Opinião

Prevenção do mal de Alzheimer

diario da manha

Com o au­men­to da lon­ge­vi­da­de so­bre­vêm na mes­ma pro­por­ção os ca­sos de de­mên­cias: en­tre es­sas a  de mai­or li­mi­ta­ção e da­nos cog­ni­ti­vos o mal ou do­en­ça de Alzhei­mer. Com mui­ta re­pe­ti­ção te­nho ou­vi­do de pes­so­as pró­xi­mas os re­la­tos de que o pai, o avô, o tio, o en­ge­nhei­ro, o ad­vo­ga­do, o den­tis­ta, o mé­di­co tal, que ti­nham ple­na hi­gi­dez fí­si­ca e men­tal se vi­ram de ho­ra pa­ra ou­tra com a de­mên­cia de Alzhei­mer.

Co­mo de mui­tos sa­bi­do as de­mên­cias re­fle­tem um pro­ces­so na­tu­ral do en­ve­lhe­ci­men­to. O cé­re­bro en­tra nes­te pa­co­te da se­nes­cên­cia. A de­mên­cia de Alzhei­mer em par­ti­cu­lar le­va o no­me de seu 1º des­cri­tor e es­tu­di­o­so, o psi­qui­a­tra ale­mão Alois Alzhei­mer (1864-1915). O ca­so mais em­ble­má­ti­co des­cri­to por es­se pes­qui­sa­dor foi em 1906. Re­fe­ria-se a uma pa­ci­en­te de 51 anos que pro­gres­si­va­men­te foi per­den­do a me­mó­ria pa­ra su­as ati­vi­da­des tri­vi­ais e ou­tras fun­ções  de ori­en­ta­ção e cog­ni­ção.

Os acha­dos ne­cros­có­pi­cos e his­to­ló­gi­cos des­sa mu­lher mos­tra­ram de­pó­si­tos das pro­teí­nas be­ta-ami­loi­de e tau nos neu­rô­ni­os, em es­pe­ci­al na­que­las áre­as ce­re­bra­is li­ga­das à me­mo­ria. Pas­sa­dos mais de 100 anos, pou­co foi acres­cen­ta­do aos tra­ba­lhos des­se ge­ni­al mé­di­co, que me­re­ci­da­men­te deu seu pró­prio no­me a es­sa do­en­ça.

Ins­ti­ga­do por tan­to re­la­to de pes­so­as pró­xi­mas com pa­ren­tes ido­sos, do­en­tes e fa­le­ci­dos com Alzhei­mer, de­ci­di por fa­zer uma me­ta­ná­li­se (pes­qui­sa) de ar­ti­gos so­bre a ma­té­ria. Por­que na ver­da­dei­ra con­cep­ção da ci­ên­cia   mui­tas afir­ma­ções po­dem se tor­nar no fu­tu­ro pu­ras abo­bri­nhas e con­fa­bu­la­ções, so­bre es­sa ou aque­la do­en­ça. Uma ver­da­de ho­je, po­de ser men­ti­ra ama­nhã .

Dois ex­pe­di­en­tes ou ati­tu­des são de­fen­di­dos pe­los es­pe­cia­lis­tas com os qua­is eu pen­so em unís­so­no. O pri­mei­ro de­les se re­fe­re ao cha­ma­do es­ti­lo de vi­da sa­u­dá­vel. Tra­ta-se da mes­ma es­tra­té­gia na pre­ven­ção das do­en­ças car­dio­vas­cu­la­res. Com­põe-se de ati­vi­da­de fí­si­ca con­tí­nua, ab­sten­ção dos ví­ci­os de ni­co­ti­na, ál­co­ol e dro­gas ilí­ci­tas, ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da e so­no de boa qua­li­da­de (re­pa­ra­dor). O se­gun­do ex­pe­di­en­te im­por­tan­te re­fe­re-se a to­das as ações e há­bi­tos pa­ra exer­ci­tar a me­mó­ria de for­ma con­tí­nua. E aqui, que fi­que bem ex­plí­ci­to e gri­fa­do: exer­cí­cio da me­mó­ria de for­ma con­tí­nua.

Ne­nhum dos tra­ba­lhos e ar­ti­gos li­dos fa­la que es­ti­lo de vi­da sa­u­dá­vel ou in­ten­sa ati­vi­da­de in­te­lec­tu­al,  in­ter­rom­pi­da de­pois de 20 ou 30 anos, vá pro­te­ger o seu pra­ti­can­te pe­lo res­to da vi­da, na 3ª  ou 4ª  ida­de( ve­lhi­ce).

E por que tan­ta ên­fa­se no ca­rá­ter de con­ti­nui­da­de des­sas ati­tu­des pre­ven­ti­vas das de­mên­cias ,se­ja a se­nil ou de Alzhei­mer? E afir­mo por­que te­nho, de ou­vi­da ou en­tre­ou­vi­do, cons­ta­ta­do o es­pan­to ou sur­pre­sa dos alu­di­dos pa­ren­tes des­ses ido­sos(as) ví­ti­mas da do­en­ça. São es­sas as re­fe­rên­cias, são es­ses os es­pan­tos: Ah, mas co­mo po­de! Meu pai, mi­nha mãe, meu tio(a); que tra­ba­lhou a vi­da in­tei­ra, que era en­ge­nhei­ro, que era pro­fes­sor, que era mé­di­co. Co­mo? Ele, ou ela que fez pós gra­du­a­ção, mes­tra­do, dou­to­ra­do! As res­pos­tas a es­ses pas­mos e es­tra­nhe­zas são sim­ples e ob­je­ti­vas. Não im­por­ta que o in­di­ví­duo na sua vi­da mais pro­du­ti­va te­nha até se dou­to­ra­do nes­sa ou na­que­la ati­vi­da­de pro­fis­si­o­nal, ti­do uma in­ten­sa ati­vi­da­de in­te­lec­tu­al e ci­en­tí­fi­ca. Na ver­da­de mui­tos des­ses ve­te­ra­nos mes­tres e dou­to­res, afer­ra­dos ao tra­ba­lho e exí­mios no que fa­zi­am pa­ra­ram no tem­po em ter­mos de exer­cí­cios da me­mó­ria  e com es­ti­lo de vi­da in­sa­lu­bre. Mui­tos des­ses mo­de­los aqui ci­ta­dos, es­tu­da­ram, se tor­na­ram ex­perts no que tra­ba­lha­ramm, mas pa­ra­ram no tem­po co­mo au­tô­ma­tos. Tu­do que eles pre­ci­sa­vam pa­ra bem tra­ba­lhar es­ta­vam no sis­te­ma au­to­má­ti­co do cé­re­bro (tra­ba­lha­vam co­mo ro­bôs ). Mui­tos des­ses(as) pro­fis­si­o­nais bri­lhan­tes, pa­ra agra­vo do ris­co de Alzhei­mer, se apo­sen­tam ain­da não ido­sos, com 55 ou 60 anos. E pa­ra mais agra­vo, es­ta­cio­na­ram em uma vi­da se­den­tá­ria, sua ati­vi­da­de in­te­lec­tu­al, de me­mó­ria ou ce­re­bral.  Mui­tos des­ses apo­sen­ta­dos de su­as ati­vi­da­des pro­fis­si­o­nais e ex dou­to­res nis­so ou na­qui­lo, uma vez ina­ti­vos, le­em de me­nos, não apren­dem ne­nhu­ma ha­bi­li­da­de a mais, na­da mais es­cre­vem ou pro­du­zem men­tal­men­te. Se­ri­am (tais pes­so­as) co­mo que nun­ca ti­ves­sem ti­do uma óti­ma ati­vi­da­de pro­du­ti­va in­te­lec­tu­al. Por­que hou­ve des­con­ti­nui­da­de.

Con­clu­são: to­do aque­le es­plen­dor  nas uni­ver­si­da­des, to­dos os es­tu­dos co­mo mes­tres e dou­to­res fo­ram per­di­dos. Is­to por­que não ti­ve­ram con­ti­nui­da­de. Na mes­ma ana­lo­gia que se faz com ati­vi­da­de fí­si­ca pa­ra  o co­ra­ção. Pa­rou, em pou­co tem­po se tor­nam co­mo  ou­tros se­den­tá­rios qua­is­quer.

Con­se­lho fi­nal: quer pre­ve­nir de fi­car ga­gá ou ca­du­co (a)? apo­sen­te-se da obri­ga­ção de to­do dia as­si­nar o pon­to na es­cri­tó­rio ou em­pre­go, mas con­ti­nue len­do bons li­vros, trei­nan­do ma­te­má­ti­ca, fa­zen­do cru­za­das, de­ci­fran­do enig­mas, apren­den­do al­gum idi­o­ma, evi­te o se­den­ta­ris­mo men­tal e fí­si­co  e a de­pres­são. Pron­to. Es­ta a me­lhor re­cei­ta  pa­ra se tor­nar um ido­so in­de­pen­den­te, atra­en­te e pro­du­ti­vo, sem de­mên­cias, e sem Alzhei­mer.  Lem­bre­te fi­nal, cui­da­do  com os fal­sos pro­fe­tas da Sa­ú­de e da Me­di­ci­na, não exis­te re­mé­dio pa­ra me­mó­ria. O me­lhor me­di­ca­men­to pa­ra a me­mó­ria, é o exer­cí­cio da pró­pria me­mo­ria.    Dez /2017

 

(Jo­ão Jo­a­quim, mé­di­co, ar­ti­cu­lis­ta DM fa­ce­bo­ok/ jo­ão jo­a­quim de oli­vei­ra www.drjo­ao­jo­a­quim.blog­spot.com – What­sApp (62)98224-8810)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais