Opinião

Somos herdeiros do cunhadismo

diario da manha

O jor­na­lis­mo, em ge­ral, só se in­te­res­sa por es­cân­da­los e ca­la­mi­da­des ex­tre­mas. Mi­sé­rias co­ti­dia­nas pa­re­cem-lhe coi­sas ame­nas. Não mo­vem su­as an­te­nas.

Pa­ra re­u­nir nos­sos pe­da­ços de­ve­mos re­cu­pe­rar a lem­bran­ça de quan­do fo­mos in­tei­ros.

O cu­nha­dis­mo, afi­li­a­do e afi­lha­do ge­ra­dor e man­te­ne­dor do ne­po­tis­mo, é o guar­da-chu­va que abriu-se na en­tão pa­ra­di­sí­a­ca Ter­ra de San­ta Cruz, lo­go após apor­ta­rem no pa­ra­í­so os in­tré­pi­dos ga­jos por­tu­gues­es

O cu­nha­dis­mo cons­ti­tu­iu a en­tro­pia ini­ci­al – a for­ça iner­cial da en­tro­pia e do jei­ti­nho, pre­sen­te na vi­da bra­si­lei­ra, des­de seus pri­mei­ros di­as.

Som­bra atá­vi­ca do pro­te­cio­nis­mo ma­cu­naí­mi­co, sob a qual pros­pe­ram co­mo pra­ga os ma­les da pre­gui­ça e do mau-ca­ra­tis­mo.

“Mais ou me­nos is­so, amor in­te­res­sa aos do­nos do po­der nós dois in­fe­li­zes e con­for­ma­dos

– in­te­res­sa tan­to co­mo nós dois bem fe­li­zes e con­for­ma­dos nós dois bem e in­con­for­ma­dos

– is­so não in­te­res­sa, amor!” *

* Jo­sé An­ge­lo Gai­ar­sa

Pa­ran­go­lés da gra­ma­ti­qui­ce

O pi­or acon­te­ce, quan­do os maus, os pér­fi­dos e per­ver­sos, os in­ve­jo­sos e os mal-in­ten­ci­o­na­dos são os que sem­pre es­tão a pro­me­ter “dar o me­lhor de si”.

Ru­im é não eco­no­mi­zam em dar o que de pi­or ne­les exis­te.

Pe­la bo­ca de­la” o den­tis­ta ta­ra­do da­ria uma boi­a­da em ca­co­fo­ni­as – ou­tros bois acres­cen­ta­ria, pa­ra dar-se ao di­rei­to de, com a mão no bo­ti­cão, pes­pe­gar-lhe um bei­jo de lín­gua.

Em co­li­sões de fo­ne­mas e dis­so­nân­cias con­so­nan­tais aca­bou co­nhe­ci­do co­mo o cha­to gra­ma­ti­cal a ser evi­ta­do até por ro­das de  bê­ba­dos en­ten­di­dos no as­sun­to.

A hi­a­tos in­ter­va­la­dos com ana­co­lu­tos, ca­có­fa­tos, sol­ecis­mos e apo­teg­mas da sin­ta­xe, so­mam-se ou­tros sons es­tram­bó­ti­cos, de pa­ran­go­lés idio­má­ti­cos – to­dos de­sa­gra­dá­veis aos olhos e ou­vi­dos.

Pe­los usos e cos­tu­mes do ge­run­dis­mo, quan­do al­guém diz que “vai es­tar pas­san­do” a li­ga­ção ao en­car­re­ga­do, é si­nal de que es­tá nos en­ro­lan­do, com ele­gân­cia e edu­ca­ção com­pul­só­rias.

Por te­mer-se o con­fron­to com re­sul­ta­dos não de­se­ja­dos, cer­tos en­con­tros de con­tas são co­lo­ca­dos no in­fi­ni­ti­vo do im­pro­vá­vel.

Mui­tos, hi­per­ten­sos op­ta­ti­vos, as­sim se tor­na­ram por co­lo­car de­ma­si­a­da ten­são em tu­do o que pen­sam, fa­lam ou fa­zem.

Nes­ta vi­da uma ca­te­go­ria de gen­te que não faz ou­tra coi­sa se­não pe­dir per­mis­são pa­ra con­ti­nu­ar a ser per­mis­si­va.

 

(Bra­si­gó­is Fe­lí­cio é es­cri­tor e jor­na­lis­ta. Ocu­pa a ca­dei­ra 25 da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais