Opinião

Opinião: Kátia Abreu e o vídeo da incoerência

diario da manha

Cir­cu­lou nas re­des so­ci­ais (e cer­ta­men­te vai vol­tar em 2018) um ví­deo com di­ver­sas ce­nas em que apa­re­ce uma se­nho­ra mui­to en­tu­si­as­ma­da, num con­cor­ri­do pa­lan­que, gri­tan­do com to­das as for­ças:

– Vi­va Si­quei­ra­a­aa! Vi­va o To­can­tins!

Em se­gui­da, com voz em­pos­ta­da, tam­bém num pa­lan­que, vol­tou a dis­cur­sar, di­zen­do que se de­ve­ria pen­sar “na re­al pos­si­bi­li­da­de de ar­ran­car do To­can­tins es­sa er­va da­ni­nha que se cha­ma Eduar­do Si­quei­ra Cam­pos…”.

E pros­se­guiu, usan­do de uma após­tro­fe, quan­do dis­se, di­ri­gin­do-se a Eduar­do e ao pai:

– Vo­cês dois vão ser ani­qui­la­do (sic) no dia pri­mei­ro de ou­tu­bro!

E no pros­se­gui­men­to do ví­deo, des­ta vez com voz man­sa e con­ci­li­a­do­ra, em de­cla­ra­ção fo­ra do pa­lan­que, dis­se:

– O Si­quei­ra, gen­te, é um ho­mem ex­tra­or­di­ná­rio. Ele não é um man­dão; ele é um co­man­dan­te. En­ten­dam que ele não é um di­ta­dor: ele é um guer­rei­ro…

Lo­go de­pois, de no­vo num pa­lan­que, al­fi­ne­tou:

– Va­mos ver se o Si­quei­rão vai sa­ir do car­go pro fi­lho de­le ser can­di­da­to. Tá aque­le “muí­do” (sic), aque­le “muí­do” (sic) de fa­zer po­lí­ti­ca de con­ver­sa fi­a­da e ati­tu­de ze­ro; e sou mu­lher de re­cu­pe­rar is­so…

No­va ce­na, tam­bém em pa­lan­que, ao la­do do can­di­da­to à re­e­lei­ção Mar­ce­lo Mi­ran­da, ela diz:

– Nós pre­ci­sa­mos no Go­ver­no de ter um ho­mem de bem, de ter um ho­mem ho­nes­to, com as mãos lim­pas; um ho­mem que te­nha a vi­da lim­pa, um ho­mem que te­nha a vi­da lim­pa; que te­nha a al­ma lim­pa co­mo Si­quei­ra Cam­pos…

Pros­se­guin­do, tam­bém nu­ma das cam­pa­nhas, diz:

– Nós re­a­li­za­mos o nos­so so­nho, o so­nho do po­vo do To­can­tins, que é Mar­ce­lo Mi­ran­da go­ver­na­dor…

E con­ti­nua o ví­deo, em no­va ce­na, quan­do o go­ver­na­dor re­e­lei­to, de quem já se ti­nha des­gar­ra­do, re­cla­mou da fal­ta de re­cur­sos pa­ra a cri­se da sa­ú­de, ela vol­tou à ce­na, de­cla­ran­do:

– Não é fal­ta de di­nhei­ro; é fal­ta de ver­go­nha, é fal­ta de ges­tão, é fal­ta de ca­pa­ci­da­de téc­ni­ca pa­ra ad­mi­nis­trar a sa­ú­de do Es­ta­do do To­can­tins…

De­pois, em­bo­ra pro­cu­ran­do dar um ar con­tem­po­ri­za­dor e con­des­cen­den­te, de­cla­rou:

– Fal­ta de di­nhei­ro? Tu­do bem; po­de ser que o di­nhei­ro se­je (sic) cur­to; mas fal­ta mui­to mais: com­pro­mis­so po­lí­ti­co, ca­pa­ci­da­de de ges­tão; for­ça de tra­ba­lho…

Em se­gui­da, deu ou­tra gui­na­da (pros­se­gue o ví­deo):

– Es­tou com o go­ver­na­dor Mar­ce­lo Mi­ran­da pa­ra tra­zer as mu­dan­ças que o To­can­tins pre­ci­sa…

Es­ta se­nho­ra é a se­na­do­ra Ká­tia Abreu, cu­ja tra­je­tó­ria po­lí­ti­ca mos­tra um ar­ri­vis­mo e uma ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca pou­co con­fi­á­vel.

Sua en­tra­da na po­lí­ti­ca par­ti­dá­ria de­ve-se a Si­quei­ra Cam­pos, con­cor­ren­do em 1998 ao car­go de de­pu­ta­do fe­de­ral, quan­do, na pri­mei­ra su­plên­cia, as­su­miu três ve­zes en­tre 2000 e 2002. Re­a­li­zou – jus­ti­ça se­ja fei­ta! – um ex­ce­len­te tra­ba­lho, tan­to que foi re­e­lei­ta e tor­nou-se a ter­cei­ra de­pu­ta­da mais vo­ta­da do Bra­sil, atrás ape­nas Ené­as Car­nei­ro (Pro­na-SP) e Va­nes­sa Graz­zi­o­tin (PCdoB-AM).

– Em re­su­mo: em­bo­ra sem­pre ti­ves­se es­ta­do no PFL (de­pois trans­mu­da­do pa­ra DEM), em uma cam­pa­nha apoi­a­va um la­do, em ou­tro o ad­ver­sá­rio da­que­le, de for­ma que que­ria man­ter o po­de­rio, a fer­ro e fo­go.

Deu seu apoio ao pe­e­me­de­bis­ta Mar­ce­lo Mi­ran­da na cam­pa­nha da re­e­lei­ção, vi­ran­do-se con­tra Si­quei­ra e seu fi­lho Eduar­do, de quem pas­sou a fa­lar “co­bras e la­gar­tos”, co­mo de­mons­tra o ví­deo tran­scri­to. De­pois, com o fi­si­o­lo­gis­mo que ca­rac­te­ri­za sua per­so­na­li­da­de, vol­tou aos bra­ços do ve­lho ca­ci­que, dei­xan­do de apo­i­ar o PMDB, pas­san­do a ata­car Mar­ce­lo. De­pois, dei­xou o DEM, fi­li­an­do-se ao PSD de Gil­ber­to Kas­sab. Mas co­mo não é bo­ba, ne­go­ciou com Kas­sab a pre­si­dên­cia do PSD pa­ra seu fi­lho Ira­já, res­guar­dan­do-se de pos­sí­vel pro­ces­so de in­fi­de­li­da­de.

Em 2010, in­fer­ni­zou o PT com a sua vi­to­ri­o­sa cru­za­da con­tra a CPMF, e em 2012 pas­sou a pa­pa­ri­car pu­bli­ca­men­te a pre­si­den­te Dil­ma con­tra­ri­an­do meio mun­do de po­lí­ti­cos e mos­trou seu opor­tu­nis­mo, co­ro­a­do com sua no­me­a­ção co­mo mi­nis­tra da Agri­cul­tu­ra, mes­mo com os ex­plí­ci­tos pro­tes­tos da clas­se pro­du­to­ra.

Es­sa sua ga­nân­cia pe­lo po­der e a ne­ces­si­da­de de man­ter o “sta­tus” le­va­ram-na a mi­grar pa­ra o PMDB, on­de mui­to ce­do pas­sou a ser uma es­tra­nha no ni­nho, tan­to que foi, por una­ni­mi­da­de, ex­pul­sa da si­gla, e su­as fal­ca­tru­as lhe ren­de­ram o In­qué­ri­to 4.419-DF, por ter re­ce­bi­do 500 mil re­ais, não con­ta­bi­li­za­dos, por in­ter­mé­dio de seu ma­ri­do, Moi­sés Pin­to Go­mes, du­ran­te a cam­pa­nha de 2014. O in­qué­ri­to es­tá an­dan­do, nas mãos do mi­nis­tro Gil­mar Men­des, que sem­pre foi seu hós­pe­de em Pal­mas, mas ele não ali­viou sua si­tu­a­ção, pror­ro­gan­do as in­ves­ti­ga­ções, o que ela de­ve ter es­tra­nha­do, mas o mi­nis­tro cer­ta­men­te, no seu lon­go con­ví­vio, pas­sou a co­nhe­cê-la, pre­fe­rin­do não se com­pro­me­ter com al­guém com a si­tu­a­ção po­lí­ti­ca em cur­va des­cen­den­te.

A se­na­do­ra po­sa sem­pre de “fem­me fa­ta­le”, tal qual a per­so­na­gem Co­lom­bi­na da “Co­me­dia dell’ar­te”: se­du­to­ra, es­per­ta e vo­lú­vel, à pro­cu­ra de seu Ar­le­quim.

E, co­mo é do seu fei­tio, não se aco­mo­da em par­ti­do ne­nhum que não a ad­mi­ta co­mo ex­clu­si­va man­do­na: em 1995-1998, era do PPB; de­pois, em 1998, mi­grou pa­ra o PFL, re­ba­ti­za­do de DEM, on­de, em 2011, sen­tiu-se pre­te­ri­da e foi pa­ra o PSD, par­ti­do do Kas­sab, on­de fi­cou até 2013, quan­do in­gres­sou no PMDB, mas dei­xou o fi­lho, de­pu­ta­do Ira­já Abreu, co­man­dan­do o PDS no To­can­tins, num acer­to com Kas­sab pa­ra evi­tar ser ex­pul­sa por in­fi­de­li­da­de par­ti­dá­ria. Nes­se ín­te­rim, tor­nou-se fer­re­nha de­fen­so­ra do PT que tan­to odia­va e acei­tou até ser no­me­a­da mi­nis­tra da Agri­cul­tu­ra, sob pro­tes­tos de al­ta pa­ten­te da pró­pria si­gla. E sua per­so­na­li­da­de ar­ri­vis­ta e apro­vei­ta­do­ra fê-la co­me­ter tan­tos de­sa­ti­nos, que aca­bou por ser ex­pul­sa do PMDB.

Bem lem­brou o co­men­ta­ris­ta po­lí­ti­co Ge­rô­ni­mo Car­do­so, que, após an­dar su­mi­da, de re­pen­te a ar­ri­vis­ta se­na­do­ra pas­sou a bus­car na mí­dia (em que ela apa­re­cia ape­nas em fun­ção de sua vi­da po­lí­ti­ca ir­re­gu­lar), um es­pa­ço com vis­tas às elei­ções do ano que vem, tal­vez es­que­ci­da de que a me­mó­ria do po­vo vem mu­dan­do ul­ti­ma­men­te, e que o To­can­tins não é mais aque­le. E veio a per­gun­ta per­fei­ta­men­te per­ti­nen­te: qual das Ká­ti­as o elei­tor vai es­co­lher?

Lem­bra Ge­rô­ni­mo Car­do­so, com pro­pri­e­da­de, que, ape­sar de ser ela uma “re­pre­sen­tan­te” nos­sa há qua­se du­as dé­ca­das, es­tá com ares de ne­ó­fi­ta, co­mo se só ago­ra es­ti­ves­se ini­ci­an­do sua car­rei­ra em nos­so Es­ta­do, par­ti­ci­pan­do até de cam­pa­nhas so­ci­ais to­tal­men­te di­vor­ci­a­das da po­lí­ti­ca, mas, na mai­or ca­ra-de-pau, até já se atri­bu­iu o tí­tu­lo de “go­ver­na­do­ra”, par­ti­ci­pan­do de gru­pos em re­des so­ci­ais, pro­cu­ran­do in­te­ra­gir com os elei­to­res que aos pou­cos lhe es­ca­pam das mãos.

O To­can­tins não pre­ci­sa des­sa es­pé­cie de re­pre­sen­tan­te, que vem pa­ra o nos­so Es­ta­do ape­nas pa­ra “fa­zer a ma­la” e ten­tar im­por no­va oli­gar­quia, pois de apro­vei­ta­do­res já es­ta­mos chei­os.

 

(Li­be­ra­to Pó­voa, de­sem­bar­ga­dor apo­sen­ta­do do TJ-TO, mem­bro-fun­da­dor da Aca­de­mia To­can­ti­nen­se de Le­tras e da Aca­de­mia Di­a­no­po­li­na de Le­tras, mem­bro da As­so­cia­ção Go­i­a­na de Im­pren­sa – AGI e da As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra de Ad­vo­ga­dos Cri­mi­na­lis­tas – Abracrim, es­cri­tor, ju­ris­ta, his­to­ri­a­dor e ad­vo­ga­do, li­be­ra­to­po­[email protected])

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar