Opinião

Sobre a importância dos livros

diario da manha

Às vés­pe­ras dos fe­ri­a­dos de fi­nal de ano, épo­ca em que nos per­mi­ti­mos fa­zer ba­lan­ços e pla­nos pa­ra o no­vo ci­clo vin­dou­ro, nos tor­na­mos sa­u­do­sos de nos­sas me­mó­ri­as, den­tre as qua­is, do tem­po de co­lé­gio. Mui­tos são ca­pa­zes de lem­brar do no­me da pri­mei­ra pro­fes­so­ra, dos ce­ná­rios que com­pu­nham o mo­men­to de apren­der ou até da car­ti­lha das pri­mei­ras le­tras.

É cer­to que a ca­pa­ci­da­de de apren­der já nas­ce com ca­da um de nós e, es­se pro­ces­so na­tu­ral re­fle­te a ne­ces­si­da­de de so­bre­vi­vên­cia. As­sim, ca­da am­bi­en­te nos obri­ga­rá a de­sen­vol­ver es­sa ou aque­la ha­bi­li­da­de, o que acon­te­ce tam­bém no am­bi­en­te es­co­lar, quan­do aca­ba­mos apren­den­do me­lhor aqui­lo que o nos­so pro­fes­sor pre­fe­ri­do en­si­na. Ou se­rá que aque­le pro­fes­sor se tor­na o nos­so pre­fe­ri­do jus­ta­men­te por en­si­nar aqui­lo que gos­ta­mos mais?

De acor­do com o pro­fes­sor Jo­sé Mo­ran, do­cen­te apo­sen­ta­do da USP, “edu­car é co­la­bo­rar pa­ra que pro­fes­so­res e alu­nos – nas es­co­las e or­ga­ni­za­ções – trans­for­mem su­as vi­das em pro­ces­sos per­ma­nen­tes de apren­di­za­gem. É aju­dar os alu­nos na cons­tru­ção da sua iden­ti­da­de, do seu ca­mi­nho pes­so­al e pro­fis­si­o­nal – do seu pro­je­to de vi­da, no de­sen­vol­vi­men­to das ha­bi­li­da­des de com­pre­en­são emo­ção e co­mu­ni­ca­ção que lhes per­mi­tam en­con­trar seus es­pa­ços pes­so­ais, so­ci­ais e de tra­ba­lho e tor­nar-se ci­da­dã­os re­a­li­za­dos e pro­du­ti­vos”. E pa­ra is­so, mui­tas ve­zes é im­por­tan­te que o pro­fes­sor in­vis­ta na re­la­ção com os alu­nos em sa­la de au­la.

E o li­vro é, sem dú­vi­da, uma im­por­tan­te fer­ra­men­ta nes­se ce­ná­rio, um dos in­gre­di­en­tes prin­ci­pa­is des­sa mis­tu­ra en­tre o apren­der e o en­si­nar. Di­dá­ti­co, ou não, ro­man­ce ou po­e­sia, os li­vros tor­nam a vi­da mais in­te­res­san­te. E por se­rem os pro­fes­so­res im­por­tan­tes agen­tes na for­ma­ção in­te­lec­tu­al do in­di­ví­duo, são eles que, na mai­o­ria das ve­zes, re­a­li­zam o pa­pel de in­cen­ti­var a lei­tu­ra, de apro­xi­mar os alu­nos dos li­vros e dos mun­dos má­gi­cos ali exis­ten­tes. E es­sa prá­ti­ca não é no­va…

No sé­cu­lo XIX, mem­bros da co­lô­nia por­tu­gue­sa en­vol­vi­dos com as ati­vi­da­des do Re­al Ga­bi­ne­te Por­tu­guês de Lei­tu­ra, com o ob­je­ti­vo de atra­ir mais lei­to­res pa­ra um es­pa­ço que já caia em es­que­ci­men­to, fun­dou o Li­ceu Li­te­rá­rio Por­tu­guês, cu­jo ob­je­ti­vo era di­fun­dir a cul­tu­ra e ofe­re­cer opor­tu­ni­da­des de en­si­no, es­pe­ci­al­men­te pa­ra os jo­vens imi­gran­tes por­tu­gues­es na ci­da­de do Rio de Ja­nei­ro, que em ge­ral che­ga­vam com pou­ca ins­tru­ção ao pa­ís. A di­fu­são do co­nhe­ci­men­to e o for­ta­le­ci­men­to da im­por­tân­cia da lei­tu­ra pa­ra aque­la co­mu­ni­da­de fo­ram fun­da­men­tais pa­ra a cri­a­ção de um ha­bi­tus, con­cei­to de­sen­vol­vi­do pe­lo so­ci­ó­lo­go fran­cês Pi­er­re Bour­di­eu com o ob­je­ti­vo de es­cla­re­cer ele­men­tos que per­mei­am a de­li­ca­da re­la­ção en­tre in­di­ví­duo e so­ci­e­da­de den­tro da so­ci­o­lo­gia es­tru­tu­ra­lis­ta e es­tá re­la­ci­o­na­do à ca­pa­ci­da­de de uma de­ter­mi­na­da es­tru­tu­ra so­ci­al ser in­cor­po­ra­da pe­los agen­tes por meio de dis­po­si­ções pa­ra sen­tir, pen­sar e agir.

Mo­ti­var a cri­a­ção de um ha­bi­tus, co­mo fez o Re­al Ga­bi­ne­te Por­tu­guês de Lei­tu­ra ao fun­dar o Li­ceu Li­te­rá­rio Por­tu­guês po­de ser uma de­ci­são in­di­vu­du­al ca­paz de le­var a so­ci­e­da­de a no­vas es­co­lhas co­le­ti­vas, co­mo tran­si­tar com na­tu­ra­li­da­de por um es­pa­ço de ins­tru­ção, ou ter pra­zer na lei­tu­ra. E, pa­ra co­me­çar, por que não ele­ger li­vros co­mo pre­sen­tes de Na­tal?

 

(Jo­ão Pau­lo Va­ni, pre­si­den­te da Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Es­cri­to­res, dou­to­ran­do em Le­tras pe­la Unesp/SJ Rio Pre­to, mes­tre em Te­o­ria Li­te­rá­ria. e-mail: con­ta­[email protected]­ni.com.br)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais