Opinião

Opinião: Reforma Cruel

diario da manha

Me dá ar­re­pi­os e ca­la­fri­os quan­do ve­jo os no­ti­ci­á­rios da cam­pa­nha in­can­sá­vel do go­ver­no gol­pis­ta, ile­gí­ti­mo e cor­rup­to Mi­chel Te­mer pa­ra apro­var a re­for­ma da pre­vi­dên­cia. Fi­co a ima­gi­nar co­mo po­de um go­ver­no ser tão si­nis­tro, cru­el e co­var­de com a na­ção a tal pon­to de ti­rar o úni­co meio de so­bre­vi­vên­cia de mi­lhões de tra­ba­lha­do­res e tra­ba­lha­do­ras, que ba­ta­lha­ram a vi­da in­tei­ra con­tri­buin­do ho­nes­ta­men­te com uma ins­ti­tu­i­ção de se­gu­ri­da­de que an­tes ima­gi­ná­va­mos ser a mais se­gu­ra e res­pei­ta­da des­se pa­ís, na es­pe­ran­ça de che­gar a ve­lhi­ce com dig­ni­da­de. Tu­do is­so ago­ra cor­ren­do sé­rios ris­cos de ser tu­do inú­til, gra­ças a um go­ver­no cons­pi­ra­dor: Cons­pi­ra­dor sim. Pro­va dis­so é que quan­do o la­drão Eduar­do Cu­nha pas­sou a ar­ti­cu­lar con­tra a en­tão pre­si­den­ta Dil­ma Rous­seff, por ela não acei­tar fa­zer par­te da sua qua­dri­lha no Con­gres­so, Mi­chel Te­mer co­mo vi­ce pre­si­den­te ti­nha o de­ver e a obri­ga­ção de de­fen­der a pre­si­den­ta e a na­ção. Mas is­so se ti­ves­se brio na ca­ra: Co­mo não tem, aban­do­nou o go­ver­no e ocu­pou o Pa­lá­cio do Ja­bu­ru, que se trans­for­mou no re­du­to de ma­ra­cu­taia dos cor­rup­tos. Tu­do or­ques­tra­do por Mi­chel Te­mer, o nos­so al­cap­ho­ne que ti­nha cer­te­za que ga­nha­ria de ban­de­ja a pre­si­dên­cia da nos­sa Re­pú­bli­ca, e a nos­sa pre­si­den­te foi ti­ra­da do po­der pe­lo gol­pe par­la­men­tar. Tu­do is­so era uma exi­gên­cia da bur­gue­sia que não su­por­ta um go­ver­no “so­ci­a­lis­ta”, o pla­no ne­fas­to ia mui­to além do im­pe­achment da pre­si­den­ta, o mai­or ob­je­ti­vo foi re­ti­rar to­dos os di­rei­tos dos tra­ba­lha­do­res. Co­me­çan­do pe­lo te­to dos gas­tos pú­bli­co, ter­cei­ri­za­ção, re­for­ma tra­ba­lhis­ta e ago­ra a re­for­ma da pre­vi­dên­cia.

A eli­te bra­si­lei­ra es­tá sur­ru­pi­an­do os po­bres tra­ba­lha­do­res e não se des­can­sa­rá en­quan­to não su­gar a úl­ti­ma go­ta de san­gue e su­or. O mais de­so­la­dor é que tu­do is­so é por pu­ro or­gu­lho. Os ri­ca­ços não acei­ta­rá o de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al, não por me­do de fi­car po­bre: Mas sim por que quer ver os po­bres bem lon­ge dos lu­ga­res que eles fre­quen­tam. A eli­te bra­si­lei­ra não su­por­ta ver po­bres nos ae­ro­por­tos, nas ro­do­vi­as di­ri­gin­do seu pró­prio car­ro, nos res­tau­ran­tes, con­ces­sio­ná­rias de ve­í­cu­los, prai­as e etc.

Exis­te a ban­ca­da ru­ra­lis­ta em Bra­sí­lia exa­ta­men­te pa­ra ga­ran­tir a lu­xú­ria su­ga­da dos tra­ba­lha­do­res. A ban­ca­da ru­ra­lis­ta con­ta com oi­ten­ta de­pu­ta­dos qua­se to­dos cor­rup­tos, in­clu­si­ve res­pon­den­do pro­ces­so na jus­ti­ça, Mi­chel Te­mer es­tá bem re­pre­sen­ta­do por es­sa qua­dri­lha de ma­fio­sos: Vo­ta­ram em mas­sa pa­ra li­vrá-lo do chi­lin­dró nas du­as de­nún­cias por cor­rup­ção em ple­no exer­cí­cio do man­da­to, mas is­so cus­tou vá­rios pre­sen­ti­nhos ofer­ta­do por Mi­chel Te­mer, um to­ma lá dá cá em be­ne­fí­cio dos em­pre­sá­rios e dos pró­prios de­pu­ta­dos: A re­ser­va do co­bre em ple­na flo­res­ta Ama­zô­ni­ca pa­ra a ex­plo­ra­ção mi­ne­ral en­tre o Ama­pá e o Pa­rá, a re­ti­ra­da do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co na fis­ca­li­za­ção e pu­ni­ção aos em­pre­sá­rios na ex­plo­ra­ção do tra­ba­lho es­cra­vo, Li­be­ra­ção de ver­bas pa­ra ga­bi­ne­tes, li­be­ra­ção de emen­das par­la­men­ta­res em be­ne­fí­cio dos pró­prios de­pu­ta­dos e seus pa­dri­nhos, vá­ri­as pas­tas de mi­nis­té­ri­os, per­dão das dí­vi­das dos go­ver­na­do­res com a Uni­ão, per­dão das dí­vi­das dos em­pre­sá­rios in­clu­in­do a dí­vi­da com a pró­pria Pre­vi­dên­cia So­ci­al que ul­tra­pas­sa os qua­tro­cen­tos e vin­te bi­lhões, o re­al mo­ti­vo do rom­bo. Mas is­so o go­ver­no es­con­de.

Uma das jus­ti­fi­ca­ti­vas do go­ver­no é que os bra­si­lei­ros es­tão en­ve­lhe­cen­do mais: Men­ti­ra: Com um sis­te­ma de Sa­ú­de Pú­bli­ca ca­ó­ti­co, o que se vê é ido­sos mor­ren­do à min­gua. Se es­tá fal­tan­do con­tri­bui­ção, a jus­ti­fi­ca­ti­va é os qua­tor­ze mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos e os cin­quen­ta mi­lhões de as­sas­si­na­to de jo­vens por ano. Tu­do is­so de­vi­do ao des­pre­pa­ro do go­ver­no. A in­jus­ti­ça des­ta re­for­ma é ca­tas­tró­fi­ca, pa­ra ter o di­rei­to de se apo­sen­tar com um mí­se­ro sa­lá­rio mí­ni­mo no atu­al va­lor de no­ve­cen­tos e trin­ta e se­te re­ais, o ci­da­dão tem que con­tri­bu­ir com vin­te por cen­to que dá o va­lor de 187.40R$, na re­for­ma ter­ro­ris­ta o ci­da­dão se­rá obri­ga­do a con­tri­bu­ir com es­se va­lor por qua­ren­ta anos e se apo­sen­tar aos 65 anos de ida­de: Até lá já mor­reu, se não mor­reu não tem mais gra­ça.

O que dá um pou­co de es­pe­ran­ça des­ta re­for­ma não vin­gar, é a tra­pa­lha­da do pró­prio go­ver­no, pro­me­teu tan­to pa­ra os de­pu­ta­dos em sua de­fe­sa que não te­ve co­mo pa­gar e ago­ra pa­ra con­se­guir vo­tos pa­ra a re­for­ma da pre­vi­dên­cia es­tá en­ro­la­do até o pes­co­ço com os de­pu­ta­dos, que não re­ce­be­ram o pro­me­ti­do e não tem mais o que pro­me­ter. Dá um pou­co de alí­vio pa­ra os bra­si­lei­ros o adi­a­men­to da vo­ta­ção pa­ra o dia 19 de fe­ve­rei­ro de 2018, o que es­pe­ra­mos do fun­do do co­ra­ção é que nes­se tem­po os par­la­men­ta­res se re­fli­ta so­bre o te­ma, até mes­mo por­que pa­ra ga­ran­tir os di­rei­tos de uma na­ção não se me­de con­se­quên­cias.

 

(Eduar­do Gui­lher­me Bar­bo­sa, es­cri­tor)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar