Opinião

Gilmar Mendes: santo e demônio? A escolha é sua

diario da manha

Dez mi­nis­tros do Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça di­vul­ga­ram no­ta em de­fe­sa do mi­nis­tro Gil­mar Men­des, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, após ele ser acu­sa­do por um ju­iz de ter re­ce­bi­do pro­pi­na pa­ra con­ce­der Ha­be­as Cor­pus ao ex-go­ver­na­dor do Rio de Ja­nei­ro An­thony Ga­ro­ti­nho.

Em men­sa­gem de áu­dio en­vi­a­da a um gru­po de ma­gis­tra­dos no What­sApp, o ju­iz Glau­ce­nir Oli­vei­ra acu­sou Gil­mar de re­ce­ber di­nhei­ro pa­ra con­ce­der o HC. O ju­iz em ques­tão foi o de­ter­mi­nou as pri­sões dos ex-go­ver­na­do­res Ro­si­nha Ma­theus e An­thony Ga­ro­ti­nho.

Qua­is as pro­vas apre­sen­ta­da pe­lo acu­sa­dor? Ne­nhu­ma. Mas pro­va é coi­sa pas­sa­da de mo­da. Bas­tam con­vic­ções. Se o ju­iz tem con­vic­ções, co­mo Del­lag­nol con­tra Lu­la, já é o bas­tan­te pa­ra le­var Gil­mar ao ban­co dos réus e con­de­ná-lo por cor­rup­ção ati­va. Con­vic­ções de­ve­ri­am ter for­ça pro­ban­te e a pa­la­vra de um ju­iz de Di­rei­to, tal co­mo os no­bres da ida­de mé­dia, de­ve­ria dis­por de fé pú­bli­ca. As­sim, re­tor­na­rí­a­mos ale­gres e fe­li­zes aos cri­té­rios me­di­e­vais de ju­ris­pru­dên­cia, an­tes do in­su­por­tá­vel li­be­ral e hu­ma­nis­ta Ce­sa­re Bec­cá­ria ins­ti­tu­ir as ba­ses do di­rei­to pe­nal ci­vi­li­za­do.

Não se per­mi­te que, sem ne­nhu­ma pro­va,ape­nas por ou­vir di­zer nas ru­as, um ju­iz pos­sa as­sa­car e des­qua­li­fi­car ou­tro, ape­nas por­que de­ci­diu um ca­so de ma­nei­ra con­trá­ria ao ma­gis­tra­do que exa­mi­nou a ques­tão an­te­rior­men­te, diz a no­ta as­si­na­da pe­los mi­nis­tros do STJ. Eles clas­si­fi­ca­ram a si­tu­a­ção co­mo uma au­to­fa­gia da ma­gis­tra­tu­ra,em que um ju­iz que não gos­ta da de­ci­são do tri­bu­nal se ar­vo­ra em cor­re­ge­dor, bran­din­do ofen­sas pú­bli­cas e le­vi­a­nas a ou­tro ju­iz à fal­ta de bons ar­gu­men­tos ju­rí­di­cos. Es­te Ju­iz des­lus­tra a ma­gis­tra­tu­ra na­ci­o­nal.

Uma coi­sa é dis­cor­dar das de­ci­sões dos ju­í­zes. Elas de­vem ser pú­bli­cas jus­ta­men­te pa­ra que pos­sam ser cri­ti­ca­das. Coi­sa bem di­fe­ren­te é in­sul­tar ju­í­zes que de­ci­di­ram de for­ma con­trá­ria ao par­ti­do que de­fen­de­mos.

O mi­nis­tro Gil­mar Men­des é um ho­mem con­tro­ver­ti­do. Seu com­por­ta­men­to he­te­ro­do­xo, às ve­zes in­de­co­ro­so, não é a con­du­ta que se es­pe­ra de um ju­iz. Um ju­iz de­ve ser só­brio, dis­cre­to, lon­ge de es­cân­da­los. E nun­ca de e se me­ter em po­lí­ti­ca par­ti­dá­ria. Ex­ce­to se fi­zer co­mo fez o go­ver­na­dor Flá­vio Di­no, do Ma­ra­nhão; Ele aban­do­nou a ma­gis­tra­tu­ra, fi­liou-se ao PC do B e dis­pu­tou a elei­ção.

Já as de­ci­sões do mi­nis­tro Gil­mar Men­des com­por­tam ou­tro ti­po de abor­da­gem. Fa­lem o que qui­se­rem, mas ele tem se mos­tra­do o mais ga­ran­tis­ta dos mi­nis­tros do Su­pre­mo. Ele tem con­ce­di­do Ha­be­as Cor­pus sol­tan­do mui­ta gen­te. Não co­nhe­ço o te­or das pe­ti­ções, por is­so não vou en­trar no mé­ri­to. Mas con­ce­der ha­be­as cor­pus é prer­ro­ga­ti­va de Mi­nis­tro do Su­pre­mo. Su­as de­ci­sões nem sem­pre agra­dam a ad­ver­sá­rios dos agra­ci­a­dos. Mas, de­ve­ria o mi­nis­tro, an­tes de de­ci­dir, pe­dir pré­via au­to­ri­za­ção aos jor­nais, aos par­ti­dos, ao Me­be­lê, à Joyce Has­sel­man, ao Reynal­do Aze­ve­do, ao Del­lang­nol, ao Mo­ro, a to­dos es­ses ai­a­to­lás da mí­dia ca­bo­cla e sei­tas in­to­le­ran­tes de es­qeur­da e de di­rei­ta?

Uma re­cen­te de­ci­são de Gil­mar, co­i­bin­do as con­du­ções co­er­ci­ti­vas a la Mo­ro, sem que o con­du­zi­do te­nha si­do pre­vi­a­men­te in­ti­ma­do pa­ra o ato, le­vou a di­rei­ta xu­la ca­ir no chi­li­que. Im­pres­sio­nan­te o fa­ni­qui­to da se­nho­ra Has­sel­mam. Ela não en­ten­de ab­so­lu­ta­men­te na­da de di­rei­to cons­ti­tu­ci­o­nal e de di­rei­to pe­nal, mas se acha al­ta­men­te qua­li­fi­ca­da pa­ra re­pro­var a de­ci­são do mi­nis­tro. Ar­gu­men­tos ju­rí­di­cos? Ela não os tem. Seu úni­co ar­gu­men­to é “Gil­mar en­lou­que­ceu”. Ela pen­sa que qual­quer me­ga­nha tem di­rei­to de vi­da ou mor­te so­bre os ci­da­dã­os, em­bo­ra, le­gal­men­te, não te­nha.

A de­ci­são de Gil­mar, no ca­so, foi ab­so­lu­ta­men­te cor­re­ta por es­tar em li­nha de con­so­nân­cia com a cons­ti­tu­i­ção. No ca­so, cul­pe-se a cons­ti­tu­i­ção. Con­de­nem-se os cons­ti­tu­in­tes de l988, que to­ma­dos de um fu­ror hu­ma­nis­ta, li­be­ral e de­mo­crá­ti­co, es­cre­ve­ram um tex­to es­can­da­lo­sa­men­te li­ber­tá­rio.

Nem to­da de­ci­são de Gil­mar vai na li­nha do ga­ran­tis­mo. Ele, por exem­plo, é a fa­vor da an­te­ci­pa­ção de pe­na pa­ra quem te­ve sen­ten­ça con­de­na­tó­ria con­fir­ma­da em se­gun­do grau. E os ar­gu­men­tos de­le nem são ju­rí­di­cos. São fa­la­cio­sos e mo­ra­lis­tas. Mas ele já deu in­di­ca­ções de que pre­ten­de re­ver sua po­si­ção. Ele, di­zem, ade­riu a uma te­se de Di­as To­fol­li, se­gun­do a qual de­ve-se dar efei­to sus­pen­si­vo a re­cur­sos es­pe­ci­ais con­tra de­ci­são con­fir­ma­tó­ria de sen­ten­ça con­de­na­tó­ria pe­nal. É uma boa so­lu­ção pa­ra com­pa­ti­bi­li­zar o prin­cí­pio da pre­sun­ção de ino­cên­cia com os in­te­res­ses da jus­ti­ça pe­nal.

Ve­ja­mos co­mo po­de se dar, na prá­ti­ca, uma si­tu­a­ção co­mo es­ta. Ve­ja­mos o ca­so de Lu­la. Quem acom­pa­nha o ca­so do Tri­plex, per­ce­beu que o ex-pre­si­den­te foi con­de­na­do sem pro­vas. O ju­iz Mo­ro deu for­ça pro­ban­te às “con­vic­ções” dos acu­sa­do­res. Mas sua sen­ten­ça ba­se­ou-se, mes­mo, no de­poi­men­to de um úni­co de­la­tor pre­mi­a­do. A lei das or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas é ta­xa­ti­va em pro­i­bir con­de­na­ções com ba­se ape­nas no de­poi­men­to de um úni­co de­la­tor. Só por is­so a sen­ten­ça de Mo­ro, a “ir­re­to­cá­vel”, já pas­sí­vel de re­for­ma. Ao in­frin­gir dis­po­si­ção ex­pres­sa em lei, o ju­iz já cri­ou as con­di­ções de pos­si­bi­li­da­de de um re­cur­so es­pe­ci­al, jun­to ao TRJ.

Mas o pi­or nem é is­so. Eu e mui­tos ju­ris­tas de vas­ta sa­ben­ça ju­rí­di­ca, e até de al­guns ex-ju­í­zes, acha­mos que o pro­ces­so con­tra Lu­la é ab­so­lu­ta­men­te nu­lo des­de a ori­gem. A 13ª Va­ra Cri­mi­nal de Cu­ri­ti­ba não tem com­pe­tên­cia pa­ra jul­gar o ca­so do Tri­plex. A com­pe­tên­cia se­ria da Jus­ti­ça Fe­de­ral de São Pau­lo, pos­to que foi em São Pau­lo, e não no Pa­ra­ná, que o fa­to em te­se de­li­tuo­so ocor­reu.

Cer­to, a co­ne­xão e a con­ti­nên­cia des­lo­cam a com­pe­tên­cia pa­ra o ju­í­zo on­de por pri­mei­ro o fa­to prin­ci­pal foi co­nhe­ci­do. A com­pe­tên­cia de Mo­ro é pa­ra fa­tos que se re­la­ci­o­nem à cor­rup­ção na Pe­tro­bras. Mas o pró­prio Mo­ro, ao afir­mar em em­bar­gos de de­cla­ra­ção, que não há re­la­ção en­tre a aqui­si­ção do Tri­plex e a pro­pi­na­gem na Es­ta­tal, já dei­xou pa­ten­te que não ti­nha com­pe­tên­cia pa­ra jul­gar Lu­la. Sen­ten­ça pro­fe­ri­da por ju­iz in­com­pe­ten­te é nu­la. E com­pe­tên­cia, quan­do ab­so­lu­ta, co­mo é o ca­so, po­de ser ar­gui­da em qual­quer grau de ju­ris­di­ção. Não cai em pre­clu­são. As­sim, mes­mo que o TRF-4 ve­nha man­ter a sen­ten­ça de Mo­ro, exis­te a pos­si­bi­li­da­de de o STJ anu­lar o pro­ces­so des­de o iní­cio, de­ter­mi­nan­do que a cau­sa re­co­me­ce na jus­ti­ça fe­de­ral de São Pau­lo. Até que es­ta ques­tão pre­ju­di­cial se­ja de­ci­di­da, se­ria iní­quo ne­gar efei­to sus­pen­si­vo ao re­cur­so.156

To­do es­se ala­ri­do con­tra Gil­mar Men­des, nos úl­ti­mos tem­pos, tem ori­gem no mo­vi­men­to neo-na­zis­ta bra­si­lei­ro. Par­te da­que­les lei­gos pre­sun­ço­sos que acham que su­as ca­be­ças ocas são a fon­te ma­te­ri­al do Di­rei­to e que a lei le­gis­la­da, de­vi­da­men­te pu­bli­ca­da no Di­á­rio Ofi­ci­al… ora, a lei! A lei não vem ao ca­so. O que vem ao ca­so é uma pa­ró­dia do im­pe­ra­ti­vo ca­te­gó­ri­co de Kant, que pas­sa a vi­go­rar com a se­guin­te re­da­ção: “Age de mo­do tal que o teu pre­con­cei­to mais mes­qui­nho se­ja uma lei uni­ver­sal”.

Gil­mar Men­des, o bad boy do STF, o fa­las­trão que ba­te bo­ca em ple­ná­rio com seus pa­res, po­de cer­ta­men­te ser uma ti­po bem de­sa­gra­dá­vel. Mas co­mo ju­iz, não tem, até aqui, pra­ti­ca­do atos mo­ral­men­te re­pro­vá­veis. Não se jul­gue o ato do ju­iz pe­lo com­por­ta­men­to do ho­mem. Não se­ria um jul­ga­men­to jus­to. E quan­do ele afir­mar que dois mais dois é igual a qua­tro, po­dem acre­di­tar.

 

(Hel­vé­cio Car­do­so, jor­na­lis­ta)

tags:

Comentários