Opinião

Sem previdência não há saúde

diario da manha

Tal­vez a me­lhor ma­nei­ra de jul­gar o pro­gres­so de uma so­ci­e­da­de é ob­ser­var co­mo ela tra­ta os seus ido­sos. De­pois de to­da uma vi­da de pro­du­ção eco­nô­mi­ca, pas­sa­da a fa­se de cres­ci­men­to e de apren­di­za­do, e após os anos de es­for­ço e de de­di­ca­ção aos fi­lhos, os ido­sos não se en­cai­xam mais em uma vi­são de so­ci­e­da­de ma­te­ri­a­lis­ta. A fun­ção dos ido­sos em nos­sa so­ci­e­da­de, no en­tan­to, não po­de ser uma vi­são es­tri­ta­men­te eco­nô­mi­ca – ela de­ve ser, an­tes, uma de afe­to e de hu­ma­ni­da­de.

No Bra­sil, co­mo so­ci­e­da­de, es­co­lhe­mos du­as prin­ci­pa­is ma­nei­ras de cu­i­dar dos nos­sos ido­sos: sa­ú­de e pre­vi­dên­cia. Com a mu­dan­ça no per­fil de­mo­grá­fi­co de nos­sa po­pu­la­ção, po­rém, a for­ma pe­la qual cu­i­da­mos dos ido­sos tam­bém pre­ci­sa mu­dar.

Na sa­ú­de, por exem­plo, te­mos uma im­por­tan­te mu­dan­ça no per­fil epi­de­mio­ló­gi­co da po­pu­la­ção. Uma so­ci­e­da­de de jo­vens pre­ci­sa mais de pron­tos-so­cor­ros, ur­gên­cias e emer­gên­cias. Nor­mal­men­te, quan­do o jo­vem pre­ci­sa de aten­di­men­to, se­ja por uma do­en­ça in­fec­cio­sa ou por uma cau­sa ex­ter­na (vi­o­lên­cia e aci­den­tes de trân­si­to, por exem­plo), a si­tu­a­ção é agu­da e re­quer aten­ção ime­di­a­ta.

O ido­so, po­rém, nor­mal­men­te é um pa­ci­en­te crô­ni­co. No Bra­sil, me­ta­de da po­pu­la­ção com mais de 65 apre­sen­ta du­as ou mais do­en­ças crô­ni­cas, co­mo di­a­be­tes, hi­per­ten­são ou do­en­ças de­ge­ne­ra­ti­vas, con­di­ções que, em ge­ral, re­que­rem me­di­ca­ção e acom­pa­nha­men­to cons­tan­te. O ob­je­ti­vo não é que es­se pa­ci­en­te se­ja cu­ra­do de su­as do­en­ças – a me­di­ci­na, in­fe­liz­men­te, ain­da não per­mi­te is­so – mas que pos­sa vi­ver uma vi­da ple­na ape­sar de­las.

Pa­ra is­to, pre­ci­sa­mos mu­dar o nos­so sis­te­ma de sa­ú­de. Se te­mos mais ido­sos, pre­ci­sa­mos cu­i­dar ade­qua­da­men­te de­les. A aten­ção à sa­ú­de pre­ci­sa ser in­te­gra­da em uma ca­deia de cui­da­do que in­clua uma aten­ção mais pre­sen­te e mais hu­ma­ni­za­da no dia-a-dia des­te pa­ci­en­te, aju­dan­do-o com o ma­ne­jo de sua con­di­ção clí­ni­ca, mas que pos­sa aten­dê-lo com os cui­da­dos di­fe­ren­ci­a­dos de que pre­ci­sa na aten­ção hos­pi­ta­lar. A no­va as­sis­tên­cia pre­ci­sa, tam­bém, in­clu­ir a ques­tão dos cui­da­dos pa­li­a­ti­vos, pa­ra que se pos­sa ofe­re­cer con­for­to e hu­ma­ni­za­ção aos pa­ci­en­tes nos úl­ti­mos mo­men­tos de su­as vi­das.

Jun­to com a sa­ú­de, po­rém, pre­ci­sa­mos cu­i­dar da ques­tão da pre­vi­dên­cia no nos­so pa­ís. A dis­cus­são atu­al no Con­gres­so Na­ci­o­nal é ex­tre­ma­men­te opor­tu­na e ab­so­lu­ta­men­te ne­ces­sá­ria pa­ra ga­ran­tir o bem-es­tar dos ido­sos no fu­tu­ro. Não é mais pos­sí­vel, que, co­mo so­ci­e­da­de, con­ti­nu­e­mos a ter adul­tos apo­sen­ta­dos em ple­na ca­pa­ci­da­de pro­du­ti­va. Os ido­sos bra­si­lei­ros de­pen­dem de seus ta­len­tos e su­as con­tri­bui­ções pa­ra que o pa­ís per­ma­ne­ça sus­ten­tá­vel.

Tam­bém não é ra­zo­á­vel que ha­ja uma as­si­me­tria en­tre apo­sen­ta­dos no se­tor pú­bli­co e do se­tor pri­va­do. O for­ma­to atu­al sig­ni­fi­ca que os qua­se 1 mi­lhão de ser­vi­do­res da Uni­ão, me­nos de 3% do to­tal de apo­sen­ta­dos, são res­pon­sá­veis por mais de 33% do dé­fi­cit da pre­vi­dên­cia, no que é, sem dú­vi­da, o mai­or pro­gra­ma de con­cen­tra­ção de ren­da do pa­ís.

As mu­dan­ças de que o pa­ís pre­ci­sa pa­ra cu­i­dar ade­qua­da­men­te dos ido­sos são ur­gen­tes. Não ha­ve­rá re­cur­sos – in­clu­si­ve pa­ra cu­i­dar da sa­ú­de dos mais ve­lhos – se, co­mo pa­ís, não en­de­re­çar­mos a ques­tão da pre­vi­dên­cia com equi­lí­brio e jus­ti­ça. É bom lem­brar que, aque­les de nós que ti­ve­rem sor­te, tam­bém se­rão ido­sos um dia. Ca­be a nós pre­pa­rar­mos o Bra­sil pa­ra que pos­sa cu­i­dar ade­qua­da­men­te dos ido­sos do fu­tu­ro.

 

(Fran­cis­co Ba­les­trin, pre­si­den­te da As­so­cia­ção Na­ci­o­nal de Hos­pi­tais Pri­va­dos – Anahp)

 

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais