Opinião

Lula vs. casa-grande

diario da manha
Lula visita Bacia do Rio Doce em Governador Valadares

Ao cons­ta­tar a di­fi­cul­da­de dos ma­fio­sos no po­der de en­con­trar um can­di­da­to po­tá­vel pa­ra as elei­ções de 2018, per­mi­to-me su­ge­rir o no­me de Mis­ter Mús­cu­lo na co­zi­nha, no ba­nhei­ro, lim­pa tu­do on­de qui­se­rem. Pa­re­ce-me mui­to mais con­vin­cen­te do que Ge­ral­do Alckmin, Jo­ão Do­ria, Lu­ci­a­no Huck et ca­ter­va.

Por aca­so, ao za­pe­ar di­an­te do ví­deo, tro­pe­cei em Mis­ter Mús­cu­lo e ime­di­a­ta­men­te ex­cla­mei, pa­ra de­lei­te dos meus bo­tões: “Eis o ca­ra!” Tra­ta-se de um ra­paz par­ru­do e de­ter­mi­na­do, e en­ten­di que ne­le vo­ta­ri­am to­das as do­nas de ca­sa do Bra­sil. Van­ta­gem im­por­tan­te, con­ve­nha­mos.

Te­nho me­di­ta­do a res­pei­to do tor­men­to a as­so­lar os gol­pis­tas na bus­ca do can­di­da­to ide­al, ou se­ja, ha­bi­li­ta­do a dar con­ti­nui­da­de ao pro­je­to de de­mo­li­ção do Bra­sil. Em re­la­ção ao úl­ti­mo co­gi­ta­do, Lu­ci­a­no Huck, con­se­gui per­ce­ber ne­le uma cer­ta se­me­lhan­ça com o ex-pre­si­den­te fran­cês Ni­co­las Sarkozy.

A se le­var em con­ta a ideia aca­len­ta­da por Mi­chel Te­mer e Gil­mar Men­des de trans­for­mar nos­so pre­si­den­ci­a­lis­mo ve­lho de guer­ra em se­mi­pre­si­den­ci­a­lis­mo, ou se­mi­par­la­men­ta­ris­mo, à fran­ce­sa (se um, ou ou­tro, ain­da não es­tá cla­ro), a se­me­lhan­ça com Sarkozy tal­vez re­pre­sen­tas­se a van­ta­gem do apre­sen­ta­dor glo­bal.

Ou­so, en­tre­tan­to, re­gis­trar que o pre­si­den­te ile­gí­ti­mo e o nos­so Darth Va­der na­ve­gam águas bas­tan­te tur­vas, e ali, no co­man­do, re­ve­lam sua la­cu­na, de cer­ta ma­nei­ra es­pan­to­sa: não sa­bem o que é o pre­si­den­ci­a­lis­mo à fran­ce­sa. A ig­no­rân­cia bra­si­lei­ra é mun­di­al­men­te re­co­nhe­ci­da, mas não ha­ve­ria de ser es­pe­ra­da de fi­gu­ras tão re­pre­sen­ta­ti­vas.

A du­pla di­nâ­mi­ca quer um pre­si­den­te com fun­ções idên­ti­cas às da ra­i­nha do Rei­no Uni­do. O pre­si­den­ci­a­lis­mo fran­cês é bem di­fe­ren­te. Nas­ceu com Char­les de Gaul­le, aque­le que dis­se que “o Bra­sil não é um pa­ís sé­rio”, he­rói da guer­ra e fi­gu­ra im­po­nen­te, foi qua­se um rei, mas, no sen­ti­do de Lu­ís XIV, que por sua vez di­zia: “O Es­ta­do sou eu”.

De to­do mo­do, quem man­da ho­je na Fran­ça é o se­nhor Ma­cron, as­sim co­mo man­da­va, e mui­to mal, o se­nhor Hol­lan­de, e an­tes o se­nhor fi­si­ca­men­te se­me­lhan­te a Lu­ci­a­no Huck, e as­sim por di­an­te, na mar­cha à ré pas­sa­do aden­tro. O que os es­tra­te­gis­tas das qua­dri­lhas pre­ten­dem é o pre­si­den­ci­a­lis­mo à bra­si­lei­ra pa­ra con­fir­mar ine­xo­ra­vel­men­te que De Gaul­le es­ta­va cer­to.

Nes­ta mol­du­ra, de ri­dí­cu­la pa­te­ti­ce sem dei­xar de ser trá­gi­ca pa­ra o des­ti­no do Pa­ís, sé­rias são as mais re­cen­tes fa­las de Lu­la, as­sun­to da re­por­ta­gem de ca­pa des­ta edi­ção. O ex-pre­si­den­te de­fi­ne cla­ra­men­te os seus ini­mi­gos: o mer­ca­do e a Glo­bo. Es­ta to­ma­da de po­si­ção tem im­pli­ca­ções im­por­tan­tes, em pri­mei­ro lu­gar o re­co­nhe­ci­men­to de que a con­ci­li­a­ção, na qual ele já acre­di­tou, é im­pos­sí­vel.

Car­ta­Ca­pi­tal sem­pre sus­ten­tou que a con­ci­li­a­ção é a das eli­tes, acon­te­ce quan­do os in­qui­li­nos da ca­sa-gran­de se de­sen­ten­dem e, lo­go, a sal­va­guar­dar os in­te­res­ses co­muns, fa­zem as pa­zes. Qui­me­ra é ima­gi­nar o acor­do en­tre Ca­pi­tal e Tra­ba­lho, en­tre ri­cos e po­bres, en­tre ca­sa-gran­de e sen­za­la.

Lu­la ma­ni­fes­ta-se co­mo can­di­da­to. Não sei, po­rém, se acre­di­ta na pos­si­bi­li­da­de de com­pe­tir,  já que o ob­je­ti­vo prin­ci­pal do gol­pe de 2016 foi ali­já-lo do plei­to. Du­vi­do que quei­ra ilu­dir-se. Diz ape­nas que, se elei­to fos­se, no com­ba­te ao mons­tru­o­so de­se­qui­lí­brio so­ci­al iria mais lon­ge, mui­to mais lon­ge, do que nos seus dois man­da­tos pre­si­den­ci­ais.

As pa­la­vras de Lu­la me ale­gram e me en­tris­te­cem ao mes­mo tem­po. Ao iden­ti­fi­car seus ini­mi­gos, abre fo­go con­tra a ca­sa-gran­de e com is­so me agra­da além da con­ta. So­bra a tris­te­za de per­ce­bê-lo co­mo o pre­si­den­te ca­paz de re­co­lo­car o Bra­sil nos tri­lhos, por ora sem es­pe­ran­ça de vê-lo em ação.

Lu­la me diz, en­tre­tan­to, que é pre­ci­so so­nhar, e a in­sis­tên­cia de­le no ape­lo oní­ri­co me in­duz a al­gu­ma des­con­fi­an­ça. Se­rá que o ex-pre­si­den­te tem al­gu­ma car­ta na man­ga?

 

(Mi­no Car­ta, jor­na­lis­ta, edi­tor, es­cri­tor e pin­tor íta­lo-bra­si­lei­ro)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais