Opinião

O intento de recolonizar o Brasil e a América Latina

diario da manha

A co­lo­ni­za­ção, es­pe­cil­men­te, a es­cra­vi­dão, não cons­ti­tu­em ape­nas eta­pas pas­sa­das da his­tó­ria. Su­as con­se­quên­cias (Wirkuns­ges­chichte) per­du­ram até os di­as de ho­je. A pro­va cla­ra é a do­mi­na­ção e a mar­gi­na­li­za­ção das po­pu­la­ções que fo­ram co­lo­ni­za­das e es­cra­vi­za­das, ba­se­a­das na di­a­lé­ti­ca da su­pe­ri­o­ri­da­de-in­fe­rio­ri­da­de, nas dis­cri­mi­na­ções por cau­sa da cor da pe­le, no des­pre­zo e até no ódio do po­bre, con­si­de­ra­do pre­gui­ço­so e um ze­ro eco­nô­mi­co.

Não bas­ta a des­co­lo­ni­za­ção po­lí­ti­ca. A re­co­lo­ni­za­ção re­sur­ge na for­ma do ca­pi­ta­lis­mo eco­nô­mi­co, li­de­ra­do por ca­pi­ta­lis­tas ne­o­li­be­ra­is na­ci­o­nais, ar­ti­cu­la­dos com os trans­na­cio­nais. A ló­gi­ca que re­ge as prá­ti­cas da re­co­lo­ni­za­ção é ti­rar o má­xi­mo pro­vei­to do ex­tra­ti­vis­mo dos bens e ser­vi­ços na­tu­ra­is e pe­la ex­plo­ra­ção da for­ça de tra­ba­lho mal pa­ga e, quan­do pos­sí­vel, co­mo es­tá ocor­ren­do es­can­da­lo­sa­men­te no Bra­sil, pe­la re­du­ção dos di­rei­tos in­di­vi­dua­is e so­ci­ais.

Os pri­me­ros a ve­rem cla­ro a re­co­lo­ni­za­ção fo­ram Franz Fa­non da Ar­gé­lia e Ai­mé Cé­sai­re do Hai­ti, am­bos com­pro­me­ti­dos com a li­ber­ta­ção de seus po­vos. Pro­pu­se­ram um co­ra­jo­so pro­ces­so de des­co­lo­ni­za­ção pa­ra li­be­rar a “his­tó­ria que foi rou­ba­da” pe­los do­mi­na­do­res e que ago­ra po­de ser re­con­ta­da e re­cons­tru­í­da pe­lo pró­prio po­vo.

No en­tan­to, tra­va-se um du­ro em­ba­te por par­te da­que­les que que­rem pro­lon­gar a no­va for­ma de co­lo­ni­za­ção e de es­cra­vi­dão, cri­an­do ob­s­tá­cu­los de to­da or­dem pa­ra aque­les que bus­cam fa­zer uma his­tó­ria so­be­ra­na na ba­se de seus va­lo­res cul­tu­ra­is e de su­as iden­ti­da­des ét­ni­cas.

Cé­sai­re cu­nhou a pa­la­vra “ne­gri­tu­de” pa­ra ex­pres­sar du­as di­men­sões: uma, da con­ti­nu­a­da opres­são con­tra os ne­gros e ou­tra, de uma re­sis­tên­cia per­sis­ten­te e de uma lu­ta ob­sti­na­da con­tra to­do ti­po de dis­cri­mi­na­ção. A “ne­gri­tu­de” é a pa­la­vra-for­ça que ins­pi­ra a lu­ta pe­lo res­ga­te da pró­pria iden­ti­da­de e pe­lo di­rei­to das di­fe­ren­ças. Cé­sai­re cri­ti­ca du­ra­men­te a ci­vi­i­za­ção eu­ro­péia por sua vil co­bi­ça de in­va­dir, ocu­par e rou­bar ri­que­zas dos ou­tros, es­pi­ri­tual­men­te in­de­fen­sá­vel por ter di­fun­di­do a dis­cri­mi­na­ção e o ódio ra­ci­al, em­bru­te­cen­do e de­gra­dan­do os po­vos co­lo­ni­za­dos e es­cra­vi­za­dos in­cul­can­do-lhes a im­pres­são de que não são gen­te e não pos­su­em dig­ni­da­de.

Pa­ra­le­la­men­te ao con­cei­to de “ne­gri­tu­de” cri­ou-se o de “co­lo­ni­a­li­da­de” pe­lo ci­en­tis­ta so­ci­al pe­ru­a­no Ani­bal Qui­ta­no(1992). Por ela quer-se ex­pres­sar os pa­drões que os paí­ses cen­tra­is e o pró­prio ca­pi­ta­lis­mo glo­ba­li­za­do im­põ­em aos paí­ses pe­ri­fé­ri­cos: o mes­mo ti­po de re­la­ção pre­da­tó­ria da na­tu­re­za, as for­mas de acu­mu­la­ção e de con­su­mo, os es­ti­los de vi­da e os mes­mos ima­gi­ná­rios pro­du­zi­dos pe­la má­qui­na me­di­á­ti­ca e pe­lo ci­ne­ma. Des­ta for­ma con­ti­nua a ló­gi­ca do en­co­bri­men­to do ou­tro, do rou­bo de sua his­tó­ria e a des­tru­i­ção das ba­ses pa­ra a cri­a­ção de um pro­ces­so na­ci­o­nal so­be­ra­no. O Nor­te glo­bal es­tá im­pon­do a co­lo­ni­a­li­da­de em to­dos os paí­ses, obri­gan­do-os a ali­nhar-se às ló­gi­cas do im­pé­rio.

O ne­o­li­be­ra­lis­mo ra­di­cal que es­tá im­pe­ran­do na Amé­ri­ca La­ti­na e ago­ra de for­ma cru­el no Bra­sil é a con­cre­ti­za­ção da co­lo­ni­a­li­da­de. O po­der mun­di­al, se­ja dos Es­ta­dos he­ge­mô­ni­cos se­ja das gran­des cor­po­ra­çã­oes que­rem re­con­du­zir to­da a Amé­ri­ca La­ti­na, no ca­so o Bra­sil, à si­tu­a­ção de co­lô­nia. É a re­co­lo­ni­za­ção co­mo pro­je­to da no­va ge­o­po­lí­ti­ca mun­di­al.

O gol­pe que foi da­do no Bra­sil em 2016 se si­tua exa­ta­men­te nes­te con­tex­to: tra­ta-se de so­la­par um ca­mi­nho au­tô­no­mo, en­tre­gar a ri­que­za so­ci­al e na­tu­ral, acu­mu­la­da em ge­ra­ções, às gran­des cor­po­ra­ções. Faz-se pe­las pri­va­ti­za­ções de nos­sos bens mai­o­res: o pré-sal, as hi­dre­lé­tri­cas, even­tual­men­te os Cor­rei­os, o BNDS e o Ban­co do Bra­sil. Freia-se o pro­ces­so de in­dus­tri­a­li­za­ção pa­ra de­pen­der­mos das tec­no­lo­gi­as vin­das de fo­ra. A fun­ção que nos é im­pos­ta é o de ser­mos gran­des ex­por­ta­do­res de com­mo­di­ti­es, já que os paí­ses cen­tra­is não os têm pa­ra o seu con­su­mo per­du­lá­rio.

No­mes no­tá­veis da eco­lo­gia, ar­ti­cu­la­da com a eco­lo­gia co­mo La­dis­lau Dowbor e Jef­frey Sachs, en­tre ou­tros, nos aler­tam que o sis­te­ma-Ter­ra che­gou ao seu li­mi­te (a So­bre­car­ga da Ter­ra) e não su­por­ta um pro­je­to com tal ni­vel de agres­são so­ci­al e eco­ló­gi­ca.

Ora, es­se mo­de­lo, pa­ra nos­sa des­gra­ça, é as­su­mi­do pe­lo atu­al go­ver­no cor­rup­to e to­tal­men­te des­co­la­do do po­vo, de um ne­o­li­be­ra­lis­mo ra­di­cal que im­pli­ca o des­mon­te da na­ção. Daí o de­ver cí­vi­co e pa­tri­ó­ti­co de der­ro­tar­mos es­tas eli­tes do atra­so, an­tipo­vo e an­tina­ci­o­nais que as­su­mi­ram es­ta aven­tu­ra, que po­de­rá não ser mais su­por­tá­vel pe­lo po­vo. Tu­do tem li­mi­tes. Há de sur­gir uma con­sci­ên­cia pa­tri­ó­ti­ca na for­ma de uma ge­ne­ra­li­za­da re­jei­ção so­ci­al. Uma vez ul­tra­pas­sa­dos es­ses li­mi­tes, irí­a­mos fa­tal­men­te ao en­con­tro do ino­mi­ná­vel.

 

(Le­o­nar­do Boff, ar­ti­cu­lis­ta do JB on li­ne, fi­ló­so­fo e es­cri­tor)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais