diario da manha

Na­que­la mes­ma re­gi­ão, ha­via uns pas­to­res que pas­sa­vam as noi­tes nos cam­pos, to­man­do con­ta do re­ba­nho. Um an­jo do Se­nhor apa­re­ceu-lhes e a gló­ria do Se­nhor os en­vol­veu de luz, dei­xan­do-os to­ma­dos de gran­de te­mor. Mas o an­jo dis­se-lhes:

“Não te­mais! Eu vos anun­cio uma boa no­va, de gran­de ale­gria pa­ra to­do o po­vo: Ho­je, na ci­da­de de Da­vi, nas­ceu pa­ra vós um Sal­va­dor, que é o Cris­to Se­nhor. Is­to vos ser­vi­rá de si­nal: en­con­tra­reis um re­cém-nas­ci­do en­ro­la­do em pa­nos e dei­ta­do nu­ma man­je­dou­ra”.

De re­pen­te, jun­tou-se ao an­jo uma mul­ti­dão de mi­lí­cia ce­les­te, lou­van­do a Deus, e di­zen­do:

“Glo­ria a Deus nas al­tu­ras, e paz na ter­ra aos ho­mens de boa von­ta­de”. Lo­go que os an­jos se re­ti­ra­ram em di­re­ção ao céu, os pas­to­res co­men­ta­ram en­tre si:

“Va­mos já a Be­lém e ve­ja­mos es­se acon­te­ci­men­to, que o an­jo nos deu a co­nhe­cer!”

Eles fo­ram, apres­sa­da­men­te, pa­ra lá e en­con­tra­ram Ma­ria, Jo­sé e o re­cém-nas­ci­do dei­ta­do nu­ma man­je­dou­ra, co­mo lhes dis­se­ra o an­jo. De­pois que o vi­ram, con­ta­ram o que lhes ti­nha si­do fa­la­do a res­pei­to do me­ni­no. To­dos os que ou­vi­ram fi­ca­ram ad­mi­ra­dos com as pa­la­vras dos pas­to­res. Ma­ria, po­rém pro­cu­ra­va con­ser­var com ca­ri­nho to­dos es­ses acon­te­ci­men­tos e os me­di­tar em seu co­ra­ção. Lo­go após os pas­to­res vol­ta­ram a seus re­ba­nhos, glo­ri­fi­can­do e lou­van­do a Deus por tu­do o que ti­nham ou­vi­do e vis­to, con­for­me lhes fo­ra anun­ci­a­do. (Evan­ge­lho de Lu­cas, cap. 2, vv. 8 a 20).

As co­li­nas cal­cá­ri­as em tor­no de Be­lém es­ta­vam re­ple­tas de ca­ver­nas. Quan­do o tem­po es­ta­va ru­im os pas­to­res abri­ga­vam, ali­men­ta­vam e da­vam água pa­ra seus ani­mais. Je­sus nas­ceu, al­guns mi­nu­tos após a meia-noi­te. Al­guns pas­to­res es­ta­vam nos cam­pos e nos ar­re­do­res de Be­lém, guar­dan­do o re­ba­nho, tan­to con­tra ani­mais pre­da­do­res quan­to con­tra as pes­so­as, pois o gran­de flu­xo de tran­seun­tes a Be­lém pro­vo­ca­ra a al­ta dos pre­ços dos ali­men­tos e das ove­lhas. Os pas­to­res, cer­ta­men­te, es­pe­ra­vam ven­der seus ani­mais a um pre­ço sa­tis­fa­tó­rio. Eram ho­mens ru­des, mas, co­mo to­dos os cam­po­nes­es, de to­dos os lu­ga­res, eram tam­bém ha­bi­li­do­sos e in­te­li­gen­tes.

Os pas­to­res ti­nham uma vi­da di­fí­cil e so­li­tá­ria. Du­ran­te no­ve ou dez mes­es os pas­to­res fi­ca­vam ao re­len­to com os seus re­ba­nhos. Eles usa­vam uma lin­gua­gem com sons e pa­la­vras es­pe­ci­ais, con­du­zin­do as ove­lhas pa­ra co­mer e be­ber água, elas eram o ga­nha-pão e eles as pro­te­giam com to­da a ha­bi­li­da­de. Os pas­to­res sal­va­vam as ove­lhas que caí­am nas fen­das das ro­chas, car­re­ga­vam as mais fra­cas nos om­bros e che­ga­vam a lu­tar com ou­tros pas­to­res, se fo­rem obri­ga­dos pa­ra pro­te­ge­rem o re­cur­so mais pre­ci­o­so: a água. À noi­te, eles con­du­zi­am seus ani­mais pa­ra um pi­que­te com pa­re­des de pe­dra, um co­vil en­ci­ma­do por es­pi­nhei­ros. Os pas­to­res dor­mi­am atra­ves­sa­dos na es­tra­da. Um por­tão hu­ma­no com as ar­mas bem per­to das mãos. Es­tan­do ar­ma­dos com uma fun­da, tal qual a que Da­vi usou pa­ra der­ro­tar Go­li­as e um bor­dão, com pre­gos, os pas­to­res es­ta­vam pre­pa­ra­dos pa­ra qual­quer emer­gên­cia.

Na­que­la noi­te me­mo­rá­vel se­ria pos­sí­vel que os pas­to­res ti­ves­sem dor­min­do e, pos­te­rior­men­te, des­per­ta­dos de­vi­do a luz emi­ti­da pe­los an­jos, por meio do fe­nô­me­no da apa­ri­ção lu­mi­no­sa. Não foi um so­nho ou uma vi­são, mas uma apa­ri­ção, de­cor­ren­te de um efei­to me­di­ú­ni­co, por­quan­to por meio do ec­to­plas­ma dos pas­to­res, que eram mé­di­uns de efei­to fí­si­co, foi pos­sí­vel pa­ra os an­jos trans­mi­tir-lhes as men­sa­gens de paz e do nas­ci­men­to do Cris­to. Os pas­to­res de ani­mais fo­ram os pri­mei­ros vi­si­tan­te do me­ni­no Je­sus.

Con­for­me o anún­cio do an­jo, o me­ni­no en­con­tra­va-se en­fai­xa­do com ata­du­ras e co­lo­ca­do nu­ma man­je­dou­ra. O re­cém-nas­ci­do te­ria si­do ba­nha­do e de­pois es­fre­ga­do com sal pa­ra evi­tar in­fec­ção na re­gi­ão ab­do­mi­nal, en­tão en­fai­xa­do em ata­du­ras, ti­ras lon­gas de te­ci­do pa­ra man­ter o seu cor­po ri­jo, o que se pen­sa­va que o dei­xa­ria mais for­te. Uma vez por dia, nos seis mes­es se­guin­tes, o be­bê te­ria si­do de­sen­fai­xa­do, ba­nha­do su­a­ve­men­te e mas­sa­ge­a­do com óleo de oli­va ou po­vi­lha­do com fo­lhas de mur­ta e de­pois en­fai­xa­do ou­tra vez.

Os pas­to­res de Be­lém re­pre­sen­ta­ram pa­ra os an­jos, os ho­mens de boa-von­ta­de na Ter­ra. Os men­sa­gei­ros da Luz lou­va­ram a Deus e de­se­ja­ram paz aos ho­mens de boa-von­ta­de.

“Glo­ria a Deus nas al­tu­ras, e paz na ter­ra aos ho­mens de boa von­ta­de” Es­sa má­xi­ma in­for­ma que o Es­pí­ri­to em sua evo­lu­ção in­te­lec­to-mo­ral, pa­ra al­can­çar adi­an­ta­dos ní­veis evo­lu­ti­vos sub­se­qüen­tes àque­le no qual se en­con­tra, de­ve­rá dis­por de boa von­ta­de ou de boa dis­po­si­ção in­te­lec­to-mo­ral. A boa von­ta­de, re­sul­ta­do de dis­ci­pli­na, co­ra­gem e hu­mil­da­de es­pi­ri­tual, pro­mo­ve a paz con­sci­en­cial, que é o re­sul­ta­do da con­quis­ta de um ní­vel evo­lu­ti­vo pa­ra ou­tro ní­vel su­pe­ri­or.

As leis mo­ra­is, gra­va­das na con­sci­ên­cia mo­ral do Es­pí­ri­to, pro­mo­vem a evo­lu­ção, ava­li­am to­das as ações e ga­ran­tem o pa­tri­mô­nio da paz es­pi­ri­tual àque­les que se es­for­çam e con­se­guem su­pe­rar su­as más ten­dên­cias, to­das vin­cu­la­das ao ego­ís­mo. A ver­da­dei­ra paz não é um sen­ti­men­to mór­bi­do, mas uma con­di­ção es­pi­ri­tual di­nâ­mi­ca, pró­pria de quem cum­pre seus de­ve­res mo­ra­is com de­di­ca­ção, or­dem e equi­lí­brio. As vir­tu­des es­pi­ri­tua­is são re­fle­xos da Paz, em seus di­ver­sos ní­veis de ma­ni­fes­ta­ções. O Amor é a paz dos sen­ti­men­tos, a Es­pe­ran­ça é a paz do de­se­jo, a Fé é a paz das pai­xões, a Fe­li­ci­da­de é a paz das emo­ções, a Ca­ri­da­de é a paz da con­vi­vên­cia e a Paz é o efei­to da boa-von­ta­de em ação.

O nas­ci­men­to de Je­sus não ocor­reu no in­ver­no, quan­do se ce­le­bra o Na­tal. No frio e na umi­da­de de De­zem­bro, no pi­co da es­ta­ção chu­vo­sa na re­gi­ão, os pas­to­res e seus re­ba­nhos não es­ta­ri­am nos cam­pos, mas re­co­lhi­dos nas ca­ver­nas. Por is­to, Je­sus po­de­ria ter nas­ci­do en­tre os mes­es de maio e agos­to, pri­ma­ve­ra ou ve­rão na Pa­les­ti­na.

A ce­le­bra­ção do nas­ci­men­to de Je­sus no dia vin­te e cin­co de De­zem­bro es­tá re­la­ci­o­na­da com as so­le­ni­da­des da fes­ta de Mi­tra, ce­le­bra­da pe­los ro­ma­nos en­tre vin­te e um e vin­te e cin­co de De­zem­bro, da­ta es­ta que pas­sou a ser con­si­de­ra­da o dia do nas­ci­men­to de Je­sus a par­tir do ano de tre­zen­tos e cin­qüen­ta e qua­tro da Era Cris­tã. No en­tan­to, so­men­te a par­tir do sé­cu­lo VII, a da­ta de vin­te e cin­co de De­zem­bro pas­sou a ser con­si­de­ra­da a da­ta ofi­ci­al do nas­ci­men­to de Je­sus. Não se sa­be, ao cer­to a da­ta do nas­ci­men­to de Je­sus, se­gun­do Cle­men­te de Ale­xan­dria (200 d.C.) há vá­ri­as es­pe­cu­la­ções: 19 ou 20 de Abril, 20 de Maio, 28 de Agos­to e 17 de No­vem­bro.

Se­gun­do a tra­di­ção len­dá­ria, os pas­to­res de­ve­ri­am ter vis­to o me­ni­no Je­sus co­lo­ca­do en­tre um boi e um ju­men­to. Is­to de­vi­do aos tex­tos de Isaí­as, no ca­pí­tu­lo um e ver­sí­cu­lo três, e de Ha­ba­cuc, ca­pí­tu­lo três, ver­sí­cu­lo dois, de acor­do com a Bí­blia de Je­ru­sa­lém: “se­rás co­nhe­ci­do no meio de dois ani­mais”.

De­pois da des­ma­te­ri­a­li­za­ção dos an­jos, os pas­to­res fo­ram até o lo­cal in­di­ca­do por um dos an­jos, on­de ha­via nas­ci­do o Mes­si­as tão es­pe­ra­do. Fo­ram até Be­lém e con­fir­ma­ram as pre­di­ções do pro­fe­ta Mi­quéia, no ca­pí­tu­lo cin­co e ver­sí­cu­lo um: “Mas tu, ó Be­lém de Efra­ta, pe­que­ni­na em­bo­ra en­tre as ci­da­des prin­ci­pa­is de Ju­dá, de ti sai­rá aque­le que se­rá o rei de Is­ra­el, cu­ja ori­gem re­mon­ta aos di­as da eter­ni­da­de.”

O nas­ci­men­to de Je­sus te­ve re­per­cus­são em Be­lém. Os pas­to­res de Be­lém fo­ram os pri­mei­ros “evan­ge­lis­tas” de Je­sus. Di­vul­ga­ram, ini­ci­al­men­te, aos pa­is de Je­sus a men­sa­gem re­ce­bi­da dos an­jos, o que lhes cau­sou pro­fun­da paz, ale­gria in­te­ri­or e lá­gri­mas de gra­ti­dão ao Se­nhor da Vi­da. De­pois de re­ve­ren­ci­a­rem a no­bre fa­mí­lia, pos­si­vel­men­te ofer­tan­do-lhes al­gu­mas ove­lhas, as qua­is lhes as­se­gu­ra­ram uma per­ma­nên­cia mais du­ra­dou­ra e con­for­tá­vel em Be­lém, di­vul­ga­ram o ocor­ri­do a to­dos os ha­bi­tan­tes da ci­da­de, ge­ran­do ad­mi­ra­ção e in­te­res­se pe­la fa­mí­lia de Na­za­ré, des­cen­den­te da Ca­sa de Da­vi. É pos­sí­vel que inú­me­ras fa­mí­lias be­le­ni­tas te­nham vi­si­ta­do e aco­lhi­do a sin­ge­la e no­bre fa­mí­lia na­za­re­na.

As pri­mei­ras tes­te­mu­nhas hu­ma­nas do nas­ci­men­to de Je­sus eram hu­mil­des e mar­gi­na­li­za­dos por uma eli­te so­ci­al que os con­si­de­ra­va, er­ro­ne­a­men­te, de­so­nes­tos e sal­te­a­do­res. Os pas­to­res de Be­lém, no en­tan­to, re­tor­na­ram aos seus re­ba­nhos, e, cer­ta­men­te, pre­pa­ra­ram aque­la ge­ra­ção pa­ra o gran­de ad­ven­to da men­sa­gem do Cris­to. Fo­ram os pri­mei­ros men­sa­gei­ros da Boa No­va. Eram Es­pí­ri­tos su­pe­ri­o­res que da­vam sus­ten­ta­ção vi­bra­tó­ria, no pla­no ter­re­no, pa­ra o am­bi­en­te e pa­ra o pla­ne­ta, re­pas­san­do pa­ra as al­mas tris­tes, en­fer­mas e opri­mi­das a luz da con­so­la­ção, a bên­ção da ca­ri­da­de e a for­ça do amor que ema­na­vam do me­ni­no Je­sus, do Cris­to de Deus.

Não se sa­be os no­mes dos an­jos que in­te­gra­vam a gran­de co­mi­ti­va ce­les­te nem dos pas­to­res que in­te­gra­vam a no­bre co­mi­ti­va ter­res­tre, des­ti­na­da a anun­ci­ar por to­da par­te o nas­ci­men­to de Je­sus. No en­tan­to, o con­tras­te en­tre mag­ni­fi­cên­cia, gló­ria e ano­ni­ma­to, mo­dés­tia, pau­tam a vi­da dos mis­si­o­ná­rios e pro­fe­tas, dos san­tos e már­ti­res, e de to­da a vi­da e en­si­nos de Je­sus. Be­lém sig­ni­fi­ca a ‘ca­sa do pão’, mas tam­bém de po­ma­res, por­quan­to seu so­bre­no­me Efra­ta, sig­ni­fi­ca ‘ri­ca em fru­tos’. Os fru­tos e o pão são os ali­men­tos mais co­muns e sa­u­dá­veis pa­ra a vi­da or­gâ­ni­ca, o ano­ni­ma­to e a hu­mil­da­de tam­bém são as ba­ses só­li­das da gló­ria e das vir­tu­des es­pi­ri­tua­is, ba­ses es­ta­be­le­ci­das pa­ra a con­se­cu­ção da con­fi­an­ça pe­ran­te os de­síg­nios su­pre­mos de Deus.

 

(Emí­dio Sil­va Fal­cão Bra­si­lei­ro, edu­ca­dor, au­tor e ju­ris­ta. Mem­bro da Aca­de­mia Es­pí­ri­ta de Le­tras do Es­ta­do de Go­i­ás, da Aca­de­mia Go­i­a­ni­en­se de Le­tras e da Aca­de­mia Apa­re­ci­den­se de Le­tras)

Comentários