; Cás­sia Dun­de, Co­mi­ti­va “Ran­cho das Amé­ri­cas”; e Jo­sé Sá­vio (ve­re­a­dor), Co­mi­ti­va “Di­rei­to de Vi­ver” (be­ne­fi­cen­te, aju­da em lei­lões e ao hos­pi­tal do cân­cer de Bar­re­tos).

Creio não po­der es­que­cer o que cha­mo “Ca­val­ga­da da Pe­cu­á­ria”, ca­rac­te­rís­ti­ca das Ex­po­si­ções; a da Igre­ja do San­to An­tô­nio, ao la­do do PA­VIP, on­de se re­za e é pro­i­bi­do be­bi­da; a do fa­zen­dei­ro Da­ni­lo Cru­vi­nel, a de uma fa­zen­da a ou­tra, com pou­so em Por­te­lân­dia, on­de “as­sun­to ru­ral”, de tão pa­ten­te, é Fes­ta de Car­rei­ro e a im­po­nen­te es­tá­tua de um car­ro de boi, car­tão de vi­si­ta da ci­da­de.

As­sim co­mo pe­lo Bra­sil afo­ra, Mi­nei­ros, cá no ex­tre­mo su­do­es­te go­i­a­no, an­tes das ro­do­vi­as pa­vi­men­ta­das, tra­fe­gou pe­los mais in­te­res­san­tes ti­pos de es­tra­das: o ca­mi­nho, a vi­da, a “su­po­si­ção”, a “hi­pó­te­se”, a ro­ta, o “ro­tei­ro”, a di­re­ção, a tri­lha, a car­ro­çá­vel, sem po­der es­que­cer a de São Ti­a­go ou San­ti­a­go e a “da vi­da”, da can­ção mu­si­cal. To­das, de al­gum mo­do, for­mam ou­tras ca­te­go­ri­as, tais co­mo a ba­ti­da, que tam­bém cha­mam pi­sa­das, pi­sa­da e re­pi­sa­da pe­lo ga­do e ou­tros ani­mais, pois eram boi­a­dei­ros que por lá pas­sa­vam; a boi­a­dei­ra que, a bem di­zer, con­fun­de-se com aque­la, em­bo­ra nes­sa tran­si­tas­sem (em al­guns dos nos­sos bra­sis ain­da con­ti­nuam) as boi­a­das que de­man­da­vam aos gran­des cen­tros (fri­go­rí­fi­cos); a ge­ral, que tam­bém se con­fun­de com a mes­tra, co­mo a prin­ci­pal de uma re­gi­ão; a re­al, que se­ria a mais ver­da­dei­ra, su­jei­ta aos man­dos de reis e ra­i­nhas, ou de do­mí­nio do Es­ta­do; a car­rei­ra, dos car­ros de bois, que co­mo ou­tras an­ti­gas vi­rou a “es­tra­da do au­to­mó­vel”, co­mo a Sul – Go­i­a­na, na lem­bran­ça do mi­nei­ren­se, su­do­es­ti­no em es­pe­ci­al, cons­tru­í­da em 1918 por Ro­nan Ro­dri­gues (de Itum­bi­a­ra a San­ta Ri­ta do Ara­gu­aia), on­de Jo­sé Sa­bi­no de Oli­vei­ra, o “Zé do Ca­chim­bo”, di­ri­giu um Ford Dou­ble Pha­e­ton, mo­de­lo T-1916, co­mo pri­mei­ro mo­to­ris­ta a ne­la tra­fe­gar; as vi­ci­nais, vi­zi­nhas das nos­sas prin­ci­pa­is ou es­tra­das-mes­tras, às qua­is se li­gam. Con­tu­do, exis­te uma es­tra­da que cha­ma a aten­ção: é a “Do Sal” ou “Sa­li­nei­ra”. Mi­nei­ros, co­mo to­do o su­do­es­te, a man­te­ve por lon­go pe­rí­o­do. Sua im­por­tân­cia, em inú­me­ros as­pec­tos, ain­da não foi es­tu­da­da e de­vi­da­men­te ava­li­a­da. Co­mo in­for­ma o es­cri­tor Ba­ri­a­ni Or­tên­cio, era “es­tra­da por on­de os car­ros de bois tran­spor­ta­vam o sal pa­ra Go­i­ás. Daí to­mou o no­me “do “sal” ou “sa­li­nei­ra”. Nu­ma apos­ti­la cha­ma­da Mi­nei­ros: Ter­ra e Po­vo, es­cri­ta pe­lo es­cri­ba, au­xí­lio do pa­dre Jo­si­as, es­ta­mos di­zen­do:

O sal gros­so, sur­rões, in­ten­sa­men­te uti­li­za­do na do­mes­ti­ca­ção do ga­do, em­bo­ra ini­ci­al­men­te vin­do do nor­des­te, só ti­nha du­as ori­gens de pro­ce­dên­cia pa­ra os cri­a­do­res mi­nei­ren­ses: Ca­sa Bran­ca em São Pau­lo, e Co­xim e Três La­go­as na en­tão pro­vín­cia de Ma­to Gros­so. Só pos­te­rior­men­te, nos fi­nais do sé­cu­lo XIX e al­gu­mas dé­ca­das do atu­al (vin­te), os tro­pei­ros, os car­rei­ros e fa­zen­dei­ros pas­sa­ram a abas­te­cê-lo em Ube­ra­ba e Ube­ra­bi­nha (Uber­lân­dia), em Mi­nas Ge­ra­is, atra­vés da mes­ma es­tra­da sa­li­nei­ra que ia a São Pau­lo.

Fi­ca­ram fa­mo­sas as es­ta­das sa­li­nei­ras, os ve­lhos ca­mi­nhos boi­a­dei­ros e as an­ti­gas tri­lhas re­ais per­cor­ri­das pe­las tro­pas des­ses imen­sos des­cam­pa­dos. A es­tra­da do Co­xim, par­tin­do Go­i­ás, en­tão ca­pi­tal go­i­a­na, pas­sa­va exa­ta­men­te por es­ses des­cam­pa­dos mi­nei­ren­ses e foi mui­to uti­li­za­da pe­los fa­zen­dei­ros e tro­pei­ros em bus­ca de sal e de ou­tros pro­du­tos em car­ros de bois com mais de 20 jun­tas, le­van­do açú­car, aguar­den­te e até mes­mo sal.

Com as es­tra­das men­ci­o­na­das, pra­ti­ca­men­te não ha­via aci­den­tes. O bu­có­li­co da lin­da pai­sa­gem ti­ra­va a pres­sa e a an­gús­tia do nos­so tem­po, on­de, co­mo diz adá­gio: “Es­tra­da é co­mo mu­lher, quan­do é boa é pe­ri­go­sa.”

 

(Mar­ti­nia­no J. Sil­va, ad­vo­ga­do, es­cri­tor, mem­bro do Mo­vi­men­to Ne­gro Uni­fi­ca­do (MNU), da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras e Mi­nei­ren­se de Le­tras e Ar­tes, IHGGO, Ubego, mes­tre em His­tó­ria So­ci­al pe­la UFG, pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio, ar­ti­cu­lis­ta do DM (mar­ti­nia­nojsil­[email protected]­hoo.com.br))

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais