Opinião

Natal em Marte

diario da manha

Nes­te Na­tal Pa­pai No­el foi pa­ra Mar­te. Ele foi anun­ci­ar o nas­ci­men­to de um me­ni­no plá­ci­do e bom. Os mar­cia­nos são glo­bo­a­mo­ri­za­dos. Os ter­rá­que­os pre­fe­rem a de­vas­ta­ção am­bien­tal, a apro­pria­ção pri­va­da, as ar­mas, a guer­ra, a opres­são, o ego­ís­mo, a hi­po­cri­sia, a imo­ra­li­da­de, o des­pre­zo pe­lo bem-es­tar do po­vo, a per­mis­si­vi­da­de so­ci­al, a ele­va­da ta­xa de con­fis­co, a des­tru­i­ção bru­tal da clas­se mé­dia, o des­pre­zo cí­ni­co pe­las vir­tu­des, o aban­do­no da re­li­gi­ão, a bus­ca da ri­que­za ma­te­ri­a­lis­ta, a in­fla­ção, a de­te­rio­ra­ção do sis­te­ma mo­ne­tá­rio, o su­bor­no, a cri­mi­na­li­da­de, as ati­vi­da­des in­cen­di­a­rias, os dis­túr­bi­os, as in­fin­dá­veis ma­ni­fes­ta­ções de ru­as, a li­ber­ta­ção de cri­mi­no­sos a fim de ge­rar ca­os e ter­ror, os es­cân­da­los nos car­gos pú­bli­cos, en­di­vi­da­men­tos, pi­lha­gem do erá­rio pú­bli­co, a to­le­rân­cia di­an­te da in­jus­ti­ça da ex­plo­ra­ção, a cen­tra­li­za­ção do go­ver­no, o des­pre­zo pe­los ho­mens bons e hon­ra­dos, os cons­tan­tes “re­gu­la­men­tos” per­ver­sos, bai­xa­dos cons­tan­te­men­te por bu­ro­cra­cias e bu­ro­cra­tas, a per­da da fir­me­za mas­cu­li­na, a fe­mi­ni­li­za­ção do po­vo e a so­fis­ti­ca­ção de cer­tos equi­pa­men­tos. Além de tu­do is­so, a mi­sé­ria em que ho­je vi­ve tan­ta gen­te e a fi­lo­so­fia de que “Deus es­tá mor­to”, fi­ze­ram com que Pa­pai No­el de­ci­dis­se ir pa­ra es­se pla­ne­ta.

Es­cu­re­cia quan­do no céu de Mar­te flu­tuou na pa­lha cor de ou­ro, ten­ro co­mo um cor­dei­ro, um me­ni­no ten­ro co­mo o nos­so fi­lho. O seu ros­to re­ful­gia di­an­te da ca­ra de um boi e de um ju­men­to que o olha­vam. O aro­ma do seu cor­po aque­ceu o ar eté­reo em con­tras­te com as cha­mas de fo­go que eva­po­ra­vam de um mar mor­to. À meia-noi­te, Pa­pai No­el des­ceu su­bi­ta­men­te de uma na­ve ar­gên­tea, cum­pri­da, ci­lín­dri­ca e fe­é­ri­ca; com as su­as sim­pá­ti­cas re­nas e o tre­nó sal­pi­ca­do de en­ga­la­na­dos pa­co­tes de pre­sen­tes, o ve­lhi­nho semp­ter­no cru­zou o céu azul can­tan­do nu­ma tem­pes­ta­de de né­voa quí­mi­ca:

Ho-ho-ho-ho,

em Mar­te ago­ra

eu es­tou.

Os mar­cia­nos com­pre­en­den­do a ino­cên­cia do me­ni­no, ado­ra­vam o nas­ci­do com o olhar amo­ro­so e a te­pi­dez dos seus co­ra­ções aber­tos ao mun­do. A es­sa al­tu­ra, em to­dos os la­res mar­cia­nos, ice­bergs vo­a­do­res flu­tu­a­vam en­tre as pi­las­tras de cris­tais das ca­sas ser­vin­do aos con­vi­vas, pa­ne­to­nes as­sa­dos, fru­tas, re­fri­ge­ran­tes, vi­nho e mi­rí­a­des de pã­es de cris­tais, que eram de­gus­ta­dos com fo­go elé­tri­co. En­tre­men­tes, a cri­an­ça que nas­ce na Ter­ra em to­dos os na­tais, re­nas­ceu tam­bém em mui­tas ca­sas do mun­do, so­nhan­do em tor­nar os ho­mens e os se­res dos ou­tros pla­ne­tas, uni­dos e fe­li­zes sob a vi­bra­ção de mi­lha­res de es­tre­las cap­tan­do a flu­tu­an­te e in­ter­rup­ta mú­si­ca do si­lên­cio que nos anun­cia a noi­te mais fe­liz, mais sa­gra­da, noi­te em que o me­ni­no tor­na­ria ho­mem nos en­si­nan­do a fra­ter­ni­da­de.

 

(Ed­val­do Ne­po­mu­ce­no, es­cri­tor)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais