Opinião

Em órbita lunar no Natal de 1968

diario da manha

A NA­SA, a Agen­cia Ae­ro­es­pa­cial Ame­ri­ca­na, cer­ta­men­te, es­ta­rá em “gran­de fes­ta” no pró­xi­mo na­tal. Se­rão 50 anos do pri­mei­ro voo pa­ra à Lua; na­que­la noi­te de 24 de de­zem­bro de 2018. Nes­te na­tal a fes­ta, sal­vo se a atu­al po­lí­ti­ca in­ter­vir, as co­me­mo­ra­ções se­rão mais mo­des­tas… Afi­nal, são ape­nas 49 anos do voo his­tó­ri­co da Apol­lo 8, pri­mei­ra na­ve es­pa­cial a fa­zer a cir­cu­na­ve­ga­ção da Lua com hu­ma­nos a bor­do, que a di­ri­gi­ram, fi­ze­ram tes­tes e fo­to­gra­fi­as; o que vi­a­bi­li­zou o pou­so Lu­nar, em ape­nas 6 mes­es. Aque­la his­tó­ri­ca mis­são te­ve, não ape­nas con­se­quên­cias po­lí­ti­cas; ge­rou pro­ces­sos ju­di­cias con­tra a NA­SA e seus “he­róis do es­pa­ço”; oca­si­o­nou po­le­mi­cas e no­vas “len­das ur­ba­nas”.

Na vés­pe­ra do Na­tal de 2018, quan­do o his­tó­ri­co voo, com­ple­tar a “da­ta re­don­da”, se­to­res da im­pren­sa lhe da­rão des­ta­que, não ape­nas por seu pi­o­nei­ris­mo: im­pul­si­o­na­dos pe­lo enor­me fo­gue­te Sa­tur­no V, aque­la Na­ve Apol­lo, foi a pri­mei­ra a rom­per a or­bi­ta ter­res­tre e di­ri­gir-se pa­ra a Lua. Per­fa­zen­do 10 or­bi­tas com­ple­tas, em pou­co mais de 2 ho­ras. Quan­do ex­tra­or­di­ná­rias coi­sas ocor­re­ram: as fa­ces da lua se­ri­am re­al­men­te re­gis­tra­das por olhar hu­ma­no e, igual­men­te, nos­so pla­ne­ta na fa­mo­sa e pre­fe­ri­da, pe­los eco­lo­gis­tas, a “Ear­thi­se” (Ter­ra Nas­cen­te): “fo­mos pa­ra a Lua e des­co­bri­mos a Ter­ra com sua be­le­za e fra­gi­li­da­de” – co­mo de­cla­rou o as­tro­nau­ta fo­to­gra­fo. Aque­la pri­mei­ra cir­cu­na­ve­ga­ção da Lua, co­nhe­ci­da, com hu­ma­nos a bor­do, que­bra­va to­dos os re­cor­des de ve­lo­ci­da­de, dis­tân­cia e su­pe­ra­ção das an­te­rio­res “na­ves ro­bôs”, tan­to dos rus­sos co­mo as da NA­SA.

Foi um voo du­pla­men­te pe­ri­go­so, por­que fo­ra an­te­ci­pa­do em 3 mes­es; de­vi­do um re­la­to­ria da CIA, que equi­vo­ca­da­men­te, pre­vi­ra que os so­vi­é­ti­cos, no­va­men­te, su­pe­ra­ri­am os ame­ri­ca­nos. Fa­riam a pri­mei­ra mis­são tri­pu­la­da à or­bi­tar a Lua: os rus­sos ti­nham lan­ça­dos fo­gue­tes e co­lo­ca­do o ho­mem no es­pa­ço an­tes dos ame­ri­ca­nos, igual­men­te su­as na­ves ro­bôs fo­ram pi­o­nei­ras em or­bi­ta Lua e ne­la alu­na­rem. O pe­ri­go, por es­ta tri­mes­tral an­te­ci­pa­ção era: a Apol­lo vi­a­jou pa­ra a ór­bi­ta sem o “Mo­du­lo Lu­nar” es­tar pron­to, o mo­du­lo não era ape­nas pa­ra pou­sa – al­go que não ocor­re­ria na­que­la mis­são – o mo­du­lo em ca­so de aci­den­te no es­pa­ço, pro­por­ci­o­na­ria re­fú­gio, re­ser­va de su­pri­men­tos, fon­te de ener­gia e fo­gue­tes so­bres­sa­len­tes. Foi o Mo­du­lo que sal­vou os as­tro­nau­tas da aci­den­ta­da Apol­lo 13.

Aque­la foi uma vi­tó­ria na “Cor­ri­da Es­pa­cial”, uma es­ca­ra­mu­ça da “Guer­ra Fria”; a NA­SA pro­gra­mou e cal­cu­lou, co­mo pre­sen­te de Na­tal pa­ra os ame­ri­ca­nos e seus ali­a­dos… Ar­ti­cu­lar aque­las ór­bi­tas com a Ceia de Na­tal, con­for­me ho­rá­rio de Was­hing­ton, foi só par­te do “pa­co­te na­ta­li­no”: de for­ma iné­di­ta, até en­tão, sa­té­li­tes e tor­res de re­trans­mis­são de TV pe­lo mun­do to­do. A câ­ma­ra de TV, ao vi­vo, em tem­po re­al, fil­ma­ria a LUA pe­la es­co­ti­lha da Na­ve. Os as­tro­nau­tas de­ve­ri­am es­tar pre­pa­ra­dos pa­ra di­zer al­go apro­pria­do pa­ra o mo­men­to… Es­ta te­ria si­do a úni­ca re­co­men­da­ção… Ne­nhu­ma ou­tra re­co­men­da­ção te­ria si­do fei­ta, mui­to me­nos uma so­li­ci­ta­ção. En­tão, nu­ma das úl­ti­mas ór­bi­tas, os três as­tro­nau­tas co­me­ça­ram a trans­mi­tir:

– As­tro­nau­ta Wil­li­am An­ders: “Ago­ra nos apro­xi­ma­mos do nas­cer do sol lu­nar, e pa­ra to­das as pes­so­as de vol­ta à Ter­ra, a equi­pe do Apol­lo 8 tem uma men­sa­gem que gos­ta­rí­a­mos de en­vi­ar pa­ra to­dos vo­cês”. “No prin­cí­pio, Deus cri­ou o céu e a ter­ra. E a ter­ra es­ta­va sem for­ma e va­zia; e a es­cu­ri­dão es­ta­va no ros­to do fun­do. E o Es­pí­ri­to de Deus se mo­veu so­bre o ros­to das águas. E dis­se Deus: que ha­ja luz; e hou­ve luz. E Deus viu a luz, que era bom; e Deus di­vi­diu a luz das tre­vas.

– As­tro­nau­ta Ja­mes Lo­vell: “E Deus cha­mou o Dia de luz, e a es­cu­ri­dão que ele cha­mou de Noi­te. E a noi­te e a ma­nhã fo­ram o pri­mei­ro dia. E dis­se Deus: ha­ja um fir­ma­men­to no meio das águas, e dí­vi­da as águas das águas. E Deus fez o fir­ma­men­to, e di­vi­diu as águas que es­ta­vam sob o fir­ma­men­to das águas que es­ta­vam aci­ma do fir­ma­men­to; e as­sim era. E Deus cha­mou o cé­re­bro do fir­ma­men­to. E a noi­te e a ma­nhã fo­ram o se­gun­do dia. ”

– Co­man­dan­te Frank Bor­man: “E dis­se Deus: As águas de­bai­xo do céu se ajun­tem em um só lu­gar, e a ter­ra se­ca apa­re­ça, e foi as­sim. E Deus cha­mou a ter­ra se­ca Ter­ra; e o en­con­tro das águas cha­mou Ma­res: e Deus viu que era bom “. “E da tri­pu­la­ção de Apol­lo 8, fe­cha­mos com boa noi­te, boa sor­te,um Merry Christ­ma’s (Fe­liz Na­tal) – e Deus aben­çoe to­dos vo­cês, to­dos vo­cês na boa Ter­ra”.

Ter­mi­na­da a trans­mis­são de TV, pou­co tem­po, ao com­ple­tar a de­ci­ma e úl­ti­ma ór­bi­ta. Ja­mes Lo­vell, ao li­gar os fo­gue­tes em di­re­ção a Ter­ra, num ar­ro­bo, trans­mi­tiu pa­ra os ope­ra­do­res em ter­ra e os rá­di­os ama­do­res e rá­dio es­pi­ões: “Es­te­jam avi­sa­dos que Sant Claus  (pa­pai No­el Exis­te!).

Aque­la Na­ve, que de­co­la­ra no dia 21, re­en­trou na nos­sa at­mos­fe­ra no dia 27, na­que­le de­zem­bro. Fes­te­ja­rão, em ter­ra, co­mo os de­mais mor­tais, o Ré­veil­lon de 1969. Ano que com a NA­SA res­pon­de­ri­am na jus­ti­ça, pe­los “fa­tos e res­pon­sa­bi­li­da­des” ocor­ri­dos na ór­bi­ta de nos­sa Lua – que es­pe­ra­mos não ser de mais “nin­guém” – Cri­me Tri­pla­men­te Qua­li­fi­ca­do, acu­sa­vam al­guns: por ter ocor­ri­do na Noi­te de Na­tal, na ór­bi­ta lu­nar, na mais im­por­tan­te Mis­são Es­pa­cial; com tu­do que is­to po­de­ria sig­ni­fi­car, di­fe­ren­te­men­te, pa­ra al­guns e pa­ra ou­tros.

Oque mais, te­ria con­tri­bu­í­do pa­ra Ma­dalyn Mur­ray O’Ha­ir dis­cor­dar?  En­tão, pre­si­den­ta fun­da­do­ra da “As­so­cia­ção Na­ci­o­nal dos Ate­ís­tas Ame­ri­ca­nos”. Edi­to­ra da “Re­vis­ta de Ate­ís­mo da Amé­ri­ca”, pu­bli­ca­ção de im­por­tân­cia na­ci­o­nal. Se­ria ape­nas a lei­tu­ra da Bí­blia? Ape­nas os 10 pri­mei­ros ver­sí­cu­los de Ge­ne­sis, no ver­so do pla­no de voo, ma­nus­cri­tos an­tes de su­bi­rem no fo­gue­te Sa­tur­no V, em­bar­can­do nu­ma das Na­ves Apol­lo – ho­mô­ni­mo dos an­ti­gos deu­ses ro­ma­nos, da An­ti­ga Mi­to­lo­gia Gre­co/Ro­ma­na – Ou o “de­se­jar que Deus os aben­çoe”, di­to pe­lo co­man­dan­te Frank Bor­man?  Que ti­nha o “car­go” de lei­tor bí­bli­co na sua de­no­mi­na­ção pro­tes­tan­te. Ou o ecu­me­nis­mo da­que­la tri­pu­la­ção de 2 pro­tes­tan­tes e 1 ca­tó­li­co; a mai­o­ria de­les não aves­sos ao di­á­lo­go in­ter-re­li­gi­o­so.

