Opinião

Boeing, Embraer e a autonomia estratégica

diario da manha

No úl­ti­mo dia 21, por meio de um co­mu­ni­ca­do con­jun­to, a es­ta­du­ni­den­se Bo­eing e a bra­si­lei­ra Em­bra­er tor­na­ram pú­bli­ca a exis­tên­cia de tra­ta­ti­vas em re­la­ção a uma po­ten­ci­al com­bi­na­ção de seus ne­gó­ci­os. A ini­ci­a­ti­va se­gue aos even­tos de ou­tu­bro do ano pas­sa­do, quan­do a eu­ro­peia Air­bus, prin­ci­pal com­pe­ti­do­ra da Bo­eing, ad­qui­riu a par­ti­ci­pa­ção ma­jo­ri­tá­ria no pro­gra­ma de ja­tos C-Se­ri­es da ca­na­den­se Bom­bar­di­er – prin­ci­pal con­cor­ren­te da Em­bra­er no mer­ca­do de ae­ro­na­ves co­mer­ci­ais re­gi­o­nais. No en­tan­to, a des­pei­to do anún­cio da Bo­eing e Em­bra­er, a for­ma­li­za­ção e o for­ma­to do ne­gó­cio se­guem in­de­fi­ni­dos, so­bre­tu­do pe­la ne­ces­si­da­de de apro­va­ção do go­ver­no bra­si­lei­ro.

Em­pre­sa de ca­pi­tal aber­to, a mai­or par­te das ações da Em­bra­er en­con­tra-se sob pos­se da ges­to­ra nor­te-ame­ri­ca­na Bran­des In­vest­ments Partners, a qual exer­ce con­tro­le so­bre 14% das ações da em­pre­sa. Ain­da que com par­ti­ci­pa­ção res­tri­ta a 5,4% das ações, o go­ver­no fe­de­ral pos­sui a prer­ro­ga­ti­va da gol­den sha­re, o que per­mi­te o con­tro­le so­bre de­ci­sões es­tra­té­gi­cas da em­pre­sa e, po­ten­ci­al­men­te, o ve­to a qual­quer ti­po de fu­são ou aqui­si­ção. O go­ver­no bra­si­lei­ro já se ma­ni­fes­tou con­trá­rio a qual­quer ne­go­ci­a­ção en­vol­ven­do o con­tro­le acio­ná­rio da Em­bra­er, sob o ar­gu­men­to de ma­nu­ten­ção de prer­ro­ga­ti­vas es­tra­té­gi­cas. No en­tan­to, ca­be des­ta­car que, em me­a­dos de 2017, o mi­nis­tro da Fa­zen­da, Hen­ri­que Mei­rel­les, en­ca­mi­nhou ao Tri­bu­nal de Con­tas da Uni­ão (TCU) uma con­sul­ta pa­ra sa­ber co­mo al­te­rar as re­gras das gol­den sha­res.

Ain­da que mem­bros do go­ver­no fe­de­ral ga­ran­tam a pre­ser­va­ção das re­gras re­fe­ren­tes a ques­tões de de­fe­sa em ca­so de mu­dan­ças nas gol­den sha­res, não há cla­re­za so­bre a re­al abran­gên­cia das in­ten­ções da Fa­zen­da.

Ain­da que tal me­ca­nis­mo tam­bém exis­ta pa­ra ou­tras em­pre­sas, a gol­den sha­re no con­tex­to da Em­bra­er pos­sui mai­or re­le­vân­cia es­tra­té­gi­ca por sua im­por­tân­cia pa­ra a ba­se in­dus­tri­al de de­fe­sa do pa­ís, tra­du­zi­da es­pe­ci­al­men­te na es­trei­ta re­la­ção com os pro­je­tos da For­ça Aé­rea Bra­si­lei­ra (FAB). Úni­ca em­pre­sa bra­si­lei­ra a fi­gu­rar no ranking das 100 mai­o­res em­pre­sas de de­fe­sa do mun­do, as ven­das de ar­ma­men­tos re­pre­sen­ta­ram 15% de to­dos os ne­gó­ci­os re­a­li­za­dos pe­la Em­bra­er em 2016, se­gun­do da­dos or­ga­ni­za­dos e dis­po­ni­bi­li­za­dos pe­lo Stockholm In­ter­na­ti­o­nal Pe­a­ce Re­se­arch Ins­ti­tu­te (SI­PRI). Ain­da de acor­do com o SI­PRI, as ven­das de ar­ma­men­tos da Em­bra­er cres­ce­ram 10% en­tre 2015 e 2016, atin­gin­do a ci­fra de US$ 930 mi­lhões – 0,2% do to­tal de ar­ma­men­tos ven­di­dos pe­las 100 mai­o­res do mun­do. Em com­pa­ra­ção, as ven­das da Bo­eing em 2016, se­gun­da mai­or em­pre­sa de de­fe­sa do mun­do, to­ta­li­za­ram US$ 29 bi­lhões – ou 7% das ven­das de ar­ma­men­to das mai­o­res em­pre­sas de de­fe­sa do mun­do. Des­sa for­ma, pe­ran­te ta­ma­nha dis­cre­pân­cia de ca­pa­ci­da­des e di­men­são, as in­cer­te­zas e pre­o­cu­pa­ções em tor­no de uma pos­sí­vel aqui­si­ção pe­la Bo­eing são ain­da mais agu­das quan­do con­si­de­ra­da a atu­a­ção da di­vi­são de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça da em­pre­sa bra­si­lei­ra.

A re­du­ção nos or­ça­men­tos de de­fe­sa após a Guer­ra Fria, em con­jun­ção com fa­to­res de na­tu­re­za tec­no­ló­gi­ca e de dou­tri­na mi­li­tar, im­pli­cou em sig­ni­fi­ca­ti­vas trans­for­ma­ções na or­ga­ni­za­ção da in­dús­tria de de­fe­sa em ní­vel mun­di­al. Foi du­ran­te es­se pe­rí­o­do que a Bo­eing se con­so­li­dou co­mo uma das mai­o­res em­pre­sas de de­fe­sa dos Es­ta­dos Uni­dos e do mun­do. Os ele­va­dos cus­tos en­vol­vi­dos no de­sen­vol­vi­men­to e pro­du­ção de no­vos ar­ma­men­tos, gra­da­ti­va­men­te mais com­ple­xos em ter­mos tec­no­ló­gi­cos, e as di­fi­cul­da­des em ga­ran­tir es­ca­la pro­du­ti­va a par­tir do mer­ca­do do­més­ti­co, im­pul­si­o­na­ram a in­ter­na­cio­na­li­za­ção da pro­du­ção de ar­ma­men­tos. Uma das prin­ci­pa­is con­se­quên­cias des­se pro­ces­so foi o agra­va­men­to das bar­rei­ras à en­tra­da de no­vos con­cor­ren­tes no mer­ca­do de de­fe­sa.

A des­pei­to des­sa con­fi­gu­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal, sob a qual tor­nou-se vir­tu­al­men­te inal­can­çá­vel o ob­je­ti­vo de pro­du­ção au­tár­qui­ca de ar­ma­men­tos, a mai­or par­te dos pro­du­to­res mar­gi­nais ao nú­cleo or­gâ­ni­co do sis­te­ma in­ter­na­ci­o­nal ten­de a en­fa­ti­zar ob­je­ti­vos de au­tos­su­fi­ci­ên­cia em re­la­ção ao de­sen­vol­vi­men­to e à pro­du­ção de ar­ma­men­tos. Os re­cen­tes do­cu­men­tos de De­fe­sa bra­si­lei­ros, cu­jas atu­a­li­za­ções fo­ram en­ca­mi­nha­das pa­ra a apre­cia­ção do Con­gres­so Na­ci­o­nal no fi­nal de 2016, elen­cam co­mo um de seus ob­je­ti­vos a pro­mo­ção da au­to­no­mia pro­du­ti­va e tec­no­ló­gi­ca na área de De­fe­sa.

A al­me­ja­da in­de­pen­dên­cia de pro­ve­do­res ex­ter­nos no âm­bi­to mi­li­tar ele­va­ria o grau de au­to­no­mia es­tra­té­gi­ca do pa­ís, en­ten­di­da co­mo con­di­ção pa­ra am­pli­ar a li­ber­da­de da de­ci­são po­lí­ti­ca in­de­pen­den­te de cons­tran­gi­men­tos im­pos­tos por Es­ta­dos mais po­de­ro­sos. Pe­lo re­co­nhe­ci­do know-how em pro­je­tos da área de tec­no­lo­gia mi­li­tar, bem co­mo pe­lo es­trei­to re­la­ci­o­na­men­to com as For­ças Ar­ma­das bra­si­lei­ras, o bra­ço de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça da Em­bra­er é par­te fun­da­men­tal na con­cep­ção e exe­cu­ção dos mei­os re­que­ri­dos pa­ra a ten­ta­ti­va de al­can­çar tal ob­je­ti­vo. Atu­al­men­te, a em­pre­sa par­ti­ci­pa em di­ver­sos pro­je­tos es­tra­té­gi­cos das For­ças Ar­ma­das do pa­ís, co­mo o Pro­sub – por meio de sua sub­si­di­á­ria Atech – e o SIS­FRON – por meio de sua sub­si­di­á­ria Sa­vis –, além de pro­je­tos re­la­ci­o­na­dos à FAB.

No âm­bi­to do pro­je­to FX-2, vol­ta­do pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to e aqui­si­ção de no­vos ca­ças mul­ti­pro­pó­si­to pa­ra a FAB, a Em­bra­er é a em­pre­sa lí­der na­ci­o­nal no acor­do jun­to à su­e­ca Sa­ab pa­ra o pro­je­to do Gri­pen. Além de im­por­tan­te ator no pro­ces­so de trans­fe­rên­cia de tec­no­lo­gia – que, den­tre ou­tros me­ca­nis­mos, tem se de­sen­vol­vi­do por meio do Cen­tro de Pro­je­tos e De­sen­vol­vi­men­to do Gri­pen, inau­gu­ra­do em 2016 –, tam­bém se­rá res­pon­sá­vel pe­lo de­sen­vol­vi­men­to com­ple­to da ver­são bi­pos­to da ae­ro­na­ve, em con­jun­to com a Sa­ab, com­par­ti­lhan­do com a em­pre­sa su­e­ca a de­sign au­tho­rity do Gri­pen E/F. Nes­se sen­ti­do, ca­be des­ta­car que a Bo­eing, por meio da pro­pos­ta do F-18 Su­per Hor­net, foi par­te der­ro­ta­da na con­cor­rên­cia pe­lo con­tra­to de aqui­si­ção de no­vos ca­ças pa­ra a FAB, o que le­va a ques­ti­o­na­men­tos acer­ca das po­ten­ci­ais con­se­quên­cias das ne­go­ci­a­ções en­tre Bo­eing e Em­bra­er so­bre as tec­no­lo­gi­as ob­ti­das no es­co­po da par­ce­ria com a Sa­ab, bem co­mo so­bre o fu­tu­ro do pro­gra­ma Gri­pen.

Des­sa for­ma, é pre­ci­so ter em men­te que, a de­pen­der dos ter­mos acer­ta­dos em uma pos­sí­vel ne­go­ci­a­ção, a aqui­si­ção da Em­bra­er pe­la Bo­eing po­de, no li­mi­te, re­pre­sen­tar a re­nún­cia do já de­bi­li­ta­do ob­je­ti­vo de au­to­no­mia tec­no­ló­gi­ca no se­tor in­dus­tri­al mi­li­tar. Se o atu­al go­ver­no de­ci­dir de mo­do fa­vo­rá­vel à aqui­si­ção – com ou sem a gol­den sha­re –, que não se­ja res­pal­da­do ex­clu­si­va­men­te pe­la fal­sa per­cep­ção da ide­o­lo­gia do mer­ca­do di­fun­di­da por al­guns co­men­ta­ris­tas, os qua­is, pre­sos aos be­ne­fí­ci­os co­mer­ci­ais da as­so­cia­ção en­tre as du­as em­pre­sas, per­dem de vis­ta su­as po­ten­ci­ais con­se­quên­cias po­lí­ti­cas. Du­ran­te ce­ri­mô­nia de al­mo­ço en­tre mem­bros do go­ver­no fe­de­ral e os ofi­ci­ais ge­ne­ra­is das For­ças Ar­ma­das, o Co­man­dan­te da Ae­ro­náu­ti­ca, Bri­ga­dei­ro Ni­val­do Ros­sa­to, pa­ra­fra­se­ou um co­nhe­ci­do tex­to de Na­po­le­ão Bo­na­par­te pa­ra afir­mar que “não há na­da mais pre­ci­o­so do que sa­ber de­ci­dir”. Fren­te ao ce­ná­rio que se avi­zi­nha, mais do que sa­ber de­ci­dir, ca­be ao go­ver­no a sen­sa­tez de com­pre­en­der a im­por­tân­cia de tam­bém po­der de­ci­dir.

 

(Jo­na­than de Arau­jo de As­sis, dou­to­ran­do no Pro­gra­ma de Pós-Gra­du­a­ção em Re­la­ções In­ter­na­cio­nais “San Ti­a­go Dan­tas” (Unesp – Uni­camp – PUC/SP) e pes­qui­sa­dor do Gru­po de Es­tu­dos de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça In­ter­na­ci­o­nal Gedes)

 

Comentários