Opinião

O negócio é controlar bem os governantes...

diario da manha

Sim se­nhor, lei­tor elei­tor, o ne­gó­cio – ne­gó­cio ex­ce­lên­cia, pa­ra que o es­ta­do en­tre nos ei­xos e pas­se o pa­ís a lim­po – é con­tro­lar os ges­to­res con­tra­ta­dos pe­lo vo­to, vo­to sub­ser­vi­en­te le­nien­te, ou mes­mo, con­sci­en­te sa­pi­en­te, so­be­ra­no, se­cre­to, uni­ver­sal, pa­ra bem ge­rir, go­ver­nar a na­ção. Até bem pou­co tem­po, an­tes do “Men­sa­lão, e, ago­ra, Pe­tro­lão” nem as ins­ti­tu­i­ções pú­bli­cas co­mo MP, TCU, STF e ou­tras cu­i­da­vam com es­me­ro, in­de­pen­dên­cia, do con­tro­le in­ter­no. To­da­via, ago­ra, vem se em­pe­nhan­do, ca­da dia mais e mais, no cum­pri­men­to de sua ta­re­fa, ha­ja vis­ta, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co que, mos­trou re­al­men­te a ca­ra. Às ve­zes, fi­co a pen­sar e pen­sar, de re­pen­te, pa­re­ce que ou­ço seu bra­do, aler­ta: “Hei! Eu exis­to, cu­i­de bem de su­as obri­ga­ções, go­ver­nan­do com se­ri­e­da­de, par­ci­mô­nia, tran­spa­rên­cia, se­não, pe­ga­rei no seu cal­ca­nhar, mes­mo que se­ja o de Aqui­les”.

Con­tu­do, pa­ra que a Re­pú­bli­ca se­ja, de fa­to, Rés Pú­bli­ca, cla­ma ela, pe­lo mais su­bli­me de to­dos os con­tro­les: o con­tro­le ex­ter­no, que era fei­to nos tem­pos re­mo­tos, pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia re­pu­bli­ca­na do mun­do, pe­la As­sem­bléia dos ci­da­dã­os: Eclé­sia, cons­ti­tu­í­da por to­do ci­da­dão – as mu­lhe­res, na­que­le tem­po, não par­ti­ci­pa­vam da vi­da pú­bli­ca – ci­da­dão com mais de 25 anos, que hou­ves­se pres­ta­do, pe­lo me­nos, dois anos de ser­vi­ços na guer­ra. Na ver­da­de, lei­tor, foi es­se con­tro­le, o eli­xir can­fo­ra­do, que con­ce­deu vi­da lon­ga, fa­ma uni­ver­sal à Re­pú­bli­ca, re­pú­bli­ca da Ci­da­de Es­ta­do de Ate­nas, Ate­nas da Hé­la­de. Ali­ás, fa­ma de dar água na bo­ca, mes­mo nos di­as atu­ais, em meio a des­cren­ça da so­ci­e­da­de, com a re­pú­bli­ca atu­al, to­da ei­va­da de ví­ci­os.

Com efei­to, ato ig­nó­bil, he­di­on­do, co­mo o atu­al, de su­per­fa­tu­rar o erá­rio pú­bli­co, era in­con­ce­bí­vel tan­to pe­la vi­gi­lân­cia al­ti­va, es­me­ra­da da Eclé­sia, co­mo pe­lo sen­ti­men­to cí­vi­co pre­sen­te, que po­de ser ob­ser­va­do pe­la ora­ção fú­ne­bre, ora­ção aos mor­tos da guer­ra do Pe­lo­po­ne­so, de seu es­tra­te­go, Pé­ri­cles, um dos mai­o­res, se­não, o mai­or, de seu tem­po – “Não con­sis­te pa­ra nós uma ver­go­nha ad­mi­tir que al­guém é po­bre, mas, con­si­de­ra­mos ver­go­nho­so, não se es­for­çar, pa­ra sa­ir da po­bre­za… um ci­da­dão ate­ni­en­se não de­ve ne­gli­gen­ci­ar as coi­sas pú­bli­cas, quan­do aten­de a seus ne­gó­ci­os pri­va­dos… con­si­de­ra­mos o ho­mem que não to­ma in­te­res­se pe­lo Es­ta­do não co­mo ino­fen­si­vo, mas co­mo inú­til (…) Acre­di­ta­mos que a fe­li­ci­da­de é o fru­to da li­ber­da­de, e a li­ber­da­de o do va­lor, e não re­cua­mos, an­te os pe­ri­gos da guer­ra”.

Na re­a­li­da­de, vi­via se­gun­do Ser Karl Pop­per, a Ci­da­de Es­ta­do de Ate­nas, a era da Gran­de Ge­ra­ção, que mar­cou um pon­to de re­vi­ra­vol­ta, na his­tó­ria da hu­ma­ni­da­de, en­ci­ma­da pe­lo fim da era da nar­ra­ti­va mí­ti­ca e iní­cio de ou­tra, a nar­ra­ti­va cal­ca­da na ra­zão, co­lhei­ta dos pri­mei­ros fru­tos da re­cém-nas­ci­da fi­lo­so­fia, co­me­ça­da pe­los pré-so­crá­ti­cos e con­so­li­da­da por Só­cra­tes, mai­or fi­ló­so­fo da an­ti­gui­da­de, que vi­veu, no sé­cu­lo V, an­tes de Cris­to. Am­bos, Só­cra­tes e Je­sus, na­da es­cre­ve­ram, mas seus dis­cí­pu­los, na Gré­cia, Pla­tão, Aris­tó­te­les e ou­tros, prin­ci­pal­men­te, Pla­tão, que fez sua apo­lo­gia, com ma­es­tria, per­pe­tu­an­do su­as idéi­as, pa­ra as ge­ra­ções vin­dou­ras. De igual for­ma, fi­ze­ram os após­to­los de Je­sus Cris­to, por meio dos evan­ge­lhos.

Mas, vol­tan­do ao as­sun­to, con­tro­le ou des­con­tro­le que ge­rou o atu­al es­ta­do de­le­té­rio da Re­pú­bli­ca, ve­ja lei­tor pro­ta­go­nis­ta ou ar­do­ro­so de­fen­sor da re­pú­bli­ca, o que pro­fe­ti­za­va Rous­se­au, fi­ló­so­fo mor do Ilu­mi­nis­mo, no sé­cu­lo XVI­II, nas­ce­dou­ro da Re­pú­bli­ca in­di­re­ta, e, não di­re­ta, co­mo foi a da Ci­da­de Es­ta­do de Ate­nas. Com efei­to, ad­ver­tia ele, que nos gran­des Es­ta­dos, um de seus mai­o­res in­con­ve­ni­en­tes, era o po­der le­gis­la­ti­vo não se ma­ni­fes­tar, por si mes­mo, co­mo fa­zia o ci­da­dão na Eclé­sia, pre­vi­den­te, pro­pu­nha o re­mé­dio pa­ra a mal­si­na­da fa­lha, no qual a von­ta­de ge­ral, ex­clu­si­va do ci­da­dão, foi usur­pa­da, na re­pú­bli­ca in­di­re­ta. As­sim pro­pu­nha, con­tra “es­se mal ter­rí­vel da cor­rup­ção – em nos­so ca­so, o pa­ís es­ta ato­la­do até o pes­co­ço, co­mo es­tá tam­bém, a eco­no­mia – que faz do ór­gão da li­ber­da­de, um ins­tru­men­to de ser­vi­dão”. Rous­se­au in­di­ca, dois mei­os efi­caz de ata­lhá-lo: a re­no­va­ção fre­quen­te das as­sem­blei­as, en­cur­tan­do-se o man­da­to dos re­pre­sen­tan­tes e a sub­mis­são des­tes às ins­tru­ções de seus cons­ti­tu­in­tes, a quem de­vem pres­tar es­trei­tas con­tas, de seu pro­ce­di­men­to, nas as­sem­bléi­as.

Em nos­so pa­ís, pa­ra ali­vi­ar o mal de­cor­ren­te da fal­ta de con­tro­le – pre­pon­de­ra des­con­tro­le bru­tal – o re­mé­dio de­ve­rá ser cal­ca­do na apu­ra­ção que vem sen­do fei­ta pe­la ope­ra­ção La­va Ja­to, con­vo­car a so­ci­e­da­de, va­len­do-se do ar­ti­go XIV, alí­nea, creio, III, da cons­ti­tu­i­ção, o que vem a ser a mes­ma es­tra­té­gia usa­da, pa­ra a apro­va­ção da Lei da Fi­cha Lim­pa, dis­sol­ven­do de­mo­cra­ti­ca­men­te os po­de­res le­gis­la­ti­vo e exe­cu­ti­vo nas três es­fe­ras, con­vo­can­do, em de­ter­mi­na­do pra­zo, no­vas elei­ções. Sá­bia pro­fe­cia a de Rous­se­au, fun­da­do no Con­tra­to So­ci­al, de sua au­to­ria, ale­ga­va que, se a Von­ta­de Ge­ral fos­se usur­pa­da da so­ci­e­da­de, na fi­gu­ra do ci­da­dão, a re­pú­bli­ca, com o tem­po, ou de tem­po em tem­po, des­cam­ba­ria em cor­rup­ção, cor­rup­ção abis­mal, co­mo se ob­ser­va, atu­al­men­te, aqui, na Itá­lia, há pou­co mais de 20 anos, na Fran­ça, com a IV Re­pú­bli­ca, há bem mais tem­po, e, as­sim, mun­do afo­ra, tor­nan­do-a “pa­ra­í­so, meio de vi­da, vi­da faus­to­sa, dos cor­rup­tos”.

Pu­de­ra lei­tor, acre­di­tar ne­les, sem o freio que alu­dia Kant, fi­ló­so­fo ale­mão, pa­ra fre­ar su­as von­ta­des ego­ís­ti­cas, dis­so­lu­tas, pa­tri­mo­ni­a­lis­ta, fa­zen­do-os abra­çar a von­ta­de uni­ver­sal, ou se­ja, aque­la aces­sí­vel e acei­tá­vel por ca­da um, e va­li­da por to­dos, se­ria o mes­mo que acei­tar, dis­pli­cen­te­men­te, a con­di­ção se­cu­lar de ser­vo do rei, o rei do­no do es­ta­do, es­ta­do pa­pão da épo­ca de Lu­iz XIV: “L’État c’est moi – o es­ta­do sou eu, o rei”. Por­tan­to, pa­ra fa­zê-los abra­çar a cau­sa uni­ver­sal, a na­ção ca­re­ce, ho­je, mais do que nun­ca, dan­tes, de con­tro­le ex­ter­no que de­ve­ria exis­tir des­de os pri­mór­di­os da Re­pú­bli­ca, mais gra­ve ain­da, na re­pú­bli­ca in­di­re­ta. Ima­gi­ne bem, além de in­di­re­ta, sem con­tro­le, la­men­tá­vel des­cui­do dos que sus­ten­tam o Es­ta­do, aca­bou le­van­do, no pla­no vir­tu­al, a so­ci­e­da­de à con­di­ção de bur­ra de car­ga de­le, o Es­ta­do. Em­bo­ra, não ge­re tri­bu­tos, tem a obri­ga­ção de ad­mi­nis­trá-los, com ma­es­tria, no en­tan­to, des­con­tro­la­do, pas­sou a de­vo­rá-los, com gu­la mons­tren­go. Além de bur­ra de car­ga do es­ta­do, há ain­da, de igual for­ma, no pla­no fi­gu­ra­do, a ou­tra, de car­ru­a­gem de lu­xo dos ocu­pan­tes do po­der, que são as mor­do­mi­as, pri­vi­lé­gios, to­da sor­te de re­ga­li­as que, le­gis­lan­do em cau­sa pró­pria, es­tri­ba­dos na cor­te­sia, com o cha­péu al­heio, vem un­gin­do seus apa­ni­gua­dos, com su­per­sa­lá­ri­os, fa­zen­do-os pseu­dos ma­ra­jás. Con­tras­tan­do com ta­ma­nha os­ten­ta­ção, vi­ve na pe­nú­ria 25% da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra.

O pa­no­ra­ma agra­va-se mais ain­da, com a fi­gu­ra do me­nor aban­do­na­do, em­bo­ra ha­ja um es­ta­tu­to da cri­an­ça e ado­les­cen­te, a mi­na de vi­o­lên­cia nun­ca es­tan­ca­da pe­lo es­ta­do jor­ra in­ces­san­te­men­te, em­pur­ran­do pa­ra as dro­gas e ban­di­tis­mo or­ga­ni­za­do, mi­rí­a­de de cri­a­tu­ras, que, de ví­ti­mas do des­ca­so dos go­ver­nan­tes, a prin­ci­pio, pas­sa a vi­ti­mar a so­ci­e­da­de or­dei­ra, la­bo­rio­sa. Tu­do is­to acon­te­ce, por fal­ta de con­tro­le dos go­ver­nos, pe­los go­ver­na­dos, en­tre­tan­to, o des­lei­xo vem de lon­ge, he­ras pris­cas, com a cul­pa, má­xi­ma cul­pa de su­ces­si­vos ges­to­res pú­bli­cos, pois, ca­bia-lhes ca­pa­ci­tar a so­ci­e­da­de, pa­ra a ta­re­fa ár­dua, mas, ao mes­mo tem­po, su­bli­me de con­tro­le, fi­car de olho no seu tra­ba­lho.

Con­tu­do, não fo­ram eles co­a­gi­dos a se can­di­da­ta­rem, fi­ze­ram-no de li­vre e es­pon­tâ­nea von­ta­de, as­sim, uma vez elei­tos, as­su­mem a obri­ga­ção, de­ver cí­vi­co, de ves­tir a ca­mi­sa, hon­rar o car­go de au­tên­ti­co re­pre­sen­tan­te da so­ci­e­da­de vo­tan­te, fa­zen­do tu­do quan­to em si cou­ber pe­lo pro­gres­so e bem-es­tar da co­mu­ni­da­de elei­to­ra, e, nun­ca se des­cam­bar, pa­ra a cor­rup­ção. Acon­te­ce que, no lu­gar de exer­ci­tar a po­lí­ti­ca, co­mo ar­te de pro­mo­ver o bem-es­tar da co­mu­ni­da­de, fi­ze­ram o con­tra­rio, pra­ti­can­do-a co­mo ins­tru­men­to, dis­po­si­ti­vo, de lu­di­bri­ar a boa fé dos go­ver­na­dos. O ne­gó­cio é con­tro­lar, con­tro­lar bem, pois ele pre­vi­ne tu­do, ou qua­se tu­do, que pos­sa lu­di­bri­ar a de­mo­cra­cia, pas­sar a ras­tei­ra na so­ci­e­da­de con­tri­buin­te.

 

(Jo­si­as Lu­iz Gui­ma­rã­es, ve­te­ri­ná­rio pe­la UFMG, pós-gra­du­a­do em fi­lo­so­fia po­lí­ti­ca pe­la PUC-GO, pro­du­tor ru­ral)

 

Comentários