Quan­do o “Mo­du­lo Lu­nar” da APOL­LO 11, alu­nou, em 19 de ju­lho de 1969. Tu­do foi te­le­vi­si­o­na­do, ex­ce­to Guz Al­drin, o se­gun­do ho­mem que pi­sa­ria na Lua, to­man­do a “San­ta Ceia”, an­tes de ves­tir o tra­je es­pa­cial e sa­ir pa­ra a su­per­fí­cie. Os ele­men­tos da “co­mu­nhão” lhe foi da­do na Pri­mei­ra Igre­ja Pres­bi­te­ri­a­na de Bos­ton. Em co­ni­vên­cia, com os ope­ra­do­res de so­lo, ele apro­vei­tou a bre­ve in­ter­rup­ção do si­nal. Na­que­les di­as, a NA­SA ain­da es­ta­va sob ju­di­ce; acu­sa­da de vi­o­lar a Cons­ti­tu­i­ção que ga­ran­tia a se­pa­ra­ção do Es­ta­do da Re­li­gi­ão. Na im­pren­sa, o de­ba­te foi que es­ta­vam se apro­pri­an­do do Pro­gra­ma Es­pa­cial pa­ra fun­da­men­ta­lis­mo cris­tão. Fa­zi­am acu­sa­ções, con­tra um su­pos­to gru­po de fa­ná­ti­cos, que en­vol­ve­ria al­guns as­tro­nau­tas, ci­en­tis­tas e di­re­to­res…

Al­guns as­tro­nau­tas eram cris­tã­os. Ha­via um ci­en­tis­tas an­ti­go da Agen­cia que ti­nha sua “car­tei­ri­nha” de Pre­ga­dor Pen­te­cos­tal. As­sim co­mo, no an­ti­go La­bo­ra­tó­rio de Ja­to Pro­pul­são, an­te­ri­or a pró­pria NA­SA, seu ci­en­tis­ta che­fe e fun­da­dor do mes­mo, foi Jack Par­sons. Que não era só es­pe­cia­lis­ta de com­bus­tí­vel e en­ge­nhei­ro de fo­gue­tes: co­mo sa­cer­do­te do “OR­DOS TEM­PLI ORI­EN­TI” de Los An­ge­les, sua pre­o­cu­pa­ção foi ten­tar re­nas­cer as an­ti­gas re­li­gi­ões pa­gãs. Não há pro­vas, mas co­men­ta­vam que de­le ha­via si­do a ini­ci­a­ti­va de ba­ti­zar os fo­gue­tes e Na­ves com no­mes mi­to­ló­gi­cos. Hou­ve quem in­flu­en­cian­do-se pe­la con­tra cul­tu­ra, ad­vo­ga­ram que as vi­a­gens es­pa­cia­is en­se­ja­ri­am uma “es­pi­ri­tua­li­da­de cós­mi­ca”. Mas Von Braun, com cer­te­za, era mais do gos­to e do ape­ti­te se as coi­sas du­ras­sem e es­quen­tas­sem. A pre­si­den­ta e al­guns de sua As­so­cia­ção eram pró URSS.

Von Braun, pa­ra mui­tos, o pai do “Pro­gra­ma Es­pa­cial Ame­ri­ca­no”; era di­re­tor de gran­de im­por­tân­cia da Agen­cia. Já na me­lhor ida­de, re­con­ci­li­a­ra-se com sua fé fa­mi­liar de in­fân­cia. Co­men­ta­va que na ju­ven­tu­de an­da­va nu­ma car­ru­a­gem de pa­gã­os. Tor­nou-se com o pas­sar dos anos um fer­vo­ro­so lu­te­ra­no. Par­ti­ci­pa­va dos “Con­gres­sos da Igre­ja Lu­te­ra­na Ame­ri­ca­na” re­ce­bi­do co­mo mis­si­o­ná­rio. Por seu pas­sa­do po­lí­ti­co e dis­cur­so de fé; es­ta­ria na “al­ça de mi­ra”. Pa­ra não pôr “mais le­nha na fo­guei­ra”, não foi pro­i­bi­do mas pe­diu-se dis­cri­ção “nos ato de fé no es­pa­ço”.

A Su­pre­ma Cor­te, que em 1963, por pe­di­do de Ma­dalyn, ba­ni­ra as ora­ções e lei­tu­ras bí­bli­cas nas es­co­las pú­bli­cas; da­que­la vez, em 1969, de­cla­rou “não ter ju­ris­di­ção no es­pa­ço”. Se­rá es­ta uma de­ci­são ou pa­re­cer vá­li­da no Séc. XXI.  Quan­do es­ta­mos qua­se vi­su­a­li­zan­do uma no­va “Cor­ri­da Es­pa­cial”, com no­vos pro­ta­go­nis­tas e ato­res? Quan­to aos ter­rá­que­os, tan­to os de fé e os que não têm fé; aque­les que op­tam por uma Si­ner­gia Ci­ên­cia e a Es­pi­ri­tua­li­da­de… Sa­bem que uma pos­sí­vel “No­va Guer­ra Fria” po­de não de ide­o­lo­gi­as po­lí­ti­cas ou con­fli­tos en­tre Su­per Po­ten­cias? As par­tes po­dem não se­rem de um ou ou­tro la­do da “Cor­ti­na de Fer­ro ou de Bam­bu”?

No mun­do atu­al, há pe­ri­gos mais ter­rí­veis, que a ra­di­cal lei­tu­ra bí­bli­ca e o Pa­pai No­el, na­que­la ór­bi­ta da APOL­LO 8. Se­rá “1968: O Ano que não Aca­bou”. O sé­cu­lo XX aca­bou e o Sé­cu­lo XXI. O Glo­bo ter­res­tre, pre­ten­sa­men­te uni­do nos Me­ri­di­a­nos e pa­ra­le­los… Po­de fi­car mui­to pa­re­ci­do com o Sé­cu­lo (X)XI.

Pos­te­rior­men­te, em di­ver­sas en­tre­vis­tas, prin­ci­pal­men­te, nas “da­tas re­don­das”, res­pon­de­ram so­bre o que de fa­to ocor­reu: Frank Bor­man, sem­pre dis­se que fi­ze­ram mui­to ba­ru­lho por na­da, um equí­vo­co… Ele te­ria su­ge­ri­do o tex­to, por ser em es­sên­cia, a ba­se de qua­se to­das as re­gi­ões do Mun­do: “que a Ter­ra e o Uni­ver­so são cri­a­ções. Não sur­gi­ram por aca­so e por na­da”. Jim Lo­vell, apoi­ou a su­ges­tão de tex­to, ven­do-o co­mo ge­ne­ra­li­zan­te a to­dos. Te­ria acres­cen­ta­do, em fa­vor da con­ve­niên­cia: “A gran­de mai­o­ria dos ha­bi­tan­tes da Ter­ra não são cris­tã­os- aque­le tex­to ser­via”. An­ders, no fu­tu­ro sem­pre lem­bra­ria, que a men­sa­gem foi cla­ra: “A to­dos os ha­bi­tan­tes da boa Ter­ra”. Fez co­ro, aque­les que sem­pre lem­bra­ram, que aqui­lo “o to­dos”, de­ve­ria ser mais sig­ni­fi­ca­ti­vos na­que­les anos de “Guer­ra do Vi­et­nan”, lu­ta dos ne­gros pe­los di­rei­tos ci­vis, as­sas­si­na­tos po­lí­ti­cos, “Guer­ra Fria”, pe­ri­go de “Guer­ra Nu­cle­ar”, etc… Ou­tros já lem­bra­ram que Frank Bor­man, não fo­ra ape­nas um ga­ro­to “vi­dra­do” em avi­a­ção aos 15 anos, fo­ra da Or­dem De­Mo­ley, or­ga­ni­za­ção pa­ra ma­çô­ni­ca, que têm cla­ro a igual­da­de de to­dos. Não fa­zen­do dis­cri­mi­na­ções de ra­ça ou re­li­gi­ão; is­to de­ve­ria lhe dar um vo­to de con­fi­an­ça. Nu­ma en­tre­vis­ta, o ex co­man­dan­te, afir­mou que se fos­se “ho­mem do par­ti­do” te­ria di­to fra­ses em ho­me­na­gens a Le­nin, Marx e o Co­mi­tê Cen­tral…  – Ele es­ta­va per­den­do a es­por­ti­va – com is­to fi­ca evi­den­te, que a fra­se di­ta pe­lo pri­mei­ro a ir ao Es­pa­ço, o cos­mo­nau­ta Yu­ri Ga­ga­ri: “Fui ao Céu, a Ter­ra é Azul, não vi deus”. Fra­se que com a le­tra mi­nús­cu­la foi pos­ta no “Mu­seu da Re­li­gi­ão e do Ate­ís­mo de Mos­cou”; em evi­den­cia da co­no­ta­ção pró ate­ís­mo do pro­gra­ma rus­so; era-lhes uma das mo­ti­va­ções.

A NA­SA, con­for­me “acu­sa­ções” da “Agen­cia Na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça”, sem­pre foi a mais des­na­cio­na­li­za das Agen­cias, des­de sua ori­gem e Pré – Ori­gem – La­bo­ra­tó­rio de Ja­to Pro­pul­são que atu­al­men­te cu­i­da das son­das no Es­pa­ço – sem­pre te­ve as mais va­ri­a­das cul­tu­ras e na­ci­o­na­li­da­des em seu cor­re­do­res e la­bo­ra­tó­rios.

Quem co­nhe­ce as ori­gens da “As­tro­náu­ti­ca Mo­der­na”, sa­be que hou­ve um pou­co de: re­li­gi­o­si­da­de, mis­ti­cis­mo e eso­te­ris­mo. Al­guns, até “acham”, que o ve­lho e ri­go­ro­so lu­te­ra­no, quan­do jo­vem ci­en­tis­ta de fo­gue­tes na sua Ale­ma­nha, co­nhe­ceu nos anos 20, as idei­as da So­ci­e­da­de de Thu­le, Ma­ria Or­sic, For­ça Vril, etc… Ca­lu­ni­as dos mes­mos que in­ven­ta­ram que ele te­ria “en­chi­do a ca­ra”, nas co­me­mo­ra­ções do pou­so da NA­SA na Lua e de­cla­ra­do: “Sem­pre mi­rei nas es­tre­las, mas er­ra­va acer­tan­do Lon­dres”.

Mui­tas fo­ram as na­ves Apol­lo e di­ver­sa ou­tras que  ob­ser­va­ram, fil­ma­ram e fo­to­gra­fa­ram as es­tra­nhas apa­ri­ções e for­ma­ções no es­pa­ço. A pon­to de um, dos mui­tos as­tro­nau­tas, que fa­la­ram so­bre is­to, de­cla­rar: “Aqui­lo se tor­nou par­te do nos­so dia a dia”. Mas, a mis­são de 21 a 27/12/1968, Ufo­lo­gi­ca­men­te, foi uma ex­ce­ção. Creio in­cor­re­to, quan­do ufo­lo­gis­tas e te­ó­ri­cos da cons­pi­ra­ção, di­zem que “Pa­pai No­el” era có­di­go pa­ra ET.

Tal­vez ou pro­va­vel­men­te, os “Cen­tros de Al­tís­si­ma Tec­no­lo­gia” e as “Pes­qui­sas Tec­no­lo­gi­ca­men­te Fu­tu­ris­tas”, não se­jam tão “pas­teu­ri­za­das” co­mo se en­si­na nas es­co­las. Da NA­SA da­que­les di­as e da Apol­lo 8, fi­cou a su­bli­mi­nar de­cla­ra­ção: “FE­LIZ NA­TAL PA­RA TO­DOS E PA­PAI NO­EL EXIS­TE”

 

(Kle­ber Wil­li­am Wa­le­ri­a­no, for­ma­do em His­tó­ria, pós-gra­du­a­ção e Aper­fei­ço­a­men­to: In­ter­dis­ci­pli­na­ri­da­de e Te­o­ria das In­te­li­gên­cias Múl­ti­plas. Ex-sin­di­ca­lis­ta e es­cri­tor. Con­ta­to: or­[email protected])

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar