Opinião

No Cristianismo encarnado na cultura Gurarani

diario da manha

Há uma cri­se ge­ne­ra­li­za­da acer­ca do po­der e de seu exer­cí­cio, una re­al cri­se sis­tê­mi­ca, va­le di­zer, a per­cep­ção de que a for­ma co­mo en­ten­de­mos o po­der e seu exer­cí­cio em to­dos os âm­bi­tos da re­a­li­da­de, não nos faz me­lho­res. Vi­ve­mos qua­se sem­pre sob for­mas de­ge­ne­ra­das, bu­ro­crá­ti­cas, pa­tri­ar­ca­is, au­to­ri­tá­rias se­não di­ta­to­ri­ais. Max We­ber, um dos gran­des te­ó­ri­cos do po­der, deu-lhe uma de­fi­ni­ção que to­mou co­mo re­fe­ren­cia seu la­do pa­to­ló­gi­co e não seu la­do sa­dio. Pa­ra ele, po­der é fa­zer com que o ou­tro fa­ça aqui­lo que eu que­ro.

Por que não en­ten­der o po­der co­mo ex­pres­são ju­rí­di­ca da so­be­ra­nia po­pu­lar, po­der com­par­ti­do e ser­vi­ci­al? O éti­co des­te po­der con­sis­te em re­for­çar o po­der do ou­tro pa­ra que nin­guém se sin­ta sem po­der mas par­ti­ci­pan­te nas de­ci­sões que afe­tam a to­dos.

Em tem­pos de cri­se co­mo o nos­so, con­vém re­vi­si­tar ou­tras for­mas de exer­cí­cio de po­der que nos aju­dam a su­pe­rar o pen­sa­men­to úni­co acer­ca do po­der. Pen­so aqui na for­mas co­mo os Gua­ra­ni en­ten­di­am o po­der e seu por­ta­dor, o che­fe da tri­bo. Sa­be­mos his­to­ri­ca­men­te que os tu­pi -gua­ra­ni por vol­ta de 1.100 anos an­tes da che­ga­da dos eu­ro­peus cons­ti­u­i­ram um vas­to im­pé­rio na sel­va que ia do nor­te nos con­tra­for­tes an­di­nos até as ba­cias do Pa­ra­gu­ai e Pa­ra­ná ao sul. Não dei­xa­vam mo­nu­men­tos mas ter­ras tra­ba­lha­das e mui­tos ca­mi­nhos, até ho­je iden­ti­fi­cá­veis, que li­ga­vam ou­tras tri­bos pa­ra ne­gó­ci­os (ver o li­vro de  Eva­ris­to E.de Mi­ran­da, Quan­do o Ama­zo­nas cor­ria pra o Pa­cí­fi­co, Vo­zes 2007, p.91-94). Por­tan­to, era um for­mi­dá­vel im­pé­rio.

Um pes­qui­sa­dor fran­cês Lou­is Necker nos traz um re­la­to im­pres­sio­nan­te acer­ca do te­ma do po­der en­tre os gua­ra­nis (In­di­os gu­ra­ni­es y cha­ma­nes fran­cis­ca­nos: las pri­me­ras re­duc­ci­o­nes del Pa­ra­gu­ay (1580-1800, Asun­ci­ón 1990). Per­mi­to-me tran­scre­ver al­guns tó­pi­cos ilus­tra­ti­vos de um ou­tro ipo de exer­cí­cio de po­der.

“O che­fe não ti­nha po­der de co­er­ção. Seus “sú­di­tos” acei­ta­vam sua au­to­ri­da­de e sua pre­e­mi­nên­cia só na me­di­da das con­tra­pres­ta­ções que re­ce­bi­am de­le. O che­fe di­ri­gia os em­pre­en­di­men­tos co­mu­nais…. Ti­nha um pri­vi­lé­gio: a po­li­ga­mia. Mas por sua vez ti­nha obri­ga­ções bem pre­ci­sas cu­ja não exe­cu­ção po­dia sig­ni­fi­car-lhe o aban­do­no de seus sú­di­tos: con­du­zir ha­bil­men­te a po­lí­ti­ca ex­te­ri­or do gru­po, to­mar de­ci­sões ju­di­ci­o­sas em ma­té­ria eco­nô­mi­ca, re­par­tir com jus­ti­ça en­tre as fa­mi­lias nu­cle­a­res os lo­tes de ter­re­no lim­pa­dos em mu­ti­rão, man­ter a paz no gru­po e mui­tas ve­zes ter qua­li­da­des de cha­mã, úte­is ao gru­po, co­mo o po­der de cu­rar ou o con­tro­le das for­ças so­bre­na­tu­ra­is. Era mui­to im­por­tan­te que o che­fe fos­se elo­quen­te. E so­bre­tu­do de­via ser ge­ne­ro­so. Co­mo o no­tou   Le­vi-Strauss, nos po­vos do ti­po dos Gua­ra­ni,”a ge­ne­ro­si­da­de é o atri­bu­to es­sen­cial do po­der“. Pa­ra con­ser­vá-lo o che­fe de­via sem ces­sar fa­zer pre­sen­tes de bens, de ser­vi­ços, de fes­tas,..Na sel­va tro­pi­cal, es­te ti­po de obri­ga­ção po­de ser tão pe­sa­da que o che­fe se via obri­ga­do a tra­ba­lhar mui­to mais que os ou­tros e a re­nun­ci­ar qua­se a to­da pos­se pa­ra si mes­mo. É o pa­pel do che­fe…dar tu­do o que se lhe pe­dis­sem: em al­gu­mas tri­bos se po­de re­co­nhe­cer sem­pre o che­fe na pes­soa que pos­sui me­nos que os ou­tros e le­va os or­na­men­tos mais mi­se­rá­veis. O res­to se lhe foi em pre­sen­tes”.

O Cris­tia­nis­mo não es­co­lhe a cul­tu­ra na qual vai se en­car­nar. En­car­na-se na­que­la que en­con­tra. As­sim fez com a cul­tu­ra do ju­dais­mo da di­ás­po­ra (ju­deus que vi­vi­am fo­ra da Pa­les­ti­na), com o ju­dais­mo pa­les­ti­nen­se, com a cul­tu­ra gre­ga da Ásia Me­nor e com a cul­tu­ra im­pe­ri­al ro­ma­na. Des­ta en­car­na­ção nos veio o atu­al cris­tia­nis­mo com su­as po­si­ti­vi­da­des e li­mi­ta­ções pró­pri­as des­ta cul­tu­ra. Es­pe­ci­al­men­te a Igre­ja ro­ma­no-ca­tó­li­ca as­su­miu o es­ti­lo de po­der, não pre­ga­do por Je­sus, mas dos Im­pe­ra­do­res, po­der ab­so­lu­to e car­re­ga­do de sím­bo­los que sub­sis­ti­ram nos Pa­pas até o ad­ven­to do Pa­pa Fran­cis­co que se li­ber­tou de­les re­nun­ci­an­do es­pe­ci­al­men­te da fa­mo­sa “mo­zet­ta” aque­la ca­pi­nha nos om­bros car­re­ga­de ou­ro e pra­ta, sím­bo­lo mai­or do po­der do im­pe­ra­dor e a vi­da em pa­lá­cios. O Pa­pa Fran­cis­co se­guiu os pas­sos do po­ve­rel­lo de As­sis e foi mo­rar on­de vão se hos­pe­dar os bis­pos e pa­dres que che­gam a Ro­ma.

Fa­ça­mos um exer­cí­cio de ima­gi­na­ção. Que tal se o cris­tia­nis­mo, ao in­vés de lan­çar raí­zes na cul­tu­ra me­di­ter­râ­nea gre­go-la­ti­na e de­pois ger­mâ­ni­ca, ti­ves­se as­su­mi­do a for­ma Gua­ra­ni, nas vas­tas ex­ten­sões ama­zô­ni­cas que do­min­va­vam, de exer­cí­cio de po­der?

En­tão en­con­tra­rí­a­mos os pa­dres, pau­pér­ri­mos, os bis­pos, mi­se­rá­veis e o pa­pa, um ver­da­dei­ro men­di­go. Tra­ba­lha­ri­am in­can­sa­vel­men­te a ser­vi­ço dos fi­éis. Sua mar­ca re­gis­tra­da se­ria a ge­ne­ro­si­da­de sem li­mi­tes.

E da­ri­am um tes­te­mu­nho es­pon­tâ­neo e pro­fun­da­men­te ins­pi­ra­dor do so­nho de Je­sus. Ele pe­diu se­me­lhan­te exer­cí­dio do po­der, co­mo pu­ro ser­vi­ço: ”sa­beis que en­tre as na­ções quem tem po­der man­da e os gran­des do­mi­nam so­bre elas; as­sim não há de ser en­tre vós; ao con­tra­rio, se al­guém de vós qui­ser ser gran­de, se­ja vos­so ser­vi­dor; pois o Fi­lho do Ho­mem não veio pa­ra ser se­vi­do mas pa­ra ser­vir” (Mc 10, 42 ss).

Que es­se en­si­na­men­to se­ja per­ma­nen­te au­to-crí­ti­ca a to­do po­der, tam­bém da­que­le ec­cle­sias­ti­co, mas prin­ci­pal­men­te se­ja ins­pi­ra­dor de uma for­ma não do­mi­na­do­ra do po­der.

 

(Le­o­nar­do Boff é ar­ti­cu­lis­ta do JB on-li­ne, te­ó­lo­go e es­cre­veu Igre­ja: ca­ris­ma e po­der, Vo­zes 1982)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais