Opinião

Nada é de graça: qual é realmente o preço dos seus dados no Facebook?

diario da manha

Já se dis­cu­te até cer­to pon­to a prá­ti­ca de di­ver­sas em­pre­sas que pres­tam ser­vi­ços na In­ter­net de co­le­tar os da­dos de seus usu­á­rios de ma­nei­ra mas­si­va, pa­ra que de­pois pos­sam uti­li­zá-los na oti­mi­za­ção da exi­bi­ção de pro­pa­gan­das e su­ges­tões em su­as pla­ta­for­mas, de um mo­do que elas es­te­jam mais ali­nha­das com o per­fil de ca­da um. Is­so se tor­nou uma má­xi­ma re­pli­ca­da por to­da a re­de.

Por con­se­quên­cia, is­so per­mi­te que ser­vi­ços co­mo Fa­ce­bo­ok e Go­o­gle co­brem mais de ca­da anun­ci­an­te, já que eles tem a pos­si­bi­li­da­de de co­nec­tar pro­du­tos que em­pre­sas que­rem ven­der com os in­te­res­ses de po­ten­ci­ais com­pra­do­res. Em te­se, es­sa é a con­tra­par­ti­da re­ce­bi­da pe­la pres­ta­do­ra de ser­vi­ços em tro­ca do pro­du­to que ela ofe­re­ce sem cus­to mo­ne­tá­rio a seu usu­á­rio, que po­de ser um por­tal de bus­cas, mí­di­as so­ci­ais, pro­ve­dor de e-mail, ou qual­quer ou­tro.

O que pou­co se dis­cu­te, no en­tan­to, é qual se­ria uma al­ter­na­ti­va re­a­lis­ta ao mo­de­lo apre­sen­ta­do por es­sas pres­ta­do­ras de ser­vi­ço. Ela exis­te? Se­rá o ca­so de que a In­ter­net pos­sui al­gu­ma ca­rac­te­rís­ti­ca ina­ta que for­ça os ser­vi­ços ofe­re­ci­dos ne­la a se­rem gra­tui­tos, pois não se­ri­am atra­en­tes pa­ra os usu­á­rios se ti­ves­sem um cus­to mo­ne­tá­rio? Me pa­re­ce que no mí­ni­mo ca­be uma aná­li­se bre­ve do te­ma.

Que­ro es­pe­cu­lar aqui a op­ção de uma ver­são pa­ga do Fa­ce­bo­ok, to­tal­men­te op­cio­nal, na qual os da­dos pes­so­ais do usu­á­rio não se­jam uti­li­za­dos pa­ra qual­quer fim além da­que­les ex­pli­ci­ta­men­te vol­ta­dos à in­te­ra­ção so­ci­al. Is­so sig­ni­fi­ca­ria in­clu­si­ve que a em­pre­sa não po­de­ria con­du­zir ne­nhum dos tes­tes de com­por­ta­men­to que re­gu­lar­men­te faz, co­mo quan­do em 2014 ma­ni­pu­la­ram os posts vis­tos por cer­ca de 700 mil usu­á­rios pa­ra que es­ses fos­sem ex­pos­tos só a posts tris­tes ou fe­li­zes, as­sim po­den­do ana­li­sar se is­so al­te­ra­va o es­ta­do emo­cio­nal das pes­so­as (a res­pos­ta é que sim, exis­te uma cor­re­la­ção di­re­ta en­tre o que é vis­to e o que se pos­ta na pla­ta­for­ma).

Nos­sa per­gun­ta ini­ci­al en­tão é: qual se­ria o va­lor ne­ces­sá­rio pa­ra que a in­clu­são des­sa op­ção fi­zes­se sen­ti­do pa­ra a em­pre­sa? Se­gun­do os da­dos apre­sen­ta­dos pe­la Fa­ce­bo­ok pa­ra o go­ver­no es­ta­du­ni­den­se em no­vem­bro de 2017, se fa­tu­ra em mé­dia US$ 5 por usu­á­rio por quar­til — a ca­da três mes­es. Os usu­á­rios da Amé­ri­ca do Nor­te são o pon­to fo­ra da cur­va, ge­ran­do US$ 21 por quar­til.

Is­so po­de­ria nos le­var a ima­gi­nar que um va­lor en­tre 5 e 15 dó­la­res po­de­ria ser co­bra­do uni­ver­sal­men­te. Tal­vez ain­da me­lhor do que is­so, um va­lor di­fe­ren­te po­de­ria ser pen­sa­do pa­ra ca­da re­gi­ão, co­mo já é pra­ti­ca­do por al­gu­mas lo­jas de bens di­gi­tais, que ao in­vés de co­bra­rem a par­tir do pre­ço em dó­la­res dos pro­du­tos, le­vam em con­ta o per­fil eco­nô­mi­co de ca­da re­gi­ão. As­sim, na Amé­ri­ca La­ti­na po­de­ria se pa­gar 5 dó­la­res, en­quan­to no Nor­te Glo­bal po­de­ri­am pa­gar 15 dó­la­res.

Pro­ble­mas sé­rios exis­tem, no en­tan­to: pri­mei­ro, o pro­du­to prin­ci­pal da Fa­ce­bo­ok não é a pla­ta­for­ma de con­te­ú­do na qual os usu­á­rios fa­zem seus posts, mas sim o al­go­rit­mo que es­tá por trás des­se sis­te­ma. Qual­quer pro­gra­ma­dor qua­li­fi­ca­do po­de cri­ar uma in­ter­fa­ce de mí­dia so­ci­al, mas é a ma­nei­ra co­mo a Fa­ce­bo­ok mi­ne­ra os da­dos de seus usu­á­rios e co­mo con­se­gue re­ven­der eles que tem va­lor re­al.

Se­gun­do, a au­di­to­ria do não uso dos da­dos pa­ra usu­á­rios pa­gan­tes te­ria de ser fei­ta por uma par­te ex­ter­na in­de­pen­den­te. Con­si­de­ran­do que o al­go­rit­mo uti­li­za­do pe­la Fa­ce­bo­ok é con­si­de­ra­do por ela co­mo se­cre­to e res­tri­to por pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al, to­do ti­po de con­tro­vér­sia iria emer­gir des­se con­fli­to de in­te­res­ses, e qual­quer res­tri­ção im­pos­ta pe­la em­pre­sa po­de­ria sig­ni­fi­car uma bre­cha pa­ra ser ex­plo­ra­da e fa­zer uso dos da­dos do mes­mo jei­to.

Por fim, não pa­re­ce exis­tir gran­de in­te­res­se das pes­so­as em pro­te­ger seus da­dos ca­so is­so im­pli­que o gas­to de di­nhei­ro; afir­mo is­so com ba­se em di­ver­sos even­tos e pa­les­tras dos qua­is já par­ti­ci­pei, se­ja co­mo ora­dor ou ou­vin­te. Le­van­tei a ideia pe­ran­te mais de cem es­tu­dan­tes de en­si­no mé­dio la­ti­no-ame­ri­ca­nos du­ran­te um even­to de en­ga­ja­men­to com jo­vens. Den­tro des­sa de­mo­gra­fia cha­ve pa­ra o Fa­ce­bo­ok, mui­tos con­si­de­ra­ram im­por­tan­te a exis­tên­cia da op­ção, mas ape­nas dois ou três dos cem con­cor­da­ram que pa­ga­ri­am por el

En­quan­to não for de­sen­vol­vi­da uma men­ta­li­da­de den­tro da so­ci­e­da­de de que exis­te um va­lor mo­ne­tá­rio re­al e quan­ti­fi­cá­vel pa­ra as in­for­ma­ções per­ti­nen­tes ao nos­so com­por­ta­men­to, pa­drões e ações, per­ma­ne­ce­re­mos sem con­tro­le so­bre es­sas in­for­ma­ções, pois con­ti­nu­a­rão a pa­re­cer pa­ra a gran­de mai­o­ria co­mo uma boa mo­e­da com a qual pa­gar ser­vi­ços na In­ter­net. Não é uma ques­tão de es­se não ser um mo­de­lo vá­li­do, mas sim de ser o úni­co mo­de­lo apre­sen­ta­do, não per­mi­tin­do a au­to­no­mia do usu­á­rio em de­ci­dir co­mo in­te­ra­gir com o ser­vi­ço.

 

(Mark W. Datysgeld é mes­tre em Re­la­ções In­ter­na­cio­nais pe­lo Pro­gra­ma de Pós-Gra­du­a­ção San Ti­a­go Dan­tas (UNESP, UNI­CAMP, PUC-SP), es­pe­cia­lis­ta nos te­mas da Go­ver­nan­ça da In­ter­net e no im­pac­to da tec­no­lo­gia na for­ma­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas e pri­va­das.  É fun­da­dor do cur­so Go­ver­nan­ce Pri­mer, ini­ci­a­ti­va gra­tui­ta de en­si­no de Go­ver­nan­ça da In­ter­net na Amé­ri­ca La­ti­na. To­da sua pro­du­ção es­tá dis­po­ní­vel em: www.markwd.web­si­te)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais